Rosso di Montalcino, o pequeno brunello, vinho da sicília, foie gras e o maravilhoso presunto serrano pata negra

 “Tenha cuidado de confiar em uma pessoa que não gosta de vinho.” Karl Marx

IMG_20180415_140118577.jpg

Amigos, hoje o post será um mix de dois encontros diferentes porém com a ênfase no Rosso di Montalcino. Já tivemos dois posts no blog em que falamos sobre o estupendo brunello di montalcino e esse será um complemento desse mundo!

Cervejas

IMG_20180330_134119570.jpg

Colorado Outback Rye Light American Wheat

IMG_20180330_134128517.jpg

IMG_20180330_134330671.jpg

Amigos, falar da Colorado é sempre um motivo de grande alegria porque sempre me remete ao prazer que ela me proporciona! E hoje vamos falar de uma edição especial feita especialmente para o Outback. A idéia dessa cerveja é ser o representante líquido do seu famoso pão australiano. Ela é feita com água, Malte de Cevada, Malte de Trigo e Malte de Centeio, Açúcar Mascavo, Centeio e Lúpulo Australiano. É uma cerveja com bastante corpo e levemente adocicada apresentando um aroma agradável de pão!

IMG_20180414_154509043.jpg

Heilige Weissbier

IMG_20180414_154522288.jpg

IMG_20180414_161540524.jpg

Amigos, já tivemos a oportunidade aqui no blog de falarmos sobre outra representante dessa cervejaria e a avaliação continua a mesma: impecável. Tudo encontra-se perfeito nessa cerveja: bom corpo, aromática e final agradável e refrescante. Nota 10.

Semana Santa e o bacalhau à moda Nona

IMG_20180331_134104433.jpg

Farei apenas uma breve explanação sobre a semana santa em que tivemos o lendário bacalhau à moda Nona já comentado num post anterior. Mas como entradinha tivemos terrine de foie gras!

IMG-20180331-WA0031

IMG_20180331_135644427.jpg

Com toda certeza essa é uma das coisas mais gostosas que já tive o prazer de provar na minha vida!

IMG_20180331_145119975.jpg

Para harmonizar com esse prato eu escolhi um alvarinho português: Via Latina Alvarinho 2013

IMG_20180331_124017311_HDR.jpg

IMG_20180331_124021774.jpg

IMG_20180331_124026062.jpg

IMG_20180331_145600639.jpg

Vinho surpreendente principalmente pelo seu excelente custo benefício de apenas R$40. Bastante mineral porém redondo e com bom retrogosto. Acidez acentuada.

IMG_20180331_151127689.jpg

IMG-20180331-WA0020.jpg

Quinta D’amares loureiro alvarinho. Esse é um corte feito com as castas loureiro/alvarinho. No nariz há a presença forte de frutas cítricas e na boca ele aparenta ser menos encorpado do que o anterior porém com acidez menos acentuada.

IMG_20180331_152836817.jpg

Casa Ermelinda Freitas Terras do Pó branco 2015. Vinho da região de Setúbal que é um corte das castas 85% Fernão Pires e 15% Arinto. Vinho de cor amarelo esverdeado, frutado, com lembrança de frutas tropicais e cítricas. Boa acidez.

IMG-20180331-WA0024.jpg

O próximo é um vinho específico para harmonizar com pudim: Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal.

IMG-20180331-WA0026

IMG_20180331_155117359.jpg

Esse é um vinho feito com a uva moscatel de Setúbal possuindo cor acobreada partindo para o vermelho rubro. Rico e complexo, com aromas de mel e casca de laranja. Na boca é encorpado e doce revelando boa acidez que lhe confere frescura. Fim de boca persistente e muito prolongado.

IMG_20180331_161451446.jpg

Também aproveitamos a oportunidade para degustarmos um bom vinho do porto: Croft Fine Tawny Port.

IMG_20180331_165248906.jpg

Após a refeição tivemos a oportunidade ainda de degustarmos grandes vinhos. O primeiro deles é um pinot noir chileno da bodega que “derrubou um gigante” em nossa degustação passada: Montes Alpha.

IMG_20180331_165314333.jpg

IMG_20180331_165325015.jpg

Montes Alpha Pinot Noir 2016. Um grande vinho em que se percebe alta qualidade na sua produção. Uma pena porque na minha humilde opinião essa uva não se adaptou bem ao terroir chileno apresentando vinhos com uma acidez muito acentuada e desequilibrada! Mas vale a tentativa.

IMG_20180331_172504499.jpg

Errazuriz max reserva merlot 2015. Essa também é outra bodega chilena que dispensa apresentações. A Errazuriz com certeza desponta entre as melhores bodegas do chile! E esse vinho é uma pedra preciosa! Percebemos aromas de frutas tão vermelhas quanto o rubi que brilha: cerejas, ameixas, framboesas e amoras com um fundo herbáceo e de especiarias: cravo-da-índia e folhas de louro. Macio e suculento no paladar, por onde as mesmas frutas vermelhas do nariz desfilam com calma, prolongando o sabor no final de boca.

IMG_20180331_155950970.jpg

Por fim tivemos um duelo assustador: um grande cognac francês contra uma grande aguardente vínica portuguesa! Na minha humilde opinião não consegui encontrar um vencedor pois ambos são muito iguais! Hennessy Privilege V.S.O.P. versus CR&F Aguardente Velha Reserva.

Rosso di Montalcino, Presunto Serrano Pata Negra e Macarrão à Bolognesa

IMG_20180415_131823222.jpg

Presunto Serrano Pata Negra

jamon-iberico.jpg

Amigos, junto com o foie gras essa é outra iguaria bastante cara e por demais saborosa da qual tive o prazer de degustar. É interessante porque o porco utilizado realmente é diferente e de cor negra:

cerdo-ibérico.jpg

É uma iguaria que merece ser degustada pelo menos uma vez na vida já que custa tão caro. Uma peça de aproximadamente 9 kg não sai por menos de R$3000.

IMG_20180415_132028126.jpg

IMG_20180415_140118577.jpg

Castiglion del Bosco Rosso di Montalcino 2013. Amigos, já tivemos a oportunidade de falar sobre o melhor vinho tinto do mundo na minha opinião: o brunello di montalcino. Hoje iremos falar de uma versão mais simples porém bastante agradável: o Rosso di Montalcino. Conforme comentamos no post do brunello, ele é um vinho que precisa ser envelhecido por pelo menos 5 anos antes de ser vendido, o que torna seu preço bastante proibitivo como o caprilli de R$450 que provamos no post anterior. Já o Rosso di Montalcino (que também é feito de sangiovese grosso em Montalcino) não é requerido o envelhecimento por mais de ano, o que o faz ter menos madeira, menos tanino, menos corpo, menos fruta e também mais barato. No Brasil é possível compra-lo na faixa de R$200, o que é bem mais barato do que um Brunello. Por todas essas características, ele recebe o nome de pequeno brunello ou baby brunello.

IMG_20180415_140127336.jpg

A harmonização perfeita dá-se com um bom macarrão à bolognesa:

IMG_20180415_140141407.jpg

IMG_20180415_140929479.jpg

IMG_20180415_143222277.jpg

IMG_20180415_143235266.jpg

Provamo-lo também com um excelente vinho da Sicília: Mandorla Syrah Sicilia IGT 2014.

icon_107.gif

A Sicília atualmente é onde a Itália talvez mais se aproxime do Novo Mundo. Muitos produtores de talento têm elaborado ótimos vinhos com uvas internacionais, como Syrah, Chardonnay e Cabernet Sauvignon de excelente qualidade. O estilo é intenso, concentrado e explosivo, cheio de fruta, mas em geral, guardando um caráter italiano. Alguns destes vinhos receberam muitos prêmios e elogios nos últimos tempos. E esse vinho em específico apresenta aromas evidentes de violeta e groselha enriquecidas por notas de alcaçuz e pimenta preta. A boca está cheia e os taninos são bem equilibrado por um corpo redondo com um acabamento torrado e picante.

IMG_20180415_150937056.jpg

Por fim iremos mais uma vez volver à França meus amigos! Petits Detours Grenache 2016. Essa uva é a mesma que a cannonau do post anterior e ela é o ingrediente principal do famosíssimo Chateneuf du Pape.

IMG_20180415_150941709.jpg

IMG_20180415_150949216.jpg

IMG_20180415_151217411.jpg

Vinho estupendo, agradável, encorpado, taninos bem redondos, baixa acidez e bastante fruta! Nota 10.

Conclusão

Que combinação perfeita de aromas, sabores e agradável companhia!

Vinícola Góes em São Roque, Quinta do Olivardo e o maravilhoso Philosofia

 “A idade é melhor vista em quatro coisas: madeira velha para queimar, vinho velho para beber, velhos amigos para confiar e autores antigos para ler.” Francis Bacon

IMG-20180428-WA0138

Introdução

Amigos, hoje o post será um pouco diferente dos anteriores porque será nossa primeira visita a uma vinícola: a Góes. Falaremos um pouco sobre a visita e sobre seus bons vinhos incluindo sua prata da casa: o Philosofia. Falaremos também de um restaurante que é, em si próprio, um ponto turístico da cidade de São Roque: o Quinta do Olivardo!

Vinícola Góes

sr1.jpg

Para quem mora em São Paulo ou nos arredores não pode perder de fazer esse passeio para essa casa maravilhosa que fica localizada na cidade de São Roque. Apesar da maioria das pessoas terem como referência os vinhos da Góes como sendo aqueles de garrafão ou os ditos “suaves”, hoje vou mostrar aqui que a história contemporânea dessa vinícola fundada em 1938 é bem diferente!

IMG-20180428-WA0139

De início eu me senti muito bem recebido pela alta simpatia das atendentes do lugar. Há dois tipos de degustações diferentes que podem ser feitas lá: uma com vinhos inferiores e outra com vinhos “finos” no valor de apenas R$15. Há também uma opção de fazer essa degustação assistida com o sommelier da casa junto com o passeio pela fábrica por R$35. Escolhemos essa última e ficamos impressionados com a estrutura e qualidade dos vinhos.

IMG-20180428-WA0138

IMG-20180428-WA0148

O legal de fazer essa visita é que ela sai quase pelo preço da degustação simples já que você ganha uma taça de brinde que é vendida na loja por R$20. Tivemos uma aula rápida sobre a história da Góes e dos seus principais vinhos finos dela ministrada pelo Jaílson com algumas curiosidades sobre o vinho como a cortiça com que é feita as rolhas:

IMG-20180428-WA0124.jpg

É importante frisar que a Góes hoje se juntou com a Casa Venturini e também fabrica vinhos no Rio Grande do Sul. Como primeiro vinho da degustação tivemos um Chardonnay dessa mesma casa:

IMG-20180428-WA0136.jpg

IMG-20180428-WA0135

Chardonnay Reserva Casa Venturini

principal2_.png

IMG_20180428_120237736.jpg

Esse é um vinho premiado que possui um bom custo benefício. Minha humilde opinião é que ele é o mais fraco dentre os que tive a oportunidade de degustar se assemelhando um pouco com o Riesling da Almadén que revisei num post passado. Ele é agradável no paladar porém é pouco encorpado e sem muita personalidade sendo considerado levemente “aguado”. Mas é um excelente custo benefício e ideal para o início de um evento. Recomendo-o a todos!

IMG-20180428-WA0104.jpg

IMG-20180428-WA0130.jpg

IMG_20180428_125738168.jpg

O segundo vinho da degustação foi um rosé que me impressionou: Vinho Góes Tempos Pétalas Rosé Cabernet Franc 2017. Apesar de ser pouco encorpado como o Chardonnay, esse vinho possui aromas fortes de pêssego, de frutas tropicais e florais. Muito agradável e me surpreendeu pela qualidade!

IMG-20180428-WA0128

IMG-20180428-WA0103

IMG_20180428_130645534.jpg

Na sequência tivemos outro vinho que realmente me surpreendeu: Góes Tempos Mineres Syrah. Confesso que não estava esperando muita coisa deste mesmo sabendo que essa Syrah é plantada em Minas Gerais como o vinho que degustamos no post anterior. Fui surpreendido pelo forte aroma de ameixa e de frutas vermelhas. Um vinho agradável que possui taninos trabalhados porém com acidez acentuada. Uma revelação!

IMG-20180428-WA0131

Casa Venturini Tannat Reserva 2014

IMG-20180428-WA0087.jpg

IMG_20180428_131138885_HDR.jpg

O quarto vinho da degustação não me causou nenhum espanto visto que já esperava algo de qualidade vindo da Casa Venturini. Mas confesso que fiquei um pouco apreensivo devido à minha primeira experiência com essa uva. Mas essa apreensão foi em vão porque esse é um daqueles vinhos que todos os que duvidam que existem bons vinhos no Brasil precisam experimentar. Vinho agradável e com forte presença de aromas de frutas negras, taninos presentes como é de costume na tannat porém trabalhados. Acidez um pouco acentuada!

IMG-20180428-WA0088

IMG-20180428-WA0089.jpg

Saint Tropez Espumante Moscatel

IMG_20180428_132136818.jpg

Apesar de terem pecado servindo-o nessa taça, esse é um moscatel como todos os outros brasileiros. Perdoem-me pela ignorância porém tenho dificuldade de ver diferença entre produtores com esse tipo de vinho. Talvez seja porque o Brasil é o campeão e a qualidade deles é sempre alta!

IMG_20180428_133137277_HDR.jpg

IMG_20180428_133143658.jpg

IMG_20180428_133537545_HDR.jpg

IMG_20180428_133203848.jpg

IMG-20180428-WA0097

O penúltimo vinho da degustação foi o mais esperado por mim: Casa Venturini Merlot Reserva 2014. Assim como o tannat, esse também apresenta aromas fortes de frutas negras e vermelhas e aromas amadeirados. Possui taninos trabalhados e levemente arredondados porém peca no aspecto que quase todos os brasileiros possuem: acidez levemente acentuada!

IMG_20180428_133559815.jpg

IMG_20180428_133624703.jpg

O último vinho da rodada de degustações foi o Casa Venturini Vivere Brut. Como é de costume de todo espumante Brasileiro produzido no terroir gaúcho, esse é um bom exemplar. Perlage presente e agradável no paladar. No nariz deixou um pouco a desejar porque careceu de aromas clássicos como o de frutas cítricas, castanhas, amêndoas e nozes dos champagnes.

IMG-20180428-WA0200.jpg

IMG-20180428-WA0201 (1).jpg

A prata da casa não tinha disponível para degustação, apenas para venda: Philosophia Cabernet Franc Reserva 2016. Decidimos levar uma garrafa pelo preço de R$70.

IMG-20180428-WA0172.jpg

Gostaria de deixar meus elogios ao bom trabalho desempenhado pela equipe Góes. Parabéns aos seus funcionários pelo ótimo atendimento!

IMG-20180428-WA0094.jpg

Quinta do Olivardo

IMG-20180428-WA0161.jpg

Com toda certeza um dos pontos turísticos dessa amável pequena cidade é o restaurante Quinta do Olivardo. A sensação que temos ao entrarmos nele é que estamos em Portugal sendo embalados pelo Fado. Ele também produz seu vinho próprio inclusive com a participação dos clientes enterrando os vinhos. Seu Olivardo com certeza é uma pessoa de visão!

IMG_20180428_141521795.jpg

Trouxemos o philosofia para degustarmos nesse lugar. Já faz um certo tempo que tenho tido vontade de degustá-lo porque esse vinho já ganhou medalha de ouro em um concurso internacional sendo o primeiro vinho do sudeste do Brasil a conquistar esse feito. O problema é que como só foram fabricadas 5000 garrafas dele, ele acaba se tornando raro de encontrar para comprar. O que mais me chama a atenção é que ele é feito 100% com Cabernet Franc, que é uma uva muito utilizada em cortes como os Bordeaux por exemplo.

IMG-20180428-WA0069

Enquanto o vinho chega na temperatura ideal iremos pedir uma cerveja de trigo junto com uma entrada símbolo de Portugal: a alheira.

IMG_20180428_142345441.jpg

IMG_20180428_142438078.jpg

IMG-20180428-WA0073.jpg

IMG_20180428_142451644.jpg

Até agora fico lambendo os lábios quando me recordo do sabor desse prato. Estava tão macio que ela derretia na boca. A Baden Baden Weiss também deu aquele toque aveludado.

IMG_20180428_143523751.jpg

Como prato principal para acompanhar nosso vinho optamos pelo leitão à bairrada servido com arroz de brócolis.

IMG_20180428_144806020.jpg

IMG-20180428-WA0169.jpg

Que vinho! Bastante aromático com notas de chocolate e frutas negras e vermelhas. Taninos bem arredondados, álcool equilibrado e leve acidez: nota 10.

IMG-20180428-WA0064.jpg

Por último provamos um dos símbolos da casa: o pastel de Belém recém retirado do forno. Parabéns Seu Olivardo pelo lugar maravilhoso!

IMG_20180428_164400262.jpg

Conclusão

Que viagem maravilhosa e rica tanto de sabores, aromas e belezas visuais! Recomendo a todos conhecerem a vinícola Góes junto com seus vinhos “finos” e o restaurante da Quinta do Olivardo.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Áustria, Hungria, Brunello di Montalcino com Pinot Noir da Córsega e Risoto de Manga com Camarão e Paillard de Mignon

“Rezo para que você se apaixone por mim, porque eu sou mais falso do que as promessas feitas no vinho.” William Shakespeare

IMG_20180407_150505039.jpg

Introdução

Amigos, hoje no post falaremos sobre uma das minhas comidas preferidas: o risotto! Esse evento também é o nono encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o oitavo encontro, basta clicar aqui. Teremos também no post dois países inéditos aqui no blog: Áustria e Hungria e também falaremos novamente sobre o lendário Brunello di Montalcino que falamos no post anterior. Por fim falaremos da terra de Napoleão Bonaparte e de um pinot noir da Córsega!

Áustria e a Grüner-Veltliner

Gruner-Veltliner-wine-glass-with-grapes.jpg
Fonte: http://www.winefolly.com
Austria-Map-by-Wine-Folly1.png
Fonte: http://www.winefolly.com

Amigos, a Áustria muitas vezes não figura entre os países famosos no mundo do vinho, o que não significa que esse país não produza vinhos de excepcional qualidade! E com certeza a uva que simboliza esse país é a autóctona (praticamente só existe naquele país) Grüner-Veltliner. Essa uva tão exótica que lembra de longe uma Sauvignon Blanc. O nome dela é traduzido como o vinho verde de Veltlin, que era uma área nos alpes baixos durante os anos de 1600 que hoje é parte da Valtelina, Itália. É um vinho que apresenta aromas bastante frutados como a Lima e a Nectarina assim como toques de mel. Para iniciarmos nosso estudo nesse país tão especial iremos escolher um vinho dessa uva tão emblemática: weingut bründlemayer langenloiser grüner veltliner 2004.

IMG_20180407_111211185_HDR.jpg

IMG_20180407_111215218.jpg

IMG_20180407_111227538.jpg

Tokaj e a Hungria

tokaj-regiao-do-vinho-tokaji.png

Amigos, eu sei que quando pensamos em vinhos húngaros é inevitável nos lembrarmos do vinho de sobremesa tokaj. Esse é um vinho que pode chegar facilmente na casa dos R$5000. Mas meu objetivo hoje é mostrar que a Hungria não produz apenas bons vinhos de sobremesa como também temos vinhos brancos e tintos maravilhosos. Hoje iremos escolher um branco feito com a uva harsevelu: Ladiva Harsevelu Tokaj 2015.

IMG_20180407_111254721_HDR.jpg

IMG_20180407_111304437.jpg

Início do evento

Preciso tirar o chapéu para o Vitor, porque não apenas suas comidas são extremamente saborosas como sua criatividade é muitíssimo acima da média. Pela primeira vez tive a oportunidade de comer palmito pupunha fresco!

IMG-20180407-WA0012.jpg

Depois de um tempo na brasa com papel alumínio, é hora de temperarmos com sal, pimenta do reino e azeite antes de colocarmos diretamente ao fogo para “gratinarmos”.

IMG-20180407-WA0013.jpg

Gostaria de deixar uma dica que aprendi com o Vitor para dar um defumado especial: madeira de barril de whiskey.

IMG_20180407_140358889_HDR.jpg

IMG_20180407_140407513_HDR.jpg

IMG_20180407_140413317.jpg

Depois de o palmito pronto, é hora de escolhermos a harmonização ideal! Nossa escolha será pelo grüner veltliner austríaco.

IMG_20180407_141339741.jpg

IMG_20180407_141752298.jpg

IMG_20180407_142210445.jpg

IMG-20180408-WA0022

Como acompanhamento temos um molho de pesto.

IMG-20180408-WA0027

O palmito estava delicioso e muito suculento. Já o vinho eu confesso que não agradou muito meu paladar. Ele possui um aroma muito forte de mel de abelhas porém na boca ele se torna um pouco enjoativo e achei o álcool um pouco desequilibrado. Mas valeu pela experiência!

IMG_20180407_141908203_HDR.jpg

Também acompanhou bem essa entrada um vinho italiano da uva trebbiano. Fantini Farnese Trebbiano D’abruzzo.

IMG_20180407_141912015.jpg

IMG_20180407_141917880.jpg

Esse é um vinho que não é necessário qualquer tipo de conhecimento sofisticado sobre aromas para perceber a maçã muitíssimo presente nele! Delícia de vinho, bem frutado com acidez compatível!

IMG_20180407_143543380.jpg

IMG_20180407_150505039.jpg

O primeiro prato principal do Vitor é de arrebatar corações. O melhor risoto de camarão com manga que já tive a oportunidade de degustar. Tivemos também a oportunidade de prova-lo junto com o tokaj húngaro. Tokaji “S” Hárslevelü 2015 dry pajzos.

IMG-20180408-WA0011

Esse vinho já é o oposto do austríaco, apresentando boa mineralidade e álcool equilibrado. Harmonizou perfeitamente com o risoto!

IMG-20180408-WA0009.jpg

Nós também degustamos junto com ele um rosé maravilhoso já visto no post anterior que a Marcela escolheu: Pinta Negra Rosé 2016.

IMG_20180407_155818211.jpg

Se não bastasse o maravilhoso sabor do risoto de camarão com manga o Victor conseguiu se superar nesse paillard de filet mignon com limão! Ele também nos presenteou com um maravilhoso cabernet-sauvignon gran reserva: Haras de Pirque Hussonet Cabernet-Sauvignon 2015 Gran Reserva. Como já falei anteriormente aqui no blog, os melhores cabernet-sauvignon do mundo se encontram no Chile!

IMG-20180408-WA0015

Brunello di Montalcino

Devo estar no céu para ser tão abençoado assim. Na semana passada tínhamos degustado pela primeira vez um Brunello di Montalcino e ficamos simplesmente atônitos com aquela explosão de sabores achando que nada poderia melhorar pois já tínhamos alcançado o ápice, mas a vida é uma caixinha de surpresas!

IMG_20180407_155049670.jpg

Meus tios guardaram a prata da casa para o final. Tomamos um dos melhores (se não for o melhor) Brunello di Montalcino da atualidade da safra de 2011: Caprili Brunello di Montalcino 2011.

IMG-20180408-WA0016

IMG_20180407_155659152.jpg

IMG_20180407_155711577.jpg

IMG-20180408-WA0017

IMG-20180407-WA0016.jpg

Amigos, definitivamente eu mudei de opinião após esses dois grandes eventos. Retiro o que falei anteriormente sobre o primitivo di mandúria ser o melhor vinho do mundo. Ele se tornou o segundo melhor porque o primeiro realmente se tornou o brunello di montalcino! Uma pena saber que uma maravilha dessas custa tão caro. Esse Caprili é vendido no Brasil no valor de R$430.

IMG_20180407_165404422.jpg

Tivemos mais um Pinot Noir chileno de alta qualidade que o Victor nos presenteou: Casas del Toqur Pinot Noir Reserva 2015.

IMG-20180408-WA0007.jpg

E mais uma vez um pinot noir famosíssimo americano já citado tantas vezes anteriormente no blog: Redwood Creek Califórnia.

Pinot Noir da Córsega

corsega_quinta_22h.jpg

sardenha corsega

Amigos, pra quem não se recorda muito bem sobre a importância dessa ilha (além da beleza), basta lembrar que ela é a terra natal de Napoleão Bonaparte.

biografia-de-napoleao-bonaparte

Vamos falar sobre os vinhos desse lugar devido a um presente maravilhoso que eu ganhei de aniversário da Jéssyka e do Lucas: Barton & Guestier Pinot Noir Réserve 2016. Pela primeira vez degustaremos um vinho da Córsega!

IMG_20180414_153836148.jpg

IMG_20180414_153841173.jpg

IMG_20180414_153850483.jpg

IMG_20180414_164254453.jpg

Maravilhoso: complexo, estruturado e equilibrado como todo vinho francês. A sensação que tive foi de estar na Borgonha!

Conclusão

Amigos, quantas sensações diferentes e quantos países diferentes num único post! Agradeço de coração à Marcela e ao Victor pela degustação maravilhosa e aos meus tios pelo maravilhoso Brunello di Montalcino. Agradeço também à Jéssyka e ao Lucas pelo maravilhoso vinho de presente. Caso alguém queira conferir as opiniões sobre o truelo de pinot noir basta clicar aqui.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Terceiro B da Itália, Brunello di Montalcino e a Casa do Porco

“Eu preciso de café para ajudar a mudar as coisas que posso e vinho para me ajudar a aceitar as coisas que não posso mudar.” Tanya Masse

IMG_20180324_133915842.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será a continuação da série em que falamos sobre os 5 Bs da Itália. Nesse terceiro episódio falaremos sobre o Brunello di Montalcino, eleito por grandes entendedores como o melhor vinho da Itália ou até mesmo do mundo. Para degustar essa maravilha escolhemos ir a um lugar muito badalado em São Paulo não apenas por sua gastronomia mas também pela criatividade: A casa do porco do chef Jefferson Rueda. A escolha também foi baseada no embalo iniciado no post anterior sobre essa carne tão maravilhosa!

Les trois brasseurs

Amigos, quero deixar uma rápida citação aqui a uma grande cervejaria francesa que tive a oportunidade de ir em São Paulo: Les Trois Brasseurs.

3B_Logo_Final_FRE.png

IMG-20180315-WA0006.jpg

Lá eu tive a oportunidade de degustar excelentes cervejas da casa com o destaque da cerveja de trigo deles: a blanche.

IMG-20180315-WA0005.jpg

De segunda a quinta feira das 17h às 20h é possível pagar pela metade cada chopp e alguns deliciosos petiscos da casa. É realmente impressionante o custo benefício que temos nessa casa de tão alta qualidade. Não me recordo de um lugar mais em conta e com tão alta qualidade em que já estive!

IMG-20180315-WA0009.jpg

Brunello di Montalcino

Falar do Brunello é como falar de um monumento italiano em formato de bebida! É praticamente impossível não causar comoção quando entendedores de vinho escutam falar desse nome. E interessante é saber que esse fenômeno dos vinhos é relativamente recente pois o prestígio da marca só surgiu dos anos 1980 para cá. Mais do que isso, o conceito do Brunello foi criado apenas em meados do século XIX por Clementi Santi, um dos ancestrais da família Biondi Santi.

famiglia---clemente-santi_medium.jpg

Clementi, um farmacêutico de formação, começou a estudar mais cuidadosamente as variedades de uvas da Toscana e seus clones, assim como as técnicas de vinificação. Entre suas premiadas garrafas mundo afora estava o Vino Scelto (algo como “Vinho Escolhido”), de 1865, feito de um clone de Sangiovese Grosso, conhecido nos arredores de Montalcino como Brunello ou Brunellino, devido à cor escura dos bagos (brune significa marrom em italiano), cujos vinhos apresentavam uma extrema capacidade de guarda.

Sangiovese Grosso grape and vineyards, clone of Sangiovese, the grape to make the Brunello wine.jpg

Nos anos seguintes, ele teve enorme sucesso em concursos dentro e fora da Itália. E a partir daí sua família começou a perpetuar seus estudos com essa uva. Seu neto Ferruccio Clemente é reconhecido como o inventor da idéia do Brunello di Montalcino por ter apostado na idéia do avô e suas plantações de Sangiovese Grosso terem resistido à praga da Filoxera na região de Montalcino na Toscana.

image.jpg

Montalcino-01.jpg

A idéia por trás da criação do brunello é que ele precisa passar pelo menos por 2 anos em barris de carvalho e de, no mínimo, 4 meses na garrafa. O lançamento de cada um deles se dá, no mínimo, com 5 anos após a colheita. Devido a todo esse processo e ao seu grande potencial de guarda (mais de 20 anos), o brunello é considerado o vinho das elites (aqui no Brasil não se consegue comprar uma garrafa por menos de R$300). Mais uma vez gostaria de agradecer ao meu amigo Rafael Campos por ter me trazido uma garrafa da Itália. Essa custou 38 euros: Da Vinci Brunello di Montalcino 2012.

IMG_20180324_093255158.jpg

IMG_20180324_093322984.jpg

IMG_20180324_093343324.jpg

E para degustar esse colosso iremos escolher um lugar à altura: A casa do Porco do Chef Estrelado Jefferson Rueda.

A casa do porco

porco-jefferson.jpg

Amigos, esse lugar emociona tanto pela comida que dificilmente você sai dele sem ter tido uma experiência única na vida! O Chef Jefferson Rueda já ganhou 1 estrela Michellin quando comandava o restaurante Attimo.

attimo-jefferson-rueda-arnaldo-lorencato
Fonte: https://vejasp.abril.com.br

IMG-20180324-WA0065.jpg

O menu degustação é uma excelente opção para quem deseja conhecer bem o trabalho desse grande chef. E antes de degustarmos o vinho, o sommelier da casa sugeriu coloca-lo no decanter para “abri-lo” e enquanto isso provamos a cerveja horny pig da blondline feita especialmente para a casa do porco.

IMG_20180324_121122445.jpg

Minha única crítica à casa foi a ausência de um copo específico para a degustação dessa cerveja tão perfeita. Me recusei a degusta-la no copo americano e pedi uma taça de vinho no lugar. Cerveja bem lupulada e condimentada como é característico das IPAs.

IMG_20180324_121039618.jpg

IMG_20180324_121104407.jpg

IMG_20180324_121111952.jpg

IMG_20180324_125443279.jpg

IMG_20180324_125457227.jpg

IMG_20180324_121338060.jpg

O primeiro prato da degustação são dois tipos de presunto: um embutido de cabeça de porco e o presunto Rueda. O pão é feito na casa e vem acompanhado da mostarda em grãos com tucupi, picles em conserva, nabo e uma compota de cebola caramelizada com bacon.

IMG_20180324_123729079.jpg

IMG-20180324-WA0032.jpg

Logo após um tempo o vinho começou a abrir e começaram a aparecer os aromas característicos das frutas vermelhas. Na boca nada se acentuava, nem a acidez, nem os taninos nem o álcool, ele parecia uma seda! Que vinho maravilhoso!

IMG-20180324-WA0042.jpg

O segundo prato é o porcopoca = pururuca + abacate + algas marinhas. Também delicioso!

IMG_20180324_124132184.jpg

O terceiro prato foi o tartare de porco, que eu me arrisco a dizer que foi o tartare mais gostoso que eu já comi na vida!

IMG_20180324_124646518.jpg

O quarto é verdadeiramente um espanto: sushi de papada de porco + tucupi negro + nori. Delicioso e verdadeiramente tive a sensação de estar comendo comida japonesa sem perder o sabor da carne de porco!

IMG_20180324_125004757.jpg

IMG-20180324-WA0051

Na sequência temos a alface romana + arroz + costelinha de porco + algas

IMG_20180324_125621058.jpg

A sanguiça de sangue é talvez o prato mais exótico que nem todos curtem pois é feito diretamente com o sangue do porco. Eu amei!

IMG_20180324_130249830.jpg

IMG-20180324-WA0057.jpg

Temos também pão no vapor + barriga de porco + rabanete fermentado + agrião + molho agridoce.

IMG_20180324_131513780.jpg

Esse é uma reinvenção do virado à paulista: porco + feijão + banana + couve + linguiça + ovo de codorna. Perfeito!

IMG_20180324_131551486.jpg

Um amigo me falou que o torresmo deles é imbatível e eu realmente comprovei! O melhor que eu já provei na vida! Torresmo de pancetta + goiabada + picles de cebola roxa.

porcosanze.jpg

IMG_20180324_133915842

E finalmente o prato principal da degustação é o lendário Porco San Zé, que é um porco caipira feito inteiro na brasa com tutu de feijão, tartare de banana, farofa de cebola e couve. Divino!

IMG_20180324_140606950.jpg

E para terminar esse grande evento, tivemos a sobremesa Pudim de leite: Pudim + chantilli de caramelo + algodão doce.

Conclusão

Com toda certeza o brunello entrou para minha lista de melhores vinhos do mundo ao lado do primitivo di manduria do post anterior, mas é uma pena saber que não conseguirei degusta-lo mais uma vez no Brasil devido ao seu preço proibitivo, mas recomendo-o com empenho. O restaurante do chef Jefferson Rueda é caro mas vale cada centavo pago pois a experiência é única!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Pisco, Riesling Alemão, Leitão à Pururuca com feijão tropeiro e harmonização com vinhos

 “O vinho contenta o coração do homem e a alegria é a mãe de todas as virtudes.” Johann Wolfgang von Goethe

IMG_20180303_144141641.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post é mais do que especial pois é o meu aniversário de 30 anos e estaremos ensinando como fazer um dos meus pratos preferidos (leitão à pururuca) e ensinaremos como harmonizá-lo com vinhos. Também falaremos de um evento similar a este em que fizemos um pernil de porco que também ficou divino. Como o leitão é difícil de encontrar em açougues comuns, o mesmo procedimento pode ser feito com um porco comum.

Uva Macabeo

Começaremos falando de uma maneira muito breve sobre essa uva muitíssimo conhecida na Espanha.

macabeo.jpg

Se você é assíduo aqui no blog com certeza se lembrará que essa uva já foi citada aqui no post da cava, mas como estávamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline no Bravo Bistrô (post sobre o lugar) e decidimos escolher um vinho que harmonizasse com o prato em questão: lagostin a provençal, com risoto carnaroli, leite de coco e finalizado no abacaxi.

IMG_20180223_222402955.jpg

Ainda que seja bastante adaptável, a macabeo cresce em climas frios e tende a amadurecer antes que o resto das variedades. De acidez média, aporta secura e fineza ao cava junto com notas de suaves flores silvestres e amêndoas. Vinho de escolha: Algairen Macabeo.

IMG_20180223_214108628.jpg

IMG_20180223_214117049.jpg

IMG_20180223_214128281.jpg

Um vinho bastante simples que pode ser classificado como próprio para o dia-a-dia sem nenhuma característica muito marcante mas valeu pelo conhecimento!

Pernil de Porco com Riesling Alemão e Carmenère Lapostolle

De forma a tornarmos a explicação mais didática iremos dividir nosso post em duas partes. A primeira delas terá como tema o pernil de porco à pururuca e a segunda será sobre o leitão.

IMG_20180218_131012377_HDR.jpg

Como entrada teremos uma tábua de queijos trazidas da última viagem ao chile com um drink feito com pisco, limão, gelo e açúcar.

IMG_20180218_132601698.jpg

IMG_20180218_132011743.jpg

Para as pessoas que não sabem o que é pisco ele é uma bebida destilada do vinho com produção parecida com a do cognac sem passar pelo barril de carvalho com exceção dos añejos. Após o vinho pronto (link para o post) ele é destilado num alambique e seu resultado é essa famosa bebida peruana/chilena. Abaixo vou colocar um link para um vídeo muito curto e explicativo sobre seu processo de fabricação:

https://www.youtube.com/watch?v=6VvU9CsZrhw

IMG_20180218_140208590.jpg

A cerveja blue moon é perfeita para quem é fã de witbier, muitíssimo bem feita e de aromas complexos:

IMG_20180218_140357832.jpg

Falaremos na segunda parte sobre a receita do leitão à pururuca que é a mesma para o pernil. As batatas foram feitas apenas com azeite, alecrim, pimenta do reino e sal grosso postas para assar numa temperatura média de 180 graus e os aspargos foram assados com azeite e alho.

IMG_20180218_140527282.jpg

Como harmonização tivemos um duelo de gigantes para sabermos quem combina mais: um riesling alemão ou um carmenère chileno com receita francesa?

IMG_20180218_133651654.jpg

Kloster Heilsbruck 2009 Riesling é um vinho alemão feita com minha uva branca preferida: a Riesling. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo para essa uva e sobre a culinária alemã caso alguém tenha curiosidade (link), mas essa é a primeira vez que provaremos uma variedade produzida em solo germânico!

IMG_20180218_134132856.jpg

Vinho delicioso que nos pregou uma peça. Se vocês lembram, já tivemos duas experiências interessantes sobre o dulçor de um vinho. Na primeira achávamos que o gewürztraminer seria mais seco enquanto ele se revelou bastante doce (link), já na segunda pensávamos justamente que ele seria bem doce enquanto ele se revelou seco e mineral porém com aromas doces e frutados como a lichia (link). A questão é que a denominação Spätlese significa um vinho de colheita tardia indicando forte tendência ao dulçor conforme pudemos experimentar no post da Riesling da Alsácia. Porém esse vinho se mostrou seco e bem mineral apesar dos aromas frutados. Apresenta cor amarelo citrino de reflexos esverdeados e aromas de frutas cítricas e tropicais maduras, típicas notas minerais e florais, além de toques de frutos secos e de mel. No palato, é frutado, estruturado, tem bom volume de boca, acidez vibrante e final persistente e fresco.

IMG_20180218_140008398.jpg

Lapostolle Grand Selection Carmenère 2015. Esse foi a segunda opção para harmonizar com essa comida maravilhosa. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo sobre essa uva (link), então aqui iremos nos ater a essa vinícola tão única. Lapostolle é o mais francês dos produtores chilenos. A vinícola foi fundada pela francesa Alexandra Marnier e elabora vinhos tintos, brancos e rosés de grande classe e elegância, cuja inspiração são os melhores vinhos europeus. Com imenso prestígio, em poucos anos conseguiu aclamação da imprensa especializada, estabelecendo-se como um dos mais reputados nomes do vinho chileno. O assessor da vinícola é o famoso Michel Rolland, um dos mais célebres e influentes enólogos da atualidade. Com seus vinhos de estirpe e sua grande consistência qualitativa, a Lapostolle é, sem dúvida, um dos grandes nomes do vinho no Novo Mundo.

logo-lapostolle_lg.png

IMG_20180218_140011284.jpg

IMG_20180218_140019582.jpg

Os dois harmonizaram muito bem com o prato, mas dentre os dois a melhor opção foi pelo Riesling Alemão.

IMG_20180218_141146256.jpg

E por fim tivemos um licor português feito de uma fruta muito famosa no país: a Ginja.

IMG_20180218_165458179_HDR.jpg

Leitão à pururuca, pão de azeitonas e bolo de brigadeiro com vinho do porto

Amigos, o sabor do prato foi tão assombroso que eu decidi que iria fazer um leitão para o meu aniversário. Como entrada tizemos uma tábua de queijos com um pão feito com azeitonas. Para quem acompanhou o post da pizza vai perceber que a receita é bem similar. Tomemos 500g de farinha de trigo, uma colher rasa de sal e misturamo-los na batedeira enquanto colocamos um sachê de fermento para tirá-lo da dormência semelhante como fizemos para a pizza. Depois unimos cerca de 5 colheres de um bom azeite e o fermento para bater na batedeira (ou manualmente se for o caso):

IMG_20180303_081624244.jpg

IMG_20180303_082407768.jpg

Quando der o ponto da massa, iremos sová-la mais um pouco na mesa e abri-la com um rolinho:

IMG_20180303_083323383.jpg

IMG_20180303_083435218.jpg

Agora vamos colocar as azeitonas e um pouco de orégano antes de “enrolar” a massa:

IMG_20180303_083602253

IMG_20180303_083940281

Antes de colocar a massa para crescer iremos cobri-la com azeite para evitar o ressecamento dela:

IMG_20180303_084011614

IMG_20180303_084156058

Depois cobrimo-la com um paninho e deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e 30 minutos:

IMG_20180303_093743931

Depois levamo-la para um forno pré-aquecido a 180 graus Celsius e deixamo-la assando por cerca de 40 minutos:

IMG_20180303_093820427_HDR

Então o pão estará pronto

IMG_20180303_101641585_HDR

IMG_20180303_135608966

Dentre os queijos temos o Grana Padana Italiano, o Brie Francês, o Provolone e um Maasdam Holandês.

IMG-20180304-WA0042

Essas entradinhas mais uma vez foram embaladas pelo maravilhoso drink de pisco. Dessa vez utilizamos o comum e o añejo:

IMG-20180304-WA0064

Tivemos também um outro drink feito com Gin inglês e suco de cramberrie:

IMG_20180303_124532986_HDR.jpg

E uma rápida degustação de um dos melhores Rums do mundo: Havana Club.

IMG_20180303_124903935_HDR.jpg

IMG_20180303_124919515_HDR.jpg

IMG_20180303_125048587.jpg

Receita do Leitão

IMG_20180224_085423904.jpg

O ideal seria utilizarmos um leitão inteiro porém poucos fornos o cabem, então decidimos utilizar a metade de um:

IMG_20180224_085418892.jpg

Como o evento foi no sábado, quarta à noite eu coloquei o leitão na geladeira para que ele pudesse descongelar lentamente. Na noite de quinta feira o processo da marinada começou:

IMG_20180301_192847550.jpg

O primeiro segredo para que a carne pegue o sabor é fazer furos com a faca conforme fizemos com o gigot d’agneau (link). Então introduzimos em cada furo desses um raminho de tomilho, um de alecrim e bastante alho:

IMG_20180301_193229273.jpg

Azeite, pimenta do reino e vinho branco:

IMG_20180301_194510809.jpg

IMG_20180301_203247261.jpg

Titular colheita branco 2015 do Dão

IMG_20180301_203348360.jpg

IMG_20180301_203843538.jpg

Após a marinada preparada cobrimo-lo com papel filme e levamo-lo para a geladeira até a noite da sexta quando viramo-lo para que pegue bem a marinada do outro lado:

IMG_20180301_204337761.jpg

Na manhã de sábado tiramo-lo da geladeira:

IMG_20180303_094910739_HDR.jpg

O ideal para fazer um bom assado é possuir um bom forno que consiga uniformizar bem a temperatura por todo o cozimento:

IMG_20180303_105302767.jpg

Setamo-lo na temperatura de 180 graus enquanto preparamos o leitão para ele. Uma dica importante ensinada pela minha tia foi que, de forma ao assado não ficar mais tostado no fundo do que em cima, devemos fazer uma caminha com cebolas antes de assentarmos o leitão:

IMG_20180303_105550234.jpg

Depois de colocarmos sal nele todo, cobrimo-lo com papel alumínio e o levamos ao forno por cerca de 2 horas:

IMG_20180303_105928779_HDR.jpg

IMG_20180303_110134212.jpg

Após as duas horas iremos retirá-lo, adicionar sal grosso, um pouco mais de azeite e retorna-lo sem o papel alumínio na função de gratinar:

IMG_20180303_125334160.jpg

IMG_20180303_130814676.jpg

Enquanto ele gratina iremos preparar o feijão tropeiro. Esse que é praticamente patrimônio histórico dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Sua história nos remonta à época dos bandeirantes pois, desde o período colonial, o transporte das mais diversas mercadorias era feito por tropas a cavalo ou em lombos de burros. Os homens que guiavam esses animais eram chamados de tropeiros. Até a metade do século XX, eles cortavam ainda parte do estado de Minas Gerais, conduzindo gado. A alimentação dos tropeiros era constituída basicamente por toucinho, feijão, farinha, pimenta-do-reino, café, fubá e coité (um molho de vinagre com fruto cáustico espremido). Nos pousos, comiam feijão quase sem molho com pedaços de carne de sol e toucinho, que era servido com farofa e couve picada. Assim, o feijão, misturado à farinha de mandioca e a outros ingredientes, tornou-se um prato básico do cardápio desses homens, daí a origem do feijão tropeiro.

IMG_20180303_115719606_HDR.jpg

Mais um segredo aqui: a cebola não deve ser gratinada junto com o alho e depois colocado o bacon pois todos possuem tempo de cozimento diferente. O mais correto é colocar primeiro o bacon, depois a calabresa, depois a cebola e, por último, o alho:

IMG_20180303_131105448.jpg

IMG_20180303_131206087.jpg

Depois vão se adicionando os outros ingredientes como o feijão pré-cozido somente com sal, a couve e, por último, o ovo frito:

IMG_20180303_133338535.jpg

IMG_20180303_134122184.jpg

Houve um problema com o leitão porque o colocamos muito perto do grill então ele ficou mais escuro do que gostaríamos, mas o sabor ficou inigualável. Caso você faça na sua casa e a pele não pururuque o segredo é jogar um óleo bem quente por cima.

IMG_20180303_144141641

IMG_20180303_144339718.jpg

IMG_20180303_140135835_HDR.jpg

IMG_20180303_144423117_HDR.jpg

IMG-20180304-WA0004.jpg

O vinho de escolha foi um Carmenère Gran Reserva:

IMG_20180303_144543370.jpg

Viu Manent Gran Reserva Carménère 2015. Um vinho que possui nada menos do que a classificação 90 pontos Robert Parker e 88 pontos Wine Enthusiast. Permanece por 11 meses em barris de carvalho francês (80%) e americano (20%). De cor vermelho rubi profundo, este vinho possui aromas de cerejas, ameixas e erva-doce. Em boca apresenta deliciosos sabores menta e couro, que combinam perfeitamente com seus potentes taninos e conduzem a um longo de equilibrado final.

IMG_20180303_144547073.jpg

IMG_20180303_144553600_HDR.jpg

IMG_20180303_145439981.jpg

IMG_20180303_145445192.jpg

Harmonização perfeita!

IMG-20180304-WA0054.jpg

Tivemos também um corte espanhol de Garnacha, Syrah e Tempranillo maravilhoso. Esteban Martín D.O.P. Cariñena Crianza 2014.

IMG_20180303_172211134.jpg

Um tempranillo espanhol: Mesta tempranillo 2016.

IMG_20180303_172157441.jpg

Tivemos também duas cervejas de peso que combinaram perfeitamente com o prato.

IMG_20180303_100714640_HDR.jpg

Cerveja Heilige Barley Wine. Cerveja escura com corpo elevado, residual adocicado e teor alcoólico de 9%. Apresenta notas de envelhecimento e de frutas secas. Notas amadeiradas, caramelo, toffee, café, pão tostado e um final alcoólico que lembra vinho do porto.

IMG_20180303_100728845.jpg

IMG_20180303_100732669.jpg

IMG_20180303_100742094.jpg

A segunda é uma cervejaria que está se mostrando uma das minhas preferidas do Brasil: Leopoldina. Já comentamos sobre a versão wit dela no post anterior.

IMG_20180303_100800952.jpg

Leopoldina Weissbier

IMG_20180303_100804139.jpg

IMG_20180303_100811714.jpg

IMG_20180303_152942220.jpg

IMG-20180304-WA0005.jpg

Achei também que, para representar bem o estado do Pará do post anterior ficou faltando falarmos sobre a mais famosa cerveja feita lá: a Cerpa.

IMG_20180302_223136301.jpg

Essa é uma cerveja que não é puro malte porém é uma boa opção em relação às “cervejas de massa”

IMG_20180302_223144324.jpg

IMG_20180302_223153953.jpg

IMG-20180304-WA0067.jpg

Por último tivemos um bolo de brigadeiro com vinho do porto. Se existe alguma dúvida sobre qual vinho harmonizar com a sobremesa, a opção do vinho do porto sempre se mostra uma boa opção e um “lugar comum” quando se conhece pouco outras opções.

IMG_20180303_153738116.jpg

IMG-20180304-WA0010.jpg

IMG_20180303_155144497.jpg

Cockburns Fine Tawny Port

IMG-20180304-WA0014.jpg

Sandeman Porto Ruby

Conclusão

Obrigado mais uma vez aos meus tios por me proporcionarem uma festa tão bacana, não consigo acreditar uma festa melhor de 30 anos!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Tucupi e harmonização de comida paraense com vinhos

 “O vinho é como a encarnação: é divina e humana.” Paul Tillich

IMG_20180224_143051530.jpg

Introdução

Amigos, hoje teremos um post muito especial sendo uma homenagem aos meus amigos paraenses! Esse evento também é o oitavo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sétimo encontro, basta clicar aqui. Alerto que falaremos apenas um pouco dessa rica cultura gastronômica e, espero no futuro, falar mais sobre outros pratos típicos como o pirarucu, o açaí e o pato no tucupi por exemplo.

900px-Bandeira_do_Pará.svg

Tucupi

Amigos, é praticamente impossível falarmos sobre a rica culinária paraense sem falar desse ingrediente tão único e diferente que é o tucupi. Relembremos a famosa frase do nosso grande chef brasileiro Alex Atala:

28-04-2014_alex_atala_cred-_rubens_kato

“A primeira vez que eu comi caviar me pareceu algo muito estranho e único, mas quando eu provei tucupi pela primeira vez também tive a mesma sensação! Se o caviar é considerado algo chique e o tucupi não o é, isso se dá porque alguém me disse isso. Existe uma interpretação cultural sobre o que são os aromas e sabores!” (Alex Atala)

O tucupi é um caldo feito com a mandioca brava ralada e espremida no tipiti, que é um espremedor feito de palha trançada.

VO_161460_2_lzn.jpg

Depois da mandioca ralada e espremida no tipiti resta-se o caldo, a goma e a farinha. Esse caldo não pode ainda ser utilizado porque a mandioca brava contém alto teor de ácido cianídrico, então ele é cozido e depois deixado para fermentar por cerca de 3 a 5 dias. Abaixo vou deixar um vídeo muito legal e curto mostrando como é feito o tucupi:

https://www.youtube.com/watch?v=wG5Z1VGF_ZU

Ele é o ingrediente principal do prato mais consumido da região norte do Brasil: o Tacacá.

e3c2dc2849e1a3395b1302d49a316966.jpg

Evento e harmonização

Essa oportunidade de poder provar essas iguarias paraenses nos foi dada pelos nossos queridos amigos Jéssyka e Lucas que conhecem tão bem dessa rica cultura. A Jéssyka é uma paraense da gema enquanto o Lucas é paulistano porém morou boa parte de sua vida nesse estado tão maravilhoso!

IMG_20180224_133510561.jpg

Como entrada tivemos a famosa farofa de casquinha de caranguejo com tapioca

IMG_20180224_133522761.jpg

IMG_20180224_133856598.jpg

IMG_20180224_133859911.jpg

Para harmonizar com esse prato o Nelson escolheu um vinho Rosé brasileiro de Espírito Santo do Pinhal, interior do estado de São Paulo! Guaspari Rosé 2016

IMG_20180224_134045791.jpg

IMG_20180224_134051623.jpg

IMG_20180224_134059556.jpg

Mais uma vez o Brasil nos surpreendendo com vinhos de altíssima qualidade. Não me lembro de ter tomado um rosé mais gostoso do que esse em toda minha vida! Vinho altamente aromático porém jovem e com pouca complexidade. Perfeito porém com preço proibitivo: cerca de R$100. Recomendo com empenho!

IMG_20180224_134252121.jpg

Enquanto nos era explicado o prato principal fomos embalados pelos ritmos paraenses do carimbó e do tecnobrega, tendo Pinduca e sua garota do tacacá como destaque:

https://www.youtube.com/watch?v=0zjFAC7mwdQ

Como prato principal tivemos arroz paraense (arroz fervido com caldo de tucupi misturado com camarão e jambú) com filhote na brasa. O filhote é um peixe de rio muito apreciado na região norte do Brasil.

005_-__1.JPG

IMG_20180224_141354963.jpg

IMG-20180225-WA0003.jpg

IMG-20180224-WA0010.jpg

A harmonização com pratos à base de tucupi é bastante complicada porque poucos tipos de vinho combinam com esse sabor tão exótico, nos deixando quase que somente com expumantes do tipo Brut ou Extra-Brut. O primeiro que utilizamos foi um dos melhores que eu já provei em toda minha vida: o chileno Viñamar Extra-Brut. Espumante dotado de bastante formação de bolhas (perlage).

IMG_20180224_142608441.jpg

IMG_20180224_143014722.jpg

IMG-20180225-WA0016

IMG_20180224_143051530.jpg

Harmonização perfeita! Provamos também com outro gigante dos espumantes: Casa Valduga Rosé Brut.

IMG_20180224_130830030.jpg

IMG_20180224_130835678.jpg

IMG_20180224_130845570.jpg

IMG_20180224_150838211.jpg

Provamos também outro espumante da Salton que se mostrou uma boa opção porém com qualidade um pouco inferior a esses dois apresentando pouca formação de perlage:

IMG_20180224_131135166_HDR.jpg

Salton Évidence Brut

IMG_20180224_131139854_HDR.jpg

IMG_20180224_131149290_HDR.jpg

IMG_20180224_153628989.jpg

IMG-20180224-WA0013.jpg

Provamos também uma cerveja de trigo que a Marcela trouxe que caiu muito bem também com o prato em destaque:

IMG-20180225-WA0022.jpg

Mas o mais legal foi provar a cachaça paraense meu garoto feita com jambú que adormece a boca:

IMG-20180225-WA0026.jpg

IMG-20180225-WA0027.jpg

E para terminarmos nosso evento tivemos o lendário sorvete de castanha do Pará com cupuaçu da Cairu:

logo25032015.png

A sorveteria Cairu é lendária no estado do Pará, é quase que um patrimônio histórico da cidade!

IMG_20180224_152525724.jpg

IMG_20180224_152922386.jpg

Conclusão

Fiquei com muita vontade de conhecer a cidade de Belém depois desse evento tão maravilhoso! Um agradecimento especial à Jéssyka e ao Lucas por tudo e um abraço carinhoso a todos os meus amigos do Pará. Viva o Pará e sua culinária!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

O pão líquido, hidromel e receita de pizza com harmonização

“Tenhamos vinho e mulheres, alegria e riso, sermões e água mineralizada no dia seguinte.” Lord Byron

IMG_20180106_215506193.jpg

Introdução

Amigos, sei que já falei sobre como fazer pizza num post anterior porém percebi algumas falhas na receita e decidi refazê-la usando a mesma receita de grandes pizzarias. Vamos comentar um pouco também sobre a idéia do pão líquido, hidromel e sobre boas harmonizações com vinhos.

Cervejas

Vamos iniciar nosso post falando sobre a cerveja que deu início a essa idéia do pão líquido. Inclusive a receita da pizza que mostraremos é bem similar àquela utilizada para fazer pães, mudando apenas a dosagem de alguns ingredientes. Abaixo segue a foto de um pão que fiz com ela:

IMG-20180116-WA0023.jpeg

Essa brincadeira de comparar bebida alcóolica com comida já rendeu até mesmo frases por demais caricatas como a do nosso ex-presidente Jânio Quadros:

Jânio Quadros.jpeg

Certa vez, um jornalista lhe perguntou: “Mas presidente, porque bebes tanto?” E o professor de gramática assim disse:

“Ora, bebo-o porque é líquido, se sólido fosse, comê-lo-ia.”

Mas afinal, de onde vem essa história de comparar a cerveja com pão? Bem, deixe-me apresentar-lhes a Paulaner Salvator:

IMG_20180117_125901145.jpg

IMG_20180117_125910354.jpg

IMG_20180117_125935020.jpg

IMG_20180117_125943046.jpg

Vou deixar abaixo o link para o vídeo do youtube que conta um pouco da história da Paulaner e essa ligação com o uso da expressão do pão líquido:

https://www.youtube.com/watch?v=KgwSRxICui0

Basicamente o que aconteceu é que os monges Paulaner faziam parte de uma ordem católica muito rígida que os proibia de comer qualquer alimento sólido durante a quaresma, então eles tiveram a brilhante idéia de fazer sua própria cerveja que era bastante encorpada e fiel à máxima: “pão líquido não quebrará o jejum”. O problema era que, conforme falei anteriormente no post sobre a melhor cerveja do mundo, os mosteiros medievais não possuíam qualquer pensamento capitalista de ganhar dinheiro com essa fabricação de cerveja. O que muitas vezes eles faziam era oferecer cerveja aos pobres como forma de esmola, o que causou fúria das cervejarias seculares que perdiam dinheiro com isso. Eles escreveram uma carta para as autoridades municipais de Munique que obrigaram o mosteiro a criar sua própria cervejaria e era assim que nascia a Paulaner com sua primeira cerveja: Paulaner Salvator, uma Doppelbock.

IMG_20180117_130048308.jpg

Essa é uma cerveja que possui aromas clássicos de caramelo, café, chocolate e bastante encorpada. Vale a pena conhecer!

IMG_20180117_130111516.jpg

Vou comentar um pouco agora de um lugar excelente que estive aqui em São Paulo no bairro de Pinheiros: Empório Alto de Pinheiros. Um lugar para amantes de cerveja que possui mais de 500 rótulos de cerveja e 33 chopes de todos os lugares do mundo! Foi lá onde encontrei a famosa Coruja Viva.

IMG_20180127_165653133.jpg

IMG_20180127_174221671.jpg

IMG_20180127_174233178.jpg

Assim como a extra viva do post anterior ela não passa pelo processo de pasteurização e precisa sempre ser conservada gelada. Cerveja deliciosa com sabor de fresca e bastante encorpada. No nariz ela apresenta muito lúpulo o que me fez pensar que se tratava de uma cerveja de alto amargor como uma IPA, mas na boca apresenta amargor ideal para uma lager!

IMG_20180127_165736730.jpg

IMG_20180127_170410365.jpg

A última bebida da sequência é um hidromel. Para quem não sabe do que se trata é uma bebida fermentada do mel que fez bastante sucesso na idade média. Muito apreciada desde a antiguidade, passando pela Grécia Antiga, Roma Antiga, Leste europeu, francos, eslavos, anglo-saxões, celtas, saxões, vikings etc. Entre os vikings era tão apreciada que a própria Mitologia Nórdica explicava seu surgimento e sua preciosidade. Também era conhecido o consumo de uma bebida similar pelos maias.

IMG_20180127_180905456_HDR.jpg

Na Irlanda, existia a tradição de que os casais recém-casados deveriam consumir esta bebida durante o primeiro ciclo lunar (ou mês) após o casamento. Daí surgiu a tradição atual da lua de mel.

IMG_20180127_180913109_HDR.jpg

A sensação é a mesma de estar tomando um vinho branco com alguns aromas um pouco diferentes. Se ele for suave o sabor é levemente adocicado.

IMG_20180127_180923676_HDR.jpg

IMG_20180127_181452270.jpg

Receita de Pizza

Amigos, a primeira coisa que precisamos para começar a fazer nossa receita é uma bancada bem limpa e seca:

IMG_20180106_185227334.jpg

Apesar da receita também poder ser feita sovando a massa com a mão conforme fizemos anteriormente, nada melhor do que usar uma batedeira planetária para fazer o serviço. É sensacional como a massa fica bem mais uniforme e você bem menos cansado.

IMG_20180106_185442148.jpg

Essa receita possui alguns segredos embora o principal deles seja o ingrediente principal: a farinha de trigo. Embora essa receita possa ser feita com qualquer tipo de farinha de trigo, usaremos aqui a farinha mais famosa do mundo e utilizada pelas grandes pizzarias: a Caputo. Usaremos também a sua forma mais fina: a 00. Eu nunca vi para vender em supermercados, mas acha-se fácil pela internet com o preço médio de 11 reais por pacote de 1kg.

IMG_20180106_185534163_HDR.jpg

Usaremos 1kg para essa receita e 1 colher de sopa rasa de sal. Caso a receita fosse de pão usaríamos 0,5kg.

IMG_20180106_185922017_HDR.jpg

Enquanto colocamos o fermento para crescer vamos ligar a batedeira na menor velocidade e deixá-la por aproximadamente 30 segundos misturando o sal com a farinha. Esse ponto é muito importante porque o sal não pode entrar diretamente em contato com o fermento sob o risco de matá-lo. Enquanto isso vamos tirar o fermento da sua dormência.

IMG_20180106_190304779.jpg

A dosagem recomendada é de 20g para pizzas e 10g para pães. Usaremos 1 a 2 colheres de sopa de açúcar para “alimentar” as leveduras:

IMG_20180106_190450126.jpg

Usaremos cerca de 350ml de água morna. Muito importante: se a água estiver quente demais ela irá matar as leveduras, logo ela precisa estar na temperatura de comida de bebê. Sinta-a na pele antes de colocar na levedura.

IMG_20180106_190835170.jpg

Agora vamos deixar a levedura crescer por cerca de 5-10 minutos.

IMG_20180106_191944266.jpg

Outro segredo: utilize um bom azeite italiano

IMG_20180106_190905450.jpg

Use aproximadamente 3-5 colheres de azeite e acrescente o fermento junto com a farinha.

IMG_20180106_190915392.jpg

IMG_20180106_191015080.jpg

IMG_20180106_192108796.jpg

Deixe bater por uns 2 minutos em velocidade média e depois por mais 5 minutos em velocidade alta. Acertar o ponto aqui é por tentativa e erro. Se a massa estiver muito molhada ela não se soltará da tigela e se ela estiver muito seca não se unirá num bolo uniforme, por isso é necessário acompanhar e acrescentar água morna ou mais farinha se for o caso.

IMG_20180106_193151754.jpg

Com essa quantidade de ingredientes é possível fazer 4 pizzas, logo iremos cortar em 4 e armazená-los no freezer em sacos hermeticamente fechados.

IMG_20180106_193203576.jpg

IMG_20180106_193256928_HDR.jpg

IMG_20180106_193331986.jpg

IMG_20180106_193403954.jpg

Toda vez que formos utilizar uma massa dessas basta tirar do freezer com algumas horas de antecedência e proceder da mesma maneira que faremos agora. Untamos a tigela com um pouco de azeite.

IMG_20180106_193639791.jpg

Sovamos um pouco a massa com as mãos e fazemos dela um formato de bolinha. Deixamos para descansar cobrindo a “casca” com o azeite para ela não ficar ressecada.

IMG_20180106_193733926.jpg

Deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e meia

IMG_20180106_193835912.jpg

IMG_20180106_193902590_HDR.jpg

Após esse tempo a massa terá quase que dobrado de tamanho

IMG_20180106_210249916.jpg

A partir de agora ela já pode ser utilizada para fazermos a pizza, mas para deixa-la numa consistência ainda melhor vamos murchá-la e sová-la mais uma vez deixando-a descansar por mais uma hora.

IMG_20180106_210400143.jpg

IMG_20180106_210417172.jpg

IMG_20180106_210555385.jpg

A melhor maneira de fazer essa pizza é com um forno a lenha, o que fará com que ela fique praticamente idêntica a qualquer dessas pizzarias, mas se você não possui esse tipo de forno algumas soluções podem ser utilizadas. A primeira delas é usar uma pedra e uma pá de madeira como mostrei no post anterior:

img_20161125_212039755

Essa solução é um pouco complexa porque há o risco da pizza não escorregar direito e sujar tudo. Portanto uma solução prática e exequível é o uso de uma forma convencional com furinhos:

IMG_20180106_211658496_HDR.jpg

Mais um ponto importante aqui: não abra a massa com um rolinho. O segredo é abrir a massa com as mãos como vemos os pizzaiolos fazerem nas pizzarias.

IMG_20180106_213819905.jpg

Utilize o molho de tomate de sua preferência e depois salpique orégano

IMG_20180106_213839269.jpg

IMG_20180106_214104827.jpg

Escolha o sabor de sua pizza. Escolhi atum sólido porque é o sabor que mais gosto.

IMG_20180106_214138602.jpg

Regue com um fio de azeite por cima e a pizza estará pronta para ir ao forno.

IMG_20180106_214601298.jpg

IMG_20180106_214638224.jpg

Aqui vai a última dica e talvez seja a mais importante: o segredo para ter uma pizza macia e não dura que nem uma pedra é a temperatura do forno e o tempo. Num forno de pizza tradicional a lenha a temperatura interna chega perto dos 500 graus, então o tempo da pizza é de apenas 90 segundos. Num forno tradicional dificilmente passa-se de 280 graus. O segredo é deixar o forno no máximo por pelo menos 20 minutos, colocar a pizza e contar 6 minutos rigorosos de relógio. Após isso a pizza estará pronta para ser partida e servida. Uma tábua de corte ajuda.

IMG_20180106_215506193.jpg

IMG_20180106_215633987.jpg

Harmonização

Não existe uma harmonização única com pizzas, pois ela vai depender do sabor dela. No post anterior usamos um Merlot que harmonizou bem com quatro queijos, então como estamos usando atum, uma boa harmonização é um vinho com baixíssimo nível de taninos, como um rosé, por exemplo. Minha escolha será por um vinho francês muito famoso e relativamente barato: Beaujolais Villages Louis Latour 2015.

IMG_20180121_162701538.jpg

IMG_20180121_162707636.jpg

Esse vinho é feito com a uva gamay que, possivelmente, é a uva tinta menos tânica que existe (até menos do que o pinot noir). Cerca de 75% desse tipo de vinho é feito na região de Beaujolais na França.

IMG_20180121_162718518.jpg

Existem três tipos diferentes de Beaujolais: Beaujolais Nouveau (baixa qualidade equivalente ao reservado), Beajolais Villages (média qualidade equivalente ao reserva) e o Beaujolais Cru (alta qualidade equivalente ao Gran Reserva). De um modo geral eles não são vinhos de guarda e são melhores quando consumidos cedo. Como é um vinho Francês normalmente são complexos e estruturados não apresentando aromas fortes de frutas como os vinhos do novo mundo. Percebemos um pouco de terra, aromas florais, especiarias e um pouco de fruta.

IMG_20180121_172947747.jpg

Um outro vinho que também pode ser usado como harmonização é o italiano Valpolicella. Também dotado de baixa tanicidade ele é estranho quando se experimenta pela primeira vez pois não apresenta quase nenhum aroma de frutas e sim de terra e vegetais. Bolla Valpolicella 2016.

IMG_20180204_121348522.jpg

IMG_20180204_121352761.jpg

IMG_20180204_121401316.jpg

IMG_20180204_150419816.jpg

Conclusão

Depois que aprendi a fazer pizza em casa nunca mais comprei de nenhuma pizzaria pois é muito mais barato e fica perfeito. Caso você possua um forno a lenha ficará praticamente igual. Experimente também várias harmonizações diferentes e depois as compartilhe conosco e com os amigos!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Duelo de Malbec Francês-Argentino, Fuller’s Vintage Ale e Receita de Hambúrguer Artesanal

 “O vinho torna tudo possível.” George R. R. Martin

IMG_20171222_210234337.jpg

Introdução

Amigos, hoje o tema do nosso blog será hambúrguer artesanal. Já tivemos anteriormente um post exclusivo sobre hambúrguer onde contamos a história desse prato tão famoso mas hoje o objetivo será ensinar como é fácil preparar esse prato na sua residência que fica tão bom ou melhor do que qualquer boa hamburgueria. Teremos também o aguardado duelo entre dois vinhos malbec: um argentino e um francês.

Cervejas

A primeira cerveja que eu falarei hoje é simplesmente uma das melhores que eu já tive a oportunidade de comentar aqui no blog: Fuller’s Vintage Ale 2015. Nós sabemos sem qualquer sombra de dúvida que é praticamente impossível tecer uma lista das melhores cervejarias do mundo sem incluir nela a Fuller’s e hoje vamos ter a oportunidade de degustar a linha premium dela de maltes safrados. Ou seja, essa é o Dom Perignon das cervejas!

IMG_20180110_144912884.jpg

A caixa em si já é um produto agradável aos olhos!

IMG_20180110_144916538.jpg

IMG_20180110_144928702.jpg

IMG_20180110_144935637.jpg

Essa cerveja é do estilo Old Ale (maltes envelhecidos) e possui um leve informativo de todas as versões produzidas até o presente ano com explicações das diferenças entre elas!

IMG_20180110_145312083.jpg

IMG_20180110_145322240.jpg

IMG_20180110_145048380.jpg

IMG_20180110_145101146.jpg

Outro ponto interessante é que ela não possui 600ml como é costume nas garrafas de cervejas, mas sim 500ml.

IMG_20180110_145129111.jpg

IMG_20180110_145133334.jpg

IMG_20180110_145147787.jpg

IMG_20180110_145152495.jpg

IMG_20180110_161834314.jpg

IMG_20180110_162134952.jpg

O meu review para essa cerveja é o seguinte: enquanto a Duchesse de Bourgogne é uma cerveja com sabor de vinho, a Fuller’s Vintage Ale é uma cerveja com sabor de Cognac. Possui aquele sabor de caramelo muito agradável com aquele corpo característico. No retrogosto temos aquele sabor cremoso de baunilha e no nariz perceberemos frutas vermelhas e cítricas junto com o caramelo. Nota 10!

IMG_20171231_154243954.jpg

IMG_20171231_154305958.jpg

Apesar de já termos falado várias vezes aqui no blog sobre a Schornstein, essa é a primeira vez que falaremos sobre a versão Pilsen dela.

IMG_20171231_155851009.jpg

De um modo geral ela é mal avaliada nos fóruns de cervejas pela internet mas acredito que seja pelo fato de possuir pouco lúpulo e aromas florais. Quem é muito fã de cervejas com alto nível de amargor como as IPAs vai ficar decepcionado com ela. Porém a falta do lúpulo é altamente compensada com o sabor do malte. Eu adorei essa cerveja porque consegui sentir o sabor muito pronunciado da cevada devido ao seu alto corpo. Recomendo com empenho!

IMG_20170910_152604920.jpg

Essa terceira cerveja foi muito recomendada pelo meu amigo Márcio Barros: Coruja Extra-Viva. O problema é que, como ela não passa pelo processo de pasteurização, ela não pode perder a refrigeração senão estraga rapidamente devendo ser sempre guardada em geladeira. A comparação dela com uma cerveja de supermercado é igual a comparar uma massa fresca com uma massa seca comprada num supermercado. Isso também dificulta bastante o seu comércio. Mas por um acaso fui degustar um delicioso hambúrguer que é um blend de Angus com Wagyu no Menca Búrguer e finalmente a encontrei!

IMG_20170910_152549748.jpg

IMG_20170910_152555948.jpg

IMG_20170910_152522565_HDR.jpg

IMG_20170910_152657743.jpg

Com toda certeza essa foi uma das melhores bebidas que já tive o prazer de degustar em toda minha vida. Aromas característicos de malte devido ao seu alto corpo junto com especiarias e levemente cítricos. Harmonizou muito bem com o Hambúrguer de Angus com Wagyu!

IMG_20170910_153930135_HDR.jpg

IMG_20170910_153948098.jpg

As pessoas às vezes me perguntam se existe diferença no sabor da carne de diferentes espécies de boi. No futuro faremos um post comparando cada uma delas, mas é impressionante a diferença de sabor devido ao alto marmoreio da carne de Wagyu e ao médio da carne de Angus.

Receita de Hambúrguer Artesanal

Amigos, o que não falta na internet é receita de hambúrguer e diferentes blends. Nós iremos partir do canônico, do mais utilizado inclusive nas grande hamburguerias. Dependendo de cada receita, o percentual reservado à quantidade de gordura irá variar. Mas nós usaremos uma média de 20%. Nosso blend consistirá de 70-80% de Fraldinha magra a 20-30% de Bacon.

IMG_20171222_104335123.jpg

Depois iremos temperar nosso blend com sal e pimenta do reino moída na hora:

IMG_20171222_190024778.jpg

Enquanto nossa carne descansa iremos preparar o bacon a ser utilizado na frigideira de forma a ficar crocante:

IMG_20171222_194042797.jpg

IMG_20171222_194229240.jpg

Reservamo-los enquanto preparamos a cebola caramelizada:

IMG_20171222_195455828.jpg

Vamos usar a gordura de um bacon bem picadinho antes de reservarmos:

IMG_20171222_195534986.jpg

IMG_20171222_195622231.jpg

IMG_20171222_200025062.jpg

Vamos dourar as cebolas picadas nessa gordura do bacon:

IMG_20171222_200247734.jpg

Depois de levemente douradas iremos acrescentar 1 a 2 colheres de açúcar mascavo:

IMG_20171222_200350677.jpg

IMG_20171222_201223655.jpg

E depois iremos acrescentar vinagre balsâmico:

IMG_20171222_201505857.jpg

Trazemos de volta o bacon utilizado no início e depois reservamos essa cebola.

IMG_20171222_201746827.jpg

IMG_20171222_201806104.jpg

Para montarmos o hambúrguer podemos fazer na mão ou com o auxílio de um aro ou forma:

IMG_20171222_201614707.jpg

IMG_20171222_202019822.jpg

Em casa você pode prepará-los de várias maneiras: na grelha, na frigideira, etc. Preferimos fazê-los na churrasqueira para termos aquele sabor defumado!

IMG_20171222_202127522.jpg

Após o hambúrguer começar a “sangrar” é hora de colocar o queijo cheddar e o bacon já reservado outrora:

IMG_20171222_204411821.jpg

IMG_20171222_204558674.jpg

IMG_20171222_204730311.jpg

Depois iremos abafá-los para manter o sabor defumado:

IMG_20171222_204756078.jpg

Existem vários tipos de pães que podem ser usados, mas indubitavelmente eu gosto bastante do pão de brioche:

IMG_20171222_190529894.jpg

Devemos selá-los antes de utilizarmos:

IMG_20171222_205005843.jpg

Logo após procederemos com a montagem:

IMG_20171222_205342706.jpg

IMG_20171222_205458946.jpg

Como acompanhamento pode ser utilizado fritas:

IMG_20171222_205659615.jpg

Conforme falamos no post anterior, o acompanhamento perfeito para esse hambúrguer é um vinho com a uva Malbec. E, conforme prometido anteriormente, faremos hoje um duelo entre um Malbec da Argentina e um malbec da França. Do lado Argentino iremos utilizar a linha premium da bodega Nieto Senetiner citada desde nosso primeiro post sobre essa uva:

IMG_20171222_200858327.jpg

Nieto Senetiner Malbec D.O.C. 2013

IMG_20171222_200905137.jpg

IMG_20171222_200929567.jpg

Do lado Francês temos o vinho já citado anteriormente aqui no blog: Domaine les Barthes 2015 Malbec.

IMG_20171222_202651155.jpg

IMG_20171222_202658820.jpg

IMG_20171222_202712140.jpg

IMG_20171222_210234337

O malbec produzido na Argentina parece uma uva totalmente diferente: é um vinho tânico e com nível de álcool mais elevado com bastante presença de frutas vermelhas e negras. Já o malbec francês é um vinho muito mais delicado e estruturado. Lembra de longe um vinho da uva pinot noir devido à sua delicadeza. A versão francesa não apresenta essa pancada de taninos nem essa potencialidade de frutas.

IMG_20170907_125210737.jpg

Outro vinho que poderia acompanhar bem esse prato é um bom Cabernet-Sauvignon Chileno. Gostaria aqui de deixar mais um exemplo de um grande vinho sem necessariamente ser caro. Embora já tenhamos comentado aqui no blog sobre o Toro de Piedra, a versão feita com a uva Cabernet-Sauvignon é um vinho de R$60-80 que vale pelo menos 3-4 vezes mais. É sensacional e recomendo com todo meu humilde entendimento sobre vinhos!

IMG_20170907_125215976.jpg

IMG_20170907_125227521.jpg

IMG_20170907_125234299_HDR.jpg

IMG_20170907_165956622_HDR.jpg

Conclusão

Caso o objetivo seja degustar um bom hambúrguer feito em casa ou mesmo numa boa hamburgueria, minha indicação é: vá de Malbec Argentino ou Cabernet-Sauvignon Chileno!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Natal, Réveillon, o Quinto Melhor Vinho do Mundo e Duelo de Champagne Francês versus Espumante Brasileiro

“O vinho é uma das coisas mais civilizadas do mundo e uma das coisas mais naturais do mundo que alcançou a maior perfeição. Oferece uma gama maior para o prazer e apreciação do que possivelmente qualquer outra coisa puramente sensorial.” Ernest Hemingway

IMG_20180102_172014186

Introdução

Amigos, hoje eu vou fazer um compilado breve da ceia de Natal e de Ano Novo mostrando como harmonizar bem vinhos com pratos dessa época. Ao fim do post teremos o tão aguardado duelo entre champagne francês versus espumante nacional. Antes que alguém critique minha escrita falando que champagne francês é um pleonasmo pois champagne só existe na região de champagne na França, quero afirmar que a língua portuguesa admite o pleonasmo enfático. Ou seja, como estamos no Brasil e é comum as pessoas chamarem de champagne todos os espumantes, esse pleonasmo servirá para destacar essa cabal verdade!

Natal

O Natal foi na casa dos queridos Jéssyka e Lucas, e como entrada tivemos um delicioso escondidinho de queijo serra da estrela (já comentamos sobre esse queijo no post anterior) com torradinhas, damasco e salaminho para acompanhar.

IMG_20171224_210744441.jpg

Como harmonização caiu muito bem uma deliciosa witbier produzida por ninguém menos que a Casa Valduga. Delícia de cerveja! Cerveja Leopoldina Witbier.

IMG_20171224_203343181.jpg

IMG_20171224_203348010.jpg

IMG_20171224_203419371.jpg

IMG_20171224_203555536.jpg

E o vinho para acompanhar esse prato português tivemos também um rosé português muito suave e agradável. Recomendo com empenho! Pinta Negra Rosé.

IMG_20171224_204056268.jpg

Como pratos principais o cardápio foi: Peru Assado, Lombo de Porco Grelhado no mel e arroz à grega.

IMG_20171224_220643532.jpg

Como harmonização tivemos os seguintes vinhos:

IMG_20171224_215930962.jpg

IMG_20171224_215941120.jpg

Puerto Viejo Pinot Noir Reserva 2016

IMG_20171224_220250934.jpg

IMG_20171224_221430408.jpg

Eu fiz questão de encaixar um brasileiro também. Aurora Pinto Bandeira Pinot Noir 2016.

IMG_20171224_200259223.jpg

IMG_20171224_200304859.jpg

IMG_20171224_200316997.jpg

IMG_20171224_222836579.jpg

Mais um Pinot Noir: Junta Pinot Noir Reserve 2016.

IMG_20171224_225709370.jpg

IMG_20171224_225716397.jpg

Como explicamos no post anterior o Pinot Noir é perfeito para harmonizar com aves pois elas são carnes magras e eles são vinhos de baixíssima tanicidade. Infelizmente o Brasil ainda não está se mostrando promissor com essa uva de difícil cultivo. O brasileiro é claramente inferior aos nossos amigos chilenos apesar de ter o mesmo preço. Mas valeu pelo conhecimento pois precisamos dar espaço para os vinhos do Brasil também! Alto Tierruca Gran Reserva Carménère 2013.

IMG_20171224_225743618.jpg

IMG_20171224_225751087.jpg

IMG_20171224_225804390.jpg

Outras duas uvas que combinam bem com comidas natalinas são a Carménère e a Merlot, pois são bem parecidas (chegando a enganar especialistas num teste cego) e possuem tanicidade média a baixa. Esse Carménère quase que dispensa apresentações por ser um Gran Reserva. Mas também quero deixar dois exemplos de bom custo benefício de vinhos brasileiros. Como todos sabem desde o post do blog, a uva que se destaca no Brasil é a Merlot.

IMG_20171224_200149817.jpg

Miolo Reserva 2015 Merlot

IMG_20171224_200200690.jpg

IMG_20171224_200215465.jpg

IMG_20180104_222418302.jpg

Salton Intenso Merlot 2013

IMG_20180104_210458614.jpg

Se você é uma pessoa que busca vinhos bons e baratos brasileiros podem tentar essas duas opções. Principalmente o Salton que eu o comprei por R$35 e agradou bem meu paladar para um vinho desse valor.

IMG_20171224_231608383.jpg

Como sobremesa tivemos a famosa torta americana Red Velvet. O Red Velvet Cake ficou bastante conhecido durante a Segunda Guerra Mundial. Com o racionamento de alimento, eles passaram a fazer o bolo com beterrabas, que além de ser muito comum nos Estados Unidos, é rica em ferro e açúcares, e claro, dá o tom natural avermelhado. Depois da Guerra, com o sucesso do bolo, começaram a substituir a beterraba por corante alimentício. Como harmonização tivemos nada mais nada menos do que o icewine do post anterior (Creif Estate Winery 2015 Vidal Icewine) e um chileno de colheita tardia. Toro de Piedra Late Harvest Gran Reserva Sauvignon Blanc Semillon.

IMG_20171224_093728022.jpg

IMG_20171224_200357920.jpg

IMG_20171224_232511620.jpg

Réveillon

Nosso réveillon foi na casa dos amados Nelson e Ana e tivemos maravilhosos vinhos e comida. Primeiro degustamos um ótimo Bourbon: Woodford Reserve Labrot and Graham.

IMG_20171231_180537666.jpg

Nosso primeiro prato foi o bacalhau à moda nona do post anterior que tivemos o prazer de degustá-lo junto com um bom vinho verde. Tapada dos Marques Loureiro Vinho Verde.

IMG_20171231_210104886.jpg

IMG_20171231_204223976.jpg

IMG_20171231_204254640.jpg

IMG_20171231_210743660.jpg

Muitas pessoas me perguntam sobre o que é vinho verde. A maioria delas, inclusive eu no passado, pensa que o nome se dá pela coloração esverdeada do vinho. Nada mais inverídico! Vinho verde é todo vinho produzido na região dos vinhos verdes de Portugal, inclusive os tintos recebem essa denominação! E essa uva Loureiro produz vinhos cítricos muito agradáveis.

img_20170129_183911194

Após o Bacalhau nós tivemos duas carnes maravilhosas feitas pelo Vitor. Uma delas foi um filet mignon na churrasqueira temperado com mostarda dijon e salsa chimi-churri e a segunda foi uma alcatra recheada com queijos. Para acompanhar esses pratos eu escolhi dois dos melhores vinhos que o Brasil produz: o Salton Desejo e o Salton Talento. Embora já tivemos aqui no blog um post falando sobre eles, basta dizer que o Salton Desejo é famoso até mesmo na França. O único problema de degustar esses vinhos é o valor deles. Cada um não sai por menos de R$120. Ainda bem que encontrei-os na promoção pela metade do preço!

IMG_20171231_175833989_HDR.jpg

IMG_20171231_175840646.jpg

IMG_20171231_175848856.jpg

Já o Salton Talento foi alvo de vários prêmios inclusive no quesito teste cego. Esse é um vinho brasileiro no estilo bordeaux que não deixa a desejar para nenhum outro! Um orgulho grande poder ver que existem vinhos brasileiros (apesar do alto preço) serem tão bons quanto quaisquer outros: franceses, chilenos, etc. Eu desafio qualquer um que tem preconceito com os vinhos brasileiros a degustarem esses dois grandes vinhos e não mudarem de idéia!

IMG_20171231_175937625.jpg

IMG_20171231_175942372.jpg

IMG_20171231_175954751.jpg

Desafio qualquer um que duvida que existem bons vinhos no Brasil a não mudar de idéia ao experimentar esses dois colossos! Eles são pioneiros do tipo Gran Reserva no Brasil. Abaixo eu gostaria de deixar o link para uma entrevista com o enólogo responsável pela produção deles. É bem bacana.

https://www.youtube.com/watch?v=bK6F81KfRO0&t=2449s

IMG_20171231_212255712.jpg

IMG_20171231_213136478.jpg

IMG_20171231_215559481.jpg

Tivemos também um espumante Francês que eu simplesmente adorei: JP. Chenet Ice Rosé. Excelente drinkability.

IMG_20171231_235442765.jpg

IMG_20171231_235637458.jpg

IMG_20180101_000614782.jpg

O quinto melhor vinho do mundo

IMG-20171230-WA0015

Recentemente nós tivemos um julgamento bastante incomum no mundo dos vinhos. A Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ) elegeu o espumante brasileiro Casa Perini Moscatel, da vinícola Perini, como o quinto melhor vinho do mundo. É lógico que choveram críticas e reviews no mundo todo comentando esse resultado para um vinho de R$ 43,50. É também patente que não existe algo como o melhor vinho do mundo como sempre comentamos aqui no blog. O que existe são paladares e técnicas de produção apurados. Decidimos então comentarmos sobre este vinho. Espumante Moscatel Casa Perini.

IMG_20171202_141920832.jpg

IMG_20171203_192637669.jpg

IMG_20171203_192657153.jpg

IMG_20171203_213218397.jpg

Eu particularmente já vi vários estudos comprovando que é o Brasil o produtor dos melhores moscatéis do mundo, logo eu não consegui ter um paladar suficiente para comprovar que esse é um vinho muito melhor do que todos os outros moscatéis fabricados no Brasil, inclusive os do Vale do São Francisco como já comentamos anteriormente. A minha opinião é a mesma desde nosso último review: de um modo geral os nossos moscatéis são estupendos seja qual for a vinícola produtora. E sim, com certeza esse é um vinho maravilhoso. Muito gostoso de beber e bem equilibrado no açúcar.

Duelo de Champagne Francês versus Espumante Brasileiro

Amigos, preciso confessar que esse é, para mim, um dos posts mais aguardados do blog, pois sempre falamos aqui sobre a alta qualidade dos espumantes brasileiros, mas como se dá o desempenho destes diante dos favoritos do mundo: os champagnes? Para responder a essa pergunta iremos comparar branco com branco e amarelo com amarelo. Do lado Francês iremos escolher dois grandes ícones que simbolizam bem o mundo dos champagnes: o Moët & Chandon e o Veuve Clicquot. Caso haja necessidade de saber mais sobre o assunto de espumantes/ champagnes aqui temos o link para o post sobre eles.

IMG_20180102_115141515_HDR.jpg

IMG_20180102_115149795.jpg

IMG_20180102_115156609_HDR.jpg

IMG_20180102_115207208.jpg

IMG_20180102_115212097_HDR.jpg

Hoje a Maison Moët Chandon também é responsável pelo champagne Dom Perignon, que seria uma linha premium da casa. Mas o que importa é que ela é a grande embaixadora do conhecimento do Dom Perignon reputado por ser o criador do champagne conforme falamos no post anterior. Hoje uma garrafa dessas é vendida no Brasil pelo preço proibitivo de cerca de R$300. Por sorte consegui encontrar uma meia garrafa!

IMG_20180102_114648685_HDR.jpg

IMG_20180102_114659945.jpg

IMG_20180102_114726854.jpg

IMG_20180102_114738568.jpg

Embora existam na França dezenas de grandes produtores de champagne, o Moët Chandon e o Veuve Clicquot são os que mais se destacam por serem melhores na questão do marketing. O que não significa dizer que não existam outros champagnes muito bons como o Perrier-Jouet e o Laurent Perrier por exemplo. Hoje no Brasil uma garrafa de Veuve-Clicquot não sai por menos de R$400. Eu destaquei aqui esse vinho por possuir uma história no mínimo curiosa. O produtor dessa casa François Clicquot morre prematuramente deixando uma viúva jovem de 27 anos e um filho sem qualquer amparo. Essa viúva (Veuve em francês) Madame Barbe-Nicole Clicquot consegue miraculosamente (against all odds) erguer uma empresa considerada um gigante no mundo dos vinhos. E vai se tornar famosíssima no mundo todo durante a segunda guerra mundial pois passa a se tornar a bebida favorita tanto dos aliados quanto do eixo. É dito que o próprio Hitler presenteava seus generais com garrafas desse champagne. Durante batalhas muitíssimo cruentas como a de Stalingrado, os oficiais do alto escalão nazista consumiam essa bebida. A história dessa grande dama pode ser vista aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=W974kUXxVUI

IMG_20180102_115054015_HDR.jpg

IMG_20180102_115107667.jpg

Do lado brasileiro temos o Chandon. Um vinho feito pela mesma casa produtora do Moët & Chandon usando as mesmas técnicas e uvas porém com terroir brasileiro. Hoje uma garrafa de Chandon pode ser comprada com um preço médio de R$60-70. Ou seja, estamos diante de um vinho que custa em média 4-5x menos! A pergunta que não quer calar é: vale a pena gastar cerca de 4 a 5 vezes mais de dinheiro de forma a obtermos um verdadeiro exemplar de champagne?

IMG_20180102_165206504.jpg

IMG_20180102_171801223.jpg

IMG_20180102_175749121.jpg

A resposta é não! Embora consigamos perceber uma complexidade aromática superior no champagne em relação ao Chandon, a diferença entre eles não vale esse preço. É a diferença entre o Don Melchor e o Marquês de Casa Concha. Um é claramente superior ao outro porém numa proporção de 20 a 30% melhor. Percebi que o Chandon é muito bem feito e compensa quando pensamos em custo benefício! Inclusive depois de algumas taças a diferença começa a ficar imperceptível. Entre o Veuve Clicquot e o Moët Chandon eu achei que é uma questão de preferência. O Veuve é mais aromático que o Moët mas achei que no conjunto total o Moët se destacou melhor para o meu paladar! Quando consumimos champagne nós percebemos alguns aromas que não aparecem muito bem nos espumantes brasileiros como aromas de nozes, amêndoas, queijos,etc.

IMG_20180102_172014186.jpg

Conclusão

Amigos, esse post apenas é a confirmação do que sempre falamos aqui no blog que um vinho não precisa ser muito caro para ser muito bom. Valorize os espumantes nacionais sabendo que estão num padrão de qualidade excepcionais. Minha recomendação porém é que provar um champagne original é algo para se fazer pelo menos uma vez na vida!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Lambrusco, Vinho Grego e Gigot D’Agneau com Batatas Rústicas ao Aiöli

“O vinho conforta ao triste, e revive aos velhos, inspira os jovens, permite que o cansado esqueça o seu cansaço.” Lord Byron

IMG_20171125_221238888.jpg

Introdução

Amigos, hoje teremos um mix de informações sobre o mundo dos vinhos mas a ênfase será no Lambrusco, nos vinhos da Grécia e em 3 receitas para acompanhá-lo. Esse post é o cumprimento de uma promessa feita no post anterior em que eu tentei fazer o gigot d’agneau (pernil de cordeiro) no forno mas não deu certo. Dessa vez ele será feito na churrasqueira!

Lambrusco

Esse vinho italiano é bastante famoso no Brasil e também no mundo devido ao seu bom custo benefício. Uma garrafa dele no mercado sai em média R$30. Mas afinal o que é o Lambrusco?

137962_lambrusco-01-carlo-guttadauro.jpg

Vimos no post sobre champagnes e espumantes que esse tipo de vinho recebe essas borbulhas que chamamos de perlage devido a uma segunda fermentação que ele sofre na garrafa. Já o lambrusco é enquadrado na categoria de frisante, o que indica que ele não sofre duas fermentações, mas apenas uma. O gás carbônico é introduzido artificialmente igual a um refrigerante. Isso torna o lambrusco uma bebida suave e gaseificada que lembra de longe um spritzer que fizemos no post anterior. Hoje vamos degustar um exemplar bem comum no Brasil: Fratelli Cella Lambrusco Dell’Emilia tinto.

IMG_20170930_131432002_HDR.jpg

IMG_20170930_131442996.jpg

IMG_20170930_131454554_HDR.jpg

Esse é um vinho muito agradável e bom de iniciar um evento com os amigos. Também é uma opção para os que gostam dos vinhos mais “adocicados” por assim dizer. Mas claramente percebe-se uma qualidade bem inferior em relação aos espumantes “de verdade” por assim dizer.

IMG-20171002-WA0032

Nessa primeira parte do post quero deixar registrado alguns dos vinhos em que tive o prazer de degustar num evento na casa dos queridos Rafael e Eloísa.

IMG_20170930_194552295.jpg

O primeiro vinho a ser servido foi um espumante italiano de bom custo benefício: Piera Martellozzo 075 Carati Millesimato Extra Dry.

IMG-20171001-WA0001.jpg

Esse cumpre o que promete: uma entrada simples porém agradável sem muita personalidade. Vale a pena tentar!

IMG-20171002-WA0035.jpg

IMG-20171001-WA0011.jpg

A Carol trouxe uma Cava espetacular para provarmos. Para quem acompanhou o post sobre a Cava sabe que a Freixenet é hoje a marca mais consumida do mundo e a Cordon Negro é uma versão premium da marca. Simplesmente fantástico!

IMG-20171001-WA0004.jpg

IMG-20171001-WA0003

IMG-20171002-WA0012.jpg

Amigos, a Eloísa nos preparou um Boeuf Bourguignon maravilhoso, mas quero pedir desculpas aqui a todos e a ela pois não encontrei a foto do prato, mas estava maravilhoso e os convidados trouxeram vinhos para harmonizar com ele. Além da clássica harmonização com Pinot Noir, tivemos algumas variedades de vinhos como dois primitivos: Messapi Primitivo di Puglia 2013 e Notte Rossa Primitivo Puglia 2015.

IMG_20170930_131550039_HDR.jpg

IMG_20170930_131554040.jpg

IMG_20170930_131608948.jpg

IMG_20170930_205450915.jpg

IMG-20171001-WA0009.jpg

IMG-20171001-WA0006.jpg

IMG-20171002-WA0025.jpg

Estes são bons vinhos com bom custo benefício sendo o Messapi superior no sabor. Acho que o fato dele ser de uma safra anterior ao do Notte Rossa ajudou no apuro. Achei-o muito mais redondo que o segundo, o qual me pareceu mais “agressivo”, que normalmente indica juventude num vinho.

E para terminarmos a noite tivemos uma das minhas uvas favoritas: Gewürztraminer. Só que dessa vez foi um Italiano a despeito dos clássicos Alsacianos/Alemães. Gewürztraminer Trentino DOC Cavit 2016.

IMG-20171002-WA0015

IMG-20171002-WA0017.jpg

Esse vinho nos pregou uma peça pois é normal achar que todo Gewürztraminer é doce como o que apresentamos no post anterior. Apesar de ter aromas doces e presentes como a lichia, esse é um vinho seco e encorpado.

Vinhos da Grécia

depositphotos_3608302-stock-illustration-vector-greece-map.jpg

Conforme falamos no post sobre os vinhos de Israel, acredita-se que o primeiro vinho foi feito por Noé na região que hoje é a Geórgia/Armênia. Ou seja, ela é quase que reconhecidamente o berço dessa bebida.