Boeuf Bourguignon, a melhor cerveja do mundo e a lenda do vinho Hermitage

“Ouço dizer que os amantes do vinho serão danados no inferno. Não é verdade, mas há mentiras evidentes. Se os que amam o vinho e o amor vão para o inferno, o paraíso deve estar vazio.” Omar Khayyâm

IMG_20170114_210432411.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje daremos continuidade à nossa série sobre os vinhos franceses com um prato que esplende toda a glória da culinária francesa: o Boeuf Bourguignon. Não apenas isso, mas todos poderão ver que esse post será duplamente lendário: teremos a melhor cerveja do mundo: Westvleteren 12 junto com o perfeito Syrah Crozes-Hermitage. A escolha dos dois dar-se-á pela perfeita combinação com o prato em questão.

Westvleteren 12: A melhor cerveja do mundo

De modo semelhante ao qual me expressei nos posts anteriores (o do melhor uísque do mundo e o da melhor cachaça do mundo), gostaria de mais uma vez reforçar o fato de que esses títulos não são unânimes entre todos os bons degustadores do mundo. Mas no caso dessa cerveja, nenhuma outra consegue vencer tantos campeonatos de “melhor do mundo”.

IMG_20170114_210219775.jpg

IMG_20170114_210308727.jpg

Parte da aura em torno dessas garrafinhas com 330 ml se deve à dificuldade de conseguir uma, principalmente se você não tem planos de ir à Bélgica tão cedo. Os monges exportam a bebida que produzem em ocasiões extremamente pontuais em que precisem de um dinheiro extra. Em 2012 eles exportaram alguns exemplares para os EUA porque o objetivo dos religiosos era usar o dinheiro na reforma da abadia.

a-melhor-cerveja-do-mundo-westvleteren-12-D_NQ_NP_491011-MLB20456538239_102015-F.jpg

1756844507.2.JPG

O munícipio de Vleteren, localizado na província de Flandres Oriental, Bélgica, a 150 quilômetros de Bruxelas, possui menos de 5 mil habitantes. Destes, cerca de 30 são monges e pertencem à Ordem dos Cistercienses Reformados de Estrita Observância, uma congregação religiosa da Igreja Católica também conhecida como Ordem Trapista, e vivem na Abadia de St. Sixtus de Westvleteren (vide foto da entrada acima). O que faz estes monges, e por consequência Vleteren, famosos mundialmente, é a produção das cervejas Westvleteren Blond, uma Belgian Specialty Ale com 5,8% de álcool, Westvleteren Extra 8, Belgian Dark Strong Ale com 8% de álcool, e Westvleteren 12, Belgian Quadrupel com 10,2% de álcool. Das sete abadias com certificados para a fabricação de cervejas trapistas no mundo, o mosteiro de Westvleteren é o único que não exporta nem comercializa suas bebidas fora da região. Eliminando custos, as garrafas não têm rótulo. Apesar disso, eles não pretendem aumentar a produção, que é trabalho de apenas dez dos trinta beneditinos que vivem no monastério. A produção destas cervejas é bastante limitada, visto que sua venda não visa lucro, mas apenas o sustento da abadia. Todo o valor que é arrecadado além do necessário para o sustento da abadia é doado. Para comprá-las, é preciso ligar diretamente para o mosteiro, informar a placa de seu carro e marcar um horário para a retirada. Após a compra é necessário aguardar 60 dias para novo agendamento.

Gostaria de deixar o link para um excelente review dela feito no youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=C_IjMXVQqgw

A lenda do Hermitage

Ao lembrarmos da França como referência no mundo vitícola, não é possível olvidarmos dos vinhos produzidos na região do Hermitage. Eles são os tintos produzidos com a uva Syrah mais famosos do mundo!

hermitage.jpg

img_1325.jpg

De acordo com a lenda, o cavaleiro Gaspard de Stérimberg retornou ferido para casa em 1224 vindo da cruzada Albigense e recebeu permissão da Rainha da França para construir um pequeno refúgio para se recuperar, onde ele viveu como um eremita (ermit em francês). A capela do topo foi construída em honra a São Cristóvão e hoje pertence ao negociante Paul Jaboulet Âiné. Os vinhos dessa região começaram a tornar-se famosos depois que Luís XIII tornou-os como os vinhos oficiais da corte depois que ele provou um cálice deles quando passava em visita à região em 1642.

568N09307_6Y4FX.jpg

A partir daí, vários reis no mundo todo tiveram acesso a esses vinhos fantásticos dando origem assim à lenda do Hermitage.

IMG_20170114_201019124.jpg

E hoje teremos a oportunidade de degustar essa lenda com esse vinho de escolha: Les Meysonniers Crozes-Hermitage 2011.

Harmonização

Conforme falamos no começo, o prato de escolha para a degustação dessas duas raridades será o Boeuf Bourguignon, que é o equivalente de carne bovina do Coq au Vin visto no post anterior.

De início iremos separar cerca de 1,5kg de patinho em cubos:

IMG_20170113_215911054.jpg

1 ou 2 cenouras cortadas em rodelas:

IMG_20170113_220045894.jpg

IMG_20170113_220454051.jpg

Algumas folhas de Louro e uma cebola cortada ao meio:

IMG_20170113_220722550.jpg

Agora vamos usar uma boa garrafa de vinho. Na receita original usa-se um da Borgonha, mas qualquer um cai bem na receita.

img_20170113_220752312

Depois fechamos com papel filme e deixamos marinar na geladeira por cerca de 24 horas:

IMG_20170113_221250619.jpg

Enquanto isso iremos degustar 3 grandes cervejas:

IMG_20170113_223119463.jpg

Essa é uma belga muito saborosa que é conhecida no Brasil de maneira afetiva como a cerveja do elefantinho rosa. Essa é uma das cervejas alvo do conhecimento de todo bom degustador.

IMG_20170113_223330547.jpg

A segunda também é um clássico: St. Bernadus Wit. Confesso que não era grande fã do estilo Witbier até conhecer essa obra prima. Recomendo com empenho!!

img_20170113_230947775

img_20170113_231136039

A terceira possui um nome no mínimo curioso: Duvel (que em idioma flamenco significa diabo). Segundo a cervejaria, foi um amigo do dono que descreveu a cerveja como um verdadeiro diabo (“nen echten Duvel”, que em português significa algo como “que diabo de cerveja”), isto porque sua graduação alcoólica era extremamente alta, aproximadamente 8.5%.

IMG_20170113_235435195.jpg

img_20170113_235652716

No outro dia pela manhã iremos espetar alguns cravos nas cebolas antes de retorná-las ao caldo:

img_20170114_120444247

img_20170114_120608736

Depois das 24 horas iremos coar o caldo:

img_20170114_173931515

E separar a carne da cenoura:

img_20170114_174339354

img_20170114_174342923

E iremos “selar” com azeite os cubos de carne antes do seu uso:

img_20170114_174747919

img_20170114_174903030

img_20170114_180554594

Depois, usando o mesmo azeite usado para selar a carne vamos dourar cerca de 300g de bacon bem picadinho:

img_20170114_181750548

Depois juntamos a cenoura e a carne e usaremos duas colheres de sopa de farinha de trigo para engrossar um pouco o caldo:

img_20170114_182223565

img_20170114_182350932

img_20170114_181827229

img_20170114_182449253

Logo após trazemos de volta o caldo coado:

img_20170114_182651438

Acrescentamos cheiro verde (salsa e cebolinha picados), sal e pimenta do reino e deixamos cozinhar por cerca de 2 horas e meia (ou até a carne ficar macia):

img_20170114_183300417

Enquanto isso degustaremos mais uma cerveja clássica do estilo trapista (feita em mosteiros):

img_20170114_185208866

img_20170114_185326286

E vamos em paralelo preparar os champignons e as cebolas para acrescentar ao caldo depois das 2 horas e meia de cozimento. No caso dos Champignons tiramos os talos e cortamos eles em 4 pedaços:

img_20170114_193257574

img_20170114_193300543

img_20170114_193554114

Depois disso levamo-los à frigideira para dourá-los com manteiga e temperamo-los com sal e pimenta do reino:

img_20170114_194143690

Separamos os cogumelos e procedemos com as cebolas caramelizadas:

img_20170114_195521189

img_20170114_200445308

img_20170114_200830772

img_20170114_201251614

Acrescentamos 2 colheres de sopa de açúcar depois de havermos dourado as cebolas:

img_20170114_201220993

img_20170114_201612515

Vinagre Balsâmico a gosto:

img_20170114_201659022

img_20170114_201742882

img_20170114_202259316

Depois de prontos as cebolas e os champignons e a carne ter ficado macia, acrescentamos todos juntos ao caldo, acertamos o sal e a pimenta e deixamos cozinhar por mais ou menos uns 30 minutos:

img_20170114_202555647

Após tudo isso finalmente nosso Boeuf Bourguignon está pronto:

img_20170114_205934712

Primeiro degustaremos ele com a Westvleteren 12 e um bom baguete:

img_20170114_210432411

E logo após degustaremos com a lenda:

img_20170114_212725921

Conclusão

O prato é excessivamente trabalhoso de ser feito, mas o resultado é muito gratificante. Degustar bebidas de peso como estas junto com esse prato maravilhoso realmente foi uma sensação ímpar! Recomendo a todos e nota dez para as duas bebidas!

Conheça todos os posts do blog através desse link

3 comentários sobre “Boeuf Bourguignon, a melhor cerveja do mundo e a lenda do vinho Hermitage

  1. Pingback: Resumo dos posts divididos por seções – Vinhos e Afins para Leigos

  2. Pingback: Fettuccine verde ao molho pomodoro, frango na cerveja e duelo de shiraz australiano com chileno – Vinhos e Afins para Leigos

  3. Pingback: Evento enogastronomico e minicurso de vinhos – Vinhos e Afins para Leigos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s