Camarão à Húngara, cerveja Deus e a champenoise brasileira Wäls

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170429_183007362.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post que sairá um pouco do modelo ortodoxo já visto desde então. Sabemos que o foco do blog é em vinhos, mas hoje teremos um post levemente diferente: vamos falar sobre cervejas champenoises. Teremos uma exemplar belga produzida em champagne e uma brasileira da cervejaria Wäls. Para acompanhar essas maravilhas vamos fazer uma receita deliciosa: camarão à húngara.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é eleita a melhor cerveja escura do tipo stout do mundo: a guiness.

IMG_20170413_200859881.jpg

IMG_20170413_200937868.jpg

IMG_20170413_201449225.jpg

A Guinness Draught é a cerveja stout mais consumida do mundo. É uma cerveja especial de cor negra e uma excepcional espuma densa e cremosa, que persiste durante toda experiência da degustação. Aromas e sabores de café e chocolate amargo bastante presente a tornam uma cerveja irlandesa referência do estilo stout.

IMG_20170428_201016798.jpg

IMG_20170428_201024288.jpg

IMG_20170428_201414262.jpg

IMG_20170428_201805788

A segunda é uma brasileira muito especial. A cervejaria coruja é um exemplo de qualidade não apenas no Brasil mas no mundo todo. E esse exemplar de trigo é levemente diferente das tradicionais weizen por conter maltes defumados e um leve toque de pimenta do reino. Vale a pena experimentar.

Cervejas champagne

Afinal, é um champagne ou uma cerveja? Garrafa típica de espumante, remuage, segunda fermentação em garrafa, estágio em caves francesas, perlage etc. Assim são as características dessas bebidas. A história das cervejas Champenoise começa com a lendária DeuS, produzida pela cervejaria Bosteels – fundada em 1791, na cidade de Buggenhout, na Bélgica. A DeuS é produzida na Bélgica e depois transferida para a França (Epernay), onde passa pelo processo Champenoise, fazendo uma segunda fermentação na garrafa, passando meses em caves dos melhores espumantes franceses.

deus_cerveja4.jpg

Na mesma linha vêm as cervejas Malheur. A história cervejeira da família Malheur iniciou-se em 1839 e a cervejaria, que também fica em Buggenhout, foi construída em 1997, num prédio do século XVI onde funcionava outra cervejaria.

1290_MalheurBrut_1277923595.jpg

As cervejas Malheur são todas Ales (alta fermentação), vivas e refermentadas na garrafa onde os fermentos continuam vivos após o engarrafamento, possibilitando que seus sabores evoluam com o tempo. Além disso, são produzidas utilizando-se flores de lúpulo in natura. Foi o mestre-cervejeiro da Malheur, Luc Verhaeghen, quem desenvolveu em 2001 essa técnica a partir de várias visitas à região de Champagne, onde estudou os métodos de produção e, principalmente, de condicionamento de garrafas lá utilizados. Inicialmente, suas tentativas foram recebidas com ceticismo, mas, depois, receberam uma grande ajuda do Epernay Oenologique Institut, que forneceu o fermento e viabilizou a aquisição dos grandes pallets giratórios que completam trinta e seis movimentos em sete dias. Mas sem sombra de dúvida foi a DeuS quem conseguiu popularizar o estilo no mundo todo inclusive recebendo diversos prêmios:

  • Medalha de prata na World Beer Cup nos Estados Unidos em 2002
  • Prêmio de “Beer of the Year” nos Estados Unidos em 2003 pela Malt Advocate Magazine
  • Prêmio de “Best of New Beer” nos Estados Unidos em 2003 pela Celebrator Magazine
  • Prêmio de “Biere d innovation de l annee “ na França em 2003 pela Bière Magasine
  • Medalha de Prata na Brewing Industry International Awards em Londres em 2004

Essa Belgian Strong Ale passa pelo método champenoise, ganhando uma similaridade com o champagne. A cerveja Deus tem um gosto leve, mas que esconde seu nível elevado de graduação alcoólica: 11,5%. Aroma complexo, com maçã, hortelã, gengibre, malte, lúpulo e cravo-da-índia. Sabor refrescante com final seco e adstringente. E hoje nós estamos tendo a oportunidade de degustá-la aqui no nosso blog graças à minha esposa Aline que me deu uma de presente de aniversário. Infelizmente essa é uma bebida que não é possível tomarmos com frequência devido ao seu alto preço (custa o mesmo que uma garrafa de champagne no Brasil R$250-300).

IMG_20170429_162303497

IMG_20170429_162311476

IMG_20170429_162333296.jpg

IMG_20170429_162348873.jpg

IMG_20170429_183203319.jpg

Também iremos degustar aqui uma champenoise brasileira que eu pude comprar na minha última viagem à Belo Horizonte quando visitei a melhor cervejaria do país: a Wäls.

IMG_20170429_162448454.jpg

IMG_20170429_162454926.jpg

IMG_20170429_162519893.jpg

Harmonização

Não podemos degustar bebidas de peso sem um prato à altura, logo nossa escolha será pelo famoso camarão à Húngara. Para começar a fazê-lo, tomemos cerca de 1kg de camarão:

IMG_20170429_164149222.jpg

E vamos temperá-los com o sumo de 2 limões:

IMG_20170429_164233892.jpg

2 colheres de sopa de páprica doce e 1 de páprica picante (cuidado pois ela é muito apimentada)

IMG_20170429_164650318.jpg

IMG_20170429_164656834.jpg

IMG_20170429_164854842.jpg

Azeite, pimenta do reino branca e sal a gosto:

IMG_20170429_164937340.jpg

IMG_20170429_165027029.jpg

IMG_20170429_165429362.jpg

Depois deixamos o camarão descansar por cerca de meia hora:

IMG_20170429_165744513.jpg

Enquanto isso vamos cozinhar as batatas. Tomemos 1kg de batata Asterix:

IMG_20170429_170545922.jpg

Vamos descascá-las e cortá-las em rodelas:

IMG_20170429_171650233.jpg

Vamos colocar água e sal em uma panela e aguardar o momento de fervura. Após ele começar a acontecer vamos colocar as batatas e cozê-las de forma que elas apenas fiquem levemente cozidas (10 minutos) para que elas não se desfaçam.

IMG_20170429_170221862.jpg

IMG_20170429_171758984.jpg

Depois iremos secá-las e separá-las:

IMG_20170429_172841863.jpg

Passemos então os camarões para a frigideira com manteiga, azeite e alho:

IMG_20170429_173237071.jpg

IMG_20170429_173606329.jpg

IMG_20170429_173730032.jpg

É interessante não cozinhá-los por muito tempo, a idéia é só selá-los já que depois irão ao forno.

IMG_20170429_173854660.jpg

Depois da selagem, vamos acrescentar cerca de 2 colheres de farinha de trigo:

IMG_20170429_174138077.jpg

IMG_20170429_174249792.jpg

IMG_20170429_174546329.jpg

Adicionamos 800g de creme de leite:

IMG_20170429_174627122.jpg

IMG_20170429_174923702.jpg

IMG_20170429_175252010.jpg

Por fim vamos acrescentar o açafrão:

IMG_20170429_175356181.jpg

IMG_20170429_175611612.jpg

E as batatas:

IMG_20170429_175715402.jpg

IMG_20170429_175805366.jpg

Depois colocaremos numa tigela refratária para levarmos ao forno a 200 graus Celsius:

IMG_20170429_180314999.jpg

Um pouco mais de páprica antes:

IMG_20170429_180509241.jpg

O tempo de cozimento leva cerca de 30 minutos. Enquanto isso faremos o arroz na panela de pressão elétrica:

IMG_20170429_181638939.jpg

Usaremos dois copinhos cheios de arroz:

IMG_20170429_181748012.jpg

Vamos refogar azeite, alho e cebola picada junto com o arroz:

IMG_20170429_181542378.jpg

Após vamos acrescentar cerca de 3 copinhos de água, um sachê de sazon e cozinharemos na pressão por cerca de 12 minutos.

IMG_20170429_181910215.jpg

IMG_20170429_181922276.jpg

IMG_20170429_182044379.jpg

IMG_20170429_182058003.jpg

IMG_20170429_184157008.jpg

Logo após a comida estará pronta para a degustação:

IMG_20170429_183007362

IMG_20170429_183455843.jpg

IMG_20170429_185249590.jpg

IMG_20170429_185445892.jpg

IMG_20170429_191638370.jpg

IMG_20170429_202926369.jpg

IMG_20170429_203341156.jpg

Degustamos também uma cerveja dinamarquesa espetacular: Hertog Jan Tripel. Ela possui uma das garrafas mais bonitas que eu já vi numa cerveja: ela é feita toda de cerâmica.

IMG_20170429_194838294.jpg

IMG_20170429_195226789.jpg

IMG_20170429_195230232.jpg

IMG_20170429_195409134.jpg

IMG_20170429_221458844.jpg

Conclusão

A noite foi maravilhosa com uma excelente companhia: Aline. Sobre as cervejas a nota é 10. Sei que é muito caro comprar uma DeuS aqui no Brasil, mas ela é do tipo que necessita ser degustada ao menos uma vez na vida. Obrigado pelo presente de aniversário querida.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Um comentário sobre “Camarão à Húngara, cerveja Deus e a champenoise brasileira Wäls

  1. Pingback: Resumo dos posts divididos por seções – Vinhos e Afins para Leigos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s