Tempranillo Espanhol, Malbec Argentino, Churrasco e afins

“Um homem nobre nunca odeia um bom vinho: é um preceito monarcal.” François Rabelais

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, assim como tivemos um post anterior no blog que foi um mix de vinhos, cervejas e uísques (link), hoje o nosso post também será um mix de dois encontros que participei mas com ênfase principalmente nos vinhos da espanha e da sua uva mais famosa: tempranilho.

Cervejas

Comecemos falando sobre grandes cervejas como é costume do nosso blog. Inicialmente temos três cervejas polonesas.

IMG_20170514_133957105.jpg

IMG_20170514_134008165_HDR.jpg

IMG_20170514_134150632.jpg

Uma boa cerveja de trigo com leve corpo e levemente aromática.

IMG_20170514_171211056.jpg

IMG_20170514_171221367.jpg

IMG_20170514_171850745.jpg

Outra cerveja de trigo com menos corpo que a anterior porém com boa formação de espuma e bom drinkability.

IMG_20170519_204824082.jpg

IMG_20170519_204834923.jpg

IMG_20170519_204959922.jpg

Essa é uma cerveja pilsen sem muitas características próprias. Mas valeu pelo conhecimento!

IMG_20170514_244039638.jpg

IMG_20170514_244441569.jpg

Essa é uma weizen alemã muito gostosa. Cerveja artesanal de trigo alemã rica em aromas com leve toque de banana e cravo, notas de baunilha e suave perfil cítrico, que remete a limão. Apresenta cor alaranjada clara, líquido levemente turvo não filtrado, corpo médio e espuma abundante. Uma cerveja de trigo muito saborosa, extremamente refrescante e de sutil amargor, mas que poderia ter um pouco mais de corpo e turbidez.

IMG_20170527_235936705.jpg

IMG_20170527_235949998 (1).jpg

IMG_20170528_240001304.jpg

IMG_20170528_240050909.jpg

IMG_20170528_240203968.jpg

Essa witbier foi muito requisitada para o blog e confesso que ela só perde para a St. Bernardus Wit (link). Muito aromática e presença da semente de coentro e da casca de laranja. Também é refermentada na garrafa por várias semanas para arredondar seu sabor. O único ponto negativo foi a acidez um pouco mais forte para o padrão de uma wit.

Primeiro Encontro

O primeiro encontro foi o churrasco de dia das mães em que tivemos alguns vinhos da uva malbec e um grande tempranillo espanhol. Ambos harmonizaram muito bem com uma costelinha de porco, picanha, maminha, queijo coalho e asinha de frango.

IMG_20170514_140352416.jpg

IMG_20170514_140403251.jpg

IMG_20170514_140558015.jpg

Conforme tenho batido na tecla desde o início do blog, o vinho que mais harmoniza com um bom churrasco é o malbec argentino (link), e esse exemplar é um exemplo de um vinho de ótimo custo benefício. Tinto elegante, apresenta aromas de frutas maduras como cerejas, ameixas e amoras, taninos maduros e final de boca persistente. É produzido em Lunlunta, Luján de Cuyo, região de maior expressão da uva malbec, na Argentina. Seus vinhedos tem mais de 50 anos, proporcionando mais estrutura e sabor.

IMG_20170514_151213223.jpg

IMG_20170514_151220114_HDR.jpg

IMG_20170514_151955504_HDR.jpg

Esse é o exemplo do “bom e barato”. Vinho de R$ 30 que agrada muito bem o paladar.

IMG_20170514_142903663.jpg

IMG_20170514_142910602.jpg

IMG_20170514_144336378.jpg

IMG_20170514_144349735.jpg

IMG_20170514_144611092_HDR.jpg

Esse é um dos grandes exemplos de como a uva malbec na Argentina se destaca. A denominação gran reserva por si já diz tudo (link). Um vinho muito bem feito e com uvas selecionadas por um ótimo preço (R$ 70). Apresenta aromas de framboesa, ameixa e cereja negra, notas de baunilha, café, chocolate e um toque amadeirado. Tinto fresco, com médio corpo e taninos presentes. Elaborado com uvas selecionadas e colhidas à mão, esse Gran Reserva, traz a expressão da uva Malbec cultivada em Agrelo, Luján de Cuyo.

Tempranillo Espanhol

Desde o início do blog temos visto que cada país possui uma ou algumas uvas símbolo que se apresentam como sua assinatura vínica. No Chile temos a Cabernet-Sauvignon (link) e a Carmenère (link). Na Argentina temos a Malbec (link), nos EUA temos a Zinfandel (link) e na Espanha temos a uva tempranillo.

thumb4_tempranillo1.jpg

961ec28d6c31821f70863a2d979a2e76--wine-varietals-wine-rooms.jpg
Fonte: http://www.pinterest.com

Tempranillo-thumbnail.jpg

Os vinhos produzidos com essa uva possuem aromas muito frutados de frutas negras como cereja, mirtilo, morango e ameixas. E aromas secundários e terciários de chocolate, tabaco, baunilha, pão, cereais e couro. É com essa uva que se obtém vinhos lendários e extremamente caros como o Vega Sicília já apresentado anteriormente no blog (link).

img_s_25925.jpg

E hoje iremos escolher um clássico espanhol: Finca Constancia Parcela 23 Tempranillo 2013, da bodega da família Gonzalez Byass.

IMG_20170514_160039912.jpg

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Vinho possuidor de um paladar fresco, com bom corpo, taninos macios e toque de especiarias também possui nuances de frutas. Valeu a aquisição!!

Segundo encontro

Durante uma visita aos amigos Nelson e Ana tivemos a oportunidade de degustar bons uísques com petiscos e, novamente, um bom tempranillo espanhol.

IMG_20170708_170152547 (1).jpg

Chivas é um scotch que dispensa apresentações, e ainda mais um de 18 anos!!

IMG_20170708_171451961.jpg

Whisky Singleton 12 Anos Of Glen Ord, um dos melhores scotch single malt que eu já tive a oportunidade de degustar. Abaixo eu quero deixar um vídeo promocional dele:

https://www.youtube.com/watch?v=QUtuGbY4e5U

IMG_20170708_181852495.jpg

Mais um Bourbon de destaque.

IMG_20170708_172149662.jpg

IMG_20170708_172236688.jpg

Mais um tempranillo com bom custo benefício! Mais um com a qualificação “bom e barato”. Vinho espanhol por R$ 35 que vale a pena.

IMG_20170708_190556809.jpg

IMG_20170708_190709996.jpg

Esse exemplar do Douro já me foi alvo de muitas perguntas pelos leitores do blog. E eu realmente o recomendo. Talvez seja um dos melhores custo benefício dos chamados vinhos “bons e baratos”. Um grande exemplar para o dia-a-dia, chegando a ser premiado! A safra 2013 recebeu a alta pontuação de 90pts pela conceituada revista Wine Spectator. Isso é muito de se esperar de um vinho de R$ 35.

IMG_20170708_170156989.jpg

Tudo isso harmonizou muito bem com um bom salame espanhol e nuts (pistache, amendoim, amêndoas, etc).

IMG_20170708_170516956.jpg

Tivemos também um maravilhoso pão de azeitonas com um delicioso azeite italiano feito com trufas brancas!

IMG_20170708_170942714.jpg

E um com trufas negras!

Conclusão

Acho que o ponto chave desse post é que o vinho não precisa ser caro para ser bom. Ele também serviu para atender a pedidos sobre vinhos bons e baratos na faixa de R$ 30.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Teste cego de Bordeaux Chileno Versus Grand Vin de Bordeaux

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170527_201241667.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post bem diferente do que estamos habituados aqui no blog pois ele será o cumprimento de uma promessa feita desde o nosso primeiro post (link). Desde o começo temos falado que vinhos chilenos e argentinos possuem a mesma qualidade que os europeus mas ainda não fizemos nenhuma comprovação prática no blog salvo no último post (link). Hoje iremos comparar na prática um vinho premiado do chile com outro premiado de Bordeaux (região produtora de vinhos mais famosa do mundo).

Teste Cego

Aqui no blog já tivemos a oportunidade de falarmos sobre teste cego inclusive daquele que foi o mais famoso já feito: O Julgamento de Paris de 1976 (link). Nesse ano pela primeira vez vinhos americanos desbancaram vinhos franceses que até então eram cridos serem imbatíveis.

Paris_tasting_judges.jpg
Julgamento de Paris de 1976

o-julgamento-de-paris.jpg

Recentemente, Eduardo Chadwick decidiu provar que seus vinhos de aproximadamente R$500 eram melhores do que renomados franceses de até mesmo R$17.400 como o Château Lafite-Rothschild 2000 e promoveu vários testes cegos com diversos especialistas.

1003931x.jpg

E o resultado foi como ele esperava: seus vinhos eram melhores do que os franceses e os italianos. Se alguém quiser saber mais detalhadamente sobre esse evento basta clicar no link abaixo:

http://vinho.ig.com.br/index.php/2013/07/05/chadwick-o-chileno-que-desafia-e-ganha-dos-franceses/

O canal Vox do youtube também fez um vídeo mostrando que é idiotice pensar que um vinho muito caro é necessariamente melhor do que um mais barato. É lógico que um vinho de qualidade não é tão barato, mas é uma ilusão achar que porque ele é muito caro ele é muito melhor. Confiram o link:

https://www.youtube.com/watch?v=mVKuCbjFfIY&feature=share

Vinhos de escolha

Mas para se realizar um teste adequado é necessário comparar semelhantes. Não se compara banana com abacaxi. Devido à diferença de moeda é possível comprar um vinho muito top chileno por cerca de R$100-150, mas um da mesma qualidade europeu (Francês ou Italiano) não sai por menos de R$200. Outro ponto importante é compararmos vinhos de uvas e/ou blends semelhantes. Bordeaux praticamente só produz assemblages (vinhos com mais de uma uva diferentes, normalmente Cabernet-Sauvignon, Merlot e Cabernet-Franc) enquanto que vinhos do Chile e os do Novo Mundo em geral são feitos quase sempre com uma única uva.

Montes Alpha Cabernet-Sauvignon 2011

IMG_20170527_195732103.jpg

IMG_20170527_195742951.jpg

Do lado chileno temos uma lenda que é um verdadeiro clássico da América do Sul. O Montes Alpha foi o primeiro grande tinto chileno, inspirado nos melhores vinhos de Bordeaux. Foi eleito o “melhor Bordeaux chileno” pela revista Decanter, e equivale em qualidade a um “cru bourgeois” de preço três ou quatro vezes maior! Concentrado e refinado, com muita estrutura, camadas e mais camadas de fruta madura e um elegante final de boca. Um vinho excelente, de imbatível relação qualidade/preço. Esse foi o vinho recomendado pelo sommelier Gérson num post anterior do Blog (link). Apesar de possuir o nome Cabernet-Sauvignon ele é um blend com outras uvas como a Merlot. Custa em média R$120-150.

Château Villa Bel Air 2010

IMG_20170527_195639537.jpg

IMG_20170527_195655334.jpg

Do lado Francês temos outra lenda que é considerado como um dos maiores representantes dos vinhos de Bordeaux. Um vinho realmente apetitoso na opinião de Jancis Robinson e um livro texto da região de Graves nas palavras de Robert Parker, o Château Villa Bel-Air é um Bordeaux cheio de personalidade, combinando as castas Cabernet Sauvignon (40%), Merlot (50%) e Cabernet Franc (10%) de vinhedos plantados nos famosos solos da região, repletos de pedregulhos. Elaborado com maestria pela família Cazes, do famoso Château Lynch Bages, é um grande achado de Bordeaux. Uma garrafa padrão de 750ml dele corresponde a aproximadamente R$230-260. Por sorte consegui comprar uma meia garrafa numa promoção.

O embate

IMG_20170527_201241667

Durante o teste cego os participantes tiveram opiniões bem semelhantes. Os dois vinhos possuem boa estrutura e apresentam alto grau de qualidade, mas o da esquerda (taça maior e mais alongada) se mostrou bem superior no quesito aromas e retrogosto. Esse é realmente um vinho muito aromático e agradável ao nariz; na boca eles são bem semelhantes mas o retrogosto do da esquerda é também muito superior e agradável. O fim dele é longo, muito persistente e saboroso. Enquanto que o da direita possui um final seco, levemente amargo e desagradável. Devido a essas características, o da esquerda foi escolhido por unanimidade como o melhor vinho. O resultado é o que se segue:

IMG_20170527_203037226.jpg

Ou seja, o Chileno se saiu como vitorioso para minha surpresa, pois eu pensei que o melhor era o Francês!! Isso apenas confirma o que foi dito no post anterior (link): é no Chile que a Cabernet-Sauvignon encontra sua expressão máxima!!

Harmonização

Os vinhos do tipo Bordeaux harmonizam muito bem com um bom pernil de cordeiro (gigot d’agneau) mas, infelizmente dessa vez eu não acertei a mão da receita e prometo que eu refá-la-ei em breve aqui no blog. Por enquanto deixo as fotos da tentativa:

IMG_20170527_185232014.jpg

IMG_20170527_204541344.jpg

Conclusão

Conseguimos comprovar o que venho dizendo desde o começo do blog: um vinho não é melhor do que outro necessariamente por ser mais caro ou por ser de um lugar muito consagrado como Bordeaux ou Bourgogne. Mas ao mesmo tempo quero frisar aqui que não é meu objetivo afirmar que os vinhos franceses são inferiores aos chilenos ou a qualquer outro, mas encorajar a todos que provem e aproveitem todos os tipos de vinhos, franceses ou não. Em breve espero estar trazendo mais vinhos franceses aqui no blog. Abraços e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Coq au vin, queijos e vinhos franceses, chartreuse e degustações de pinot noir

“Ao contrário dos relacionamentos pessoais e profissionais, no vinho a infidelidade é essencial” (João Filipe Clemente)

IMG_20170611_145757123.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um tanto especial pois será um evento francês com uma receita de um coq au vin e degustações múltiplas de grandes Pinot Noir e outros vinhos. Esse é o quinto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares) e ele ocorrerá na minha casa. Caso alguém queira conferir o quarto encontro, basta clicar aqui.

Receita do Coq au Vin

Amigos, essa é uma receita que demora algumas horas para ficar pronta, logo recomendo começar a prepara-la cedo. Já tivemos aqui no blog um post sobre o coq au vin contando sua história, caso queira conferi-lo basta clicar aqui.

IMG_20170611_112642303_HDR.jpg

Tomemos então cerca de 25 mini cebolas, descascamo-las e reservamos:

IMG_20170611_113736168.jpg

Picamos também cerca de duas mini cebolas e reservamo-las:

IMG_20170611_114228631_HDR.jpg

IMG_20170624_094046465.jpg

Cortamos em rodelas duas cenouras:

IMG_20170611_115123483.jpg

IMG_20170624_100259256.jpg

Numa panela grande de ferro colocamos azeite e manteiga para dourarmos as cebolas:

IMG_20170611_114701169_HDR.jpg

IMG_20170611_114709501.jpg

IMG_20170611_114727154

IMG_20170611_114832912.jpg

IMG_20170611_115018764.jpg

IMG_20170624_094618242.jpg

Depois de douradas, retiramo-las do fogo e reservamo-las:

IMG_20170624_095432894.jpg

Usando o mesmo azeite e manteiga usados para dourar as cebolas, douramos cerca de 750g de bacon:

IMG_20170624_095613478.jpg

IMG_20170624_095833319.jpg

Assim que o bacon estiver dourado, acrescentaremos cerca de 2,5kg de frango caipira. A receita original previa um galo mas, devido à dificuldade de acha-lo, iremos utilizar frango caipira comum. Também se usa o galo todo na receita original, mas aqui iremos usar apenas sobrecoxas.

IMG_20170611_120851364.jpg

Vamos dourar o frango junto com o bacon:

IMG_20170624_100929317.jpg

Assim que o frango estiver dourado iremos acrescentar a cebola picada e a cenoura para dourarem juntos:

IMG_20170624_102338734.jpg

IMG_20170624_102402705.jpg

IMG_20170624_103338243.jpg

Depois de cozê-los juntos, o próximo passo é acrescentar cerca de duas colheres de sopa de farinha de trigo e cozê-la junto com os outros ingredientes:

IMG_20170624_103343590.jpg

IMG_20170624_103440366.jpg

Depois de cozidos iremos acrescentar alho, sal, pimenta e algumas folhas de louro:

IMG_20170611_122920805.jpg

IMG_20170611_123107747.jpg

IMG_20170611_123116155.jpg

IMG_20170611_123216453.jpg

IMG_20170611_123252412.jpg

Depois vamos cobrir todos os ingredientes com duas garrafas de vinho tinto:

IMG_20170611_123323647.jpg

IMG_20170611_123612404.jpg

IMG_20170624_105325710.jpg

E agora se inicia um longo cozimento. Baixe o fogo e deixe o galo cozinhar por cerca de 2 horas sempre mexendo para não grudar no fundo da panela.

IMG_20170624_105919191.jpg

Enquanto isso iremos preparar os champignons:

IMG_20170624_111043347_HDR.jpg

Aproximadamente 600g e partimos todos em 4 pedaços:

IMG_20170624_112945829.jpg

Vamos agora coloca-los na frigideira com manteiga:

IMG_20170624_114611898.jpg

Vamos agora usar o suco de 1 limão, sal e pimenta do reino:

IMG_20170611_133145151.jpg

IMG_20170611_132912920.jpg

IMG_20170624_115701549.jpg

Depois de fritos, apenas reservamo-los junto com os outros ingredientes. Após aproximadamente 2 horas o frango já vai ter adquirido uma consistência bonita:

IMG_20170624_113101563.jpg

É a hora de unirmos as cebolas, o champignon e checar o sal e a pimenta:

IMG_20170624_125215971.jpg

IMG_20170624_125249632.jpg

Depois disso o coq au vin deve ainda ser cozinhado por cerca de 30-40 minutos. Enquanto isso prepararemos umas entradas para o início do evento: queijos franceses e batatas gratinadas com queijo gorgonzola feitos pela minha esposa Aline.

IMG_20170624_124218307.jpg

IMG_20170624_125005659.jpg

IMG_20170624_124646864.jpg

IMG_20170624_125419043.jpg

IMG_20170624_125435171.jpg

IMG_20170624_125626986.jpg

Para fazer as batatas basta primeiro cozê-las na água:

IMG_20170624_122939550.jpg

Fazer orifícios e colocar o molho feito com queijo gorgonzola e creme de leite antes de gratiná-las no forno:

IMG_20170624_124729272.jpg

IMG-20170625-WA0014.jpg

IMG-20170625-WA0019.jpg

Com essas entradas temos algumas cervejas artesanais:

IMG_20170611_144944831.jpg

Witbier brasileira muito bem feita, vale a pena conferir.

IMG_20170611_144952499.jpg

IMG_20170611_145229988.jpg

Uma weizen alemã:

IMG_20170624_132158541.jpg

Outra witbier artesanal muito bem feita:

IMG_20170624_132211585.jpg

IMG_20170624_140223612_HDR.jpg

IMG_20170624_135823710.jpg

Harmonização e características da pinot noir

Conforme falamos no post anterior, o coq au vin combina perfeitamente com vinhos da Borgonha, principalmente os feitos com a uva pinot noir. Essa que é considerada uma das uvas mais difíceis de serem cultivadas por exigir terroirs muito específicos. É dela que se obtém vinhos lendários como o romanée-conti que são vendidos no Brasil com valores absurdos de até R$40 mil reais:

pinot-noir-1-1024x683-1040x585.jpg

romanee.jpg

A pinot noir é talvez a uva mais adorada pelos grandes apreciadores de vinhos. É dito que, através dela produz-se vinhos muito delicados e saborosos. Ficou muito famosa no mundo e, principalmente nos EUA, depois do filme Sideways.

260x365_519ebb6848706.jpg

São vinhos que possuem baixo nível de taninos, uma acidez moderada e aromas muito frutados de cereja, amora, framboesa, especiarias, ervas e flores. Com a idade ressalta toques animais, couro e cogumelos secos. Mas é difícil definir um gosto típico de Pinot Noir, justamente por depender muito do terroir do qual foi extraída, e do seu processo de vinificação.

bdf73d8176c47900aa2fcc13fdfa36f4--wine-varietals-wine-education.jpg
Fonte: https://www.winefolly.com

Por esses motivos, houve uma decisão de harmonizar nosso coq au vin com diversos tipos de pinot noir. O primeiro e o segundo da lista foram degustados num evento anterior com o mesmo prato. Segue-se um pinot noir maravilhoso chileno da bodega ventisquero já citada algumas vezes no blog:

IMG_20170611_150535137.jpg

E um pinot noir argentino maravilhoso: Partidge Reserva Pinot Noir 2013

IMG_20170611_150509657.jpg

Degustados lado a lado todos os dois harmonizaram com o prato porém pode-se perceber a diferença de um pro outro: o chileno bastante aromático e com presença de madeira, porém com uma acidez um pouco acima da média. Já o argentino bem mais redondo e equilibrado em nada se destacando (chileno da esquerda e argentino da direita).

IMG_20170611_151126069.jpg

Vinhos de escolha

O desafio era degustar vários tipos de pinot noir e dizer qual país produz o melhor deles. Para esse desafio tivemos alguns vinhos de peso. O primeiro deles foi um chileno ganhador de vários prêmios, detentor de 91 pontos pelo Wine Spectator (James Suckling): Arboleda Pinot Noir 2014.

IMG_20170624_134902576_HDR.jpg

IMG_20170624_134912726_HDR.jpg

O segundo é um clássico da Califórnia cujo nome dispensa comentários: Robert Mondavi Private Selection Pinot Noir 2014. Caso alguém não tenha visto o post sobre os vinhos californianos pode clicar aqui.

IMG_20170613_192049668.jpg

E temos também dois representantes clássicos da região lendária da Borgonha (o berço da Pinot Noir e dita pelos especialistas possuir os melhores vinhos). Masson Dubois Bougorne 2011 e Louis Latour 2013.

IMG_20170624_131825335_HDR.jpg

IMG_20170624_131833031.jpg

IMG_20170624_131848567_HDR.jpg

IMG_20170624_131859983.jpg

Início das degustações

Após o tempo previsto o coq au vin ficou pronto:

IMG_20170624_142235108.jpg

Como acompanhamento fica perfeito uma baguete de parmesão.

IMG_20170624_142815228.jpg

IMG_20170624_143114951.jpg

IMG_20170624_143441830.jpg

IMG_20170624_143559618.jpg

IMG_20170624_144232076.jpg

IMG_20170624_144345742.jpg

Quando colocamos os três um do lado do outro fica fácil ver algumas características: o chileno é o mais aromático porém o mais ácido de todos. O americano é o mais redondo e agradável com um retrogosto agradável e macio enquanto que o francês é um bom vinho mas sem personalidade e com retrogosto seco e levemente desagradável. Nada se destaca nele, mas de acordo com os presentes foi o que melhor harmonizou com o prato. Nesse duelo não houve vencedores pois todos eram muito bons.

IMG_20170624_150857970.jpg

IMG_20170624_150906664.jpg

Além desses pinot noir tivemos alguns outros muito bons:

IMG_20170624_131033740.jpg

Esse é um Francês feito com um assemblage de uvas:

IMG_20170624_161749107.jpg

Um primitivo italiano que foi uma das estrelas da festa: La Marchesana Primitivo di Puglia 2015.

IMG_20170624_134750596_HDR.jpg

IMG_20170624_134802897.jpg

IMG_20170624_153351840.jpg

Mais uma vez um vinho da bodega ventisquero: Carmenère 2015

IMG_20170624_162714832.jpg

IMG_20170624_162735319.jpg

IMG_20170624_164127208.jpg

E um vinho português do Douro que impressionou por sua qualidade por ser um vinho de R$30 reais. Ele é um dos exemplos de que um vinho não precisa ser caro para ser bom!

IMG_20170611_155920762.jpg

IMG_20170611_155934342_HDR.jpg

Dessert

Como sempre na confraria sempre temos uma surpresa que nos aguarda e hoje foi a vez da maravilhosa torta mais do que genuinamente francesa feita pela minha tia Sônia: Tarte Tatin.

IMG_20170624_151951859_HDR.jpg

Essa torta é muito conhecida na França e tem uma história bem legal. Reza a lenda que a Tarte Tatin teria nascido de um erro culinário, ocasionado por um momento de desatenção da cozinheira. Quando Jean Tatin faleceu no final do século XIX, suas filhas Stéphanie e Caroline herdaram o hotel e restaurante Tatin, situado na pacata cidade de Lamotte-Beuvron, no Loir-et-Cher (centro da França). Caroline era conhecida por ser uma excelente administradora. Já Stéphanie, era uma cozinheira muito talentosa. As duas formavam uma ótima equipe e, mesmo após o falecimento do pai, elas continuaram gerindo com brio o estabelecimento familiar. Uma das especialidades de Stéphanie era a torta de maçãs, que ela servia morna, caramelizada e bem macia. Os clientes vinham de longe para apreciar a famosa iguaria. No entanto, Stéphanie também era conhecida pelo seu jeito meio distraído e tagarela. Assim, num dia de muito movimento, ela ficou conversando demais com os clientes até que se deu conta de que a sobremesa não estava pronta. Então, ela correu para preparar a famosa torta, pôs ela no forno e só depois é que reparou que tinha esquecido de colocar a massa no fundo da forma. Vendo que as maçãs estavam caramelizadas, ela teve a idéia de pôr a massa por cima e de virar a torta quando ela saísse do forno. Quanto aos clientes, eles simplesmente adoraram a nova receita!

IMG_20170624_153711444.jpg

Como acompanhamento para essa receita temos dois licores genuinamente franceses e difíceis de encontrar fora da França. O primeiro deles é o Chartreuse, um licor de pêra:

IMG_20170624_132424202.jpg

IMG_20170624_132426652.jpg

IMG_20170624_132436080.jpg

IMG_20170624_154414486_HDR.jpg

IMG_20170624_154603925.jpg

O segundo é o liqueur de génépi de savoie feito com uma florzinha que cresce nos alpes franceses:

IMG_20170624_132352565.jpg

IMG_20170624_132400904.jpg

IMG_20170624_160902030.jpg

Conclusão

Foi um prazer muito grande receber todos na minha humilde residência e partilhar de momentos tão indeléveis! Recomendo cada um dos vinhos desse post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link