Harmonizando frango assado com vinhos brancos e rosés

“Para vinho ter gosto de vinho, deve ser tomado com um amigo” (Provérbio Espanhol)

IMG_20170603_150428004.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um exemplo de como a simplicidade pode ser perfeita para um encontro de amigos. Como um simples frango na brasa pode ser uma comida tão espetacular. Este é o quarto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o terceiro encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. Hoje falaremos das cervejas produzidas pela Cervejaria Colorado, a qual, na minha opinião, é a melhor cervejaria do Brasil. O que torna elas tão especiais é não apenas o altíssimo nível de qualidade mas também os ingredientes típicos brasileiros usados nas receitas. A primeira delas é uma pilsen bem incomum que recebe mandioca na sua composição: a Cauim.

IMG_20170526_212550699.jpg

IMG_20170526_212617658.jpg

IMG_20170526_212838071.jpg

Confesso que demorei um bom tempo até me animar a querer degustar essa cerveja por pensar que mandioca nada tinha a ver com a bebida. Mas essa combinação é simplesmente estonteante e produz uma pilsen bem mais encorpada do que as outras comumente conhecidas. O nome Cauim vem do Tupi e se refere a uma antiga bebida fermentada de cereais e mandioca, fabricada pelos índios brasileiros.

IMG_20170602_211202587.jpg

IMG_20170602_211214706.jpg

IMG_20170602_211358713.jpg

Essa segunda é simplesmente uma das cervejas de trigo mais gostosas que eu já provei na vida (se não foi a melhor). A combinação de maltes de trigo com mel de abelhas dá um toque todo especial a essa cerveja. Já é a segunda vez que falo dela no blog (confira o primeiro review aqui).

IMG_20170609_213832297.jpg

IMG_20170609_213852841.jpg

IMG_20170609_220424727.jpg

A terceira é uma IPA consagrada no mundo todo e vencedora de diversos prêmios por sua qualidade e inovação por utilizar rapadura na sua confecção. Vale a pena conferir mesmo se você não curte muito o estilo IPA.

IMG_20170603_150415679

Essa quarta cerveja do estilo porter ganhou o prêmio em 2016 junto com a Wäls Dubbel (review aqui) pois foram eleitas as melhores do mundo pelo World Beer Award, prêmio considerado o Oscar da cerveja.

Início do evento

Amigos, hoje estamos na casa maravilhosa e aconchegante dos amigos Vitor e Marcela e vamos provar um frango assado na brasa que é especialidade dele:

IMG_20170603_132553411.jpg

O segredo é deixar o frango marinando por 4 horas com limão tahiti, limão siciliano, cerveja preta, suco de laranja e whiskey (pode ser Scotch ou Bourbon).

IMG_20170603_133946529.jpg

Enquanto o frango é assado, vamos apreciar uma deliciosa witbier:

IMG_20170603_133100793.jpg

Cerveja muito agradável e fácil de beber! Sente-se o aroma da casca de laranja e da semente de coentro sem destoar dos outros. Cerveja bem equilibrada!

IMG_20170603_142458642.jpg

Essa segunda já foi alvo de review no nosso blog (link).

IMG_20170603_133829604.jpg

Essas cervejas harmonizaram bem com alguns queijos como provolone e emmental e com umas deliciosas bruschettas preparadas pelo Vitor com pão de milho:

IMG_20170603_134103687.jpg

IMG_20170603_141845219.jpg

Vinhos de escolha

Normalmente um frango na brasa harmoniza muito bem com um vinho tinto como o pinot noir, mas o desafio lançado foi que a harmonização deveria ser feita exclusivamente com vinhos brancos ou rosés.

IMG_20170603_122042166.jpg

IMG_20170603_122056085.jpg

O primeiro vinho é um corte chileno feito majoritariamente com a cepa chardonnay com um pouco de pinot blanc e pinot grigio. A denominação reserva garante a esse vinho um estágio de médio prazo em barricas de carvalho.

IMG_20170603_145600790_HDR.jpg

IMG_20170603_145611386_HDR.jpg

IMG_20170603_145732112.jpg

IMG_20170603_154420562.jpg

O segundo vinho é simplesmente magnânimo por ser produzido por uma bodega de muito prestígio no Chile e por receber classificação máxima de qualidade. O selo Gran Reserva indica não apenas longo tratamento e envelhecimento em barricas de carvalho mas também utiliza-se uvas de primeira qualidade (caso alguém queira entender mais sobre a diferença entre reservado, reserva e gran reserva clique aqui).

IMG_20170603_150211748_HDR.jpg

IMG_20170603_150223284_HDR.jpg

IMG_20170603_150249520_HDR.jpg

IMG_20170603_150300389.jpg

IMG_20170603_150254762_HDR.jpg

O terceiro e o quarto são rosés franceses originários da região de Provence. Eles são um assemblage de várias uvas (Cinsault, Grenache, etc).

IMG_20170603_150336134.jpg

IMG_20170603_150428004

IMG_20170603_150808902.jpg

IMG_20170603_150818574.jpg

E como guarnição temos uma batata recheada com queijos.

IMG_20170603_150909088.jpg

IMG_20170603_151056910.jpg

IMG_20170603_151436899.jpg

IMG_20170603_152506367.jpg

IMG_20170603_153549251.jpg

Dessert

Após o frango maravilhoso temos ainda uma sobremesa deslumbrante feita pela Marcela:

IMG_20170603_160226756.jpg

E para harmonizar com ela temos dois vinhos de sobremesa: um argentino e outro da África do Sul.

IMG_20170603_160305244_HDR.jpg

IMG_20170603_160133917.jpg

IMG_20170603_160152943.jpg

IMG_20170603_161220670.jpg

Conclusão

Vitor e Marcela, acredito que não foi apenas minha opinião mas de todos os amigos da confraria de que foi o frango assado mais gostoso que já comi na vida. Foi um prazer muito grande esses momentos com vocês! Confesso que fiquei meio incrédulo a princípio sobre se a harmonização daria certo e, mais uma vez, fui surpreendido! Recomendo cada um dos vinhos desse post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Fettuccine verde ao molho pomodoro, frango na cerveja e duelo de shiraz australiano com chileno

 “Os homens são como os vinhos: a idade azeda os maus e apura os bons.” Cícero

IMG_20170521_143850936.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje iremos falar sobre como combinar massas com vinhos e faremos um teste cego para decidirmos qual o melhor Shiraz: australiano ou argentino?

Cervejas

Começaremos falando sobre uma cerveja japonesa que tem se popularizado bastante no Brasil: Kirin Ichiban.

IMG_20170504_195405572.jpg

IMG_20170504_195505158.jpg

Essa é uma cerveja que pode ser tida como uma boa opção para o público brasileiro em geral por se tratar de uma puro malte de bom custo benefício.A segunda é uma witbier espanhola: Estrella Damm Inedit.

IMG_20170513_240614527.jpg

IMG_20170513_240646009.jpg

IMG_20170513_240849529.jpg

Essa é uma cerveja artesanal espanhola criada em parceria com o chef Ferran Adrià, do Restaurante El Bulli. Combina maltes de cevada e trigo, lúpulos, coentro, casca de laranja e alcaçuz, e passa por segunda fermentação na garrafa para ganhar complexidade. Frutada e floral no aroma, adocicada no paladar. É cremosa, fresca, frisante e de final agradável. A terceira cerveja é uma Weiss alemã muito conhecida: Erdinger Urweisse.

IMG_20170513_243345952.jpg

IMG_20170513_243355207.jpg

IMG_20170513_243804690.jpg

Como todos sabem, a Erdinger tradicional é a cerveja de trigo mais consumida do mundo. Já a Urweisse é produzida apenas com o processo de alta fermentação nos tanques (não é refermentada na garrafa), mantendo assim as características típicas de uma cerveja Weiss, com aroma e paladar complexos, rico em notas frutadas.

Características da Shiraz

Amigos, já tivemos aqui no blog um post sobre o vinho que é considerado o melhor Shiraz do mundo: o Crozes-Hermitage (link para o post). E hoje vamos falar sobre o país que produz os segundos melhores Shiraz: a Austrália. Mas quais são as características dessa uva tão famosa?

Syrah-wine-guide.jpg
Fonte: http:\\www.winefolly.com

A Shiraz é uma das uvas mais antigas usadas para fazer vinho datando dos gregos e romanos. Ela tem origem no vale do Rhone na França e possui aromas deliciosos de amoras, chocolate, pimenta, baunilha, tabaco e cogumelos:

frequent-aromas-in-shiraz.png

8332586b318b7903f5b6ed985f28ff44.jpg
Fonte: https://br.pinterest.com

Harmonização e Teste Cego

Hoje vamos escolher uma massa para harmonizar com essa uva maravilhosa. O prato de escolha será um fettuccine verde (leva espinafre na massa) ao molho pomodoro e um frango na cerveja.

IMG_20170521_131129103_HDR.jpg

IMG_20170521_131327728_HDR (1).jpg

IMG_20170521_131358949_HDR.jpg

IMG_20170521_131216812_HDR.jpg

IMG_20170521_131154305.jpg

Enquanto a comida vai sendo preparado podemos ir saboreando um delicioso pão caseiro com queijos e uma boa cerveja.

IMG_20170521_131229442.jpg

IMG_20170521_132033940.jpg

Ou uma caipiroska feita com uma maravilhosa vodka francesa: Cîroc.

IMG_20170521_142455252.jpg

IMG_20170521_134023756.jpg

IMG_20170521_135744798.jpg

IMG_20170521_143850936.jpg

IMG_20170521_142735636.jpg

IMG_20170521_144738659.jpg

Com a comida pronta podemos começar o embate entre os dois vinhos: Chileno ou Australiano?

IMG_20170521_120512741.jpg

IMG_20170521_120539915.jpg

IMG_20170521_143036559.jpg

IMG_20170521_143136832.jpg

IMG_20170521_143402858.jpg

IMG_20170521_143937917.jpg

No teste cego realizado entre as 5 pessoas presentes, todas foram unânimes em escolher o Australiano, o qual se mostrou bem superior tanto no bouquet quanto na boca. Testamos também como harmonização um pinot noir californiano (redwood creek) e um cabernet-sauvignon da África do Sul.

IMG_20170521_150038292.jpg

IMG_20170521_150232986.jpg

IMG_20170521_150243986.jpg

IMG_20170521_150136724.jpg

IMG_20170521_151320549.jpg

E o pinot noir mais uma vez foi a bola da vez ganhando no quesito harmonização!

IMG_20170521_162742446

IMG_20170521_162745843.jpg

IMG_20170521_163234921.jpg

Sobremesa

Para a torta de limão tivemos uma seleção de drinks:

IMG_20170521_155515031.jpg

Licor 43:

IMG_20170521_154925395.jpg

Bellini e Rossini:

IMG_20170521_155111304.jpg

IMG_20170521_155127818.jpg

IMG_20170521_155247234.jpg

IMG_20170521_155447270.jpg

IMG_20170521_155454488.jpg

IMG_20170521_155501495.jpg

IMG_20170521_162405189.jpg

IMG_20170521_155540915.jpg

Conclusão

Dessa vez o australiano se sobressaiu ao chileno mas para a harmonização com a comida o pinot noir californiano surgiu incólume!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Culinária alemã: Eisbein à pururuca com a melhor uva branca do mundo (Riesling da Alsácia)

 “O bom vinho alegra o coração dos Homens.” (Salmos 104:15)

eisbein-bar

Introdução

Olá amigos, hoje iremos adentrar na famosa culinária alemã junto com um vinho da Alsácia. Iremos degustar um prato que é o símbolo da culinária desse país: o Eisbein (Joelho de porco) à pururuca junto com a linguiça (Wurst).

Alsácia: França ou Alemanha?

1e02c7e6259af9d5a0c44534dd32a559.jpg

É interessante porque embora a Alsácia hoje faça parte da França, ela passou boa parte da história sendo da Alemanha. Ambas brigaram pelo seu domínio várias vezes durante a história e, hoje, os costumes germânicos como cultura e língua ainda permanecem como resquícios. No futuro teremos um vinho exclusivamente feito na Alemanha, mas vejam que não há qualquer perda de generalidade de falarmos sobre vinhos da Alemanha nos referindo à Alsácia (esta que é conhecida por produzir os melhores Rieslings do mundo).

Características da Riesling

Amigos, hoje iremos falar sobre a uva branca mais adorada pelos apreciadores de vinho do mundo: a Riesling. E, conforme faço sempre questão de frisar por aqui, essa definição de melhor do mundo é apenas para fins didáticos e por haver maior concordância entre os críticos.

riesling-wine-in-a-glass-with-grapes.jpg
Fonte: http://www.wynefolly.com

Essa uva possui aromas deliciosos de frutas cítricas (abacaxi, laranja, limão, pêra, maçã verde, etc) misturado com o aroma de mel de abelhas conforme mostra o infográfico a seguir:

riesling-fruit-flavors-by-ripeness.jpg
Fonte: http://www.winefolly.com
85ddae27b3fea8ec84af5cfbda326f5a
https://br.pinterest.com

Harmonização

Devido à sua acidez e mineralidade embalada com aromas de mel, esse vinho fica perfeito com o ícone da culinária alemã e, consequentemente, alsaciano: o Eisbein.

O Eisbein está para a culinária alemã assim como a feijoada está para a culinária brasileira. Ele é o joelho do porco, podendo ser preparado cozido, frito ou assado, dependendo do prato e servido com chucrute (repolho refogado).

1200px-Eisbein-1.jpg

Schwein-Eisbein.png

Escolha do restaurante

O Eisbein feito à pururuca e defumado é um prato muito difícil de ser feito em casa, logo iremos optar por degustá-lo num bom restaurante de São Paulo: o Bar do Alemão.

IMG_20170423_115057540_HDR.jpg

E o vinho de escolha será um clássico da Alsácia que pode ser encontrado para a venda no site da Mistral (www.mistral.com.br): P.E. DOPFF & FILS Riesling 2013.

IMG_20170423_083745799.jpg

IMG_20170423_083752759.jpg

IMG_20170423_083805046.jpg

IMG_20170423_115524645.jpg

IMG_20170423_115641101.jpg

IMG_20170423_115727012.jpg

IMG_20170423_115957273_HDR.jpg

Enquanto o vinho é posto para chegar na sua temperatura ideal de consumo iremos pedir um carpaccio com uma excelente cerveja de trigo brasileira: Eisenbahn.

IMG_20170423_115912177_HDR.jpg

IMG_20170423_120016625_HDR.jpg

IMG_20170423_120748650.jpg

IMG-20170423-WA0025.jpg

A beleza do vinho é estonteante!

IMG_20170423_122040853_HDR.jpg

IMG_20170423_122150422_HDR.jpg

O eisbein vem bem servido com batatas, linguiça alemã (Wurst), chucrute, purê de ervilhas e uma cebola crocante com molho de gengibre:

IMG_20170423_123436347.jpg

IMG_20170423_123515110.jpg

IMG_20170423_123822878.jpg

IMG-20170423-WA0033.jpg

IMG-20170423-WA0043.jpg

E por fim pedimos como sobremesa o ícone das sobremesas alemães: a Apfelstrudel. Essa torta folhada com lascas de maçã é um verdadeiro delírio!

IMG_20170423_133239406.jpg

IMG_20170423_133245947.jpg

Conclusão

Desde o começo do blog eu tenho falado que minha uva branca preferida é a Pinot Grigio, mas hoje eu tive de me render à Riesling. Jamais tomei um vinho branco tão gostoso na minha vida!! E ele harmonizou de forma perfeita com o Eisbein. Quem ainda não experimentou essas delícias não sabe o que está perdendo!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Camarão à Húngara, cerveja Deus e a champenoise brasileira Wäls

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170429_183007362.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post que sairá um pouco do modelo ortodoxo já visto desde então. Sabemos que o foco do blog é em vinhos, mas hoje teremos um post levemente diferente: vamos falar sobre cervejas champenoises. Teremos uma exemplar belga produzida em champagne e uma brasileira da cervejaria Wäls. Para acompanhar essas maravilhas vamos fazer uma receita deliciosa: camarão à húngara.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é eleita a melhor cerveja escura do tipo stout do mundo: a guiness.

IMG_20170413_200859881.jpg

IMG_20170413_200937868.jpg

IMG_20170413_201449225.jpg

A Guinness Draught é a cerveja stout mais consumida do mundo. É uma cerveja especial de cor negra e uma excepcional espuma densa e cremosa, que persiste durante toda experiência da degustação. Aromas e sabores de café e chocolate amargo bastante presente a tornam uma cerveja irlandesa referência do estilo stout.

IMG_20170428_201016798.jpg

IMG_20170428_201024288.jpg

IMG_20170428_201414262.jpg

IMG_20170428_201805788

A segunda é uma brasileira muito especial. A cervejaria coruja é um exemplo de qualidade não apenas no Brasil mas no mundo todo. E esse exemplar de trigo é levemente diferente das tradicionais weizen por conter maltes defumados e um leve toque de pimenta do reino. Vale a pena experimentar.

Cervejas champagne

Afinal, é um champagne ou uma cerveja? Garrafa típica de espumante, remuage, segunda fermentação em garrafa, estágio em caves francesas, perlage etc. Assim são as características dessas bebidas. A história das cervejas Champenoise começa com a lendária DeuS, produzida pela cervejaria Bosteels – fundada em 1791, na cidade de Buggenhout, na Bélgica. A DeuS é produzida na Bélgica e depois transferida para a França (Epernay), onde passa pelo processo Champenoise, fazendo uma segunda fermentação na garrafa, passando meses em caves dos melhores espumantes franceses.

deus_cerveja4.jpg

Na mesma linha vêm as cervejas Malheur. A história cervejeira da família Malheur iniciou-se em 1839 e a cervejaria, que também fica em Buggenhout, foi construída em 1997, num prédio do século XVI onde funcionava outra cervejaria.

1290_MalheurBrut_1277923595.jpg

As cervejas Malheur são todas Ales (alta fermentação), vivas e refermentadas na garrafa onde os fermentos continuam vivos após o engarrafamento, possibilitando que seus sabores evoluam com o tempo. Além disso, são produzidas utilizando-se flores de lúpulo in natura. Foi o mestre-cervejeiro da Malheur, Luc Verhaeghen, quem desenvolveu em 2001 essa técnica a partir de várias visitas à região de Champagne, onde estudou os métodos de produção e, principalmente, de condicionamento de garrafas lá utilizados. Inicialmente, suas tentativas foram recebidas com ceticismo, mas, depois, receberam uma grande ajuda do Epernay Oenologique Institut, que forneceu o fermento e viabilizou a aquisição dos grandes pallets giratórios que completam trinta e seis movimentos em sete dias. Mas sem sombra de dúvida foi a DeuS quem conseguiu popularizar o estilo no mundo todo inclusive recebendo diversos prêmios:

  • Medalha de prata na World Beer Cup nos Estados Unidos em 2002
  • Prêmio de “Beer of the Year” nos Estados Unidos em 2003 pela Malt Advocate Magazine
  • Prêmio de “Best of New Beer” nos Estados Unidos em 2003 pela Celebrator Magazine
  • Prêmio de “Biere d innovation de l annee “ na França em 2003 pela Bière Magasine
  • Medalha de Prata na Brewing Industry International Awards em Londres em 2004

Essa Belgian Strong Ale passa pelo método champenoise, ganhando uma similaridade com o champagne. A cerveja Deus tem um gosto leve, mas que esconde seu nível elevado de graduação alcoólica: 11,5%. Aroma complexo, com maçã, hortelã, gengibre, malte, lúpulo e cravo-da-índia. Sabor refrescante com final seco e adstringente. E hoje nós estamos tendo a oportunidade de degustá-la aqui no nosso blog graças à minha esposa Aline que me deu uma de presente de aniversário. Infelizmente essa é uma bebida que não é possível tomarmos com frequência devido ao seu alto preço (custa o mesmo que uma garrafa de champagne no Brasil R$250-300).

IMG_20170429_162303497

IMG_20170429_162311476

IMG_20170429_162333296.jpg

IMG_20170429_162348873.jpg

IMG_20170429_183203319.jpg

Também iremos degustar aqui uma champenoise brasileira que eu pude comprar na minha última viagem à Belo Horizonte quando visitei a melhor cervejaria do país: a Wäls.

IMG_20170429_162448454.jpg

IMG_20170429_162454926.jpg

IMG_20170429_162519893.jpg

Harmonização

Não podemos degustar bebidas de peso sem um prato à altura, logo nossa escolha será pelo famoso camarão à Húngara. Para começar a fazê-lo, tomemos cerca de 1kg de camarão:

IMG_20170429_164149222.jpg

E vamos temperá-los com o sumo de 2 limões:

IMG_20170429_164233892.jpg

2 colheres de sopa de páprica doce e 1 de páprica picante (cuidado pois ela é muito apimentada)

IMG_20170429_164650318.jpg

IMG_20170429_164656834.jpg

IMG_20170429_164854842.jpg

Azeite, pimenta do reino branca e sal a gosto:

IMG_20170429_164937340.jpg

IMG_20170429_165027029.jpg

IMG_20170429_165429362.jpg

Depois deixamos o camarão descansar por cerca de meia hora:

IMG_20170429_165744513.jpg

Enquanto isso vamos cozinhar as batatas. Tomemos 1kg de batata Asterix:

IMG_20170429_170545922.jpg

Vamos descascá-las e cortá-las em rodelas:

IMG_20170429_171650233.jpg

Vamos colocar água e sal em uma panela e aguardar o momento de fervura. Após ele começar a acontecer vamos colocar as batatas e cozê-las de forma que elas apenas fiquem levemente cozidas (10 minutos) para que elas não se desfaçam.

IMG_20170429_170221862.jpg

IMG_20170429_171758984.jpg

Depois iremos secá-las e separá-las:

IMG_20170429_172841863.jpg

Passemos então os camarões para a frigideira com manteiga, azeite e alho:

IMG_20170429_173237071.jpg

IMG_20170429_173606329.jpg

IMG_20170429_173730032.jpg

É interessante não cozinhá-los por muito tempo, a idéia é só selá-los já que depois irão ao forno.

IMG_20170429_173854660.jpg

Depois da selagem, vamos acrescentar cerca de 2 colheres de farinha de trigo:

IMG_20170429_174138077.jpg

IMG_20170429_174249792.jpg

IMG_20170429_174546329.jpg

Adicionamos 800g de creme de leite:

IMG_20170429_174627122.jpg

IMG_20170429_174923702.jpg

IMG_20170429_175252010.jpg

Por fim vamos acrescentar o açafrão:

IMG_20170429_175356181.jpg

IMG_20170429_175611612.jpg

E as batatas:

IMG_20170429_175715402.jpg

IMG_20170429_175805366.jpg

Depois colocaremos numa tigela refratária para levarmos ao forno a 200 graus Celsius:

IMG_20170429_180314999.jpg

Um pouco mais de páprica antes:

IMG_20170429_180509241.jpg

O tempo de cozimento leva cerca de 30 minutos. Enquanto isso faremos o arroz na panela de pressão elétrica:

IMG_20170429_181638939.jpg

Usaremos dois copinhos cheios de arroz:

IMG_20170429_181748012.jpg

Vamos refogar azeite, alho e cebola picada junto com o arroz:

IMG_20170429_181542378.jpg

Após vamos acrescentar cerca de 3 copinhos de água, um sachê de sazon e cozinharemos na pressão por cerca de 12 minutos.

IMG_20170429_181910215.jpg

IMG_20170429_181922276.jpg

IMG_20170429_182044379.jpg

IMG_20170429_182058003.jpg

IMG_20170429_184157008.jpg

Logo após a comida estará pronta para a degustação:

IMG_20170429_183007362

IMG_20170429_183455843.jpg

IMG_20170429_185249590.jpg

IMG_20170429_185445892.jpg

IMG_20170429_191638370.jpg

IMG_20170429_202926369.jpg

IMG_20170429_203341156.jpg

Degustamos também uma cerveja dinamarquesa espetacular: Hertog Jan Tripel. Ela possui uma das garrafas mais bonitas que eu já vi numa cerveja: ela é feita toda de cerâmica.

IMG_20170429_194838294.jpg

IMG_20170429_195226789.jpg

IMG_20170429_195230232.jpg

IMG_20170429_195409134.jpg

IMG_20170429_221458844.jpg

Conclusão

A noite foi maravilhosa com uma excelente companhia: Aline. Sobre as cervejas a nota é 10. Sei que é muito caro comprar uma DeuS aqui no Brasil, mas ela é do tipo que necessita ser degustada ao menos uma vez na vida. Obrigado pelo presente de aniversário querida.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Vinhos do Líbano, Comida árabe e o pinotage da África do Sul

“A melhor maneira de introduzir amigos ao mundo do vinho é abrir garrafas melhores do que eles estão acostumados, mas só falar de suas virtudes caso lhe seja perguntado.” (Jancis Robinson)

IMG_20170408_133554954_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post nos remeterá ao início da cultura vinícola do mundo: o Líbano. Teremos alguns vinhos de diferentes regiões do mundo também como a África do Sul, a Itália, a Argentina, etc. Este é o terceiro encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o segundo encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma excelente cerveja de trigo russa: a Baltika número 8. Ela é produzida na cidade histórica de São Petersburgo.

IMG_20170401_213801126.jpg

IMG_20170401_213814508.jpg

IMG_20170401_213918244.jpg

IMG_20170401_214259107.jpg

Apresenta espuma densa e generosa, suave aroma frutado com toques picantes e suave adocicado.

IMG_20170407_214457972.jpg

IMG_20170407_214520543.jpg

IMG_20170407_214925676.jpg

Essa segunda eu me arrisco a dizer que é a cerveja mais icônica do mundo, pois foi a receita que originou todas as outras cervejas do tipo Pilsen do mundo. Para quem gosta de cerveja, o conhecimento desta é obrigatório. Possui um amargor bem característico e lembra de longe a cerveja Heineken.

IMG_20170407_223000565

IMG_20170407_223013777

IMG_20170407_223633274

Embora já tenha comentado sobre a weihenstephaner num post anterior e sobre a sua importância por ser a cervejaria mais antiga do mundo ainda em atividade, hoje eu trago a cerveja que recebe mais títulos no mundo como a melhor em seu estilo weizenbock: a Vitus. Vale a pena conferir.

Início do evento

Amigos, hoje estamos na casa do Daniel e da Cláudia, a qual, por ser descendente de Libaneses fez um banquete árabe maravilhoso:

IMG_20170408_133544780_HDR

Kibe com coalhada, homus, etc.

IMG_20170408_133554954_HDR

IMG_20170408_133615289

IMG_20170408_140838333_HDR

IMG-20170408-WA0003.jpg

A Cláudia também possui um blog muito legal chamado moda no trabalho. Vou deixar o link para ele aqui:

http://modanotrabalho.com.br/

Para acompanhar essas delícias temos uma seleção de peso de vinhos:

IMG-20170408-WA0002

IMG_20170408_132949714

Como o evento é temático, trouxemos alguns vinhos do Líbano. Apesar de serem pouco conhecidos mundialmente, eles possuem grande qualidade e seguem a linha francesa desde que algumas das vinícolas famosas foram plantadas por monges franceses. O Líbano possui três grandes casas produtoras de vinho: o Chateau Musar, o Chateau Ksara e o Chateau Kefraya.

IMG_20170408_120132630

IMG_20170408_120150088

IMG_20170408_133046796

IMG_20170408_133056655

IMG_20170408_133010402_HDR

IMG_20170408_133015636

IMG_20170408_160240557

Além dos vinhos do Líbano temos alguns bons exemplos como um bom Pinotage da África do Sul. Quem nunca tomou um vinho dessa uva com certeza vai perceber a diferença deles para os outros na primeira degustação. A variedade Pinotage foi criada em 1925, por Abraham Izak Perold (1880 – 1941), sul-africano descente de franceses, PhD em química, e fluente em 8 idiomas. O nome deriva da uva Pinot Noir mais a uva Cinsault (que quando chegou a África do Sul recebeu o nome de Hermitage). É uma uva singular porque combina com quase tudo, vale a pena experimentar.

pinotage
https://capreo.com
aromas-in-pinotage.jpg
https://winefolly.com

IMG_20170408_120215985_HDR.jpg

IMG_20170408_120220314.jpg

IMG_20170408_120233541.jpg

Um dos amigos escolheu um vinho rosé francês do mediterrâneo 100% grenache:

IMG_20170408_134619691.jpg

IMG_20170408_134628491.jpg

E um Rosé Italiano do tipo Pinot Grigio:

IMG_20170408_134703559.jpg

IMG_20170408_134720304.jpg

E finalmente tivemos também um dos Malbec mais conhecidos no mundo: o Norton.

IMG_20170408_140539896_HDR.jpg

IMG_20170408_140543956.jpg

IMG_20170408_140552403.jpg

Para começar nossa degustação iniciaremos com um grande clássico do mundo dos vinhos como já falei anteriormente que essa é minha uva branca favorita: Pinot Grigio.

IMG_20170408_132934898_HDR.jpg

Um detalhe para a toalha da mesa que também possui origem libanesa:

IMG_20170408_133233261.jpg

IMG_20170408_133902253.jpg

IMG_20170408_141142686.jpg

Comecemos então com esse Francês bem fresco e levemente adocicado.

IMG_20170408_141436863.jpg

Mas nem se comparou com esse tinto do Líbano: um espetáculo de vinho. A sensação que eu tive era que eu estava tomando um Grand Vin de Bordeaux. Se me colocassem uma venda nos olhos com certeza diria que era um legítimo Bordeaux. Nota 10.

IMG_20170408_141445021.jpg

Depois seguimos também com o outro tinto do Líbano. Também é um grande vinho porém com uma qualidade um pouco menor do que o anterior!

IMG_20170408_142953980.jpg

Provamos o Norton também:

IMG_20170408_150628443.jpg

Já o Pinotage também ganhou posição de destaque nessa festa, um grande vinho!!!

IMG_20170408_151449243.jpg

Mais uma vez o Líbano ganhou meu respeito como produtor de vinhos. Tomar vinhos de lá é como tomar vinhos franceses!!

IMG_20170408_160506859.jpg

E por último temos o italiano rosé muito suave e agradável:

IMG_20170408_172027628.jpg

IMG_20170408_165646658.jpg

Provamos também uma vodca polonesa maravilhosa que o Daniel trouxe da sua última viagem à Polônia:

IMG_20170408_160057279.jpg

IMG_20170408_161529329.jpg

IMG-20170408-WA0013.jpg

IMG-20170422-WA0010

Dessert

Após os pratos maravilhosos temos ainda doces genuinamente árabes:

IMG_20170408_145611527.jpg

Conclusão

Daniel, Cláudia, familiares e amigos da Confraria, foi um prazer muito grande esses momentos com vocês! E para nossos queridos leitores recomendo com empenho os vinhos do Líbano e o Pinotage da África do Sul, sem esquecer dos outros vinhos mostrados no post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Coquilles-saint-jacques, estrela francesa e um bom vinho chileno

“Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

bravo-bistro.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será breve, pois falaremos rapidamente sobre uma das maiores iguarias francesas e uma das coisas mais gostosas que já comi na vida: o coquilles-saint-jacques.

Cervejas

Antes de falarmos sobre o prato principal, vamos falar sobre algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma witbier muito saborosa: a Hoegaarden.

IMG_20170310_211419431.jpg

IMG_20170310_211621350.jpg

A semente de coentro e a casca de laranja encontram-se muito bem harmonizados nessa cerveja, quem não provou vale a pena provar.

IMG_20170311_222352882.jpg

IMG_20170311_222811019.jpg

Essa segunda weissbier é bastante famosa por ser produzida pela cervejaria mais antiga do mundo que ainda encontra-se em atividade: a Weihenstephaner. Weihenstephan é uma cervejaria e uma marca de cerveja da região alemã da Baviera. É considerada a cerveja mais antiga do mundo (artesanal ou industrial), sendo vendida desde 1040 e fabricada desde os anos 800.

IMG_20170311_224250264.jpg

IMG_20170311_224501192.jpg

Essa terceira é bastante diferente das outras e confesso que não foi muito de meu apreço. Acredito que eles erraram na mão na quantidade de casca de laranja que ela possui. Mas não deixa de ser uma boa cerveja.

Coquilles-saint-jacques

No Brasil esse molusco é muito raro de se encontrar até mesmo em casas mais especializadas. Aqui ele é vendido com o nome de vieira:

coquille.jpg
Coquilles Saint Jacques, em peixaria. Foto de David Jones no Flickr

coquilles-saint-jacques-a-la-dieppoise.jpeg

Ele é um prato famosíssimo na França principalmente no inverno.

Bravo Bistrô

Amigos, quero deixar aqui registrado uma excelente opção de bistrô em São Paulo. Confesso que me surpreendi muito positivamente com o lugar. Bem aconchegante e com excelente atendimento. Fica localizado na Mooca.

11855636_861966500564233_4064413322919759356_n.jpg

Abaixo segue-se o link para o site deles:

http://bravobistro.com.br/

Como escolha de vinho para acompanhar as vieiras escolheremos um clássico: Brisa Chardonnay Vistamar.

IMG_20170325_205503696.jpg

IMG-20170518-WA0028.jpg

E para acompanhar uma boa massa de frutos do mar vamos de um rosé italiano bem fresco:

IMG_20170325_205839215.jpg

IMG_20170325_205920127.jpg

Para entrada escolhemos umas bruschettas deliciosas:

IMG_20170325_213341296.jpg

IMG_20170325_213436436.jpg

E como prato principal escolhi as vieiras:

IMG_20170325_204741497.jpg

bravo-bistro

IMG_20170325_215605679.jpg

Minha esposa escolheu o Tagliatelli ao Frutos do Mar

IMG-20170325-WA0093.jpg

IMG-20170325-WA0111

Conclusão

Com certeza esse foi um dos pratos mais gostosos que eu já comi na vida. Recomendo com empenho o bistrô!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Culinária Mineira com a melhor cachaça do mundo e com uma boa cerveja e vinho mineiros

“Uma taça de vinho vale mais que todas as riquezas da terra.” Gustav Mahler

IMG_20170203_133815824.jpg

Introdução

Amigos, conforme venho falando desde o princípio, o maior orgulho do nosso blog é o fato de falarmos não apenas de regiões famosas como Bordeaux ou o Napa Valley, mas vamos também aos confins da terra (gancho esse que irei usar pois estamos em Belo Horizonte e o aeroporto chama-se confins). Falaremos hoje sobre um dos melhores restaurantes de comida típica mineira e também da nossa visita à melhor cervejaria do Brasil: Wäls. Meu objetivo nesse post é mostrar que Minas Gerais não apenas é conhecida pelo seu belo e simpático povo, mas é uma referência em culinária e bebida.

Cervejaria Wäls

É uma alegria grande poder visitar essa que foi eleita a melhor cervejaria do Brasil e está localizada em BH. Abaixo seguem-se fotos:

IMG-20170204-WA0009

IMG_20170203_120305182

IMG_20170203_120411738

IMG_20170203_120448813

IMG_20170203_120716933

IMG_20170203_120737739

IMG_20170203_121034082

IMG-20170204-WA0014

IMG-20170204-WA0015

IMG-20170204-WA0020.jpg

IMG-20170204-WA0024.jpg

IMG-20170204-WA0028.jpg

IMG-20170204-WA0031.jpg

IMG-20170204-WA0032.jpg

IMG-20170204-WA0034.jpg

IMG-20170204-WA0035.jpg

IMG-20170204-WA0040.jpg

E em baixo a foto das cervejas que iremos degustar:

IMG_20170203_121453754.jpg

A Wäls Dubbel recebeu o prêmio de melhor cerveja do mundo na categoria dubbel:

IMG_20170218_165822110.jpg

IMG_20170218_170214849_HDR.jpg

A Wäls petroleum é uma receita que a Wäls comprou da cervejaria Dum, tamanha é sua qualidade:

IMG_20170218_181806190.jpg

Mas talvez a mais icônica de todas seja a Alambique County. Cerveja produzida através de uma parceria entre a Cervejaria Wäls e a Goose Island. Black Trippel com Bananas Passas e Castanha de Baru (típica do cerrado Mineiro) e maturada por 5 meses em barris de carvalho que antes foram utilizados para maturar cachaça mineira.

IMG_20170227_163039396.jpg

IMG_20170227_163053393.jpg

IMG_20170227_163552612.jpg

IMG_20170227_163235621.jpg

IMG_20170227_163415268.jpg

Restaurante Xapuri

Quem visita BH e não visita o restaurante Xapuri não pode dizer que conheceu a culinária verdadeiramente mineira. O restaurante é um espetáculo e bem típico com a comida feita em forno a lenha. Ele fica localizado numa área nobre da cidade: a Pampulha.

IMG_20170203_125340284_HDR.jpg

IMG_20170203_125452331.jpg

IMG-20170204-WA0003.jpg

IMG-20170204-WA0013

IMG-20170204-WA0043.jpg

IMG-20170204-WA0044.jpg

IMG-20170204-WA0050.jpg

De entrada pedimos um torresmo com uma excelente cerveja de trigo mineira que eu tive o prazer de conhecer: Backer. Pedimos também uma dose da lendária Vale Verde 12 anos. A única cachaça capaz de derrotar a Anísio Santiago vista no post anterior. Ela sempre permaneceu incólume e intocável até a chegada da Vale Verde 12 anos. Vale a pena conferir!!!

IMG_20170203_131006206.jpg

IMG_20170203_131017055.jpg

IMG_20170203_131026431.jpg

 IMG_20170203_131035807.jpg

IMG_20170203_131100498.jpg

IMG_20170203_131209009.jpg

IMG_20170203_131546715.jpg

IMG_20170203_131557571.jpg

Como prato principal pedimos uma costelinha de porco com feijão tropeiro e aipim:

IMG_20170203_133354623.jpg

IMG_20170203_133419040.jpg

A minha surpresa maior não foi a alta qualidade da comida, mas descobrir que existem vinhos bons feitos em Minas. É lógico que ainda não dá pra comparar ele com um Bordeaux, mas é muito bom. Vale a pena conferir!

IMG_20170203_133743028.jpg

IMG_20170203_133753306.jpg

IMG_20170203_133815824

Quero deixar abaixo um link para curiosidades sobre esses vinhos de Minas Gerais com reviews feitos por sommeliers famosos. Vale a pena conhecer:

http://www.otempo.com.br/gastro/as-vinhas-de-minas-em-evolu%C3%A7%C3%A3o-1.925416

Tive a oportunidade de tirar uma foto com a cozinheira e proprietária do estabelecimento:

IMG_20170203_134454599.jpg

IMG-20170204-WA0001.jpg

Conclusão

Adorei ter conhecido Minas Gerais, sua culinária, costumes, seu povo e, sobretudo, seus vinhos. Adoro saber que posso tomar vinhos do Brasil e saber que eles possuem qualidade e um futuro de muito sucesso.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Don Melchor, o melhor vinho chileno e a churrascaria Vento Haragano

“Nunca fiz amigos bebendo leite, por isso bebo vinho.” Silas Sequetin

IMG_20170324_204033007.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será o cumprimento de uma promessa que eu fiz num post anterior sobre poder degustar o melhor vinho do Chile e, sem perda de generalidade, o melhor Cabernet-Sauvignon do mundo. Já falei várias vezes que essa denominação de o melhor do mundo é relativa mas, em questão de Qualidade, o Don Melchor é praticamente imbatível. Quero agradecer ao meu pai por ter feito a gentileza de ter trazido esse vinho lá da Concha Y Toro para mim e ao meu amigo Rafael Campos por ter trazido de Cuba um presente muito especial para mim: um charuto cubano Cohiba.

Vinhos de escolha: Don Melchor 2013 e Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon

O Don Melchor é um vinho muito difícil de ser consumido aqui no Brasil devido ao seu alto preço. No post do Spettus Boa Viagem eu falei que, no restaurante, ele estava sendo vendido por R$800. Pela Internet é possível encontrá-lo por cerca de R$600. Já na Concha Y Toro ele custa R$300. Ou seja, se você tiver vontade de degustá-lo, não o compre no Brasil. Meu pai me deu esse presente maravilhoso.

IMG-20170301-WA0004.jpg

IMG-20170302-WA0000

IMG_20170307_195808700.jpg

IMG_20170307_195835317.jpg

IMG_20170307_195844637.jpg

IMG_20170307_195912050.jpg

IMG_20170307_195935523.jpg

IMG_20170307_195942648.jpg

IMG_20170307_200046167.jpg

IMG_20170307_200057892.jpg

IMG_20170307_200118866.jpg

Abaixo temos uma lista de premiações que ele recebeu:

  • Don Melchor 2008: 94 pontos. Wine Spectator Octubre 2012.
  • Wine Spectator: 94 pontos (2011).
  • Robert Parker 95 pontos (2010).
  • Wine Spectator: 95 pontos (2010)
  • Top 10 vinhos de 2014 = Nono Lugar!
Don-Melchor
Fonte:http://www.conchaytoro.com

No aplicativo do vivino ele recebe a oitava colocação como o melhor vinho do mundo. Don Melchor é a expressão máxima da uva Cabernet Sauvignon no Chile! Estamos diante de uma lenda viva. Abaixo eu vou deixar uma entrevista muito bacana no youtube com o enólogo responsável por este vinho tão maravilhoso. Nela pode-se ver a plantação das uvas e o Enrique Tirado explica como é possível termos um vinho dessa qualidade. Vale a pena conferir:

https://www.youtube.com/watch?v=4jqmODTcXks

Para degustarmos um vinho dessa qualidade precisamos também de um lugar à altura: churrascaria Vento Haragano. Eleita como uma das melhores de São Paulo e do Brasil.

IMGG_4588.jpg

Outro ponto que eu considero o mais importante é saber se realmente há uma diferença concreta e real entre um vinho considerado premium e um top como esse. Por isso vamos comparar o Don Melchor com o vinho o qual eu o considero o melhor custo benefício no Brasil: o Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon. Já degustamos esse vinho no post da lagosta e caviar.

IMG_20170324_192602291.jpg

IMG_20170324_192651966.jpg

Tomemos então nossos vinhos e partamos para o restaurante.

IMG_20170324_195622833.jpg

Chegada ao restaurante e harmonizações

front-door-logo.jpg

IMG_20170324_204017680.jpg

O Vento Haragano fica localizado na avenida Rebouças. É muito legal ir ao estabelecimento pois o clima é realmente do Rio Grande do Sul: pessoas bonitas e todos os atendentes, garçons, recepcionistas e gerentes vestidos a caráter (com a pilcha gaúcha). Parece que estamos indo para um fandango de alto nível!

IMG_20170324_204033007

IMG_20170324_204404514.jpg

A recepção e o atendimento do restaurante é bem acima da média. Os dois sommeliers da noite Alcyr e Tiago muito profissionais e competentes nos deram muitas dicas de valor que agregou bastante.

IMG_20170324_204428832.jpg

IMG_20170324_204444421.jpg

Primeiro o Don Melchor:

IMG_20170324_204522185.jpg

Depois o Marquês de Casa Concha (após tomar água):

IMG_20170324_204617085.jpg

Uma comparação entre os dois juntos: o da direita é o Don Melchor

IMG_20170324_204944439.jpg

A diferença entre eles é clara e perceptível. Não chega a ser um absurdo mas percebe-se realmente a superioridade de um para com o outro. Enquanto no Marquês de Casa Concha há a presença clara de frutas negras e vermelhas como amoras, cerejas e ameixas, no Don Melchor esses aromas se acentuam parecendo uma compota de frutas. É fantástico poder ver essa diferença tão clara. A acidez presente no Marquês de Casa Concha se suaviza no Don Melchor. Ela perde um pouco a “aspereza”. Outro ponto fantástico é que eu pude entender na prática o que significa taninos redondos. No Don Melchor os taninos são muito suaves e o vinho desce como uma pomada (como dizem os portugueses), já no Marquês de Casa Concha percebe-se que eles ainda encontram-se rústicos e eles “agridem” mais a boca. Maravilhosa Experiência.

IMG_20170324_205243781.jpg

Todas as carnes da casa são fantásticas, mas a costela premium é a mais gostosa que eu já comi na vida.

IMG_20170324_205316701.jpg

IMG_20170324_205323424.jpg

A fraldinha (vazio) deles também é espetacular:

IMG_20170324_205348241.jpg

IMG_20170324_205350369.jpg

A paleta de cordeiro:

IMG_20170324_205415171.jpg

IMG_20170324_205429996.jpg

O assado de tira

IMG_20170324_205703370.jpg

IMG_20170324_205735731.jpg

IMG_20170324_205746458.jpg

A alcatra

IMG_20170324_205904277.jpg

Carré de Cordeiro

IMG_20170324_210059962.jpg

IMG_20170324_210258411.jpg

Tambaqui

IMG_20170324_210456174.jpg

Picanha perfeita

IMG_20170324_212735476.jpg

IMG-20170325-WA0008.jpg

IMG-20170325-WA0013.jpg

IMG-20170325-WA0016.jpg

IMG-20170325-WA0018.jpg

IMG-20170325-WA0020.jpg

IMG-20170325-WA0026

IMG-20170325-WA0025.jpg

IMG-20170325-WA0007.jpg

Paralelamente a isso o Alcyr me convidou para conhecer a adega da casa e me mostrou rótulos realmente lendários custando mais de R$15 mil reais (Romanée Conti, Petrus, etc).

IMG_20170324_233047632.jpg

IMG_20170324_233052513.jpg

IMG_20170324_233103187.jpg

Esse custa mais de R$10 mil:

IMG_20170324_233343763.jpg

Aqui é o lendário Vega Sicília Espanhol, custando pouco mais de R$16 mil

IMG_20170324_233759157.jpg

O lendário Château Mouton-Rothschild custando R$17 mil

IMG_20170324_233828744.jpg

IMG_20170324_233840349.jpg

IMG_20170324_233906670.jpg

IMG_20170324_233625732.jpg

IMG_20170324_233702754.jpg

IMG_20170324_233716476.jpg

IMG_20170324_233815103.jpg

Mas talvez a maior preciosidade da casa seja esse aqui trazido pelo Papa ao Brasil. Um dos vinhos mais raros do mundo.

IMG_20170324_233458046.jpg

Para terminar o jantar vamos repetir a dose do Spettus Boa Viagem: Baileys Frappe

IMG_20170324_230906537.jpg

IMG_20170324_230909249.jpg

IMG_20170324_230913689 (1).jpg

IMG_20170324_231049033.jpg

Charuto Cohiba com Cognac Francês

Amigos, a noite foi maravilhosa, porém ainda não tinha terminado ali. Ao chegar em casa vou experimentar o melhor charuto do mundo que meu amigo Rafael Campos trouxe como um presente de sua última viagem a Cuba. E nada mais perfeito para harmonizar do que um legítimo Cognac francês.

IMG_20170306_185509781.jpg

IMG_20170306_185544578.jpg

img_20170106_212057207

img_20170106_212125476

IMG_20170325_244421194.jpg

Conclusão

O Vento Haragano é um excelente restaurante que possui as melhores carnes que eu já comi na vida. O atendimento também é sensacional, recomendo com empenho. Possuo apenas três críticas: o preço é muito acima da média, o buffet não é muito variado e ele não possui carnes nobres como faisão ou avestruz. Tirando esses três pontos o restaurante merece nota 10, vale a pena conhecer. Sobre o vinho Don Melchor foi uma experiência maravilhosa porém não a repetiria pois a diferença entre ele e o Marquês de Casa Concha não chega a ser suficiente para pagar 7 ou 8 vezes mais nele. Recomendo porém tomar uma única vez na vida para conhecer essa lenda.

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Paella de Frutos do Mar com Albariño, Sauvignon Blanc Gran Reserva, Castello D’Alba Vinhas Velhas e Paralelo 8

“O vinho lava nossas inquietações, enxuga a alma até o fundo, e , entre outras coisas, garante a cura da tristeza.” Sêneca

IMG_20170225_143505725.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje é um post especial porque estamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline e vamos degustar um dos nossos pratos preferidos: a paella de frutos do mar junto com o vinho de perfeita harmonização (uva Albariño) conforme prometido no post anterior. Também teremos algumas cervejas e vinhos perfeitos. Agradecemos aqui a minha tia Sônia por ter preparado essa receita tão maravilhosa.

Apéritif

Continuando com o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: delirium nocturnum, a paulaner oktoberfest bier e uma das minhas cervejas de trigo preferidas: karavelle.

IMG_20170210_124733141.jpg

IMG_20170210_124951117.jpg

Esta excelente Belgian Strong Dark Ale é produzida com 3 tipos de levedura e 5 tipos de malte que fazem com que a Delirium Nocturnum tenha um sabor complexo com notas de frutas passas e chocolate além de um aroma adocicado. De cor escura, triplamente fermentada e bem encorpada, é a companhia ideal para o inverno.

IMG_20170210_130842414.jpg

IMG_20170210_130955889.jpg

Esta é a cerveja mais famosa que é consumida durante a Oktoberfest da capital Bávara (Munich), que acontece desde o ano de 1810. De coloração amarelo forte com uma ótima formação de espuma de boa duração. É uma cerveja transparente de brilho intenso. No nariz, os aromas do malte lembram biscoito e cereais matinais, seguido do leve floral do lúpulo. A cerveja possui o dulçor dos maltes ao mesmo tempo que o amargor do lúpulo.

IMG_20170210_134445523.jpg

IMG_20170210_134707976 (1).jpg

Essa terceira figura entre as cervejas de trigo mais saborosas na minha opinião. Muito encorpada e gosto extremamente agradável. Cerveja paulista que não deixa a desejar para nenhuma outra europeia. Recomendo com empenho!!

Harmonização com a paella de frutos do mar

A paella é um prato bem típico que surgiu na Espanha, nos séculos XV e XVI, na região de Valência, mais especificamente na região de Albufera, região de grandes arrozais e de grande produção de verduras frescas.

valencia_mapadeespana_520x350

Originalmente um prato popular, foi criada pelos camponeses que partiam para o campo com a paellera ou paella, arroz, azeite e sal e agregavam ingredientes da caça, legumes da estação e as sobras que possuíam. O tomate só foi acrescentado posteriormente, trazido da América por Cristóvão Colombo, e o frango, que era muito caro para os padrões da época. Com a difusão da paella pela costa, foram acrescentados frutos do mar: choco, camarões, lulas, lagostins, amêijoas (vôngole), mexilhões, e polvo, tornando-o um prato misto (terra e mar). Em suas diferentes variações, encontram-se ainda as “paellas marineras” (peixe e frutos do mar) e a “paella negra”, com tinta de lula. No Brasil, normalmente é feita com frutos do mar.

IMG_20170225_125846533_HDR.jpg

IMG_20170225_130005531.jpg

Vamos começar a fazer a paella usando um molho específico de peixe que pode ser comprado pronto ou pode ser feito em casa somente com o uso das cabeças do peixe e temperadas com sal, pimenta, etc. O fumê de peixe será usado ao invés da água para cozinhá-la:

IMG_20170225_133606971.jpg

As cabeças e cascas dos camarões serão colocadas ao fogo com azeite tomando cuidado para que o molho não chegue ao fervor. Depois essa marinada pode ser utilizada.

IMG_20170225_133903773.jpg

IMG_20170225_134131087.jpg

Aproximadamente 2 cebolas picadas:

IMG_20170225_134913559.jpg

O azeite ideal para usarmos é um que é próprio para cozinhar:

IMG_20170225_134549760.jpg

Continuaremos a refogar a cebola junto agora com dois pimentões: 1 amarelo e 1 vermelho. Sugestão: Caso você não goste muito de comer o pimentão a idéia é cortá-lo em fatias grandes como faremos aqui.

IMG_20170225_135333864.jpg

IMG_20170225_135338062.jpg

IMG_20170225_135629228.jpg

O arroz a ser utilizado é aquele próprio para risotos:

IMG_20170225_134424524.jpg

IMG_20170225_134527911.jpg

Refogamo-lo junto com os pimentões e a cebola:

IMG_20170225_135929575.jpg

IMG_20170225_135935095.jpg

Acrescentamos então sal e pimenta do reino branca:

IMG_20170225_140004363.jpg

IMG_20170225_140005958.jpg

Depois adicionamos o açafrão:

IMG_20170225_140205933.jpg

IMG_20170225_140049758.jpg

IMG_20170225_140054040.jpg

Agora vamos adicionar o caldo do peixe e deixá-la cozinhar um pouco:

IMG_20170225_140244435.jpg

IMG_20170225_140246982.jpg

IMG_20170225_140409504.jpg

Após isso iremos adicionar os frutos do mar que já estavam marinando com limão siciliano, cachaça e azeite: Polvo, Lula, Mexilhão e Camarão.

IMG_20170225_141014293.jpg

IMG_20170225_141159616.jpg

Depois de um tempo cozinhando iremos adicionar as vagens de ervilha e o camarão gigante:

IMG_20170225_141808479.jpg

IMG_20170225_133834293.jpg

IMG_20170225_142118059.jpg

Depois de um tempo cozinhando no fogo a paella estará pronta:

IMG_20170225_143341016.jpg

IMG_20170225_143501022.jpg

IMG_20170225_143505725.jpg

Conforme falei na apresentação do nosso post, o vinho que serve de forma perfeita para a harmonização com essa paella são os feitos com a casta albariño, que é a uva Alvarinho do post anterior produzida no terroir espanhol. Conforme falamos anteriormente, os vinhos produzidos com essa uva são bem minerais e possuem um nível de acidez acima da média.

IMG_20170225_144349250.jpg

O segundo vinho para a harmonização será um dos tops em qualidade da concha y toro: Sauvignon Blanc Gran Reserva. Esse é um vinho branco porém amadeirado que passa o tempo máximo possível em barricas de carvalho.

IMG_20170225_150316549.jpg

Após a paella teremos uma verdadeira obra prima de Portugal: Castello D’alba Vinhas Velhas. Uma vinha velha pode ter 80 ou 100 anos no Douro e 50 no Alentejo – não há fronteiras temporais rígidas, porém o resultado é uma produção pequena de uvas com concentração, profundidade e equilíbrio. Com uma enologia consciente, os resultados no copo chegam a ser comoventes. Poder degustar um vinho desse porte é um verdadeiro sonho estando no Brasil pois nem pela internet consegui encontrar esse vinho!!

IMG_20170225_133134229.jpg

Esse vinho passa 18 meses em barricas de carvalho francês e o resultado é um vinho altamente frutado com aromas claros de frutas negras e vermelhas.

IMG_20170225_152110052_HDR.jpg

IMG_20170225_153318522.jpg

O segundo vinho tinto é um verdadeiro orgulho para o Brasil e para o Vale do São Francisco. Já tivemos um post sobre um bom vinho da vinícola Rio Sol aqui no blog onde eu também prometi que ia fazer um review sobre o top deles: o paralelo 8. Esse que foi eleito o terceiro melhor vinho do Brasil.

IMG_20170225_155720910.jpg

IMG_20170225_161219408.jpg

IMG_20170225_161016636.jpg

Vinho que lembra bem o Alentejo. Para finalizar tivemos também o vinho que já nos foi apresentado no post anterior: o redwood creek pinot noir. Um vinho famosíssimo nos Estados Unidos.

IMG_20170225_163850562.jpg

IMG_20170225_164502779.jpg

Conclusão

Acho que o ponto que mais frisamos aqui no blog é o fato da comida ser ligada à bebida e vice e versa. Harmonizar uma boa comida com a bebida correta pode obter prazeres inimagináveis e assim foi com nossa paella. Mais uma vez parabéns minha querida Aline.

Conheça todos os posts do blog através desse link