Fettuccine verde ao molho pomodoro, frango na cerveja e duelo de shiraz australiano com chileno

 “Os homens são como os vinhos: a idade azeda os maus e apura os bons.” Cícero

IMG_20170521_143850936.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje iremos falar sobre como combinar massas com vinhos e faremos um teste cego para decidirmos qual o melhor Shiraz: australiano ou argentino?

Cervejas

Começaremos falando sobre uma cerveja japonesa que tem se popularizado bastante no Brasil: Kirin Ichiban.

IMG_20170504_195405572.jpg

IMG_20170504_195505158.jpg

Essa é uma cerveja que pode ser tida como uma boa opção para o público brasileiro em geral por se tratar de uma puro malte de bom custo benefício.A segunda é uma witbier espanhola: Estrella Damm Inedit.

IMG_20170513_240614527.jpg

IMG_20170513_240646009.jpg

IMG_20170513_240849529.jpg

Essa é uma cerveja artesanal espanhola criada em parceria com o chef Ferran Adrià, do Restaurante El Bulli. Combina maltes de cevada e trigo, lúpulos, coentro, casca de laranja e alcaçuz, e passa por segunda fermentação na garrafa para ganhar complexidade. Frutada e floral no aroma, adocicada no paladar. É cremosa, fresca, frisante e de final agradável. A terceira cerveja é uma Weiss alemã muito conhecida: Erdinger Urweisse.

IMG_20170513_243345952.jpg

IMG_20170513_243355207.jpg

IMG_20170513_243804690.jpg

Como todos sabem, a Erdinger tradicional é a cerveja de trigo mais consumida do mundo. Já a Urweisse é produzida apenas com o processo de alta fermentação nos tanques (não é refermentada na garrafa), mantendo assim as características típicas de uma cerveja Weiss, com aroma e paladar complexos, rico em notas frutadas.

Características da Shiraz

Amigos, já tivemos aqui no blog um post sobre o vinho que é considerado o melhor Shiraz do mundo: o Crozes-Hermitage (link para o post). E hoje vamos falar sobre o país que produz os segundos melhores Shiraz: a Austrália. Mas quais são as características dessa uva tão famosa?

Syrah-wine-guide.jpg
Fonte: http:\\www.winefolly.com

A Shiraz é uma das uvas mais antigas usadas para fazer vinho datando dos gregos e romanos. Ela tem origem no vale do Rhone na França e possui aromas deliciosos de amoras, chocolate, pimenta, baunilha, tabaco e cogumelos:

frequent-aromas-in-shiraz.png

8332586b318b7903f5b6ed985f28ff44.jpg
Fonte: https://br.pinterest.com

Harmonização e Teste Cego

Hoje vamos escolher uma massa para harmonizar com essa uva maravilhosa. O prato de escolha será um fettuccine verde (leva espinafre na massa) ao molho pomodoro e um frango na cerveja.

IMG_20170521_131129103_HDR.jpg

IMG_20170521_131327728_HDR (1).jpg

IMG_20170521_131358949_HDR.jpg

IMG_20170521_131216812_HDR.jpg

IMG_20170521_131154305.jpg

Enquanto a comida vai sendo preparado podemos ir saboreando um delicioso pão caseiro com queijos e uma boa cerveja.

IMG_20170521_131229442.jpg

IMG_20170521_132033940.jpg

Ou uma caipiroska feita com uma maravilhosa vodka francesa: Cîroc.

IMG_20170521_142455252.jpg

IMG_20170521_134023756.jpg

IMG_20170521_135744798.jpg

IMG_20170521_143850936.jpg

IMG_20170521_142735636.jpg

IMG_20170521_144738659.jpg

Com a comida pronta podemos começar o embate entre os dois vinhos: Chileno ou Australiano?

IMG_20170521_120512741.jpg

IMG_20170521_120539915.jpg

IMG_20170521_143036559.jpg

IMG_20170521_143136832.jpg

IMG_20170521_143402858.jpg

IMG_20170521_143937917.jpg

No teste cego realizado entre as 5 pessoas presentes, todas foram unânimes em escolher o Australiano, o qual se mostrou bem superior tanto no bouquet quanto na boca. Testamos também como harmonização um pinot noir californiano (redwood creek) e um cabernet-sauvignon da África do Sul.

IMG_20170521_150038292.jpg

IMG_20170521_150232986.jpg

IMG_20170521_150243986.jpg

IMG_20170521_150136724.jpg

IMG_20170521_151320549.jpg

E o pinot noir mais uma vez foi a bola da vez ganhando no quesito harmonização!

IMG_20170521_162742446

IMG_20170521_162745843.jpg

IMG_20170521_163234921.jpg

Sobremesa

Para a torta de limão tivemos uma seleção de drinks:

IMG_20170521_155515031.jpg

Licor 43:

IMG_20170521_154925395.jpg

Bellini e Rossini:

IMG_20170521_155111304.jpg

IMG_20170521_155127818.jpg

IMG_20170521_155247234.jpg

IMG_20170521_155447270.jpg

IMG_20170521_155454488.jpg

IMG_20170521_155501495.jpg

IMG_20170521_162405189.jpg

IMG_20170521_155540915.jpg

Conclusão

Dessa vez o australiano se sobressaiu ao chileno mas para a harmonização com a comida o pinot noir californiano surgiu incólume!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Paella de Frutos do Mar com Albariño, Sauvignon Blanc Gran Reserva, Castello D’Alba Vinhas Velhas e Paralelo 8

“O vinho lava nossas inquietações, enxuga a alma até o fundo, e , entre outras coisas, garante a cura da tristeza.” Sêneca

IMG_20170225_143505725.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje é um post especial porque estamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline e vamos degustar um dos nossos pratos preferidos: a paella de frutos do mar junto com o vinho de perfeita harmonização (uva Albariño) conforme prometido no post anterior. Também teremos algumas cervejas e vinhos perfeitos. Agradecemos aqui a minha tia Sônia por ter preparado essa receita tão maravilhosa.

Apéritif

Continuando com o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: delirium nocturnum, a paulaner oktoberfest bier e uma das minhas cervejas de trigo preferidas: karavelle.

IMG_20170210_124733141.jpg

IMG_20170210_124951117.jpg

Esta excelente Belgian Strong Dark Ale é produzida com 3 tipos de levedura e 5 tipos de malte que fazem com que a Delirium Nocturnum tenha um sabor complexo com notas de frutas passas e chocolate além de um aroma adocicado. De cor escura, triplamente fermentada e bem encorpada, é a companhia ideal para o inverno.

IMG_20170210_130842414.jpg

IMG_20170210_130955889.jpg

Esta é a cerveja mais famosa que é consumida durante a Oktoberfest da capital Bávara (Munich), que acontece desde o ano de 1810. De coloração amarelo forte com uma ótima formação de espuma de boa duração. É uma cerveja transparente de brilho intenso. No nariz, os aromas do malte lembram biscoito e cereais matinais, seguido do leve floral do lúpulo. A cerveja possui o dulçor dos maltes ao mesmo tempo que o amargor do lúpulo.

IMG_20170210_134445523.jpg

IMG_20170210_134707976 (1).jpg

Essa terceira figura entre as cervejas de trigo mais saborosas na minha opinião. Muito encorpada e gosto extremamente agradável. Cerveja paulista que não deixa a desejar para nenhuma outra europeia. Recomendo com empenho!!

Harmonização com a paella de frutos do mar

A paella é um prato bem típico que surgiu na Espanha, nos séculos XV e XVI, na região de Valência, mais especificamente na região de Albufera, região de grandes arrozais e de grande produção de verduras frescas.

valencia_mapadeespana_520x350

Originalmente um prato popular, foi criada pelos camponeses que partiam para o campo com a paellera ou paella, arroz, azeite e sal e agregavam ingredientes da caça, legumes da estação e as sobras que possuíam. O tomate só foi acrescentado posteriormente, trazido da América por Cristóvão Colombo, e o frango, que era muito caro para os padrões da época. Com a difusão da paella pela costa, foram acrescentados frutos do mar: choco, camarões, lulas, lagostins, amêijoas (vôngole), mexilhões, e polvo, tornando-o um prato misto (terra e mar). Em suas diferentes variações, encontram-se ainda as “paellas marineras” (peixe e frutos do mar) e a “paella negra”, com tinta de lula. No Brasil, normalmente é feita com frutos do mar.

IMG_20170225_125846533_HDR.jpg

IMG_20170225_130005531.jpg

Vamos começar a fazer a paella usando um molho específico de peixe que pode ser comprado pronto ou pode ser feito em casa somente com o uso das cabeças do peixe e temperadas com sal, pimenta, etc. O fumê de peixe será usado ao invés da água para cozinhá-la:

IMG_20170225_133606971.jpg

As cabeças e cascas dos camarões serão colocadas ao fogo com azeite tomando cuidado para que o molho não chegue ao fervor. Depois essa marinada pode ser utilizada.

IMG_20170225_133903773.jpg

IMG_20170225_134131087.jpg

Aproximadamente 2 cebolas picadas:

IMG_20170225_134913559.jpg

O azeite ideal para usarmos é um que é próprio para cozinhar:

IMG_20170225_134549760.jpg

Continuaremos a refogar a cebola junto agora com dois pimentões: 1 amarelo e 1 vermelho. Sugestão: Caso você não goste muito de comer o pimentão a idéia é cortá-lo em fatias grandes como faremos aqui.

IMG_20170225_135333864.jpg

IMG_20170225_135338062.jpg

IMG_20170225_135629228.jpg

O arroz a ser utilizado é aquele próprio para risotos:

IMG_20170225_134424524.jpg

IMG_20170225_134527911.jpg

Refogamo-lo junto com os pimentões e a cebola:

IMG_20170225_135929575.jpg

IMG_20170225_135935095.jpg

Acrescentamos então sal e pimenta do reino branca:

IMG_20170225_140004363.jpg

IMG_20170225_140005958.jpg

Depois adicionamos o açafrão:

IMG_20170225_140205933.jpg

IMG_20170225_140049758.jpg

IMG_20170225_140054040.jpg

Agora vamos adicionar o caldo do peixe e deixá-la cozinhar um pouco:

IMG_20170225_140244435.jpg

IMG_20170225_140246982.jpg

IMG_20170225_140409504.jpg

Após isso iremos adicionar os frutos do mar que já estavam marinando com limão siciliano, cachaça e azeite: Polvo, Lula, Mexilhão e Camarão.

IMG_20170225_141014293.jpg

IMG_20170225_141159616.jpg

Depois de um tempo cozinhando iremos adicionar as vagens de ervilha e o camarão gigante:

IMG_20170225_141808479.jpg

IMG_20170225_133834293.jpg

IMG_20170225_142118059.jpg

Depois de um tempo cozinhando no fogo a paella estará pronta:

IMG_20170225_143341016.jpg

IMG_20170225_143501022.jpg

IMG_20170225_143505725.jpg

Conforme falei na apresentação do nosso post, o vinho que serve de forma perfeita para a harmonização com essa paella são os feitos com a casta albariño, que é a uva Alvarinho do post anterior produzida no terroir espanhol. Conforme falamos anteriormente, os vinhos produzidos com essa uva são bem minerais e possuem um nível de acidez acima da média.

IMG_20170225_144349250.jpg

O segundo vinho para a harmonização será um dos tops em qualidade da concha y toro: Sauvignon Blanc Gran Reserva. Esse é um vinho branco porém amadeirado que passa o tempo máximo possível em barricas de carvalho.

IMG_20170225_150316549.jpg

Após a paella teremos uma verdadeira obra prima de Portugal: Castello D’alba Vinhas Velhas. Uma vinha velha pode ter 80 ou 100 anos no Douro e 50 no Alentejo – não há fronteiras temporais rígidas, porém o resultado é uma produção pequena de uvas com concentração, profundidade e equilíbrio. Com uma enologia consciente, os resultados no copo chegam a ser comoventes. Poder degustar um vinho desse porte é um verdadeiro sonho estando no Brasil pois nem pela internet consegui encontrar esse vinho!!

IMG_20170225_133134229.jpg

Esse vinho passa 18 meses em barricas de carvalho francês e o resultado é um vinho altamente frutado com aromas claros de frutas negras e vermelhas.

IMG_20170225_152110052_HDR.jpg

IMG_20170225_153318522.jpg

O segundo vinho tinto é um verdadeiro orgulho para o Brasil e para o Vale do São Francisco. Já tivemos um post sobre um bom vinho da vinícola Rio Sol aqui no blog onde eu também prometi que ia fazer um review sobre o top deles: o paralelo 8. Esse que foi eleito o terceiro melhor vinho do Brasil.

IMG_20170225_155720910.jpg

IMG_20170225_161219408.jpg

IMG_20170225_161016636.jpg

Vinho que lembra bem o Alentejo. Para finalizar tivemos também o vinho que já nos foi apresentado no post anterior: o redwood creek pinot noir. Um vinho famosíssimo nos Estados Unidos.

IMG_20170225_163850562.jpg

IMG_20170225_164502779.jpg

Conclusão

Acho que o ponto que mais frisamos aqui no blog é o fato da comida ser ligada à bebida e vice e versa. Harmonizar uma boa comida com a bebida correta pode obter prazeres inimagináveis e assim foi com nossa paella. Mais uma vez parabéns minha querida Aline.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Paleta de cordeiro com batatas aos murros, vinhos do douro e pinot noir californiano com queijo Serra da Estrela

“O vinho é o mais notável de todos os remédios; onde falta o vinho, os remédios se fazem necessários”. Livros do Talmud (500-400 a.C.)

img_20170129_140004634

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será muito especial devido ao fato de que iremos desbravar o mundo português tanto da culinária quanto dos vinhos. Iremos falar sobre o queijo mais gostoso que eu já comi na vida e de mais assuntos afins como um excelente pinot noir da Califórnia. Para facilitar o entendimento, abaixo temos a foto do mapa de Portugal com suas regiões vínicas:

IMG_20170129_183911194.jpg

Apéritif

De modo a não perdermos o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: goose island honkers ale, a hofbräu e a eisenbahn weizenbier.

IMG_20170128_193626547.jpg

IMG_20170128_193730712.jpg

Essa, junto com a delirium tremens, é uma cerveja altamente agradável e fácil de tomar. Muito encorpada e dotada de aromas extremamente frutados. Excelente standard bitter.

IMG_20170128_195857095.jpg

IMG_20170128_200035569.jpg

Essa é o tipo de cerveja que dispensa apresentações. Refrescante, levemente amarga e picante, ela apresenta baixa fermentação e é produzida de acordo com a Lei de Pureza de 1516. A cervejaria Hofbräu pertence à prefeitura de Munique e, nos seus mais de 400 anos de existência, sempre foi a cerveja oficial da Corte Real Bávara. Ela também possui, no coração de Munique, a maior choperia do mundo – o Hofbräuhaus – que recebe 1,2 milhões de visitantes por ano e onde são servidos aproximadamente 5.000 litros de chope por dia.

IMG_20170128_210629626.jpg

IMG_20170128_210811129.jpg

Essa terceira é um exemplo de que é possível no Brasil comprar cervejas baratas (aproximadamente R$7 a long neck) com uma qualidade considerável.

IMG_20170129_131205074.jpg

IMG_20170129_131517756.jpg

Nossa primeira degustação começará com um vinho feito com uma das uvas brancas mais icônicas de Portugal: a Alvarinho, a qual é prima direta da Albariño Espanhola que é responsável pela perfeita combinação com a paella de frutos do mar (post em breve).

IMG_20170129_131534074_HDR.jpg

Essa uva produz um vinho com um aroma muito fino porém austero e elegante com notas cítricas e minerais com pouca fruta. Bom nível de acidez e frescor. Já o segundo vinho é um corte clássico do douro: Malsavia Fina, Gouveio e Rabigato.

IMG_20170129_131552199_HDR.jpg

Esse é um vinho que também possui notas minerais e florais porém, ao contrário do anterior, é bem frutado e apresenta aromas claros de frutos brancos como pêra e maçã.

IMG_20170129_134149906_HDR.jpg

Queijo Serra da Estrela

Como primeira degustação iremos provar um queijo português cremoso de cabra conhecido como Queijo Serra da Estrela. Ele recebe esse epíteto porque são produzidos nos arredores da Serra da Estrela. Ganhador de diversos títulos é, de longe, o queijo mais gostoso que já provei na vida.

IMG_20170129_131853683.jpg

IMG_20170129_131903475.jpg

IMG_20170129_132038103.jpg

IMG_20170129_132131591.jpg

IMG_20170129_132136269.jpg

IMG_20170129_132206504.jpg

O queijo harmonizou de forma perfeita com o vinho da casta Alvarinho.

IMG_20170129_132307433.jpg

Todo o momento também foi embalado pela trilha sonora da fadista mais conhecida de Portugal da atualidade: Carminho.

carminho-644x362

IMG_20170129_131721068.jpg

Caso alguém queira o link para o cd dela no youtube vou deixar aqui em baixo:

https://www.youtube.com/watch?v=u8NkR2csotg&t=775s

A segunda entrada também foi perfeita: Pêra ao vinho com molho de queijo Gorgonzola:

IMG_20170129_134543576.jpg

Apesar dele ter harmonizado com o vinho Quinta da Pedra Alta, ele ficou ainda melhor com um vinho do Porto:

IMG_20170129_134851674.jpg

Harmonização com a paleta de cordeiro com batatas aos murros

É realmente muito difícil ganhar de uma boa carne de cordeiro. E melhor do que ela é ela mais um bom vinho do Douro:

IMG-20170129-WA0004.jpg

IMG-20170129-WA0006.jpg

IMG_20170129_135718115.jpg

O Encostas do Tua 2012 é um vinho excelente possuidor de aromas frutais e taninos bem redondos. Na boca podemos perceber a presença de especiarias também.

img_20170129_140004634

IMG_20170129_140030109.jpg

IMG_20170129_140149862.jpg

IMG_20170129_140223273.jpg

IMG_20170129_140704466.jpg

Outro vinho que participou da degustação também foi o Redwood Creek Pinot Noir da Califórnia. Ele é um vinho muito agradável e parecido com o búlgaro da Soli do post anterior.

IMG_20170129_163027818.jpg

IMG_20170129_163034625.jpg

IMG_20170129_164235258.jpg

Dessert et Digestif

Após os pratos maravilhosos temos ainda alguns doces genuinamente portugueses: O pastel de nata ou de Belém e o pastel santa clara. Ambos obtidos na casa rancho português.

IMG_20170129_143932988.jpg

IMG_20170129_144213427.jpg

IMG_20170129_143134618.jpg

E para completar a degustação teremos um dos melhores vinhos do porto da atualidade: Sandeman Late Bottled Vintage.

IMG_20170129_143949620.jpg

Ele é um tipo de vinho do porto especial porque leva mais tempo envelhecendo e apurando do que os vinhos do porto tradicionais.

IMG_20170129_144445762.jpg

IMG_20170129_144453029.jpg

IMG_20170129_144932162.jpg

Conclusão

Depois dessa experiência passei a entender que Portugal e sua cultura devem ser um sonho pois tudo parece muito surreal!

Conheça todos os posts do blog através desse link

White Zinfandel, Vinho Rosé e Salmão ao Molho de Alcaparras

“O vinho é o mais belo presente que Deus fez aos homens.” (Platão)

ZinJohnHensley.JPG
Fonte: http://pasowine.com/

Introdução

Apesar de já termos falado sobre a zinfandel no tópico sobre os EUA, senti que foi criado um vácuo em relação ao tipo de vinho mais famoso consumido lá (a sua versão mais “fraca”, por assim dizer): o seu rosé White Zinfandel. Então esse será nosso primeiro post a falarmos de uma maneira geral sobre os vinhos rosés. Estudos comprovam que 1 em cada 10 dos vinhos consumidos nos EUA são do tipo White Zinfandel.

Características dos vinhos White Zinfandel

Os vinhos do tipo White Zinfandel são odiados por muitos apreciadores de bons vinhos principalmente porque eles são adocicados e mais baratos do que outros tipos de vinho. Os rosés muitas vezes não são considerados “como vinhos” por estarem em cima do muro: nem são brancos e nem são tintos.

Os vinhos do tipo White Zinfandel apresentam aromas muito parecidos com os Zinfandel como frutas negras e vermelhas como cassis, groselha, framboesa, cereja, ameixa, etc.

Harmonização

Devido à sua baixa tanicidade, o prato de escolha para esse tipo de vinho será um peixe e, especificamente, um salmão. Faremos um salmão ao molho de alcaparras com batata sauté como acompanhamento.

Vinho de escolha: Robert Mondavi Woodbridge White Zinfandel, Califórnia 2014

Falamos bastante no nosso último post sobre a Zinfandel e os EUA sobre a alta qualidade dos vinhos produzidos no Napa Valley e, sobre seu lendário idealizador, Robert Mondavi. Logo, de forma a não errarmos, faremos a escolha pelos vinhos produzidos e idealizados pelo “Steve Jobs” do mundo do vinho americano.

IMG_20161202_195059196.jpg

Receita do Salmão ao molho de Alcaparras

Tomamos uma peça de um bom salmão

IMG_20161202_204335749.jpg

IMG_20161202_205018858.jpg

Cortamo-lo em pedaços de média espessura

IMG_20161202_205041388.jpg

Depois o temperamos com sal e pimenta do reino branca

IMG_20161202_205708477.jpg

IMG_20161202_210024573.jpg

Deixamo-lo descansar enquanto levamos as batatas para cozinhar

IMG_20161202_210136700.jpg

A fim de “selarmos” o salmão, vamos levá-lo à frigideira com um leve fio de óleo e deixar cada lado dele por aproximadamente 4 minutos num fogo médio. As laterais dele deixaremos por 1 minuto apenas:

IMG_20161202_210432892.jpg

Após esse tempo tiramos o salmão da frigideira e deixamo-lo descansar enquanto terminamos de fazer as batatas. Descascamo-las:

IMG_20161202_212953479.jpg

Cortamo-las ao meio e levamo-las a uma frigideira com um fio de azeite ou manteiga e temperamo-las com sal e orégano:

IMG_20161202_214531640.jpg

Enquanto isso preparamos o molho de alcaparras na mesma frigideira usada para selar o salmão. Alho a gosto:

IMG_20161202_212149590.jpg

5 colheres de sopa de manteiga

IMG_20161202_212232282.jpg

50g de alcaparras

IMG_20161202_212204602.jpg

Suco de 1/2 limão

IMG_20161202_212358709.jpg

Sal e pimenta a gosto. Depois juntamos as peças que estavam fora da panela ao molho e deixamos por um pouco de tempo:

IMG_20161202_214503599.jpg

Conclusão

Et voilà, combinação perfeita:

IMG_20161202_215256955.jpg

IMG_20161202_215401185.jpg

Conheça todos os posts do blog através desse link

Zinfandel, Primitivo e Costelinha do Outback

“O vinho é prova constante de que Deus nos ama e nos deseja ver felizes”- Benjamin Franklin

Embora existam mais de 5000 espécies catalogadas de uvas viníferas (Vitis Vinifera), é fato claro que todo apreciador de vinhos possui a sua uva preferida. E comigo não é diferente, pois a uva tinta que mais aprecio é a Primitivo, a qual é muito famosa na Itália.

primitivo-di-manduria

Mas o post atual será para falarmos sobre sua versão americana: a Zinfandel.

zinfandel_grapes

Durante muito tempo acreditou-se que elas eram uvas distintas, mas testes demonstraram tratar-se da mesma uva. Porém, como já falei nos posts anteriores, uma Malbec na França não produz o mesmo vinho que uma Malbec na Argentina e assim é com a Zinfandel e a Primitivo: ambas produzem vinhos espetaculares porém com características únicas.

Breve história da viticultura americana

A história da viticultura americana tem início na era da corrida do ouro, onde vários imigrantes foram em busca do metal precioso e, com eles, trouxeram diversas uvas. Ninguém sabe ao certo como e quando a zinfandel chegou aos EUA, mas acredita-se que foi nesta época. Tudo ia às mil maravilhas até os EUA estabelecerem a lei seca (1920 a 1933) proibindo qualquer tipo de bebida alcóolica no país. Foi aí que todas as vinícolas foram destruídas.

5_prohibition_disposal9

Foi nesta época que surgiu um dos primeiros gangsters da história do mundo e o maior da história americana: Al Capone. Muito antes de Pablo Escobar e El Chapo, ele foi o responsável por contrabandear álcool para os EUA e chefiar a maior quadrilha já conhecida para a época até ser preso acusado de sonegar imposto de renda por vários anos.

Gangster Al Capone Smoking Cigar

Quando a lei seca é derrubada, lentamente a cultura vinícola volta a renascer a passos muito lentos e isso persiste até a década de 60 com a participação de um homem: Robert Mondavi.

robert-mondavi-forbes-magazine-e1465249542230

Esse é aquele que pode ser considerado como o Steve Jobs do mundo do vinho, pois poucas personalidades no mundo foram tão expressivas quanto ele! Robert Mondavi começou no mundo do vinho na empresa da família, com o pai e o irmão. Assim como todos os produtores norte-americanos da época, o foco era na produção de vinhos de garrafão, de baixa qualidade. Após uma viagem pela Europa visitando vinícolas, ele voltou para casa decidido a transformar a produção da família com o seguinte bordão: “Vou produzir um vinho com uma qualidade tão absurda que irá derrotar todos os franceses!”, algo impensável na Napa Valley dos anos 1960. As diferenças de objetivo levaram a um racha com a família, e Robert Mondavi abriu sua própria empresa em 1966, quando ele tinha 53 anos de idade.

robertmondaviwinery

Abaixo temos imagens da primeira safra:

1966-front

1966-robertmondavi-zinfandel-225x300

1976 é o ano mais importante da vinicultura americana pois foi quando houve o julgamento de paris (The Paris Wine Tasting of 1976; vale a pena conferir o filme que está no netflix bottle shock), que foi uma competição organizada em Paris em que apenas alguns dos maiores sommeliers franceses participaram de um teste cego organizado entre vinhos franceses e americanos. Pela primeira vez em toda a história do mundo os vinhos americanos tiraram em primeiro lugar, tanto na categoria de brancos quanto na de tintos, quebrando assim o dito de que apenas na França se produzia bons vinhos e tornando assim Robert Mondavi uma lenda viva. Imagine que a França produz vinhos há pelo menos 1000 anos com milhares de grandes produtores e um único homem em apenas 16 anos derruba um império desses. Essa lenda se chamava Robert Mondavi! Abaixo segue a foto dos vinhos vencedores:

producers_from_judgement_of_paris_wine_tasting

Desde então, os EUA (especificamente o Napa Valley) tem produzido vinhos tão bons ou até melhores do que os Europeus. E embora se produza boa parte das uvas conhecidas (chardonnay, cabernet-sauvignon, shyraz, etc) com a mesma qualidade, a uva que mais se destaca é a Zinfandel (e ainda mais especificamente os vinhos rosés dela: White Zinfandel).

Características da Zinfandel

O fato de ser minha uva preferida diz respeito a uma característica única da primitivo/zinfandel: equilíbrio. Nenhuma outra uva produz um vinho tão equilibrado quanto essa uva. Tem cor rubi violácea, com um aroma que apresenta certa dose de frutas negras bem maduras (principalmente cerejas negras(cassis), morango e ameixas) e especiarias doces, escoltadas por um mentolado remetendo a cânfora. Na boca, é macio, com bom volume, e nada se destaca, nem acidez, nem taninos, nem álcool. Tudo equilibrado e sem chamar atenção.H2DH‡ôÈ §KP

Plum.jpg

freegreatpicture-com-637-high-definition-material-strawberry

Algo muito presente nos vinhos americanos é o aroma característico de baunilha devido ao barril de carvalho americano:

essencias-baunilha-essencia

Harmonização

A uva primitivo é uma uva bem “coringa” devido ao seu equilíbrio de sabores então ela combina com vários tipos de pratos diferentes, mas nenhum deles casou tão bem quanto a famosa costelinha do outback, por isso a escolha será ela.

img_20161021_190158794

Com aproximadamente 1,5kg de costela, tempera-se aproximadamente com:

  1. 1 colher de sopa de sal
  2. 1 colher de sopa de cebola desidratada
  3. 1 colher de sopa de alho desidratado
  4. 1 colher de sopa de páprica
  5. 1 colher de açúcar mascavo
  6. 1 colher de sopa de pimenta do reino
  7. Pimenta tabasco

img_20161021_192256270

Após temperada, devemos envolvê-la com aquele tipo de plástico específico para churrasco e levar para a churrasqueira a 50 cm da brasa por aproximadamente duas horas:

img_20161021_200218236

Apéritif

Nos países europeus (principalmente a França) é muito comum antes da bebida e do prato principal ser servido um aperitivo (apéritif) como forma de “abrir” o apetite para o prato principal, que pode ser ou uma cerveja ou um vinho branco. Nesse caso iremos de cerveja patagônia com salame espanhol:

img_20161021_220359616

Vinho de escolha: Robert Mondavi Zinfandel Private Selection

img_20161021_202917406

A linha Private Selection foi criada em 1994 e, apesar do nome, esta linha visou o mercado popular premium, isto é, vinhos com preços mais acessíveis, com foco em consumidores que não estavam dispostos a pagar dezenas ou centenas de dólares por um vinho. É mais ou menos o que o Tommy Hilfiger se propôs: fazer uma roupa de luxo com preço popular!

Após as duas horas na churrasqueira, devemos retirar o plástico, pincelar com molho barbecue e retornar à churrasqueira por mais 30 minutos. Depois disso está pronto:

img_20161021_224433377

Ficou muito gostoso e macio:

img_20161021_224502461

O vinho é realmente um espetáculo: poucas vezes vi um vinho tão aromático como esse. Aromas adocicados de frutas vermelhas (cereja negra, morango e ameixas) com um toque de baunilha torna-o bem redondo e pronto para beber. Vinho extremamente agradável na boca: macio, sem taninos fortes, sem acidez forte. Nota: 10. Recomendo com empenho!!!

img_20161021_223951348

Digestif

Assim como o apéritif, após as refeições principais pode ser servido um licor ou um vinho do porto ou, como é costume na cidade de Cognac ou região de Bordeaux: servir um Cognac. O Cognac é uma bebida destilada de vinho e armazenada em barris de carvalho por pelo menos 5 anos. Vale ressaltar que só pode ser chamado de Cognac a bebida que é produzida nessa região, todas as outras são chamadas de Brandy. No nosso caso iremos de Brandy espanhol: Osborne.

img_20161020_200419497

img_20161020_200513419

Conheça todos os posts do blog através desse link