Vinícola Góes em São Roque, Quinta do Olivardo e o maravilhoso Philosofia

 “A idade é melhor vista em quatro coisas: madeira velha para queimar, vinho velho para beber, velhos amigos para confiar e autores antigos para ler.” Francis Bacon

IMG-20180428-WA0138

Introdução

Amigos, hoje o post será um pouco diferente dos anteriores porque será nossa primeira visita a uma vinícola: a Góes. Falaremos um pouco sobre a visita e sobre seus bons vinhos incluindo sua prata da casa: o Philosofia. Falaremos também de um restaurante que é, em si próprio, um ponto turístico da cidade de São Roque: o Quinta do Olivardo!

Vinícola Góes

sr1.jpg

Para quem mora em São Paulo ou nos arredores não pode perder de fazer esse passeio para essa casa maravilhosa que fica localizada na cidade de São Roque. Apesar da maioria das pessoas terem como referência os vinhos da Góes como sendo aqueles de garrafão ou os ditos “suaves”, hoje vou mostrar aqui que a história contemporânea dessa vinícola fundada em 1938 é bem diferente!

IMG-20180428-WA0139

De início eu me senti muito bem recebido pela alta simpatia das atendentes do lugar. Há dois tipos de degustações diferentes que podem ser feitas lá: uma com vinhos inferiores e outra com vinhos “finos” no valor de apenas R$15. Há também uma opção de fazer essa degustação assistida com o sommelier da casa junto com o passeio pela fábrica por R$35. Escolhemos essa última e ficamos impressionados com a estrutura e qualidade dos vinhos.

IMG-20180428-WA0138

IMG-20180428-WA0148

O legal de fazer essa visita é que ela sai quase pelo preço da degustação simples já que você ganha uma taça de brinde que é vendida na loja por R$20. Tivemos uma aula rápida sobre a história da Góes e dos seus principais vinhos finos dela ministrada pelo Jaílson com algumas curiosidades sobre o vinho como a cortiça com que é feita as rolhas:

IMG-20180428-WA0124.jpg

É importante frisar que a Góes hoje se juntou com a Casa Venturini e também fabrica vinhos no Rio Grande do Sul. Como primeiro vinho da degustação tivemos um Chardonnay dessa mesma casa:

IMG-20180428-WA0136.jpg

IMG-20180428-WA0135

Chardonnay Reserva Casa Venturini

principal2_.png

IMG_20180428_120237736.jpg

Esse é um vinho premiado que possui um bom custo benefício. Minha humilde opinião é que ele é o mais fraco dentre os que tive a oportunidade de degustar se assemelhando um pouco com o Riesling da Almadén que revisei num post passado. Ele é agradável no paladar porém é pouco encorpado e sem muita personalidade sendo considerado levemente “aguado”. Mas é um excelente custo benefício e ideal para o início de um evento. Recomendo-o a todos!

IMG-20180428-WA0104.jpg

IMG-20180428-WA0130.jpg

IMG_20180428_125738168.jpg

O segundo vinho da degustação foi um rosé que me impressionou: Vinho Góes Tempos Pétalas Rosé Cabernet Franc 2017. Apesar de ser pouco encorpado como o Chardonnay, esse vinho possui aromas fortes de pêssego, de frutas tropicais e florais. Muito agradável e me surpreendeu pela qualidade!

IMG-20180428-WA0128

IMG-20180428-WA0103

IMG_20180428_130645534.jpg

Na sequência tivemos outro vinho que realmente me surpreendeu: Góes Tempos Mineres Syrah. Confesso que não estava esperando muita coisa deste mesmo sabendo que essa Syrah é plantada em Minas Gerais como o vinho que degustamos no post anterior. Fui surpreendido pelo forte aroma de ameixa e de frutas vermelhas. Um vinho agradável que possui taninos trabalhados porém com acidez acentuada. Uma revelação!

IMG-20180428-WA0131

Casa Venturini Tannat Reserva 2014

IMG-20180428-WA0087.jpg

IMG_20180428_131138885_HDR.jpg

O quarto vinho da degustação não me causou nenhum espanto visto que já esperava algo de qualidade vindo da Casa Venturini. Mas confesso que fiquei um pouco apreensivo devido à minha primeira experiência com essa uva. Mas essa apreensão foi em vão porque esse é um daqueles vinhos que todos os que duvidam que existem bons vinhos no Brasil precisam experimentar. Vinho agradável e com forte presença de aromas de frutas negras, taninos presentes como é de costume na tannat porém trabalhados. Acidez um pouco acentuada!

IMG-20180428-WA0088

IMG-20180428-WA0089.jpg

Saint Tropez Espumante Moscatel

IMG_20180428_132136818.jpg

Apesar de terem pecado servindo-o nessa taça, esse é um moscatel como todos os outros brasileiros. Perdoem-me pela ignorância porém tenho dificuldade de ver diferença entre produtores com esse tipo de vinho. Talvez seja porque o Brasil é o campeão e a qualidade deles é sempre alta!

IMG_20180428_133137277_HDR.jpg

IMG_20180428_133143658.jpg

IMG_20180428_133537545_HDR.jpg

IMG_20180428_133203848.jpg

IMG-20180428-WA0097

O penúltimo vinho da degustação foi o mais esperado por mim: Casa Venturini Merlot Reserva 2014. Assim como o tannat, esse também apresenta aromas fortes de frutas negras e vermelhas e aromas amadeirados. Possui taninos trabalhados e levemente arredondados porém peca no aspecto que quase todos os brasileiros possuem: acidez levemente acentuada!

IMG_20180428_133559815.jpg

IMG_20180428_133624703.jpg

O último vinho da rodada de degustações foi o Casa Venturini Vivere Brut. Como é de costume de todo espumante Brasileiro produzido no terroir gaúcho, esse é um bom exemplar. Perlage presente e agradável no paladar. No nariz deixou um pouco a desejar porque careceu de aromas clássicos como o de frutas cítricas, castanhas, amêndoas e nozes dos champagnes.

IMG-20180428-WA0200.jpg

IMG-20180428-WA0201 (1).jpg

A prata da casa não tinha disponível para degustação, apenas para venda: Philosophia Cabernet Franc Reserva 2016. Decidimos levar uma garrafa pelo preço de R$70.

IMG-20180428-WA0172.jpg

Gostaria de deixar meus elogios ao bom trabalho desempenhado pela equipe Góes. Parabéns aos seus funcionários pelo ótimo atendimento!

IMG-20180428-WA0094.jpg

Quinta do Olivardo

IMG-20180428-WA0161.jpg

Com toda certeza um dos pontos turísticos dessa amável pequena cidade é o restaurante Quinta do Olivardo. A sensação que temos ao entrarmos nele é que estamos em Portugal sendo embalados pelo Fado. Ele também produz seu vinho próprio inclusive com a participação dos clientes enterrando os vinhos. Seu Olivardo com certeza é uma pessoa de visão!

IMG_20180428_141521795.jpg

Trouxemos o philosofia para degustarmos nesse lugar. Já faz um certo tempo que tenho tido vontade de degustá-lo porque esse vinho já ganhou medalha de ouro em um concurso internacional sendo o primeiro vinho do sudeste do Brasil a conquistar esse feito. O problema é que como só foram fabricadas 5000 garrafas dele, ele acaba se tornando raro de encontrar para comprar. O que mais me chama a atenção é que ele é feito 100% com Cabernet Franc, que é uma uva muito utilizada em cortes como os Bordeaux por exemplo.

IMG-20180428-WA0069

Enquanto o vinho chega na temperatura ideal iremos pedir uma cerveja de trigo junto com uma entrada símbolo de Portugal: a alheira.

IMG_20180428_142345441.jpg

IMG_20180428_142438078.jpg

IMG-20180428-WA0073.jpg

IMG_20180428_142451644.jpg

Até agora fico lambendo os lábios quando me recordo do sabor desse prato. Estava tão macio que ela derretia na boca. A Baden Baden Weiss também deu aquele toque aveludado.

IMG_20180428_143523751.jpg

Como prato principal para acompanhar nosso vinho optamos pelo leitão à bairrada servido com arroz de brócolis.

IMG_20180428_144806020.jpg

IMG-20180428-WA0169.jpg

Que vinho! Bastante aromático com notas de chocolate e frutas negras e vermelhas. Taninos bem arredondados, álcool equilibrado e leve acidez: nota 10.

IMG-20180428-WA0064.jpg

Por último provamos um dos símbolos da casa: o pastel de Belém recém retirado do forno. Parabéns Seu Olivardo pelo lugar maravilhoso!

IMG_20180428_164400262.jpg

Conclusão

Que viagem maravilhosa e rica tanto de sabores, aromas e belezas visuais! Recomendo a todos conhecerem a vinícola Góes junto com seus vinhos “finos” e o restaurante da Quinta do Olivardo.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Tucupi e harmonização de comida paraense com vinhos

 “O vinho é como a encarnação: é divina e humana.” Paul Tillich

IMG_20180224_143051530.jpg

Introdução

Amigos, hoje teremos um post muito especial sendo uma homenagem aos meus amigos paraenses! Esse evento também é o oitavo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sétimo encontro, basta clicar aqui. Alerto que falaremos apenas um pouco dessa rica cultura gastronômica e, espero no futuro, falar mais sobre outros pratos típicos como o pirarucu, o açaí e o pato no tucupi por exemplo.

900px-Bandeira_do_Pará.svg

Tucupi

Amigos, é praticamente impossível falarmos sobre a rica culinária paraense sem falar desse ingrediente tão único e diferente que é o tucupi. Relembremos a famosa frase do nosso grande chef brasileiro Alex Atala:

28-04-2014_alex_atala_cred-_rubens_kato

“A primeira vez que eu comi caviar me pareceu algo muito estranho e único, mas quando eu provei tucupi pela primeira vez também tive a mesma sensação! Se o caviar é considerado algo chique e o tucupi não o é, isso se dá porque alguém me disse isso. Existe uma interpretação cultural sobre o que são os aromas e sabores!” (Alex Atala)

O tucupi é um caldo feito com a mandioca brava ralada e espremida no tipiti, que é um espremedor feito de palha trançada.

VO_161460_2_lzn.jpg

Depois da mandioca ralada e espremida no tipiti resta-se o caldo, a goma e a farinha. Esse caldo não pode ainda ser utilizado porque a mandioca brava contém alto teor de ácido cianídrico, então ele é cozido e depois deixado para fermentar por cerca de 3 a 5 dias. Abaixo vou deixar um vídeo muito legal e curto mostrando como é feito o tucupi:

https://www.youtube.com/watch?v=wG5Z1VGF_ZU

Ele é o ingrediente principal do prato mais consumido da região norte do Brasil: o Tacacá.

e3c2dc2849e1a3395b1302d49a316966.jpg

Evento e harmonização

Essa oportunidade de poder provar essas iguarias paraenses nos foi dada pelos nossos queridos amigos Jéssyka e Lucas que conhecem tão bem dessa rica cultura. A Jéssyka é uma paraense da gema enquanto o Lucas é paulistano porém morou boa parte de sua vida nesse estado tão maravilhoso!

IMG_20180224_133510561.jpg

Como entrada tivemos a famosa farofa de casquinha de caranguejo com tapioca

IMG_20180224_133522761.jpg

IMG_20180224_133856598.jpg

IMG_20180224_133859911.jpg

Para harmonizar com esse prato o Nelson escolheu um vinho Rosé brasileiro de Espírito Santo do Pinhal, interior do estado de São Paulo! Guaspari Rosé 2016

IMG_20180224_134045791.jpg

IMG_20180224_134051623.jpg

IMG_20180224_134059556.jpg

Mais uma vez o Brasil nos surpreendendo com vinhos de altíssima qualidade. Não me lembro de ter tomado um rosé mais gostoso do que esse em toda minha vida! Vinho altamente aromático porém jovem e com pouca complexidade. Perfeito porém com preço proibitivo: cerca de R$100. Recomendo com empenho!

IMG_20180224_134252121.jpg

Enquanto nos era explicado o prato principal fomos embalados pelos ritmos paraenses do carimbó e do tecnobrega, tendo Pinduca e sua garota do tacacá como destaque:

https://www.youtube.com/watch?v=0zjFAC7mwdQ

Como prato principal tivemos arroz paraense (arroz fervido com caldo de tucupi misturado com camarão e jambú) com filhote na brasa. O filhote é um peixe de rio muito apreciado na região norte do Brasil.

005_-__1.JPG

IMG_20180224_141354963.jpg

IMG-20180225-WA0003.jpg

IMG-20180224-WA0010.jpg

A harmonização com pratos à base de tucupi é bastante complicada porque poucos tipos de vinho combinam com esse sabor tão exótico, nos deixando quase que somente com expumantes do tipo Brut ou Extra-Brut. O primeiro que utilizamos foi um dos melhores que eu já provei em toda minha vida: o chileno Viñamar Extra-Brut. Espumante dotado de bastante formação de bolhas (perlage).

IMG_20180224_142608441.jpg

IMG_20180224_143014722.jpg

IMG-20180225-WA0016

IMG_20180224_143051530.jpg

Harmonização perfeita! Provamos também com outro gigante dos espumantes: Casa Valduga Rosé Brut.

IMG_20180224_130830030.jpg

IMG_20180224_130835678.jpg

IMG_20180224_130845570.jpg

IMG_20180224_150838211.jpg

Provamos também outro espumante da Salton que se mostrou uma boa opção porém com qualidade um pouco inferior a esses dois apresentando pouca formação de perlage:

IMG_20180224_131135166_HDR.jpg

Salton Évidence Brut

IMG_20180224_131139854_HDR.jpg

IMG_20180224_131149290_HDR.jpg

IMG_20180224_153628989.jpg

IMG-20180224-WA0013.jpg

Provamos também uma cerveja de trigo que a Marcela trouxe que caiu muito bem também com o prato em destaque:

IMG-20180225-WA0022.jpg

Mas o mais legal foi provar a cachaça paraense meu garoto feita com jambú que adormece a boca:

IMG-20180225-WA0026.jpg

IMG-20180225-WA0027.jpg

E para terminarmos nosso evento tivemos o lendário sorvete de castanha do Pará com cupuaçu da Cairu:

logo25032015.png

A sorveteria Cairu é lendária no estado do Pará, é quase que um patrimônio histórico da cidade!

IMG_20180224_152525724.jpg

IMG_20180224_152922386.jpg

Conclusão

Fiquei com muita vontade de conhecer a cidade de Belém depois desse evento tão maravilhoso! Um agradecimento especial à Jéssyka e ao Lucas por tudo e um abraço carinhoso a todos os meus amigos do Pará. Viva o Pará e sua culinária!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Harmonizando Bobó de Camarão e Moqueca com Vinhos

“O vinho é uma das coisas mais civilizadas do mundo e uma das coisas mais naturais do mundo que alcançou a maior perfeição. Oferece uma gama maior para o prazer e apreciação do que possivelmente qualquer outra coisa puramente sensorial.” Ernest Hemingway

IMG_20171012_134832659_HDR.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será sobre como harmonizar Bobó de Camarão e Moqueca de Peixe com vinhos. Esse evento também é o oitavo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sétimo encontro, basta clicar aqui.

Confraria Távola Di Amici

Amigos, estamos hoje mais uma vez na casa dos queridos Daniel e Cláudia numa oportunidade única de poder degustar um bobó de camarão dos deuses junto com uma moqueca de peixe.

IMG_20171012_134847307.jpg

IMG_20171012_134842816_HDR.jpg

No quesito da harmonização o ideal é o uso de qualquer vinho branco. Mas especificamente esse é um prato que pede um vinho mais encorpado como um Chardonnay ou um Viognier. Mas a combinação com outros brancos ou rosés também fica perfeita.

IMG_20171012_115157090_HDR.jpg

A minha primeira escolha foi de modo a podermos celebrar um pouco mais dos vinhos que nosso país produz: Casa Valduga Chardonnay 2015.

IMG_20171012_115201513.jpg

IMG_20171012_115216090_HDR.jpg

IMG_20171012_115221178.jpg

IMG-20171014-WA0048.jpg

Esse é um vinho que, ao mesmo tempo em que emociona, traz também a decepção de não corresponder ao seu preço. É um grande vinho e traz orgulho ao Brasil, porém é caro por demasiado. É encorpado e embalado por aromas cítricos porém apresenta características mais rústicas como acidez um pouco elevada quando comparado com um chileno por exemplo. Achei que valeu muito a pena degustá-lo como conhecimento porém com R$80 (ou muito menos) compra-se um vinho chileno de qualidade muito superior.

IMG_20171012_115240904.jpg

A viognier é uma uva que se encaixa perfeitamente nessa classificação de vinhos brancos encorpados, porém é muito rara no Brasil e seus vinhos possuem valores elevados. Optei então por uma versão Argentina bem mais barata. Ampakama Viognier 2016.

IMG_20171012_115244731.jpg

IMG_20171012_115253680.jpg

IMG-20171014-WA0011.jpg

Conforme expliquei esse é um vinho no máximo para o dia-a-dia e, nessa perspectiva, cumpre o prometido!

IMG_20171012_132037826.jpg

Mas a prata da casa ainda estava por vir. Apesar da Sauvignon Blanc produzir vinhos brancos leves, ela também harmoniza bem com os pratos em questão. E conforme falamos sobre os vinhos da Nova Zelândia num post anterior, sabemos que é lá onde se produzem os melhores Sauvignon Blanc do mundo. Sileni The Straits Sauvignon Blanc 2015.

IMG_20171012_132043721.jpg

IMG_20171012_132054001_HDR.jpg

IMG_20171012_132057461_HDR.jpg

Esse é sem sombra de dúvidas um vinho que todos devem conhecer antes de morrer. Altamente aromático com presença de frutas tropicais como a goiaba embala qualquer boa refeição envolvendo frutos do mar.

IMG_20171012_135826250.jpg

Outro grande vinho que harmonizou muito bem com a refeição foi o Viña Tarapacá Sauvignon Blanc Gran Reserva 2013. Vinho bem estruturado com presença forte de madeira.

IMG-20171014-WA0020.jpg

IMG_20171012_150420089.jpg

Como entrada tivemos um espumante italiano simples mas excelente para um bom começo de refeição. Spumante Valdorella.

IMG_20171012_132931755.jpg

IMG_20171012_132937221.jpg

IMG_20171012_132944329.jpg

IMG_20171012_133350993.jpg

Outros amigos escolheram utilizar vinhos rosés como harmonização. Como vimos no post sobre como um vinho é feito, o estilo rosé pode ser feito com qualquer uva e eles podem ser levemente adocicados ou secos.

IMG_20171012_132156761.jpg

IMG_20171012_132200192.jpg

IMG_20171012_132209225.jpg

Esse é um vinho digno de apreciação e harmonizou muito bem com a comida. A despeito da presença de aromas cítricos adocicados como a tangerina ele é um vinho seco e mineral. Boya 2016 Rosé.

IMG_20171012_142712203.jpg

Depois da parada no Chile é hora de voltarmos ao canônico velho mundo: Itália. Stinca Cantine Rosato. Rosé agradabilíssimo.

IMG_20171012_131706219.jpg

IMG_20171012_131714631.jpg

IMG_20171012_144159798.jpg

IMG-20171014-WA0013.jpg

O próximo da lista eu fiquei bem surpreso pois nunca tinha visto um rosé de Cabernet Sauvignon! Santa Digna Reserva Cabernet Sauvignon Rosé 2016.

IMG_20171012_131612064_HDR.jpg

IMG-20171014-WA0059.jpg

Esse ficou melhor pós-refeição como digestivo devido ao seu paladar mais adocicado! Não poderíamos nos esquecer de nossas raízes portuguesas: Muralhas de Monção Vinho Verde.

IMG_20171012_134328636.jpg

IMG_20171012_134339995.jpg

Por fim tivemos também a presença americana do seu vinho mais consumido: White Zinfandel. Sutter Home White Zinfandel. Caso queira saber mais sobre esse vinho clique aqui para ir ao post sobre ele.

IMG-20171014-WA0054.jpg

Conclusão

Excelentes harmonizações embora ache que os mais adocicados combinaram mais no pós refeição do que junto com a comida em si!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Evento enogastronomico e minicurso de vinhos

“Dai-lhes bons vinhos e eles vos darão boas leis.” Montesquieu

IMG_20170805_130700235.jpg

Introdução

Olá amigos, esse talvez seja o post mais especial que tivemos desde o início do nosso blog. É o aniversário da minha tia Sônia de 50 anos e tive a oportunidade de rever vários familiares meus vindos de Recife e Belo Horizonte. O evento contou com um Sommelier e sua equipe proporcionando um minicurso de vinhos e algumas surpresas. Pela primeira vez no blog teremos também alguns vídeos.

Pré-evento

Na noite anterior tivemos a oportunidade de degustar três bons vinhos. O primeiro deles é um Shiraz australiano: Trentham Estate Shiraz 2015.

IMG_20170804_195347416.jpg

IMG_20170804_195419849.jpg

E, conforme já foi apresentado anteriormente no blog (link), a uva Shiraz na Austrália demonstra todo o seu potencial só perdendo para a região do Hermitage na França (link). Um vinho que apresenta aromas muito marcantes de frutas negras e de especiarias. Um ótimo custo benefício no valor de R$70.

IMG_20170804_201121041.jpg

IMG_20170804_201142245.jpg

Após o novo mundo volvemos ao velho de maneira muito agradável! Jiménez-Landi Bajondillo D.O.P. Méntrida 2015. Esse corte de Garnacha com Shiraz concede ao vinho uma leveza e alto teor gastronômico. Acompanhou bem um pão caseiro com uma canja de galinha.

IMG_20170804_211003755.jpg

IMG_20170804_211016466.jpg

IMG_20170804_211031474.jpg

IMG_20170804_211035082.jpg

Esse último gerou em mim profundo orgulho e satisfação de poder ver que no Brasil já existe coisa boa sendo feita! Já falei em alguns posts (link) sobre como os vinhos do Brasil estão evoluindo e sendo bem vistos no exterior e esse é mais um exemplo. É necessário deixar bem claro que esse ainda não está no nível de um bom Francês ou Chileno ou Argentino ou Americano como tivemos no post anterior (link), mas certamente ele está no caminho certo! Salton Paradoxo 2015. Um vinho de R$35 brasileiro que ganhou meu respeito por se tornar uma opção de um vinho barato e com um bom grau de qualidade.

Evento enogastronômico

Amigos, quero apresentar aqui o sommelier responsável pelo minicurso que tivemos no dia do evento. Em baixo temos um breve resumo sobre sua carreira:

Cássio Henrique Almeida de Oliveira

1-Trabalhou no Sonda Supermercados por 2 anos como Sommelier e encarregado da adega

2-Sommelier do Grupo Oba por 7 anos (até o momento)

3-Sommelier e coordenador geral das lojas de São Paulo do OBA

4-Colunista da revista Brazil-USA (EUA- Flórida), Revista feita para brasileiros que ali residem sendo 100% do conteúdo português.(https://www.facebook.com/brazilusaorlando/?pnref=lhc)

Formação

Universidade Paulista (Unip)

Bacharelado em Administração de Empresas

ABS- Associação Brasileira de Sommeliers de São Paulo

Sommelier 3 módulos (países, fundamentos do vinho e serviço do vinho)

 

Às vezes as pessoas me perguntam sobre onde comprar bons vinhos com um bom custo benefício e, uma boa resposta para essa pergunta é o Oba supermercados. Então se você já entrou na adega de um Oba a procura de bons vinhos e ficou encantado com a boa seleção que eles possuem, agradeçam ao Cássio pois ele é o responsável pela escolha de todos os rótulos que a rede possui.

IMG_20170805_130432306.jpg

Como introdução à palestra, o Cássio falou um pouco sobre os tipos de taças que utilizamos para vinhos. Em baixo temos o link para o vídeo no youtube (peço perdão pela qualidade artesanal dos vídeos):

https://www.youtube.com/watch?v=VdmKgttjm84

E na mesa de cada um dos convidados podemos ver que foi separado um tipo de taça específico (espumante, branco e tinto) para cada tipo de refeição:

IMG_20170805_130344423.jpg

Apéritif (hors d’oeuvre)

Amigos, conforme é costume em uma refeição mais sofisticada, podemos ter como apéritif alguns Canapés, Amuse Bouche ou Amuse Gueule. Que nada mais são do que entradinhas (hours d’oeuvre) antes mesmo da entrada principal. Eles combinam muito bem com um champagne ou espumante. Esses em específico foram feitos com salada de bacalhau na barquinha.

IMG_20170805_130700235

O espumante escolhido pelo Cássio é o da Casa Valduga, um excelente custo benefício. Ele é um exemplo de que é possível apreciar um bom espumante sem precisar pagar R$400 numa garrafa de Champagne. Em conversa com alguns amigos franceses, esse é sucesso inclusive na França!

IMG_20170805_130355837.jpg

IMG_20170805_130403273.jpg

IMG_20170805_130416098.jpg

IMG_20170805_131146156.jpg

casa valduga

Tivemos também uma surpresa que o Cássio nos proporcionou: a abertura desse espumante com um sabre. Confira o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=eBrpqy68pSk&t=3s

IMG_20170805_134218532.jpg

Depois disso o Cássio começou falando sobre como degustar um vinho. Confira a parte 1:

https://www.youtube.com/watch?v=29wX3dOAPgI

Parte 2:

https://www.youtube.com/watch?v=u446Pl0q0mU

Nessa terceira parte temos a degustação específica com o Casa Valduga:

https://www.youtube.com/watch?v=ZxaXuqG7Vwg&feature=youtu.be

Parte 4:

https://www.youtube.com/watch?v=pCu9Jk6QD9I&feature=youtu.be

Entrée

Logo após os canapés é a hora de servir a entrada da refeição. Normalmente é aqui que é servido um bom vinho branco e, no caso dessa festa em específico foi servido um top considerado um clássico Argentino: Catena Zapata Chardonnay.

IMG_20170805_134518355.jpg

IMG_20170805_134522548.jpg

IMG_20170805_134536188.jpg

IMG_20170805_134543454.jpg

IMG_20170805_134946032.jpg

Já tivemos um post em que falamos sobre a bodega Catena Zapata e a importância que o Nicolás Catena teve para a viticultura argentina (link), mas cabe aqui dizer apenas o seguinte: até a década de 90 a Argentina nem era citada como produtora de vinhos razoáveis, mas depois do trabalho dele, ela começou a produzir vinhos até mesmo melhores do que os Chilenos, Americanos e Europeus. Então o nome Catena carrega um peso por si só. E o mais legal é perceber que não é necessário um vinho custar R$500, 1000 ou 10000 reais para ser considerado maravilhoso. Com R$120 podemos comprar uma maravilha como essa.

IMG_20170805_135536404.jpg

IMG_20170805_135757210.jpg

IMG_20170805_135822793.jpg

No próximo link o Cássio vai falar sobre esse vinho e bodega maravilhosos:

https://www.youtube.com/watch?v=lw4-tyo9w98&feature=youtu.be

Continuação:

https://www.youtube.com/watch?v=e4zk9Rq-58w&feature=youtu.be

Parte 7:

https://www.youtube.com/watch?v=3AWYvkMlL8U&feature=youtu.be

E para acompanhar essa lenda temos dois pratos fantásticos. O primeiro deles é uma salada de folhas verdes com camarão, acompanhada de molho à base de iogurte, mel e condimentos:

IMG_20170805_141637128.jpg

IMG-20170807-WA0115.jpg

O segundo prato é uma massa. Farfalle acompanhado de molho com fundo de alcachofra, tomates cereja e outros condimentos:

IMG_20170805_150124581.jpg

IMG-20170807-WA0111.jpg

E aqui o Cassio responde algumas perguntas sobre o mundo do vinho:

https://www.youtube.com/watch?v=l8k4t09VPAI&feature=youtu.be

Plat Principal

Após a entrada está na hora do melhor da festa: o vinho tinto com o prato principal! Confesso que, poucas vezes na minha vida, tomei um vinho tão gostoso quanto esse: Volcanes Tectonia 2012.

IMG_20170805_144721587.jpg

IMG_20170805_144725834.jpg

IMG_20170805_144728151.jpg

IMG_20170805_144738184.jpg

IMG_20170805_151717935.jpg

IMG-20170807-WA0107.jpg

Um vinho maravilhoso formado com um corte mediterrâneo com as uvas Mourvèdre, Petite Syrah e Grenache. Ao tomá-lo e perceber seus aromas de compota de frutas negras como cassis e cereja, me lembrei do Don Melchor (link). Nesse último vídeo o Cássio fala um pouco sobre esse vinho extremamente elegante e agradável de beber:

https://www.youtube.com/watch?v=nFE6dnKwu3s&feature=youtu.be

E o prato principal escolhido é uma paleta de Vitela com vinho tinto e acompanhamentos:

IMG_20170805_154348156.jpg

Também troquei muitas idéias com outro sommelier do grupo Oba, o Damião. Que também me confessou esse ser um dos melhores vinhos que ele já havia degustado até então.

IMG-20170807-WA0116

Dessert

Como sobremesa, o vinho de escolha novamente foi do Chile: Junta Late Harvest Gran Reserva 2013 feito com a uva Semillon. Detalhe para a taça utilizada: tipo ISO. Ela é a taça padrão de degustação do mundo todo, inclusive para outras bebidas como café, cerveja, etc.

IMG_20170805_162829700.jpg

IMG_20170805_162836496.jpg

IMG_20170805_162844856.jpg

Para acompanhar esse vinho com aromas de figos, frutas vermelhas e mel temos um cheesecake com calda de frutas vermelhas e um pudim de limão siciliano.

IMG_20170805_163250579.jpg

Início da festa

Após a refeição tivemos ainda um espumante moscatel bem docinho e leve: Nero.

IMG_20170805_165700465.jpg

E um Malbec Francês que foi utilizado inclusive para acompanhar o churrasco do dia seguinte: Domain les Barthes 2015 Malbec.

IMG_20170805_174118430.jpg

IMG_20170806_132245231.jpg

IMG_20170806_132252649.jpg

IMG_20170806_134453666.jpg

É fantástico ver como um vinho produzido com a mesma uva pode ser tão diferente quando plantada em outro terroir. Pretendo fazer um post em breve com a comparação entre um malbec francês e um argentino, mas de antemão quero adiantar que o Francês é um vinho bem mais leve e com taninos muito mais suaves do que o argentino. Lembra de longe um pinot noir.

Contato do Cássio

Pessoal, conforme vocês devem ter visto nos vídeos e nas fotos, trata-se de um excelente profissional que eu o recomendo com empenho. Caso alguém queira contatá-lo para assuntos profissionais ou mesmo para realização de um evento, segue-se o seu número de celular/whatsup: (11) 98744-6518.

IMG-20170805-WA0016.jpg

Quero deixar também o contato do Damião: (11) 948984989.

Conclusão

Quero deixar um agradecimento muito grande à minha tia Sônia por ter proporcionado a sua família e amigos uma festa tão agradável como essa. Recomendo cada um dos vinhos citados nesse post. Um grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Culinária Mineira com a melhor cachaça do mundo e com uma boa cerveja e vinho mineiros

“Uma taça de vinho vale mais que todas as riquezas da terra.” Gustav Mahler

IMG_20170203_133815824.jpg

Introdução

Amigos, conforme venho falando desde o princípio, o maior orgulho do nosso blog é o fato de falarmos não apenas de regiões famosas como Bordeaux ou o Napa Valley, mas vamos também aos confins da terra (gancho esse que irei usar pois estamos em Belo Horizonte e o aeroporto chama-se confins). Falaremos hoje sobre um dos melhores restaurantes de comida típica mineira e também da nossa visita à melhor cervejaria do Brasil: Wäls. Meu objetivo nesse post é mostrar que Minas Gerais não apenas é conhecida pelo seu belo e simpático povo, mas é uma referência em culinária e bebida.

Cervejaria Wäls

É uma alegria grande poder visitar essa que foi eleita a melhor cervejaria do Brasil e está localizada em BH. Abaixo seguem-se fotos:

IMG-20170204-WA0009

IMG_20170203_120305182

IMG_20170203_120411738

IMG_20170203_120448813

IMG_20170203_120716933

IMG_20170203_120737739

IMG_20170203_121034082

IMG-20170204-WA0014

IMG-20170204-WA0015

IMG-20170204-WA0020.jpg

IMG-20170204-WA0024.jpg

IMG-20170204-WA0028.jpg

IMG-20170204-WA0031.jpg

IMG-20170204-WA0032.jpg

IMG-20170204-WA0034.jpg

IMG-20170204-WA0035.jpg

IMG-20170204-WA0040.jpg

E em baixo a foto das cervejas que iremos degustar:

IMG_20170203_121453754.jpg

A Wäls Dubbel recebeu o prêmio de melhor cerveja do mundo na categoria dubbel:

IMG_20170218_165822110.jpg

IMG_20170218_170214849_HDR.jpg

A Wäls petroleum é uma receita que a Wäls comprou da cervejaria Dum, tamanha é sua qualidade:

IMG_20170218_181806190.jpg

Mas talvez a mais icônica de todas seja a Alambique County. Cerveja produzida através de uma parceria entre a Cervejaria Wäls e a Goose Island. Black Trippel com Bananas Passas e Castanha de Baru (típica do cerrado Mineiro) e maturada por 5 meses em barris de carvalho que antes foram utilizados para maturar cachaça mineira.

IMG_20170227_163039396.jpg

IMG_20170227_163053393.jpg

IMG_20170227_163552612.jpg

IMG_20170227_163235621.jpg

IMG_20170227_163415268.jpg

Restaurante Xapuri

Quem visita BH e não visita o restaurante Xapuri não pode dizer que conheceu a culinária verdadeiramente mineira. O restaurante é um espetáculo e bem típico com a comida feita em forno a lenha. Ele fica localizado numa área nobre da cidade: a Pampulha.

IMG_20170203_125340284_HDR.jpg

IMG_20170203_125452331.jpg

IMG-20170204-WA0003.jpg

IMG-20170204-WA0013

IMG-20170204-WA0043.jpg

IMG-20170204-WA0044.jpg

IMG-20170204-WA0050.jpg

De entrada pedimos um torresmo com uma excelente cerveja de trigo mineira que eu tive o prazer de conhecer: Backer. Pedimos também uma dose da lendária Vale Verde 12 anos. A única cachaça capaz de derrotar a Anísio Santiago vista no post anterior. Ela sempre permaneceu incólume e intocável até a chegada da Vale Verde 12 anos. Vale a pena conferir!!!

IMG_20170203_131006206.jpg

IMG_20170203_131017055.jpg

IMG_20170203_131026431.jpg

 IMG_20170203_131035807.jpg

IMG_20170203_131100498.jpg

IMG_20170203_131209009.jpg

IMG_20170203_131546715.jpg

IMG_20170203_131557571.jpg

Como prato principal pedimos uma costelinha de porco com feijão tropeiro e aipim:

IMG_20170203_133354623.jpg

IMG_20170203_133419040.jpg

A minha surpresa maior não foi a alta qualidade da comida, mas descobrir que existem vinhos bons feitos em Minas. É lógico que ainda não dá pra comparar ele com um Bordeaux, mas é muito bom. Vale a pena conferir!

IMG_20170203_133743028.jpg

IMG_20170203_133753306.jpg

IMG_20170203_133815824

Quero deixar abaixo um link para curiosidades sobre esses vinhos de Minas Gerais com reviews feitos por sommeliers famosos. Vale a pena conhecer:

http://www.otempo.com.br/gastro/as-vinhas-de-minas-em-evolu%C3%A7%C3%A3o-1.925416

Tive a oportunidade de tirar uma foto com a cozinheira e proprietária do estabelecimento:

IMG_20170203_134454599.jpg

IMG-20170204-WA0001.jpg

Conclusão

Adorei ter conhecido Minas Gerais, sua culinária, costumes, seu povo e, sobretudo, seus vinhos. Adoro saber que posso tomar vinhos do Brasil e saber que eles possuem qualidade e um futuro de muito sucesso.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Paella de Frutos do Mar com Albariño, Sauvignon Blanc Gran Reserva, Castello D’Alba Vinhas Velhas e Paralelo 8

“O vinho lava nossas inquietações, enxuga a alma até o fundo, e , entre outras coisas, garante a cura da tristeza.” Sêneca

IMG_20170225_143505725.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje é um post especial porque estamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline e vamos degustar um dos nossos pratos preferidos: a paella de frutos do mar junto com o vinho de perfeita harmonização (uva Albariño) conforme prometido no post anterior. Também teremos algumas cervejas e vinhos perfeitos. Agradecemos aqui a minha tia Sônia por ter preparado essa receita tão maravilhosa.

Apéritif

Continuando com o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: delirium nocturnum, a paulaner oktoberfest bier e uma das minhas cervejas de trigo preferidas: karavelle.

IMG_20170210_124733141.jpg

IMG_20170210_124951117.jpg

Esta excelente Belgian Strong Dark Ale é produzida com 3 tipos de levedura e 5 tipos de malte que fazem com que a Delirium Nocturnum tenha um sabor complexo com notas de frutas passas e chocolate além de um aroma adocicado. De cor escura, triplamente fermentada e bem encorpada, é a companhia ideal para o inverno.

IMG_20170210_130842414.jpg

IMG_20170210_130955889.jpg

Esta é a cerveja mais famosa que é consumida durante a Oktoberfest da capital Bávara (Munich), que acontece desde o ano de 1810. De coloração amarelo forte com uma ótima formação de espuma de boa duração. É uma cerveja transparente de brilho intenso. No nariz, os aromas do malte lembram biscoito e cereais matinais, seguido do leve floral do lúpulo. A cerveja possui o dulçor dos maltes ao mesmo tempo que o amargor do lúpulo.

IMG_20170210_134445523.jpg

IMG_20170210_134707976 (1).jpg

Essa terceira figura entre as cervejas de trigo mais saborosas na minha opinião. Muito encorpada e gosto extremamente agradável. Cerveja paulista que não deixa a desejar para nenhuma outra europeia. Recomendo com empenho!!

Harmonização com a paella de frutos do mar

A paella é um prato bem típico que surgiu na Espanha, nos séculos XV e XVI, na região de Valência, mais especificamente na região de Albufera, região de grandes arrozais e de grande produção de verduras frescas.

valencia_mapadeespana_520x350

Originalmente um prato popular, foi criada pelos camponeses que partiam para o campo com a paellera ou paella, arroz, azeite e sal e agregavam ingredientes da caça, legumes da estação e as sobras que possuíam. O tomate só foi acrescentado posteriormente, trazido da América por Cristóvão Colombo, e o frango, que era muito caro para os padrões da época. Com a difusão da paella pela costa, foram acrescentados frutos do mar: choco, camarões, lulas, lagostins, amêijoas (vôngole), mexilhões, e polvo, tornando-o um prato misto (terra e mar). Em suas diferentes variações, encontram-se ainda as “paellas marineras” (peixe e frutos do mar) e a “paella negra”, com tinta de lula. No Brasil, normalmente é feita com frutos do mar.

IMG_20170225_125846533_HDR.jpg

IMG_20170225_130005531.jpg

Vamos começar a fazer a paella usando um molho específico de peixe que pode ser comprado pronto ou pode ser feito em casa somente com o uso das cabeças do peixe e temperadas com sal, pimenta, etc. O fumê de peixe será usado ao invés da água para cozinhá-la:

IMG_20170225_133606971.jpg

As cabeças e cascas dos camarões serão colocadas ao fogo com azeite tomando cuidado para que o molho não chegue ao fervor. Depois essa marinada pode ser utilizada.

IMG_20170225_133903773.jpg

IMG_20170225_134131087.jpg

Aproximadamente 2 cebolas picadas:

IMG_20170225_134913559.jpg

O azeite ideal para usarmos é um que é próprio para cozinhar:

IMG_20170225_134549760.jpg

Continuaremos a refogar a cebola junto agora com dois pimentões: 1 amarelo e 1 vermelho. Sugestão: Caso você não goste muito de comer o pimentão a idéia é cortá-lo em fatias grandes como faremos aqui.

IMG_20170225_135333864.jpg

IMG_20170225_135338062.jpg

IMG_20170225_135629228.jpg

O arroz a ser utilizado é aquele próprio para risotos:

IMG_20170225_134424524.jpg

IMG_20170225_134527911.jpg

Refogamo-lo junto com os pimentões e a cebola:

IMG_20170225_135929575.jpg

IMG_20170225_135935095.jpg

Acrescentamos então sal e pimenta do reino branca:

IMG_20170225_140004363.jpg

IMG_20170225_140005958.jpg

Depois adicionamos o açafrão:

IMG_20170225_140205933.jpg

IMG_20170225_140049758.jpg

IMG_20170225_140054040.jpg

Agora vamos adicionar o caldo do peixe e deixá-la cozinhar um pouco:

IMG_20170225_140244435.jpg

IMG_20170225_140246982.jpg

IMG_20170225_140409504.jpg

Após isso iremos adicionar os frutos do mar que já estavam marinando com limão siciliano, cachaça e azeite: Polvo, Lula, Mexilhão e Camarão.

IMG_20170225_141014293.jpg

IMG_20170225_141159616.jpg

Depois de um tempo cozinhando iremos adicionar as vagens de ervilha e o camarão gigante:

IMG_20170225_141808479.jpg

IMG_20170225_133834293.jpg

IMG_20170225_142118059.jpg

Depois de um tempo cozinhando no fogo a paella estará pronta:

IMG_20170225_143341016.jpg

IMG_20170225_143501022.jpg

IMG_20170225_143505725.jpg

Conforme falei na apresentação do nosso post, o vinho que serve de forma perfeita para a harmonização com essa paella são os feitos com a casta albariño, que é a uva Alvarinho do post anterior produzida no terroir espanhol. Conforme falamos anteriormente, os vinhos produzidos com essa uva são bem minerais e possuem um nível de acidez acima da média.

IMG_20170225_144349250.jpg

O segundo vinho para a harmonização será um dos tops em qualidade da concha y toro: Sauvignon Blanc Gran Reserva. Esse é um vinho branco porém amadeirado que passa o tempo máximo possível em barricas de carvalho.

IMG_20170225_150316549.jpg

Após a paella teremos uma verdadeira obra prima de Portugal: Castello D’alba Vinhas Velhas. Uma vinha velha pode ter 80 ou 100 anos no Douro e 50 no Alentejo – não há fronteiras temporais rígidas, porém o resultado é uma produção pequena de uvas com concentração, profundidade e equilíbrio. Com uma enologia consciente, os resultados no copo chegam a ser comoventes. Poder degustar um vinho desse porte é um verdadeiro sonho estando no Brasil pois nem pela internet consegui encontrar esse vinho!!

IMG_20170225_133134229.jpg

Esse vinho passa 18 meses em barricas de carvalho francês e o resultado é um vinho altamente frutado com aromas claros de frutas negras e vermelhas.

IMG_20170225_152110052_HDR.jpg

IMG_20170225_153318522.jpg

O segundo vinho tinto é um verdadeiro orgulho para o Brasil e para o Vale do São Francisco. Já tivemos um post sobre um bom vinho da vinícola Rio Sol aqui no blog onde eu também prometi que ia fazer um review sobre o top deles: o paralelo 8. Esse que foi eleito o terceiro melhor vinho do Brasil.

IMG_20170225_155720910.jpg

IMG_20170225_161219408.jpg

IMG_20170225_161016636.jpg

Vinho que lembra bem o Alentejo. Para finalizar tivemos também o vinho que já nos foi apresentado no post anterior: o redwood creek pinot noir. Um vinho famosíssimo nos Estados Unidos.

IMG_20170225_163850562.jpg

IMG_20170225_164502779.jpg

Conclusão

Acho que o ponto que mais frisamos aqui no blog é o fato da comida ser ligada à bebida e vice e versa. Harmonizar uma boa comida com a bebida correta pode obter prazeres inimagináveis e assim foi com nossa paella. Mais uma vez parabéns minha querida Aline.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Vale do São Francisco, Bulgária, Alentejo e o Melhor Uísque do Mundo

“O vinho tem o poder de encher a alma de toda a verdade, de todo o saber e filosofia.” Bossuet

IMG_20170121_200412462.jpg

Introdução

Olá amigos, acho que a coisa que mais gosto do nosso blog é o fato de não haver preferências ou qualquer tipo de preconceito quanto à origem dos vinhos mostrados aqui no Blog. Falamos desde os vinhos Brasileiros passando pelos americanos e também dos Neozelandeses. Hoje o nosso post será um mix de dois encontros maravilhosos que participei: uma visita que fiz ao meu tio Rômulo em Recife e uma segunda visita a familiares em São Paulo. Na primeira visita tive a oportunidade de degustar esse que é o melhor uísque do mundo: o Macallan junto com um maravilhoso vinho Pernambucano da vinícola Rio Sol. Na segunda visita tivemos queijos e churrasco com vinhos Búlgaros e um Português da região do Alentejo.

Recife

Antes de ir à casa do meu tio, resolvi escolher um vinho de uma vinícola o qual há muito desejava apreciá-la: Rio-Sol. Os vinhos dessa vinícola já se encontram disponíveis em cartas de bons restaurantes como, por exemplo, o La Casserole do post anterior. Como primeira degustação, escolheremos um bom exemplar: Rio Sol Reserva 2014. E muito em breve teremos no nosso blog um post específico sobre o vinho top de linha da Rio Sol: Paralelo 8. Eleito um dos 3 melhores vinhos tintos do Brasil.

IMG_20161223_194103063.jpg

Para mim sempre foi uma incógnita sobre como é possível se produzir bons vinhos num lugar tão quente quanto o sertão Pernambucano. A resposta para essa incógnita está no uso de tecnologia israelense. Através de técnicas de irrigação consegue-se simular um ambiente e temperaturas propícios para o bom desenvolvimento das cepas. A vinícola Rio Sol está localizada no Vale do São Francisco, na cidade de Lagoa Grande, em Pernambuco. Ela produz vinhos e espumantes, cujos rótulos vêm, cada vez mais, conquistando prêmios nacionais e internacionais.

A empresa pertence a Global Wines, com sede na região do Dão, em Portugal, produtora de vinhos reconhecida no mercado mundial pelo dinamismo e inovação, com grande diversidade de rótulos premiados entre os melhores da Europa. O enólogo português João Antônio Santos é um homem muito visionário que, em menos de 10 anos, conseguiu produzir no semi-árido nordestino um vinho de excelente qualidade. Abaixo eu quero deixar um link para um vídeo de uma entrevista com ele. No youtube também é possível encontrar várias delas.

degustação-1-Cópia.jpg

Link para a entrevista:

https://www.youtube.com/watch?v=_V_gIa9vOic&t=712s

IMG_20161223_210728339.jpg

Esse é um vinho muito bom produzido com o corte de várias uvas: 40% Cabernet Sauvignon / 30% Syrah / 30% Alicante Bouschet. Também muito frutado e aromático. Vale a pena conferir. Como segunda degustação da noite temos um vinho francês Sainte Eugenie (Récolte La Réserva 2015).

IMG_20161223_203040445.jpg

IMG_20161223_204118855.jpg

Vinho muito frutado, floral e aromático com presença forte de framboesas.

IMG_20161223_203517031.jpg

Estes vinhos acompanharam muito bem queijos e petiscos como amendoim, azeitona, etc.

IMG_20161223_204035002.jpg

IMG_20161223_205653072.jpg

O melhor uísque do mundo

Já tivemos a oportunidade aqui no blog de degustarmos a melhor cachaça do mundo e agora teremos a oportunidade de conhecermos este que é o melhor uísque do mundo: O Macallan. Entendo perfeitamente que esses títulos de melhor do mundo não são unânimes e depende também do gosto individual de cada um, mas no caso da cachaça Anísio Santiago e do Scotch Macallan, a quantidade de autoridades no assunto dando a eles essa devida alcunha é muito grande. A revista Forbes é uma delas que o declarou como tal. Ele recebe o epíteto de o “Rolls-Royce” do Whiskey.

IMG_20161223_201611456.jpg

Para degustarmos essa obra de arte não podemos utilizar qualquer tipo de copo. Ele pede um exclusivo:

macallan 7.jpg

IMG_20161223_223244219.jpg

Participou também desse momento singular nosso amigo das crônicas saxônicas de Bernard Cornwell Uhtred Ragnarson:

IMG_20161223_230013971.jpg

IMG_20161223_232139890.jpg

Meus sinceros agradecimentos ao meu tio Rômulo por ter me proporcionado uma noite tão agradável não apenas com boas bebidas, mas também com uma excelente conversa!

15541576_1317220604990573_1989562711948022198_n

São Paulo

Antes da visita aos meus amigos Jéssika e Lucas, gostaria de mostrar uma cerveja fantástica japonesa: a Sapporo. Pra quem é fã de um estilo pilsen com lúpulos suaves, recomendo essa cerveja fortemente. É encorpada e ao mesmo tempo suave de beber! Possui também a lata mais bonita que eu já vi numa cerveja.

IMG_20170124_200104285.jpg

IMG_20170124_200806323.jpg

Antes de começar o churrasco, nada como uma boa cerveja pilsen puro malte:

IMG_20170121_192010134.jpg

Assim como o caso da região do Vale do São Francisco, teremos hoje também 2 vinhos búlgaros: Pinot Noir e um corte da bodega Soli. Sei que, quando pensamos em vinho, nunca vem ao pensamento a Bulgária, mas é de se espantar a boa qualidade da bodega.E, assim como o caso da Rio Sol que possui origem portuguesa, a Soli também possui origem européia (italiana). O seu proprietário Edoardo Miroglio viu na região do Vale dos Thraces na Bulgária uma região em potencial e fundou sua vinícola, de 200 hectares, em Elenovo em 2000.

a6988835324d6263d4c9a4f8f9eda2ba_XL.jpg

São vinhos de excelente custo-benefício. Muito frutados e florais.

IMG_20170121_192921923.jpg

O pinot noir combinou muito bem com os queijos Gouda, Emmental e Gorgonzola:

IMG_20170121_200102236.jpg

img_20170121_200412462

O estilo Bordeaux (Cabernet-Sauvignon com Cabernet-Franc) combinou muito bem com o churrasco de Picanha, Linguiça toscana e Costela:

IMG_20170121_211804993.jpg

IMG_20170121_212452265.jpg

E por fim, temos um português muito saboroso: Farizoa. Esse é um dos exemplos de que, se alguém quiser conhecer um vinho característico da região do Alentejo em Portugal, pode arriscar com esse exemplar sem medo de errar.

IMG_20170121_203309128.jpg

IMG_20170121_203547449.jpg

IMG_20170121_203633234.jpg

Conclusão

Meus sinceros agradecimentos a todos os meus amigos e familiares que me proporcionaram momentos tão aprazíveis como esse. Cada uma das bebidas e comidas citadas nesse post são altamente recomendáveis.

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Spritzer, Peru, Pernil e Salmão com Espumantes Nacionais e a lendária cachaça: Anísio Santiago

“Amar é como tomar vinho: delicioso, mas em exagero torna-se um veneno que nos mata aos poucos.” Renan Mendonça

IMG_20170101_034914607.jpg

Introdução

Olá amigos, conforme prometi no último post, esse será um post sobre o meu réveillon. Nele darei dicas fantásticas de boas comidas combinadas com espumantes nacionais de altíssima qualidade, bons vinhos, um drink altamente recomendado para o verão, uma boa opção de Brandy português e, para finalizar, teremos a lendária Anísio Santiago.

Apéritif

Começaremos nossa noite com duas cervejas espetaculares: La trappe Golden ale e a Goose Island Ipa.

IMG_20161230_183449707.jpg

IMG_20161230_191958886.jpg

IMG_20161231_174839903.jpg

Muita gente normalmente não gosta da Ipa devido ao fato dela utilizar muito mais lúpulo na sua receita do que os outros tipos de receita. Mas aprendi com um amigo da marinha que ela é uma cerveja que deve ser utilizada apenas como degustação. Ela deve ser consumida em pequena quantidade e com um doritos de acompanhamento.

Spritzer

Essa bebida é altamente deliciosa e se assemelha à famosa sangria, porém ela é feita com Sprite zero. Na internet existem variações de receitas quanto à porcentagem a ser utilizada de vinho tinto ou branco e o Sprite zero. Sem perda de generalidade iremos utilizar 50% de vinho e 50% de Sprite zero. Iremos utilizar um vinho tinto de boa qualidade porém barato:

IMG_20161231_222217693.jpg

Uma belíssima poncheira:

IMG_20161231_222112451.jpg

E frutas. A receita pode ser feita com as frutas variadas ou até mesmo sem elas.

IMG_20161231_222204555.jpg

IMG_20161231_222202200.jpg

IMG_20161231_222135836.jpg

IMG_20161231_222143547.jpg

IMG_20161231_222159235.jpg

IMG_20161231_222231747.jpg

IMG_20161231_222236855.jpg

IMG_20161231_222459474.jpg

IMG_20161231_222750072.jpg

Harmonização

Hoje teremos uma mesa muito farta para harmonização: Peru, Pernil, Farofa de bacon, Salmão ao molho de maracujá, salada de kani com manga e molho teriyaki.

IMG_20161231_222322569.jpg

IMG_20161231_223517740.jpg

IMG_20161231_224159454.jpg

IMG_20161231_224433154.jpg

Como acompanhamento, temos vinhos chilenos do tipo Merlot e Carmenère:

IMG_20161231_223303503.jpg

Para acompanhar o peru e o pernil vamos de Carmenère:

IMG_20161231_224613588.jpg

IMG_20161231_225042635.jpg

IMG_20161231_225130854.jpg

IMG_20161231_225403580.jpg

O salmão é um peixe com bom percentual de gordura, logo a compinação com o spritzer fica refrescante e gostosa:

IMG_20161231_231021161.jpg

Abaixo temos exemplos de vários bons espumantes nacionais da região de Bento Gonçalves:

IMG_20161231_235046838.jpg

IMG_20161231_235109607.jpg

IMG_20170101_014201064.jpg

IMG_20170101_014230092.jpg

IMG_20170101_014628373.jpg

IMG_20170101_241124877.jpg

Digestif

Começaremos 2017 com duas grandes bebidas. A primeira delas é um Brandy Português Espetacular: Aguardente Velha Reserva Carvalho, Ribeiro e Ferreira.

12670204_1111480535537118_5262075189701220511_n.jpg

IMG_20170101_034914607.jpg

IMG_20170101_034919284.jpg

E a segunda é uma verdadeira lenda Brasileira: a cachaça Anísio Santiago-Havana. Essa é a bebida que imortalizou o Brasil no mundo como sinônimo de boa bebida. Eleita durante vários anos seguidos como a melhor cachaça do mundo, a Anísio Santiago foi declarada como patrimônio cultural imaterial de Salinas por meio de Decreto Municipal número 3728/2006. É dito que grandes líderes do mundo como Fidel Castro possuem garrafas em sua coleção particular. Dizem que a fama dessa bebida deu-se com a lenda que diz que o senhor Anísio pagava seus funcionários com a cachaça e eles a vendiam caro, chegando ao valor de um salário mínimo cada (R$ 450). Mas seus dez anos de envelhecimento no barril de bálsamo também conferem a ela estimado valor. Só quem prova essa lenda é que sabe o que significa beber uma boa cachaça! Versões mais velhas dessa cachaça podem ser encontradas na internet ao preço de R$ 10000.

IMG_20170101_112802730.jpg

IMG_20170101_112845851.jpg

Conclusão

Gostaria de deixar registrado aqui um imenso agradecimento à minha família e amigos por terem me proporcionado um réveillon tão maravilhoso. Feliz 2017 e um Ano Novo  com a Graça do nosso bom Deus e com muitas realizações pessoais, espirituais, materiais, etc!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Peru de Natal, Ceia com Pinot Noir e Espumantes Nacionais

“O bom vinho alegra o coração dos Homens” Sagradas Escrituras

IMG_20161224_215601397.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje farei um breve post apenas com dicas sobre espumantes nacionais e um bom vinho relativamente barato para combinar com a ceia de Natal. Em breve farei um post sobre a festa do Réveillon.

Vinho de escolha: Pinot Noir Ventisquero Reserva 2015

IMG_20161224_213557735.jpg

Já falamos aqui no nosso blog sobre a alta qualidade e o bom custo benefício da bodega Chilena Ventisquero. Logo, nossa opção será por ela: aproximadamente R$50.

Harmonização

Hoje teremos 3 pratos para nossa harmonização: Peru, Lombo com farofa de Bacon e molho de laranja e maionese com batata e galinha defumada.

IMG_20161224_203721991.jpg

IMG_20161224_214238313.jpg

IMG_20161224_214909251.jpg

IMG_20161224_215601397.jpg

IMG_20161224_212944455.jpg

Para petiscar temos um queijo delicioso muito vendido nessa época natalina no nordeste: Queijo do Reino.

IMG_20161224_204814306.jpg

Abaixo temos exemplos de vários bons espumantes nacionais do vale do São Francisco:

IMG_20161224_204154040.jpg

IMG_20161224_210846869.jpg

E para quem gosta de uma versão um pouco mais adocicada temos um do tipo moscatel. Uva que se adaptou perfeitamente no clima semi-árido nordestino.

IMG_20161224_212523903.jpg

IMG_20161224_212831645.jpg

Conclusão

A moral da história é que o Brasil possui excelentes opções de espumantes tanto na região de Bento Gonçalves quanto no Vale do São Francisco. Não precisa gastar uma fortuna para aproveitar um bom Natal. Feliz Natal e um Maravilhoso Ano Novo Para todos com a Graça do nosso bom Deus!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Champagne, Lagostim, Agulhinha Frita com Prosecco e Espumantes Nacionais

“O vinho é o mais notável de todos os remédios; onde falta o vinho, os remédios se fazem necessários”(Livros do Talmud (500-400 a.C.))

 

praca-do-marco-zero-recife-pernambuco.jpg
Fonte: http://www.estadosecapitaisdobrasil.com/

Introdução

Amigos, hoje estamos no nordeste do Brasil (especificamente na bela cidade histórica de Recife) e vamos aproveitar para provarmos o que a região tem de melhor: frutos do mar. Também, como estamos nos aproximando das festas de fim de ano, senti a necessidade de falar sobre o que o Brasil possui de melhor no contexto dos vinhos: os espumantes.

Champagne, Espumante ou Prosecco?

Antes de falarmos qualquer coisa, é necessário entendermos que existe uma diferença entre champanhes e espumantes. O nome Champagne é uma AOC (appellation d’origine contrôlée ou denominação de origem controlada), o que significa dizer que todos os vinhos com esse nome são obrigatoriamente produzidos na região epônima (Na França não existem estados como o Brasil, mas ela está dividida em regiões conhecidas como departamentos. Logo, Champagne seria mais ou menos um estado da França cuja capital é Épernay). Nenhum outro espumante feito fora da região de champanhe pode receber esse título.

Champagne-Production-Area-Map.jpg

Outra coisa muito importante é que só pode ser considerado Champagne aquele que é feito com as uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay.

O Prosecco é aquele que é feito exclusivamente com as uvas Prosecco Italianas.

8cc6c7d92ab12220b08d6994a59234c9.png

Uvas Prosecco

uva34.jpg
Fonte: http://domgio.com/

O champagne é um vinho?

Sim. Já temos no blog um post sobre como um vinho é feito e vou apenas acrescentar alguns passos diferentes na produção do champanhe. Segue-se o fluxograma ilustrativo:

Champagne-Infographic-Poster.jpg
Fonte:http://fatcork.com/

De forma bem simplificada, o processo de fabricação é o que se segue:

  • Após as uvas (pinot noir, pinot meunier e chardonnay) serem colhidas e separadas elas são prensadas e só o suco delas é posto para fermentar individualmente.
  • Após a primeira fermentação, o vinho é engarrafado com o blend das três uvas mais a adição de açúcar, fermento e vinhos de safras mais antigas e posto para fermentar uma segunda vez dentro da garrafa.
  • Durante essa segunda fermentação (algo que pode durar entre 15 meses a mais de 15 anos), o champagne sofre um processo conhecido como Remuage, em que todos os dias ele é “girado” de forma aos detritos se acumularem no fundo da garrafa.
  • Após a etapa de envelhecimento, o sedimento que se acumulou é removido, é acrescentado uma pequena dose de liqueur d’expedition (vinho açucarado) para contrabalancear a acidez e o vinho é arrolhado.

Porque o champagne é sinônimo de comemoração e alegria?

O hábito do champagne ser tido como sinônimo de comemoração por grandes conquistas é devido, primeiramente, ao fato de que em Reims, cidade mais importante de Champagne, foram coroados quase todos os grandes reis da França. A coroação acontecia na catedral de Notre-Dame de Reims, construída em 1225, e nas comemorações era servido champanhe. Por este motivo, ficou conhecido como o vinho dos reis e rainhas.

facade_de_la_cathedrale_de_reims_-_parvis

Breve história do Champagne

O grande pai dessa “bebida da alegria e do sucesso” foi  Pierre Perignón, mais conhecido pelo seu epíteto de Dom Pérignon. Ele foi um monge beneditino da Abadia de Hautvillers que, em 1670, foi o responsável pela “revolução” na produção do champanhe.

dom-perignon

A Dom Pérignon deve-se a descoberta dos cinco principais elementos que em muito contribuíram para o champanhe tal como ele é hoje:

1-A mistura de diferentes vinhos da região (o blend), conseguindo que o produto fique mais harmonioso.

2-A separação e prensagem em separado das uvas que predominam em Champagne, obtendo assim um cristalino sumo de uva.

3-O uso de garrafas de vidro mais espessas para melhor permitirem a pressão da segunda fermentação em garrafa.

4-O uso da rolha de cortiça, vinda de Espanha.

5-A escavação de profundas adegas, hoje galerias com vários quilômetros de extensão e usadas por todos os produtores, para permitir o repouso e envelhecimento do champanhe a uma temperatura constante.

Até hoje o champagne Dom Perignón encontra-se como exemplo de riqueza e finesse. Aqui no Brasil a garrafa mais barata de um Dom Perignón custa em Média R$1000. Há exemplares que chegam a custar R$20000.

domperignon-vintage2006-0-75l-gb-p-ec-1

Harmonização

O champagne é um vinho clássico conhecido por harmonizar muito bem com frutos do mar. É um vinho que combina muito bem com regiões quentes como o Brasil. Como estamos no nordeste hoje iremos escolher como harmonização um filé de agulhinha frita (verdadeiro requinte da culinária nordestina) e lagostim.

img_20161214_195115039

img_20161214_200942373

Vinhos de escolha

Nós já desmistificamos aqui a idéia de que o Brasil não produz vinhos de boa qualidade, porém não falamos sobre o que ele possui de melhor: seus espumantes. Estudiosos falam que, em no máximo 20 anos, os espumantes brasileiros só não serão melhores em qualidades do que os franceses. Hoje na França é possível comprar espumantes brasileiros em qualquer grande casa de vinhos. Então, nas festas de fim de ano, se você não tem dinheiro para comprar um champagne (custa em média R$300 a R$400 reais no Brasil), escolha um Brasileiro que não fará feio de modo algum. Hoje escolheremos um exemplo de grande espumante gaúcho (de Bento Gonçalves) e um grande espumante nordestino (do vale do São Francisco). Mas o Brasil possui dezenas de outros com altíssima qualidade: Salton, Casa Valduga, Peterlongo, etc.

img_20161214_174337983

img_20161214_173555729

img_20161214_173507970

img_20161214_205309335

img_20161214_212659055

img_20161214_212723954

Conclusão

Maravilha essa combinação. Ficou muito bom essas comidas feitas pelo meu pai. Nessas festas de fim de ano escolha Espumantes Nacionais e não irá se arrepender.

Conheça todos os posts do blog através desse link