Paella com lagosta e vieira e duelo de Dom Pérignon versus Moët & Chandon

“Venham Depressa meus irmãos, estou provando estrelas!” Dom Pérignon

20191207_182456.jpg

Introdução

Amigos, hoje é um dia muito especial pois iremos provar um dos maiores ícones do mundo dos vinhos: o Dom Pérignon! Me arrisco a dizer que, talvez, não exista um outro vinho que represente tão bem a noção de opulência e chiquesse do que esse vinho. Estamos diante do representante máximo da noção de espumante! E para acompanhar esse colosso, iremos fazer uma receita à altura: uma paella com lagosta, lagostim, vieiras e muito mais. Allons-y mes amis!

Quem foi o Dom Pérignon?

Amigos, já tivemos aqui no blog um post contando uma breve história do champagne (link) e um falando do duelo entre um champagne e um espumante brasileiro (link). Então nesse aqui iremos falar um pouco apenas sobre esse ponto tão importante da história: o Dom Pérignon.

dom-perignon-statue-230.jpg

Para que possamos entender um pouco porque essa bebida fez tanto sucesso é importante entendermos porque a França se tornou esse exemplo de chiquesse. Provavelmente o maior exemplo de esplendor da história tenha sido o do rei sol, o Luís XIV:

luis-xiv-da-franca-biografia-do-rei-sol.jpg

Esse foi provavelmente o inventor da moda moderna. Usava 4 pares de roupas diferentes por dia e sua megalomania não possuía limites. Chegou a afirmar que o estado era ele mesmo (L’état c’est moi), exemplo máximo do absolutismo e grande defensor da cultura vinícola. Seu reinado de 72 anos (1643 – 1715) é considerado o maior do planeta. Em seu governo teve fim a Guerra dos trinta anos com a assinatura do tratado de Westfália em 1648 (considerado por muitos como o marco do surgimento dos estados modernos, pois inaugurou o moderno sistema Internacional, ao acatar consensualmente noções e princípios, como o de soberania estatal e o de estado-nação). Também foi em seu governo que se desenvolveu uma forma de mercantilismo bem diferente: o colbertismo.

Lefebvre_-_Jean-Baptiste_Colbert.jpg

Jean-Baptiste Colbert foi um político francês que ficou conhecido como ministro de Estado e da economia do rei Luís XIV. Como ministro de Luís XIV, Colbert quis tornar a França a nação mais rica da Europa, e para isso implantou o mercantilismo industrial, incentivando a produção de manufaturas de luxo visando a exportação. A ideia não era apenas produzir em quantidade como Adam Smith pregou 100 anos depois, mas vender sofisticação!

99637471-Versailles-CULTURE_trans_NvBQzQNjv4Bqeo_i_u9APj8RuoebjoAHt0k9u7HhRJvuo-ZLenGRumA.jpg

E foi nessa época que o vinho francês e, também, o de outros países como o tokaji húngaro (preferido de Luís XIV) ganhou prominência mundial e sofisticação. O próprio Luís XIV era grande fã do recém-descoberto Champagne!

gettyimages-525517130-612x612.jpg

Pierre-Pérignon nasceu dentro desse contexto de exuberância e glória, porém decidiu dedicar-se à vida religiosa. Aos treze anos entrou para o colégio de jesuítas de Châlons e, em 1656, entrou para o mosteiro beneditino de Verdun onde, fiel às regras de São Bento, alternava trabalho manual, leitura e oração, adquirindo sólidos conhecimentos em filosofia e teologia. Em 1668, então com trinta anos, entra para a Abadia Saint-Pierre de Hautvillers. Até à sua morte em 1715, ele fica encarregado da adega e dos produtos da abadia.

Vestiges-Abbaye-Hautvillers.JPG

Como bom cristão e devotado a melhor servir ao convento e à igreja, Pérignon percebe que a melhor maneira de trazer glória e dinheiro para uso dela é através da cultura vinícola. Então ele passa a se dedicar de corpo e alma para produzir o melhor vinho possível. Com paciência e obstinação, o jovem monge tratou de recuperar a abadia, pois os depósitos, as adegas e as prensas estavam em ruínas. O seu objetivo: voltar a dar à abadia os meios que lhe faltam tanto e, enquanto isso, restaurar o brilho da pequena comunidade religiosa. Neste país de velha tradição vinícola, a exploração das vinhas e o comércio do vinho constituem, sem dúvida, o melhor produto de comércio.

grape varieties Fernando Picarelli Martins flickr.jpg

Várias técnicas modernas foram criadas por ele, como o assemblage (blend ou corte) de uvas. Foi ele quem primeiro testou fazer vinhos de várias uvas diferentes e de várias safras diferentes. Dedicou-se a viajar pela França para aprender novas técnicas de fabricação. Com Dom Pérignon, a enologia ascendeu à categoria de uma verdadeira ciência!

images.jpg

E sua grande contribuição ainda estava por vir. À época, as garrafas eram tapadas com cavilhas de madeiras envoltas de estopa embebida de óleo. À procura de um método mais limpo e mais estético, Dom Pérignon teve a ideia de derreter cera de abelhas no gargalo das garrafas, que lhes assegura, assim, uma perfeita vedação. Ao fim de algumas semanas, a maior parte das garrafas explodiu, deixando o monge perplexo. Demorou algum tempo para compreender que o açúcar contido na cera de abelha tinha provocado, em contato com o vinho, uma segunda fermentação provocando uma brusca efervescência. Incapazes de oporem-se à pressão, as garrafas tinham voado das prateleiras. Foi essa feliz má sorte que permitiu a Dom Pérignon descobrir a fermentação em garrafa: “o método champanhês” ou, mais simplesmente o champanhe, acabava de nascer. Embora nada permitisse afirmar com certeza, o monge de Hautvillers teria inventado também a rolha de cortiça.

gettyimages-144845290-1024x1024.jpg

Ao provar pela primeira vez a sua criação, Dom Pérignon falou a célebre frase: Venez mes frères, vite, je bois des étoiles! (Venham depressa meus irmãos, pois eu estou provando das estrelas!). A partir daí a lenda dos vinhos surge! Depois de alguns anos a marca e os direitos são comprados pela Moët & Chandon, que depois funde-se com a Henessy e, recentemente, funde-se também com a Louis Vuitton:

chandon-conheca-a-marca-do-grupo-lvmh-8-1.png

A LVMH hoje é uma holding conhecida por ser a maior produtora de artigos de luxo do mundo! E é ela quem produz o champagne que iremos provar hoje:

20191207_145202.jpg

Ele é vendido numa caixa de papelão lindíssima em alto relevo.

20191207_145248.jpg

20191207_145300.jpg

20191207_145304.jpg

Dentro dela há um encarte falando sobre a safra de 2006:

20191207_145407.jpg

20191207_145523.jpg

20191207_145651.jpg

20191207_145823.jpg

20191207_145843.jpg

20191207_145900.jpg

Receita de Paella

Precisamos de um prato à altura desse gigante meus amigos! Vou então fazer minha receita favorita: paella. Mas irei incrementá-la com alguns ingredientes de luxo: lagosta, polvo e coquille saint Jacques. O primeiro passo para fazer uma boa paella é fazer um bom caldo de peixe. Para isso usaremos os seguintes ingredientes:

20191207_132947.jpg

1 cabeça grande de peixe (robalo é uma boa opção), 3 dentes de alho, 2 tomates (gosto muito do italiano ou holandês), louro, 2 cenouras grandes ou 4 pequenas (a de rama é melhor), salsão, 1 bouquet garni (salsa, cebolinha e manjericão), cabeça de camarão, dez pimentas do reino brancas, sal e meia garrafa de vinho branco. Cubra tudo com água até a boca.

20191207_133033.jpg

20191207_133259.jpg

20191207_133915.jpg

20191207_133930.jpg

20191207_134153.jpg

Meia garrafa de vinho

20191207_134301.jpg

20191207_134700.jpg

O segredo é cozinhar tudo no fogo baixo por aproximadamente 2 horas e meia até o caldo ter retirado todo o sabor dos ingredientes. Enquanto isso precisamos preparar o polvo que iremos utilizar na paella:

20191207_135321.jpg

Basta 1 polvo inteiro, duas cebolas, louro, azeite, pimenta e sal. Muito importante: não se deve adicionar água! Ele deve ser cozinhado no seu próprio suco por apenas 15 minutos na pressão!

20191207_135329.jpg

20191207_140105.jpg

20191207_140216.jpg

É bem triste ver como ele encolhe depois disso!

IMG-20191208-WA0036.jpg

Façamos agora o mis-en-place da paella:

20191207_144224.jpg

1 pimentão vermelho e 1 pimentão amarelo bem picados

20191207_145216.jpg

Use o tomate da sua preferência, o que eu mais gosto é o cocktail!

20191207_170325.jpg

Tempere os frutos do mar com limão, sal e pimenta do reino branca e deixo-os apurar o gosto. Aqui estamos usando fora 1 polvo inteiro, 1 quilo de mexilhões, 300g de vieiras, 1kg de lula e 1kg de camarão rosa do grande. Após algumas horas, o caldo de peixe estará pronto. É só coar e colocá-lo numa panela.

20191207_160049.jpg

Após o mis-em-place pronto iremos começar a fazer nossa paella. Usando uma paellera (a minha é antiaderente e tem 45cm de diâmetro), coloquemos azeite:

20191207_170602.jpg

Alho

20191207_170721.jpg

Tomates cortados em pedaços bem pequenos:

20191207_170843.jpg

Depois acrescentamos os pimentões:

20191207_171028.jpg

Adicionamos 1 colher de páprica (aqui eu estou usando a doce, mas pode ser a picante também):

20191207_171137.jpg

E depois de refogados os legumes, acrescentamos os frutos do mar:

20191207_171656.jpg

Refogamo-los bem e acrescentamos 1 colher de sal e um pouco de pimenta do reino branca:

20191207_171803.jpg

Aqui vai um dos segredos do prato: o tipo de arroz utilizado. Aqui usaremos o arroz bomba espanhol que é próprio para o prato:

20191207_170153.jpg

20191207_170159.jpg

20191207_172113.jpg

Um dos segredos para não errar na quantidade é encher a panela fazendo um formato de cruz. No nosso caso deu exatamente 1 saco de 1kg:

20191207_172204.jpg

Agora vem 300 ml de vinho branco:

20191207_172414.jpg

Açafrão a gosto

20191207_172545.jpg

20191207_172849.jpg

Depois iremos refogar até secar um pouco (cerca de 10 a 15 minutos). Depois disso iremos utilizar nosso caldo preparado anteriormente:

20191207_172957.jpg

20191207_173006.jpg

20191207_173125.jpg

Iremos agora refogar tudo por cerca de 20 minutos ou até reduzir o caldo. Após esse tempo estaremos prontos para colocarmos a lagosta, o lagostim, o camarão gigante e a ervilha torta para terminarmos a preparação do prato.

20191207_174513.jpg

IMG-20191208-WA0011.jpg

20191207_175101.jpg

Agora precisamos tampar a paellera até o fim da preparação (cerca de 20 minutos)

20191207_175826.jpg

Vamos agora montar a mesa

20191207_182420.jpg

Vamos fazer nossa degustação comparando-o com o Moët & Chandon (que custa 4 vezes menos) para termos uma percepção da diferença entre os dois.

20191207_182446.jpg

Será que teremos o mesmo resultado da degustação Marquês de Casa Concha versus Don Melchor (link)?

20191207_182456

20191207_182809.jpg

20191207_183303.jpg

20191207_183308(0).jpg

Amigos, acho que esse foi o prato mais gostoso que fiz na vida, acho que estou no céu! Já o resultado entre o duelo foi surpreendente: na minha opinião o Dom perdeu feio para o Moet. Achava que o Dom teria uma complexidade aromática maior por evoluir mais tempo, mas para espanto meu isso não aconteceu. Inclusive pegamos o le nez du vin (link) e percebemos que o moet possui aromas trufados e de pão tostado com brioche que o Dom não apresenta.

20191207_183329.jpg

Conclusão

Mais uma vez chegamos à conclusão: vinho mais caro nem sempre é melhor! Melhor ainda é perceber que os espumantes brasileiros de 60 ou 80 reais são até próximos em qualidade (link). Ou seja, se quiser beber um bom champagne, não gaste R$1500, gaste R$80 que a qualidade é quase a mesma! Até mais meus amigos.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Le nez du vin, bardega e mix de clássicos

“Rapidamente, traga-me um copo de vinho, para que possa refrescar minha mente e dizer algo inteligente.” Aristófanes

20190406_195445.jpg

Introdução

Amigos, esse provavelmente será o post mais extenso do nosso blog, pois falaremos de uma maneira geral de como se aprender o básico do mundo dos vinhos e teremos um grande mix de lendas dos vinhos.

Como estudar sobre vinhos: dicas de livros

Vou citar aqui algumas dicas, mas acredito que ninguém faz um material mais didático e bacana do que a nossa amada Madeline Puckette.

maxresdefault.jpg

Além do seu badaladíssimo site winefolly, temos duas opções de livros fantásticos:

39347230_10156668607531543_3113723651761897472_n.jpg

Esse master guide para mim é o melhor livro já feito no mundo dos vinhos. Altamente didático e objetivo. Não chega a ser exaustivo, mas aborda de forma completa o assunto. Pena que ainda não existe em português. Pode ser encontrado no site da amazon por R$120. Caso você deseje algum em português pode tentar o de baixo que é um resumo do primeiro:

Capa-Wine-Folly-vinhobasico.jpg

Como sugestão de harmonização eu curti muito esse daqui:

Livro Comida e Vinho.jpg

Também temos uma obra bem extensa e consagrada: Grande Larousse do vinho

larousse.jpg

Como estudar sobre vinhos: dica de curso de aromas

Não existe outra opção no mundo de um grande curso de aromas que não seja o do Jean Lenoir. O le nez du vin é uma ferramenta de ensino utilizada em todos os grandes cursos de sommeliers do mundo. Ele consiste numa caixa contendo 54 aromas, num livro descrevendo-os e em 54 cartas contendo cada aroma.

20190427_190457.jpg

20190427_190517.jpg

20190427_194138

20190427_194218.jpg

Ele é importado para o Brasil através do site:

https://www.delacroixvinhos.com.br/le-nez-du-vin.html

Como estudar sobre vinhos: dica de local de degustação

A melhor forma de estudar sobre vinhos é em winebars (lugares em que se pode degustar apenas uma taça ao invés de uma garrafa). No Brasil infelizmente há poucos nesse formato, mas existe um deles que é sensacional: o Bardega.

entrada-bardega

20190406_181659.jpg

bardega-wine.jpg

E é lá que iremos degustar alguns clássicos que eu estive devendo há um bom tempo no Blog.

Supertoscano (Bolgheri e o quarto B da Itália) – Gaja Ca’Marcanda Promis 2013

Já comentamos no post do Barolo que ele foi o primeiro vinho italiano de sucesso em comparação com os franceses. Mas os italianos não pararam por aí e decidiram produzir seus próprios vinhos de Bordeaux (Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, etc) com um toque próprio (Sangiovese). E foi na região da cidade de Bolgheri que esses vinhos atingiram sua perfeição. E para diferenciá-los dos vinhos de baixa qualidade produzidos (os vinos de távola), os produtores decidiram chamá-los de supertoscanos.

wine.jpg

Com 92+ pontos de Robert Parker e 91+ pontos de James Suckling na safra 2013, o Promis é macio e envolvente, com bastante presença de boca, concentração e camadas e mais camadas de fruta. Este delicioso tinto é produzido na propriedade de Angelo Gaja em Bolgheri, na Toscana. Ele é um corte de Merlot (55%), Syrah (35%) e Sangiovese (10%). Esse é um bolgheri que custa aproximadamente R$360 e dono de um roxo lilás que apresenta aromas marcantes de frutas negras e vermelhas como a ameixa e a groselha negra.

83457bfdf965853a4c2d0e27f0c33864_2048x.jpg

20190406_184151.jpg

20190406_184201.jpg

20190406_184312.jpg

20190406_184801.jpg

Catena Zapata Malbec Argentino 2015

malbec_argentino.jpg

O segundo vinho da nossa degustação é, verdadeiramente, uma lenda. Já comentamos aqui no blog várias vezes sobre a superioridade da bodega Argentina Catena Zapata (link). Compará-la com as outras vinícolas é simplesmente ganhar de 7 a 1, mas agora ela simplesmente atingiu sua expressão máxima com esse novo rótulo. Adrianna Catena criou esse rótulo inspirado na história da sua variedade principal, contada através de quatro mulheres simbólicas. O rótulo retrata quatro figuras femininas que incorporam diferentes marcos na história da casta. A primeira mulher, que simboliza o nascimento da Malbec e símbolo dessa casta na região de Cahors, é Eleanor da Aquitânia. A segunda mulher é a imigrante, simbolizando o movimento dos colonos da Europa para o Novo Mundo. A terceira mulher simboliza a filoxera, que dizimou videiras europeias no final do século XIX. A última mulher, representando o presente, é Adrianna Catena, que dá nome ao vinhedo mais famoso de Catena, plantado por Nicolás Catena Zapata em Gualtallary com o objetivo de encontrar o local mais interessante para cultivar videiras em Mendoza. O rótulo é raro e de difícil acesso mesmo pela internet, chegando a custar mais de US$ 200. O vinho é fermentado em barris novos de carvalho, nos quais 20% dos cachos foram colocados inteiros e permanecem por 30 dias, para a integração entre madeira e fruta. Depois, foi burilado por 18 meses também em barricas de carvalho francês. Complexo, fino, combina intensidade com elegância. Nos aromas há notas florais, de tabaco, especiarias e algo mineral, em meio a fruta madura, como cereja e cassis. Untuoso, concentrado, tem taninos maduros, boa acidez e frescor. É vigoroso e muito expressivo na boca. É necessário deixa-lo respirar para que todo o seu buquê seja revelado.

20190406_184810.jpg

20190406_184817.jpg

20190406_184908.jpg

A minha percepção pessoal desse vinho é a mesma que eu tive ao degustar o Don Melchor (link), ou seja, ele é superior e muito mais trabalhado, mas não vale nem de longe o preço que é cobrado. Como falei anteriormente, a Catena Zapata mantém um altíssimo padrão de qualidade mesmo para as suas linhas mais simples!

Vignobles Mayard Châteauneuf-du-Pape Clos du Calvaire 2015

A Expressão “Châteauneuf du Pape”  é francesa, e  significa literalmente “O  castelo novo do Papa”. E sua origem está relacionada à chegada dos Papas à cidade de Avignon, no sul da França no início do século XIV. Entre os anos de 1315 e 1333, o Papa João XXII, o segundo Papa eleito em Avignon, ordenou a construção de um castelo ao norte da cidade a ser utilizado exclusivamente como casa de veraneio dos Papas.

220px-Papa_Ioannes_Vicesimus_Secundus.jpg

220px-Château_des_papes_gravure_du_XVIe_siècle.jpg

Infelizmente, hoje só sobraram ruínas do castelo, que ainda podem ser visitadas na região.

Chateau_de_Chateauneuf_du_Pape.jpg

O castelo foi construído em uma região estratégica, distante o suficiente da sede do papado, garantindo seu descanso, porém, próxima o suficiente para se manter a comunicação com a sede. Sobre seu terreno rochoso foram plantadas parreiras para produção de vinho de consumo do castelo, e assim começava a história do “vin du Pape” ou “vinho do Papa”. Mas como todo vinho famoso, existe alguém que o apresentou ao mundo. E esse alguém é nada mais nada menos do que Robert Parker, possivelmente o maior crítico de vinhos do mundo.

Robert_Parker_WIne_Advocate (1)

Ele foi um dos maiores divulgadores dessa denominação de origem controlada e foi assim que o chateauneuf se tornou o símbolo que é hoje. Portanto quando você ver o chapéu do papa estampado em alto relevo numa garrafa de vinho tenha a absoluta certeza de estar diante de um colosso.

chateauneuf_du_pape_wine_label.jpg

Essa denominação é formada de um corte de várias uvas como a grenache (astro principal compondo cerca de 60-70%) e o resto formado normalmente por: cinsault, counoise, mourvèdre, muscardin, syrah, terret noir e vaccarèse.

20190406_185334.jpg

20190406_185338.jpg

20190406_185344.jpg

Amigos, eu perdi a foto que eu tirei da taça quando eu degustava esse vinho, então me perdoem, pois irei usar uma foto que não é minha aqui:

RH47811

Esse é um vinho vendido na faixa de R$350 e que vale cada centavo. Sente-se bastante o aroma de morango e de framboesa nele, bastante sedoso e redondo! O corte é formado pelas castas: 70% Grenache, 15% Syrah, 10% Cinsault, 5% Mourvèdre.

PREMIAÇÕES

Robert Parker 94

Jancis Robinson 17,5

Vinous 88-90

Wine Front 91

Bourgogne versus Napa Valley

20190406_190346.jpg

A próxima degustação foi um duelo entre um pinot noir top da Borgonha e um americano. Abaixo segue-se o detalhe de cada um desses vinhos:

Domaine Masse Père et Fils Givry 1er Cru 2014

112816_1626_DomaineMass1.jpg

Representante mais do que clássico da Borgonha que custa por volta de R$400

Robert Mondavi Winery Pinot Noir 2009

10676278.jpg

Como comentamos anteriormente, essa bodega é talvez a mais famosa dos EUA. Esse vinho custa em média metade do Francês (por volta dos R$200).

20190406_190354.jpg

Mais uma vez eu fui desafiado a provar quem vence essa batalha de titãs: um pinot noir da Borgonha ou dos EUA. No primeiro embate os EUA ganharam fácil (link). Será que dessa vez foi diferente?

20190406_190513.jpg

Dessa vez a vitória foi da França sem sombra de dúvida. Embora o americano tenha se mostrado um grande vinho e bem trabalhado, a França levou a melhor tanto nos aromas quanto no paladar. Nunca degustei um pinot noir tão delicado e bem feito na boca, extremamente aveludado!

Vinho Basco: Mendraka Txakoliña White 2016

Amigos, pela primeira vez temos um vinho muitíssimo díspar da grande maioria dos vinhos conhecidos no mundo. Estamos falando de um vinho do país basco (que na verdade pertence à Espanha embora tenha ganhado alta autonomia com o advento da constituição espanhola de 1978).

Euskal_Herria_Europa.png

Mendraka+Txakoliña.jpg

Esse vinho é feito com a uva autóctone hondarrabi zuri e apresenta características próprias.

20190406_191038.jpg

20190406_191153.jpg

20190406_191157.jpg

20190406_191507.jpg

Vinho de cor dourada belíssima. No nariz temos notas cítricas como maçã e pêra. Na boca temos um vinho macio e untuoso com um final levemente amargo.

A expressão máxima de Portugal e o descobrimento do Brasil: Pêra Manca

20190406_191908.jpg

Pessoal, hoje é o dia de falarmos de muitas lendas. Também devemos falar do vinho símbolo de toda a potencialidade portuguesa: o Pêra Manca. Hoje iremos degustar a versão branca dessa lenda.

rotulo-pera_manca.jpg

Assim como boa parte dos grandes vinhos já citados aqui no blog, ele tem a ver com tradição católica cristã europeia. De acordo com ela, o nome de Pêra-Manca deriva do toponímico “pedra manca” ou “pedra oscilante” – uma formação granítica de blocos arredondados, em desequilíbrio sobre rocha firme. Reza a história que a tradição do vinho Pêra-Manca remonta à Idade Média. Por volta de 1365, Nossa Senhora teria aparecido em cima de um espinheiro a um pastor. Alguns anos depois, foi edificado um oratório em sua honra e em 1458, dada a crescente importância do local como ponto de peregrinação, uma igreja. A posterior fundação de um Convento, que viria albergar a Ordem de S. Jerónimo seguiu-se-lhe. E, nos séculos XV e XVI, os vinhedos de Pêra-Manca eram propriedade dos frades do Convento do Espinheiro. Em 1517, os frades do Convento do Espinheiro foram obrigados a arrendar esses vinhedos – por ser muito dispendioso o seu trato – a Álvaro Azedo, escudeiro do Rei e a sua mulher, Filipa Rodrigues. Deles, fala D. João II, numa carta à Câmara de Évora.

caravela_portuguesa01-e1511116095763.jpg

A história desse vinho é tão lendária que se confunde com a própria história do Brasil porque o próprio Pedro Álvares Cabral o transportou em suas naus quando chegou ao Brasil!

Pedro-Álvares-Cabral.jpg

20150729145452453_0001.jpg

20190406_194025.jpg

20190406_194053.jpg

20190406_194058.jpg

Vamos degustar esse vinho com um Polvo à galega

20190406_195445

Realmente não nega ser um grande vinho porém esperava muito mais. Achei pouco encorpado e os aromas não estavam tão aparentes quanto vinhos até mesmo mais simples. Não fez jus ao preço e à sua fama!

Chablis e a lenda do chardonnay da Borgonha:

20190406_192601.jpg

20190406_192257.jpg

20190406_192305.jpg

Esse também é um dos exemplares que eu já venho com vontade de degustar há bastante tempo. É praticamente impossível pensarmos em vinhos da uva chardonnay sem nos lembrarmos de onde essa uva encontra sua expressão máxima: a Borgonha. Esse é um grande vinho que infelizmente custa muito caro no Brasil (R$ 400).

49800448_2072283009517553_2726197186733347126_n.jpg

Quem não se lembra da harmonização clássica das ostras com Chablis? Uma verdadeira maravilha!

20190406_192604.jpg

Esse vinho me levou a repensar todo o meu conceito da uva Chardonnay. Extremamente equilibrado mesmo sendo altamente mineral e ácido. Redondo e perfeito sendo embalado por aromas de frutas tropicais maduras como pêssego e lima com notas florais a lhe conferir um verdadeiro perfume. Muito melhor até mesmo que o pêra manca.

O vinho laranja: Tinaja Moscatel de Alexandria

56452272_343598782947762_5137395391489744732_n.jpg

Se já não bastasse a imensa quantidade de diferentes aventuras postadas hoje, aqui vai mais uma extremamente insólita: degustar um vinho laranja. Garanto que é uma das mais estranhas sensações que você pode ter ao degustar um vinho, pois ele é produzido com uvas brancas mas não é branco. Possui taninos mas não é um vinho tinto.

20190406_192822.jpg

20190406_192814.jpg

20190406_192817.jpg

Dotado de uma maravilhosa cor dourada âmbar, é um vinho encorpado em que se sente bem a presença do tanino, pois o vinho laranja é um vinho feito de uvas brancas porém fermentado junto com as cascas.

20190406_192858.jpg

20190406_192914.jpg

Apresenta aromas florais e cítricos no olfato enquanto que, no paladar, apresenta notas herbais. Bem excêntrico!

Degustação de T-Bone com dois clássicos de Bordeaux: Médoc e Pomerol

Amigos, já comentamos aqui no blog que entender a totalidade dos vinhos da França é uma tarefa por demasiado hercúlea (Acho que nem mesmo o próprio Hércules estaria apto para esse trabalho).

1_0GBIXzP7VAsbPjUrueVQsg.jpeg

Mas iremos comentar sobre provavelmente a região mais famosa do mundo dos vinhos: Bordeaux. Abaixo podemos ter uma ideia da infinidade de sub-regiões e de denominações diferentes:

20190609_161758.jpg

Possivelmente as duas grandes regiões são a região do Pomerol e a do Médoc. A primeira é consagrada por ser onde o lendário Pétrus é produzido. Infelizmente não é possível encontrar um desses exemplares no Brasil por menos de R$15 mil.

Château_Pétrus.jpg

Embora os vinhos de Pomerol nunca sejam classificados, o Pétrus é considerado um dos grandes vinhos de Bordeaux assim como outros Grands Crus do Médoc.

20190406_202711.jpg

Vamos começar com o Pomerol:

20190406_193501.jpg

20190406_193554.jpg

Vinho Le Carillon de Rouget Pomerol 2011, provavelmente o mais próximo que se pode chegar de um Pétrus com um preço “pagável”. Vinho que custa aproximadamente R$ 500 e contém todo o potencial da região do Pomerol.

20190406_193548.jpg

Vinho de cor roxa viva lindíssima! Muita fruta presente nos aromas como ameixas, cassis e framboesa. Final levemente seco como boa parte dos Bordeaux.

20190406_200904.jpg

20190406_200859.jpg

Vinho Château Patache d’Aux 2010 Médoc. Enquanto o de pomerol é praticamente só Merlot, esse daqui é um clássico corte bordalês (60% Cabernet Sauvignon, 30% Merlot, 7% Cabernet Franc, 3% Petit Verdot). Mais estruturado do que o anterior com a presença maior de taninos e aromas fortes de frutas negras e de especiarias como a pimenta. É um vinho altamente gastronômico.

20190406_200934.jpg

Conclusão

Estudar sobre vinhos é relativamente fácil meus amigos. Basta comprar bons livros, um curso de aromas e beber muito! Au revoir!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Espetinho do Tião com vinhos, Languedoc-Roussillon e degustação de cervejas belgas

 “O vinho conforta ao triste, e revive aos velhos, inspira os jovens, permite que o cansado esqueça o seu cansaço.” Lord Byron

IMG_20180726_181541105.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será sobre uma experiência num lugar muito bacana e também será uma dica sobre como harmonizar vinhos com espetinhos. Falaremos sobre o espetinho do Tião e sobre um encontro de degustação de cervejas belgas.

Espetinho do Tião

Um espetinho nada mais é do que um churrasco na brasa, então vale a máxima da harmonização com o Malbec argentino. Mas hoje gostaria de inovar tentando comparar com uma alternativa do velho mundo: Bordeaux. Consultando amigos franceses descobri que na Europa é muito comum essa harmonização então iremos tirar a prova dos nove sobre qual combina mais. Do lado do novo mundo temos um Malbec Argentino Clube des Sommeliers 2016, enquanto que do lado do velho temos o Chatêau Cazat Beauchêne Grand Vin de Bordeaux 2010.

IMG_20180726_175518177.jpg

Enquanto eles chegam à temperatura adequada iremos degustar uma deliciosa cerveja Serra Malte.

IMG-20180726-WA0003.jpg

IMG_20180726_180605992.jpg

Se você possui alguma dúvida sobre qual cerveja beber em um boteco, ela será sanada agora: Serra Malte é a opção. Cerveja bastante aromática e encorpada com o sabor do malte bem presente. Baixo amargor também.

IMG_20180726_181541105

Junto com os espetinhos poderemos dar início à degustação.

IMG_20180726_182455591.jpg

IMG-20180726-WA0017.jpg

IMG-20180726-WA0023.jpg

IMG-20180726-WA0024.jpg

IMG-20180726-WA0025.jpg

IMG-20180726-WA0016.jpg

Quando postos um ao lado do outro e degustados juntos, percebemos a diferença: o malbec é mais tânico, mais jovem, com taninos um pouco agressivos e acidez acentuada. O Bordeaux é sedoso e mais aromático, taninos mais trabalhados e final agradável. Venceu fácil o Bordeaux.

IMG-20180726-WA0014.jpg

IMG-20180726-WA0020.jpg

IMG-20180726-WA0004.jpg

IMG-20180726-WA0005.jpg

Maravilha de lugar e companhia. É de longe o melhor espetinho que já comi! Caso você deseje conferir, ele fica localizado no Bairro do Jaguaré no Butantã.

Languedoc-Roussillon

Amigos, já comentamos várias vezes aqui no blog que a quantidade de vinhos e de regiões produtoras de vinhos na França são praticamente infinitos, porém nos é defeso não citarmos pelo menos as grandes regiões como já o temos feito: Bordeaux, Bourgogne, Champagne, Côte du Rhone, Córsega e, por último, faltou a região do Languedoc-Roussillon.

languedocroussillon-500x550.png

Vamos escolher um vinho para representar essa região: Premier Rendez-Vous Pinot Noir 2016.

IMG_20180714_204528315.jpg

IMG_20180714_204836224.jpg

IMG_20180714_220710517.jpg

Um vinho de bom custo benefício que surpreendeu: é complexo, equilibrado na acidez e no álcool e gostoso de beber (boa drinkability). Recomendo com empenho.

Degustações de cervejas belgas

Antes de iniciarmos a degustação em si farei uma homenagem aos amantes da melhor série não americana de 2018: La casa de papel.

la-casa-de-papel.jpg

Como a série é espanhola, podemos ver durante várias cenas um marketing pesado envolvendo a cerveja mais famosa da Espanha: Estrella Galicia.

IMG_20180715_000511083.jpg

IMG_20180715_000639640.jpg

É uma cerveja lager puro malte muito bem feita lembrando um pouco a serra malte porém com um sutil toque de amargor no final. Bem equilibrada e com excelente drinkability.

IMG-20180728-WA0011.jpg

IMG-20180729-WA0010.jpg

Amigos, estamos diante de um evento único em que degustaremos fantásticas cervejas belgas dentre elas a considerada a melhor do mundo conforme já falamos no post anterior: Westvleteren 12. E para procedermos com essa degustação de peso teremos uma mesa bastante farta.

IMG_20180728_194730447_HDR.jpg

Temos queijos portugueses, franceses e holandeses, salames espanhóis, sardinhas portuguesas e pães alemães.

IMG_20180728_194739466.jpg

IMG_20180728_194747681.jpg

IMG_20180728_194753468.jpg

IMG_20180728_194817777.jpg

IMG_20180728_195734406.jpg

IMG_20180728_195858635.jpg

Iniciaremos nossa degustação pela mais importante. Caso você tenha um pouco mais de curiosidade de saber porque essa cerveja é considerada a melhor do mundo basta acompanhar o post anterior.

IMG-20180729-WA0020.jpg

É uma quadrupel muito complexa que apresenta desde aromas de caramelo a aromas viníferos. Na boca ela é amarga na dose suficiente e levemente adocicada embalada com o sabor de um bom café. Muito difícil de encontrar até mesmo na Bélgica!

IMG_20180728_210150615.jpg

Essa é uma irmã da nossa amada Duchesse de Bourgogne que já degustamos algumas vezes aqui no nosso blog apesar de possuir um processo de fabricação diferente. A Bourgogne Brune é uma cerveja diferenciada, fabricada a partir de uma antiga técnica de fabricação chamada “infusão lambic”. Neste processo, as melhores Lambics são misturadas com cervejas Dark Ale (Brown Ale) e são maturadas por meses em barris de carvalho. O resultado é uma cerveja de coloração marrom escura, espuma abundante e cremosa, bastante leve e agradável. Bourgogne des Flandres.

IMG_20180728_211551853.jpg

Essa daí é conhecida no Brasil como a cerveja do Duende, mas também possui o merecido epíteto de “Scotch das Ardennes”, já que é uma cerveja escura, de corpo pleno e textura complexa, com fortes influências escocesas, utilizando malte de whisky na sua fabricação. Uma cerveja Belgian Strong Dark Ale, cujo frescor e sabor frutado persistem na boca mesmo após segundos de degustação. Mc Chouffe.

IMG-20180729-WA0036.jpg

A La Trappe é um clássico no Brasil e já a degustamos algumas vezes no nosso blog a sua versão trippel. Dessa vez iremos degustar a quadrupel. A diferença entre elas não é muito clara pois existem várias teses que indicam a diferença como o dobro da quantidade de malte (dubbel), o triplo (tripel) e o quádruplo (quadrupel). Outra tese vai falar que a diferença é a quantidade de fermentações, mas o fato é que o os monges belgas as classificam pelo teor alcóolico: enkel (básica), dubbel (média), tripel (forte) e quadrupel como extra forte.

IMG-20180729-WA0037

Nossa última cerveja é um clássico e representa muito bem o estilo tripel belga: St. Feuillien. Uma cerveja levemente doce e amarga ao mesmo tempo com aromas de frutas secas e cristalizadas. Deliciosa!

Conclusão

Maravilhosos encontros com sabores, aromas e companhias memoráveis! Caso você queira comer um espetinho da próxima vez e tenha alguma dúvida sobre qual vinho harmonizará mais vá de Bordeaux ou de Malbec.

Conheça todos os posts do blog através desse link

O pão líquido, hidromel e receita de pizza com harmonização

“Tenhamos vinho e mulheres, alegria e riso, sermões e água mineralizada no dia seguinte.” Lord Byron

IMG_20180106_215506193.jpg

Introdução

Amigos, sei que já falei sobre como fazer pizza num post anterior porém percebi algumas falhas na receita e decidi refazê-la usando a mesma receita de grandes pizzarias. Vamos comentar um pouco também sobre a idéia do pão líquido, hidromel e sobre boas harmonizações com vinhos.

Cervejas

Vamos iniciar nosso post falando sobre a cerveja que deu início a essa idéia do pão líquido. Inclusive a receita da pizza que mostraremos é bem similar àquela utilizada para fazer pães, mudando apenas a dosagem de alguns ingredientes. Abaixo segue a foto de um pão que fiz com ela:

IMG-20180116-WA0023.jpeg

Essa brincadeira de comparar bebida alcóolica com comida já rendeu até mesmo frases por demais caricatas como a do nosso ex-presidente Jânio Quadros:

Jânio Quadros.jpeg

Certa vez, um jornalista lhe perguntou: “Mas presidente, porque bebes tanto?” E o professor de gramática assim disse:

“Ora, bebo-o porque é líquido, se sólido fosse, comê-lo-ia.”

Mas afinal, de onde vem essa história de comparar a cerveja com pão? Bem, deixe-me apresentar-lhes a Paulaner Salvator:

IMG_20180117_125901145.jpg

IMG_20180117_125910354.jpg

IMG_20180117_125935020.jpg

IMG_20180117_125943046.jpg

Vou deixar abaixo o link para o vídeo do youtube que conta um pouco da história da Paulaner e essa ligação com o uso da expressão do pão líquido:

https://www.youtube.com/watch?v=KgwSRxICui0

Basicamente o que aconteceu é que os monges Paulaner faziam parte de uma ordem católica muito rígida que os proibia de comer qualquer alimento sólido durante a quaresma, então eles tiveram a brilhante idéia de fazer sua própria cerveja que era bastante encorpada e fiel à máxima: “pão líquido não quebrará o jejum”. O problema era que, conforme falei anteriormente no post sobre a melhor cerveja do mundo, os mosteiros medievais não possuíam qualquer pensamento capitalista de ganhar dinheiro com essa fabricação de cerveja. O que muitas vezes eles faziam era oferecer cerveja aos pobres como forma de esmola, o que causou fúria das cervejarias seculares que perdiam dinheiro com isso. Eles escreveram uma carta para as autoridades municipais de Munique que obrigaram o mosteiro a criar sua própria cervejaria e era assim que nascia a Paulaner com sua primeira cerveja: Paulaner Salvator, uma Doppelbock.

IMG_20180117_130048308.jpg

Essa é uma cerveja que possui aromas clássicos de caramelo, café, chocolate e bastante encorpada. Vale a pena conhecer!

IMG_20180117_130111516.jpg

Vou comentar um pouco agora de um lugar excelente que estive aqui em São Paulo no bairro de Pinheiros: Empório Alto de Pinheiros. Um lugar para amantes de cerveja que possui mais de 500 rótulos de cerveja e 33 chopes de todos os lugares do mundo! Foi lá onde encontrei a famosa Coruja Viva.

IMG_20180127_165653133.jpg

IMG_20180127_174221671.jpg

IMG_20180127_174233178.jpg

Assim como a extra viva do post anterior ela não passa pelo processo de pasteurização e precisa sempre ser conservada gelada. Cerveja deliciosa com sabor de fresca e bastante encorpada. No nariz ela apresenta muito lúpulo o que me fez pensar que se tratava de uma cerveja de alto amargor como uma IPA, mas na boca apresenta amargor ideal para uma lager!

IMG_20180127_165736730.jpg

IMG_20180127_170410365.jpg

A última bebida da sequência é um hidromel. Para quem não sabe do que se trata é uma bebida fermentada do mel que fez bastante sucesso na idade média. Muito apreciada desde a antiguidade, passando pela Grécia Antiga, Roma Antiga, Leste europeu, francos, eslavos, anglo-saxões, celtas, saxões, vikings etc. Entre os vikings era tão apreciada que a própria Mitologia Nórdica explicava seu surgimento e sua preciosidade. Também era conhecido o consumo de uma bebida similar pelos maias.

IMG_20180127_180905456_HDR.jpg

Na Irlanda, existia a tradição de que os casais recém-casados deveriam consumir esta bebida durante o primeiro ciclo lunar (ou mês) após o casamento. Daí surgiu a tradição atual da lua de mel.

IMG_20180127_180913109_HDR.jpg

A sensação é a mesma de estar tomando um vinho branco com alguns aromas um pouco diferentes. Se ele for suave o sabor é levemente adocicado.

IMG_20180127_180923676_HDR.jpg

IMG_20180127_181452270.jpg

Receita de Pizza

Amigos, a primeira coisa que precisamos para começar a fazer nossa receita é uma bancada bem limpa e seca:

IMG_20180106_185227334.jpg

Apesar da receita também poder ser feita sovando a massa com a mão conforme fizemos anteriormente, nada melhor do que usar uma batedeira planetária para fazer o serviço. É sensacional como a massa fica bem mais uniforme e você bem menos cansado.

IMG_20180106_185442148.jpg

Essa receita possui alguns segredos embora o principal deles seja o ingrediente principal: a farinha de trigo. Embora essa receita possa ser feita com qualquer tipo de farinha de trigo, usaremos aqui a farinha mais famosa do mundo e utilizada pelas grandes pizzarias: a Caputo. Usaremos também a sua forma mais fina: a 00. Eu nunca vi para vender em supermercados, mas acha-se fácil pela internet com o preço médio de 11 reais por pacote de 1kg.

IMG_20180106_185534163_HDR.jpg

Usaremos 1kg para essa receita e 1 colher de sopa rasa de sal. Caso a receita fosse de pão usaríamos 0,5kg.

IMG_20180106_185922017_HDR.jpg

Enquanto colocamos o fermento para crescer vamos ligar a batedeira na menor velocidade e deixá-la por aproximadamente 30 segundos misturando o sal com a farinha. Esse ponto é muito importante porque o sal não pode entrar diretamente em contato com o fermento sob o risco de matá-lo. Enquanto isso vamos tirar o fermento da sua dormência.

IMG_20180106_190304779.jpg

A dosagem recomendada é de 20g para pizzas e 10g para pães. Usaremos 1 a 2 colheres de sopa de açúcar para “alimentar” as leveduras:

IMG_20180106_190450126.jpg

Usaremos cerca de 350ml de água morna. Muito importante: se a água estiver quente demais ela irá matar as leveduras, logo ela precisa estar na temperatura de comida de bebê. Sinta-a na pele antes de colocar na levedura.

IMG_20180106_190835170.jpg

Agora vamos deixar a levedura crescer por cerca de 5-10 minutos.

IMG_20180106_191944266.jpg

Outro segredo: utilize um bom azeite italiano

IMG_20180106_190905450.jpg

Use aproximadamente 3-5 colheres de azeite e acrescente o fermento junto com a farinha.

IMG_20180106_190915392.jpg

IMG_20180106_191015080.jpg

IMG_20180106_192108796.jpg

Deixe bater por uns 2 minutos em velocidade média e depois por mais 5 minutos em velocidade alta. Acertar o ponto aqui é por tentativa e erro. Se a massa estiver muito molhada ela não se soltará da tigela e se ela estiver muito seca não se unirá num bolo uniforme, por isso é necessário acompanhar e acrescentar água morna ou mais farinha se for o caso.

IMG_20180106_193151754.jpg

Com essa quantidade de ingredientes é possível fazer 4 pizzas, logo iremos cortar em 4 e armazená-los no freezer em sacos hermeticamente fechados.

IMG_20180106_193203576.jpg

IMG_20180106_193256928_HDR.jpg

IMG_20180106_193331986.jpg

IMG_20180106_193403954.jpg

Toda vez que formos utilizar uma massa dessas basta tirar do freezer com algumas horas de antecedência e proceder da mesma maneira que faremos agora. Untamos a tigela com um pouco de azeite.

IMG_20180106_193639791.jpg

Sovamos um pouco a massa com as mãos e fazemos dela um formato de bolinha. Deixamos para descansar cobrindo a “casca” com o azeite para ela não ficar ressecada.

IMG_20180106_193733926.jpg

Deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e meia

IMG_20180106_193835912.jpg

IMG_20180106_193902590_HDR.jpg

Após esse tempo a massa terá quase que dobrado de tamanho

IMG_20180106_210249916.jpg

A partir de agora ela já pode ser utilizada para fazermos a pizza, mas para deixa-la numa consistência ainda melhor vamos murchá-la e sová-la mais uma vez deixando-a descansar por mais uma hora.

IMG_20180106_210400143.jpg

IMG_20180106_210417172.jpg

IMG_20180106_210555385.jpg

A melhor maneira de fazer essa pizza é com um forno a lenha, o que fará com que ela fique praticamente idêntica a qualquer dessas pizzarias, mas se você não possui esse tipo de forno algumas soluções podem ser utilizadas. A primeira delas é usar uma pedra e uma pá de madeira como mostrei no post anterior:

img_20161125_212039755

Essa solução é um pouco complexa porque há o risco da pizza não escorregar direito e sujar tudo. Portanto uma solução prática e exequível é o uso de uma forma convencional com furinhos:

IMG_20180106_211658496_HDR.jpg

Mais um ponto importante aqui: não abra a massa com um rolinho. O segredo é abrir a massa com as mãos como vemos os pizzaiolos fazerem nas pizzarias.

IMG_20180106_213819905.jpg

Utilize o molho de tomate de sua preferência e depois salpique orégano

IMG_20180106_213839269.jpg

IMG_20180106_214104827.jpg

Escolha o sabor de sua pizza. Escolhi atum sólido porque é o sabor que mais gosto.

IMG_20180106_214138602.jpg

Regue com um fio de azeite por cima e a pizza estará pronta para ir ao forno.

IMG_20180106_214601298.jpg

IMG_20180106_214638224.jpg

Aqui vai a última dica e talvez seja a mais importante: o segredo para ter uma pizza macia e não dura que nem uma pedra é a temperatura do forno e o tempo. Num forno de pizza tradicional a lenha a temperatura interna chega perto dos 500 graus, então o tempo da pizza é de apenas 90 segundos. Num forno tradicional dificilmente passa-se de 280 graus. O segredo é deixar o forno no máximo por pelo menos 20 minutos, colocar a pizza e contar 6 minutos rigorosos de relógio. Após isso a pizza estará pronta para ser partida e servida. Uma tábua de corte ajuda.

IMG_20180106_215506193.jpg

IMG_20180106_215633987.jpg

Harmonização

Não existe uma harmonização única com pizzas, pois ela vai depender do sabor dela. No post anterior usamos um Merlot que harmonizou bem com quatro queijos, então como estamos usando atum, uma boa harmonização é um vinho com baixíssimo nível de taninos, como um rosé, por exemplo. Minha escolha será por um vinho francês muito famoso e relativamente barato: Beaujolais Villages Louis Latour 2015.

IMG_20180121_162701538.jpg

IMG_20180121_162707636.jpg

Esse vinho é feito com a uva gamay que, possivelmente, é a uva tinta menos tânica que existe (até menos do que o pinot noir). Cerca de 75% desse tipo de vinho é feito na região de Beaujolais na França.

IMG_20180121_162718518.jpg

Existem três tipos diferentes de Beaujolais: Beaujolais Nouveau (baixa qualidade equivalente ao reservado), Beajolais Villages (média qualidade equivalente ao reserva) e o Beaujolais Cru (alta qualidade equivalente ao Gran Reserva). De um modo geral eles não são vinhos de guarda e são melhores quando consumidos cedo. Como é um vinho Francês normalmente são complexos e estruturados não apresentando aromas fortes de frutas como os vinhos do novo mundo. Percebemos um pouco de terra, aromas florais, especiarias e um pouco de fruta.

IMG_20180121_172947747.jpg

Um outro vinho que também pode ser usado como harmonização é o italiano Valpolicella. Também dotado de baixa tanicidade ele é estranho quando se experimenta pela primeira vez pois não apresenta quase nenhum aroma de frutas e sim de terra e vegetais. Bolla Valpolicella 2016.

IMG_20180204_121348522.jpg

IMG_20180204_121352761.jpg

IMG_20180204_121401316.jpg

IMG_20180204_150419816.jpg

Conclusão

Depois que aprendi a fazer pizza em casa nunca mais comprei de nenhuma pizzaria pois é muito mais barato e fica perfeito. Caso você possua um forno a lenha ficará praticamente igual. Experimente também várias harmonizações diferentes e depois as compartilhe conosco e com os amigos!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Duelo de Malbec Francês-Argentino, Fuller’s Vintage Ale e Receita de Hambúrguer Artesanal

 “O vinho torna tudo possível.” George R. R. Martin

IMG_20171222_210234337.jpg

Introdução

Amigos, hoje o tema do nosso blog será hambúrguer artesanal. Já tivemos anteriormente um post exclusivo sobre hambúrguer onde contamos a história desse prato tão famoso mas hoje o objetivo será ensinar como é fácil preparar esse prato na sua residência que fica tão bom ou melhor do que qualquer boa hamburgueria. Teremos também o aguardado duelo entre dois vinhos malbec: um argentino e um francês.

Cervejas

A primeira cerveja que eu falarei hoje é simplesmente uma das melhores que eu já tive a oportunidade de comentar aqui no blog: Fuller’s Vintage Ale 2015. Nós sabemos sem qualquer sombra de dúvida que é praticamente impossível tecer uma lista das melhores cervejarias do mundo sem incluir nela a Fuller’s e hoje vamos ter a oportunidade de degustar a linha premium dela de maltes safrados. Ou seja, essa é o Dom Perignon das cervejas!

IMG_20180110_144912884.jpg

A caixa em si já é um produto agradável aos olhos!

IMG_20180110_144916538.jpg

IMG_20180110_144928702.jpg

IMG_20180110_144935637.jpg

Essa cerveja é do estilo Old Ale (maltes envelhecidos) e possui um leve informativo de todas as versões produzidas até o presente ano com explicações das diferenças entre elas!

IMG_20180110_145312083.jpg

IMG_20180110_145322240.jpg

IMG_20180110_145048380.jpg

IMG_20180110_145101146.jpg

Outro ponto interessante é que ela não possui 600ml como é costume nas garrafas de cervejas, mas sim 500ml.

IMG_20180110_145129111.jpg

IMG_20180110_145133334.jpg

IMG_20180110_145147787.jpg

IMG_20180110_145152495.jpg

IMG_20180110_161834314.jpg

IMG_20180110_162134952.jpg

O meu review para essa cerveja é o seguinte: enquanto a Duchesse de Bourgogne é uma cerveja com sabor de vinho, a Fuller’s Vintage Ale é uma cerveja com sabor de Cognac. Possui aquele sabor de caramelo muito agradável com aquele corpo característico. No retrogosto temos aquele sabor cremoso de baunilha e no nariz perceberemos frutas vermelhas e cítricas junto com o caramelo. Nota 10!

IMG_20171231_154243954.jpg

IMG_20171231_154305958.jpg

Apesar de já termos falado várias vezes aqui no blog sobre a Schornstein, essa é a primeira vez que falaremos sobre a versão Pilsen dela.

IMG_20171231_155851009.jpg

De um modo geral ela é mal avaliada nos fóruns de cervejas pela internet mas acredito que seja pelo fato de possuir pouco lúpulo e aromas florais. Quem é muito fã de cervejas com alto nível de amargor como as IPAs vai ficar decepcionado com ela. Porém a falta do lúpulo é altamente compensada com o sabor do malte. Eu adorei essa cerveja porque consegui sentir o sabor muito pronunciado da cevada devido ao seu alto corpo. Recomendo com empenho!

IMG_20170910_152604920.jpg

Essa terceira cerveja foi muito recomendada pelo meu amigo Márcio Barros: Coruja Extra-Viva. O problema é que, como ela não passa pelo processo de pasteurização, ela não pode perder a refrigeração senão estraga rapidamente devendo ser sempre guardada em geladeira. A comparação dela com uma cerveja de supermercado é igual a comparar uma massa fresca com uma massa seca comprada num supermercado. Isso também dificulta bastante o seu comércio. Mas por um acaso fui degustar um delicioso hambúrguer que é um blend de Angus com Wagyu no Menca Búrguer e finalmente a encontrei!

IMG_20170910_152549748.jpg

IMG_20170910_152555948.jpg

IMG_20170910_152522565_HDR.jpg

IMG_20170910_152657743.jpg

Com toda certeza essa foi uma das melhores bebidas que já tive o prazer de degustar em toda minha vida. Aromas característicos de malte devido ao seu alto corpo junto com especiarias e levemente cítricos. Harmonizou muito bem com o Hambúrguer de Angus com Wagyu!

IMG_20170910_153930135_HDR.jpg

IMG_20170910_153948098.jpg

As pessoas às vezes me perguntam se existe diferença no sabor da carne de diferentes espécies de boi. No futuro faremos um post comparando cada uma delas, mas é impressionante a diferença de sabor devido ao alto marmoreio da carne de Wagyu e ao médio da carne de Angus.

Receita de Hambúrguer Artesanal

Amigos, o que não falta na internet é receita de hambúrguer e diferentes blends. Nós iremos partir do canônico, do mais utilizado inclusive nas grande hamburguerias. Dependendo de cada receita, o percentual reservado à quantidade de gordura irá variar. Mas nós usaremos uma média de 20%. Nosso blend consistirá de 70-80% de Fraldinha magra a 20-30% de Bacon.

IMG_20171222_104335123.jpg

Depois iremos temperar nosso blend com sal e pimenta do reino moída na hora:

IMG_20171222_190024778.jpg

Enquanto nossa carne descansa iremos preparar o bacon a ser utilizado na frigideira de forma a ficar crocante:

IMG_20171222_194042797.jpg

IMG_20171222_194229240.jpg

Reservamo-los enquanto preparamos a cebola caramelizada:

IMG_20171222_195455828.jpg

Vamos usar a gordura de um bacon bem picadinho antes de reservarmos:

IMG_20171222_195534986.jpg

IMG_20171222_195622231.jpg

IMG_20171222_200025062.jpg

Vamos dourar as cebolas picadas nessa gordura do bacon:

IMG_20171222_200247734.jpg

Depois de levemente douradas iremos acrescentar 1 a 2 colheres de açúcar mascavo:

IMG_20171222_200350677.jpg

IMG_20171222_201223655.jpg

E depois iremos acrescentar vinagre balsâmico:

IMG_20171222_201505857.jpg

Trazemos de volta o bacon utilizado no início e depois reservamos essa cebola.

IMG_20171222_201746827.jpg

IMG_20171222_201806104.jpg

Para montarmos o hambúrguer podemos fazer na mão ou com o auxílio de um aro ou forma:

IMG_20171222_201614707.jpg

IMG_20171222_202019822.jpg

Em casa você pode prepará-los de várias maneiras: na grelha, na frigideira, etc. Preferimos fazê-los na churrasqueira para termos aquele sabor defumado!

IMG_20171222_202127522.jpg

Após o hambúrguer começar a “sangrar” é hora de colocar o queijo cheddar e o bacon já reservado outrora:

IMG_20171222_204411821.jpg

IMG_20171222_204558674.jpg

IMG_20171222_204730311.jpg

Depois iremos abafá-los para manter o sabor defumado:

IMG_20171222_204756078.jpg

Existem vários tipos de pães que podem ser usados, mas indubitavelmente eu gosto bastante do pão de brioche:

IMG_20171222_190529894.jpg

Devemos selá-los antes de utilizarmos:

IMG_20171222_205005843.jpg

Logo após procederemos com a montagem:

IMG_20171222_205342706.jpg

IMG_20171222_205458946.jpg

Como acompanhamento pode ser utilizado fritas:

IMG_20171222_205659615.jpg

Conforme falamos no post anterior, o acompanhamento perfeito para esse hambúrguer é um vinho com a uva Malbec. E, conforme prometido anteriormente, faremos hoje um duelo entre um Malbec da Argentina e um malbec da França. Do lado Argentino iremos utilizar a linha premium da bodega Nieto Senetiner citada desde nosso primeiro post sobre essa uva:

IMG_20171222_200858327.jpg

Nieto Senetiner Malbec D.O.C. 2013

IMG_20171222_200905137.jpg

IMG_20171222_200929567.jpg

Do lado Francês temos o vinho já citado anteriormente aqui no blog: Domaine les Barthes 2015 Malbec.

IMG_20171222_202651155.jpg

IMG_20171222_202658820.jpg

IMG_20171222_202712140.jpg

IMG_20171222_210234337

O malbec produzido na Argentina parece uma uva totalmente diferente: é um vinho tânico e com nível de álcool mais elevado com bastante presença de frutas vermelhas e negras. Já o malbec francês é um vinho muito mais delicado e estruturado. Lembra de longe um vinho da uva pinot noir devido à sua delicadeza. A versão francesa não apresenta essa pancada de taninos nem essa potencialidade de frutas.

IMG_20170907_125210737.jpg

Outro vinho que poderia acompanhar bem esse prato é um bom Cabernet-Sauvignon Chileno. Gostaria aqui de deixar mais um exemplo de um grande vinho sem necessariamente ser caro. Embora já tenhamos comentado aqui no blog sobre o Toro de Piedra, a versão feita com a uva Cabernet-Sauvignon é um vinho de R$60-80 que vale pelo menos 3-4 vezes mais. É sensacional e recomendo com todo meu humilde entendimento sobre vinhos!

IMG_20170907_125215976.jpg

IMG_20170907_125227521.jpg

IMG_20170907_125234299_HDR.jpg

IMG_20170907_165956622_HDR.jpg

Conclusão

Caso o objetivo seja degustar um bom hambúrguer feito em casa ou mesmo numa boa hamburgueria, minha indicação é: vá de Malbec Argentino ou Cabernet-Sauvignon Chileno!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Segundo B da Itália, Prosecco, Barolo, Bordeaux, Icewine e Evento Italiano

“Toma conselhos com o vinho, mas toma decisões com a água.” Benjamin Franklin

IMG_20170916_150909101.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será a continuação da série em que falamos sobre os 5 Bs da Itália. Nesse segundo episódio falaremos sobre o Barolo, um nome muito famoso no mundo dos vinhos tanto por sua alta qualidade quanto por seu elevado preço. Esse evento também é o sétimo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sexto encontro, basta clicar aqui. Também falaremos rapidamente sobre um evento em que recebemos os amigos Rafael e Eloísa em nossa residência e compartilhamos um bom Coq au Vin e excelentes vinhos.

Primeiro encontro

Amigos, quem quiser saber como fazer a receita já temos um post no blog. Basta clicar aqui. Mas começaremos falando sobre o maravilhoso Prosecco que o Rafael trouxe de sua última viagem à Itália:

IMG_20170923_195812064.jpg

Bottega Valdobbiadene Prosecco Superiore D.O.C.G.

IMG_20170923_195945171.jpg

IMG_20170923_200001800.jpg

IMG_20170923_200017761.jpg

IMG_20170923_201028043.jpg

Já temos um post no nosso blog em que falamos sobre o processo de fabricação de um champagne e sobre as diferenças de nomenclatura que inclui o Prosecco (clique aqui no link). Mas de uma maneira geral, o Prosecco é o champagne da Itália assim como a cava é o champagne da Espanha (veja o post sobre ela aqui). De forma a receber a denominação Prosecco, o espumante precisa ser feito na Itália e somente com as uvas Prosecco. No paladar e no nariz eu diria que o Prosecco é um meio termo entre o champagne e a cava, pois ele apresenta aromas mais frutados do que o champagne mas menos do que a cava ao mesmo tempo em que ele é mais ácido do que a Cava e um pouco menos do que o Champagne.

IMG_20170923_203600360.jpg

Para acompanhar esse prato, as visitas trouxeram um excelente Pinot Noir do Chile e da mesma bodega lendária a qual me referi no post anterior (link). Essa é a que produz vinhos em solos vulcânicos o que acarreta em aromas e num sabor único. A fim de comprovarmos a diferença real entre o que significa um vinho muito tânico com outro de pouquíssima tanicidade eu resolvi abrir um Barolo.

IMG_20170923_213257389.jpg

IMG_20170923_213311689.jpg

IMG-20170923-WA0025.jpg

Enquanto o Volcanes Reserva Pinot Noir apresenta uma acidez mais acentuada e bom drinkability, o Barolo Tenimenti Ca’Bianca 2012 é bem mais encorpado e com uma sensação de adstringência acima do normal. Ambos apresentam aromas fortes de frutas negras. Mais abaixo falarei um pouco mais sobre esse vinho mitológico.

Confraria Távola Di Amici

Amigos, estamos hoje na casa dos queridos Nelson e Ana num evento de altíssima qualidade sobre a comida e cultura Italianas. E para começar falando sobre o evento nada melhor do que começar pelo Barolo. Beni di Batasiolo Barolo 2013.

Barolo

IMG_20170916_135433585.jpg

IMG_20170916_135501336.jpg

IMG_20170916_135510671.jpg

Ele vai receber no nosso blog o título de segundo B da Itália apenas por uma questão cronológica já que na realidade esse foi o primeiro B da Itália. É importante lembrar que o nome da uva que produz esse colosso não é Barolo, mas sim Nebbiolo.

nebbiolo1.jpg

A Nebbiolo é uma uva que produz grandes e importantes vinhos, com estrutura e qualidade, muitos taninos e feitos para guarda. É uma uva de difícil cultivo e que só rende bons frutos na região piemontesa. Essa cepa exige muita atenção e cuidados e, por dar origem a vinhos fortes, tânicos e concentrados, precisa ser domada tanto nos barris de envelhecimento quanto já na garrafa por anos, se não por décadas. Ela é uma uva que perde apenas para a Tannat (link) no quesito de tanicidade.

IMG_20170916_150617152.jpg

O Barolo é famoso principalmente porque ele foi o marco na história dos vinhos da Itália. Até antes do século XIX a Itália não produzia nada de qualidade. Acredita-se que a primeira a perceber que os vinhos locais precisavam mudar foi a última marquesa de Barolo, Juliette Colbert di Maulévrier, ou Giulia Falletti di Barolo. Filha de aristocratas franceses da época da Revolução, ela se casou com o marquês Carlo Tancredi Falletti di Barolo no início do século XIX. Ela desenvolveu grande interesse pela filantropia, mas também por agricultura e contratou um enólogo francês, Louis Oudart, para ajudar os viticultores locais a melhorarem suas técnicas. Antes, o Barolo era doce – como boa parte dos vinhos célebres da época –, então ele transformou-o em uma bebida seca, no estilo de Bordeaux. E foi esse novo vinho que passou a ser servido nas mesas dos nobres e ganhou a reputação de “rei dos vinhos”.

Antepasto

Como entrada tivemos dois molhos deliciosos: a sardela e a alichella.

IMG_20170916_135410547.jpg

IMG_20170916_135632463.jpg

De antepasto tivemos Melone com proscuito:

IMG_20170916_142347834.jpg

Foram embaladas com um vinho simples mas excelente para a abertura de uma grande refeição:

IMG_20170916_135757466.jpg

Primo Piatto

A Ana como verdadeira chef italiana fez dois pratos maravilhosos com massa fresca: O Spaghetti col sugo e a Lasagna al prosciutto e Formaggio col sugo rose.

IMG_20170916_150909101

Para acompanhar esses pratos tivemos uma seleção de dar inveja a qualquer evento enogastronômico. Comecemos provando o spaghetti com o Barolo:

IMG_20170916_151436287.jpg

Como o evento possui a temática italiana eu decidi utilizar o vinho mais italiano possível: o chianti. Esse que está para a Itália assim como a cerveja Brahma ou a Skol estão para o Brasil. Um vinho muito bom e barato feito com a rainha das uvas italianas: a Sangiovese.

IMG_20170916_113646623.jpg

Bindi Sergardi Al Canapo 2014 Chianti

IMG_20170916_113706789.jpg

IMG_20170916_152040337.jpg

Tivemos também um outro Sangiovese maravilhoso: Cancelli Coltibuono 2015

IMG_20170916_140304564.jpg

IMG_20170916_140313939.jpg

IMG_20170916_154218041.jpg

Tivemos também um vinho espanhol de dar inveja feito com as uvas tempranillo  e Graciano: Beronia Rioja 2009 Gran Reserva.

IMG_20170916_140348566_HDR.jpg

IMG_20170916_140356953_HDR.jpg

IMG_20170916_140406552_HDR.jpg

IMG_20170916_164759180.jpg

Um dos confrades trouxe um Merlot de sua última viagem à Paris:

IMG_20170916_142736720.jpg

IMG_20170916_142745706.jpg

Que harmonizou muito bem com a lasagna:

IMG-20170917-WA0006.jpg

Antes do Secondo Piatto provamos também um vinho branco siciliano feito com uma uva pouco comum: Catarrato. Vinho Benedè Catarrato 2016.

IMG_20170916_135339602.jpg

IMG_20170916_135349527.jpg

IMG_20170916_155135320.jpg

Tivemos também um vinho do Alentejo e um Italiano da uva Nero d’Ávola: Courela Alentejo 2014 e Baglio di Luna 2014 Nero D’ávola.

IMG_20170916_142708474.jpg

IMG_20170916_191235712.jpg

Secondo Piatto

Com certeza essa foi uma das massas mais gostosas que eu já comi na vida. Meus parabéns Ana! Mas o evento ainda não tinha chegado nem na metade ainda. Como Secondo Piatto tivemos uma Saltimbocca ala romana com o Contorno de Cicoria Ripassata in padella. Admito que nunca comi uma carne de vitela melhor!! Nota 10. E para acompanhar o segundo prato tivemos mais vinhos espetaculares. O primeiro deles é o feito com a minha uva preferida: primitivo. Em breve no blog teremos um post exclusivo sobre essa uva apesar de já termos falado dela plantada no terroir americano (zinfandel). Lucarelli Primitivo di Puglia.

IMG_20170916_143026058.jpg

IMG_20170916_152957046.jpg

Eu levei um vinho feito com a uva negroamaro porque ela também é produzida na região de puglia e é também utilizada na confecção de grandes vinhos como o primitivo di manduria. Ou seja, negroamaro e primitivo são primas do primeiro grau. Notte Rossa Negroamaro 2015.

IMG_20170916_113741318_HDR.jpg

IMG_20170916_113751300_HDR.jpg

IMG_20170916_155939304.jpg

Dolci

Não pensem que o evento acabou meus amigos! Ainda temos uma surpresa a ser revelada! A Ana preparou duas sobremesas tipicamente italianas: o tiramissù e o cannoli. E temos uma surpresa no nosso blog: o icewine ou o vinho das uvas congeladas!

IMG_20170916_125022169.jpg

IMG_20170916_135254300.jpg

IMG_20170916_135301588.jpg

Esse espetáculo de vinho foi um presente da minha tia Sônia que ela trouxe da sua última viagem do Canadá. Originalmente Alemão (o Eiswein), esse vinho foi descoberto por acaso porque um produtor esqueceu de colher as uvas e elas congelaram no inverno. Então ele teve a idéia de espremê-las congeladas obtendo assim apenas a parte doce e licorosa da uva. Nascia assim o Icewine.

Grapes-Used-In-Ice-Wine-Recipe.png

Embora ele possa ser feito com vários tipos de uvas, é a Vidal que mais se destaca na sua produção. A temperatura tem de se manter por 3 dias a, pelo menos, 8 graus negativos. As uvas congeladas são, então, colhidas de madrugada para evitar que derretam e possam ser processadas ainda com gelo. É devido a essas características que o Canadá é quase que exclusivo na produção desse vinho. No Brasil uma garrafa de 200 ml custa aproximadamente R$400.

IMG_20170916_162043075.jpg

Creif Estate Winery 2015 Vidal Icewine

IMG_20170916_162531341.jpg

IMG_20170916_163015629.jpg

IMG_20170916_162910595.jpg

IMG-20170924-WA0017.jpg

Mas o evento ainda não acabou por aí! Um dos confrades que mora em Paris trouxe dois Grand Vin de Bordeaux.

IMG_20170916_165449618_HDR.jpg

Lussac Saint-Emillion 2014 Grand Vin de Bordeaux

IMG_20170916_190502841.jpg

IMG_20170916_190556301.jpg

IMG_20170916_192727258.jpg

Nossa, Bordeaux é sempre uma boa pedida!!!

IMG-20170917-WA0045.jpg

Château Bellevue Saint-Martin 2014 Grand Vin de Bordeaux Montagne Saint-Émillion

IMG-20170917-WA0047.jpg

IMG-20170917-WA0051.jpg

Conclusão

Peço perdão pelo post tão longo e se eu não fiz um review mais detalhado sobre algum vinho, mas é porque o volume de informações foi muito grande. Parabéns ao Nelson e a Ana por serem pessoas tão maravilhosas e receptivas e pela comida e bebida maravilhosas. Aguardo ansiosamente o próximo encontro da Confraria Távola di Amici!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Evento enogastronomico e minicurso de vinhos

“Dai-lhes bons vinhos e eles vos darão boas leis.” Montesquieu

IMG_20170805_130700235.jpg

Introdução

Olá amigos, esse talvez seja o post mais especial que tivemos desde o início do nosso blog. É o aniversário da minha tia Sônia de 50 anos e tive a oportunidade de rever vários familiares meus vindos de Recife e Belo Horizonte. O evento contou com um Sommelier e sua equipe proporcionando um minicurso de vinhos e algumas surpresas. Pela primeira vez no blog teremos também alguns vídeos.

Pré-evento

Na noite anterior tivemos a oportunidade de degustar três bons vinhos. O primeiro deles é um Shiraz australiano: Trentham Estate Shiraz 2015.

IMG_20170804_195347416.jpg

IMG_20170804_195419849.jpg

E, conforme já foi apresentado anteriormente no blog (link), a uva Shiraz na Austrália demonstra todo o seu potencial só perdendo para a região do Hermitage na França (link). Um vinho que apresenta aromas muito marcantes de frutas negras e de especiarias. Um ótimo custo benefício no valor de R$70.

IMG_20170804_201121041.jpg

IMG_20170804_201142245.jpg

Após o novo mundo volvemos ao velho de maneira muito agradável! Jiménez-Landi Bajondillo D.O.P. Méntrida 2015. Esse corte de Garnacha com Shiraz concede ao vinho uma leveza e alto teor gastronômico. Acompanhou bem um pão caseiro com uma canja de galinha.

IMG_20170804_211003755.jpg

IMG_20170804_211016466.jpg

IMG_20170804_211031474.jpg

IMG_20170804_211035082.jpg

Esse último gerou em mim profundo orgulho e satisfação de poder ver que no Brasil já existe coisa boa sendo feita! Já falei em alguns posts (link) sobre como os vinhos do Brasil estão evoluindo e sendo bem vistos no exterior e esse é mais um exemplo. É necessário deixar bem claro que esse ainda não está no nível de um bom Francês ou Chileno ou Argentino ou Americano como tivemos no post anterior (link), mas certamente ele está no caminho certo! Salton Paradoxo 2015. Um vinho de R$35 brasileiro que ganhou meu respeito por se tornar uma opção de um vinho barato e com um bom grau de qualidade.

Evento enogastronômico

Amigos, quero apresentar aqui o sommelier responsável pelo minicurso que tivemos no dia do evento. Em baixo temos um breve resumo sobre sua carreira:

Cássio Henrique Almeida de Oliveira

1-Trabalhou no Sonda Supermercados por 2 anos como Sommelier e encarregado da adega

2-Sommelier do Grupo Oba por 7 anos (até o momento)

3-Sommelier e coordenador geral das lojas de São Paulo do OBA

4-Colunista da revista Brazil-USA (EUA- Flórida), Revista feita para brasileiros que ali residem sendo 100% do conteúdo português.(https://www.facebook.com/brazilusaorlando/?pnref=lhc)

Formação

Universidade Paulista (Unip)

Bacharelado em Administração de Empresas

ABS- Associação Brasileira de Sommeliers de São Paulo

Sommelier 3 módulos (países, fundamentos do vinho e serviço do vinho)

 

Às vezes as pessoas me perguntam sobre onde comprar bons vinhos com um bom custo benefício e, uma boa resposta para essa pergunta é o Oba supermercados. Então se você já entrou na adega de um Oba a procura de bons vinhos e ficou encantado com a boa seleção que eles possuem, agradeçam ao Cássio pois ele é o responsável pela escolha de todos os rótulos que a rede possui.

IMG_20170805_130432306.jpg

Como introdução à palestra, o Cássio falou um pouco sobre os tipos de taças que utilizamos para vinhos. Em baixo temos o link para o vídeo no youtube (peço perdão pela qualidade artesanal dos vídeos):

https://www.youtube.com/watch?v=VdmKgttjm84

E na mesa de cada um dos convidados podemos ver que foi separado um tipo de taça específico (espumante, branco e tinto) para cada tipo de refeição:

IMG_20170805_130344423.jpg

Apéritif (hors d’oeuvre)

Amigos, conforme é costume em uma refeição mais sofisticada, podemos ter como apéritif alguns Canapés, Amuse Bouche ou Amuse Gueule. Que nada mais são do que entradinhas (hours d’oeuvre) antes mesmo da entrada principal. Eles combinam muito bem com um champagne ou espumante. Esses em específico foram feitos com salada de bacalhau na barquinha.

IMG_20170805_130700235

O espumante escolhido pelo Cássio é o da Casa Valduga, um excelente custo benefício. Ele é um exemplo de que é possível apreciar um bom espumante sem precisar pagar R$400 numa garrafa de Champagne. Em conversa com alguns amigos franceses, esse é sucesso inclusive na França!

IMG_20170805_130355837.jpg

IMG_20170805_130403273.jpg

IMG_20170805_130416098.jpg

IMG_20170805_131146156.jpg

casa valduga

Tivemos também uma surpresa que o Cássio nos proporcionou: a abertura desse espumante com um sabre. Confira o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=eBrpqy68pSk&t=3s

IMG_20170805_134218532.jpg

Depois disso o Cássio começou falando sobre como degustar um vinho. Confira a parte 1:

https://www.youtube.com/watch?v=29wX3dOAPgI

Parte 2:

https://www.youtube.com/watch?v=u446Pl0q0mU

Nessa terceira parte temos a degustação específica com o Casa Valduga:

https://www.youtube.com/watch?v=ZxaXuqG7Vwg&feature=youtu.be

Parte 4:

https://www.youtube.com/watch?v=pCu9Jk6QD9I&feature=youtu.be

Entrée

Logo após os canapés é a hora de servir a entrada da refeição. Normalmente é aqui que é servido um bom vinho branco e, no caso dessa festa em específico foi servido um top considerado um clássico Argentino: Catena Zapata Chardonnay.

IMG_20170805_134518355.jpg

IMG_20170805_134522548.jpg

IMG_20170805_134536188.jpg

IMG_20170805_134543454.jpg

IMG_20170805_134946032.jpg

Já tivemos um post em que falamos sobre a bodega Catena Zapata e a importância que o Nicolás Catena teve para a viticultura argentina (link), mas cabe aqui dizer apenas o seguinte: até a década de 90 a Argentina nem era citada como produtora de vinhos razoáveis, mas depois do trabalho dele, ela começou a produzir vinhos até mesmo melhores do que os Chilenos, Americanos e Europeus. Então o nome Catena carrega um peso por si só. E o mais legal é perceber que não é necessário um vinho custar R$500, 1000 ou 10000 reais para ser considerado maravilhoso. Com R$120 podemos comprar uma maravilha como essa.

IMG_20170805_135536404.jpg

IMG_20170805_135757210.jpg

IMG_20170805_135822793.jpg

No próximo link o Cássio vai falar sobre esse vinho e bodega maravilhosos:

https://www.youtube.com/watch?v=lw4-tyo9w98&feature=youtu.be

Continuação:

https://www.youtube.com/watch?v=e4zk9Rq-58w&feature=youtu.be

Parte 7:

https://www.youtube.com/watch?v=3AWYvkMlL8U&feature=youtu.be

E para acompanhar essa lenda temos dois pratos fantásticos. O primeiro deles é uma salada de folhas verdes com camarão, acompanhada de molho à base de iogurte, mel e condimentos:

IMG_20170805_141637128.jpg

IMG-20170807-WA0115.jpg

O segundo prato é uma massa. Farfalle acompanhado de molho com fundo de alcachofra, tomates cereja e outros condimentos:

IMG_20170805_150124581.jpg

IMG-20170807-WA0111.jpg

E aqui o Cassio responde algumas perguntas sobre o mundo do vinho:

https://www.youtube.com/watch?v=l8k4t09VPAI&feature=youtu.be

Plat Principal

Após a entrada está na hora do melhor da festa: o vinho tinto com o prato principal! Confesso que, poucas vezes na minha vida, tomei um vinho tão gostoso quanto esse: Volcanes Tectonia 2012.

IMG_20170805_144721587.jpg

IMG_20170805_144725834.jpg

IMG_20170805_144728151.jpg

IMG_20170805_144738184.jpg

IMG_20170805_151717935.jpg

IMG-20170807-WA0107.jpg

Um vinho maravilhoso formado com um corte mediterrâneo com as uvas Mourvèdre, Petite Syrah e Grenache. Ao tomá-lo e perceber seus aromas de compota de frutas negras como cassis e cereja, me lembrei do Don Melchor (link). Nesse último vídeo o Cássio fala um pouco sobre esse vinho extremamente elegante e agradável de beber:

https://www.youtube.com/watch?v=nFE6dnKwu3s&feature=youtu.be

E o prato principal escolhido é uma paleta de Vitela com vinho tinto e acompanhamentos:

IMG_20170805_154348156.jpg

Também troquei muitas idéias com outro sommelier do grupo Oba, o Damião. Que também me confessou esse ser um dos melhores vinhos que ele já havia degustado até então.

IMG-20170807-WA0116

Dessert

Como sobremesa, o vinho de escolha novamente foi do Chile: Junta Late Harvest Gran Reserva 2013 feito com a uva Semillon. Detalhe para a taça utilizada: tipo ISO. Ela é a taça padrão de degustação do mundo todo, inclusive para outras bebidas como café, cerveja, etc.

IMG_20170805_162829700.jpg

IMG_20170805_162836496.jpg

IMG_20170805_162844856.jpg

Para acompanhar esse vinho com aromas de figos, frutas vermelhas e mel temos um cheesecake com calda de frutas vermelhas e um pudim de limão siciliano.

IMG_20170805_163250579.jpg

Início da festa

Após a refeição tivemos ainda um espumante moscatel bem docinho e leve: Nero.

IMG_20170805_165700465.jpg

E um Malbec Francês que foi utilizado inclusive para acompanhar o churrasco do dia seguinte: Domain les Barthes 2015 Malbec.

IMG_20170805_174118430.jpg

IMG_20170806_132245231.jpg

IMG_20170806_132252649.jpg

IMG_20170806_134453666.jpg

É fantástico ver como um vinho produzido com a mesma uva pode ser tão diferente quando plantada em outro terroir. Pretendo fazer um post em breve com a comparação entre um malbec francês e um argentino, mas de antemão quero adiantar que o Francês é um vinho bem mais leve e com taninos muito mais suaves do que o argentino. Lembra de longe um pinot noir.

Contato do Cássio

Pessoal, conforme vocês devem ter visto nos vídeos e nas fotos, trata-se de um excelente profissional que eu o recomendo com empenho. Caso alguém queira contatá-lo para assuntos profissionais ou mesmo para realização de um evento, segue-se o seu número de celular/whatsup: (11) 98744-6518.

IMG-20170805-WA0016.jpg

Quero deixar também o contato do Damião: (11) 948984989.

Conclusão

Quero deixar um agradecimento muito grande à minha tia Sônia por ter proporcionado a sua família e amigos uma festa tão agradável como essa. Recomendo cada um dos vinhos citados nesse post. Um grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Teste cego de Bordeaux Chileno Versus Grand Vin de Bordeaux

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170527_201241667.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post bem diferente do que estamos habituados aqui no blog pois ele será o cumprimento de uma promessa feita desde o nosso primeiro post (link). Desde o começo temos falado que vinhos chilenos e argentinos possuem a mesma qualidade que os europeus mas ainda não fizemos nenhuma comprovação prática no blog salvo no último post (link). Hoje iremos comparar na prática um vinho premiado do chile com outro premiado de Bordeaux (região produtora de vinhos mais famosa do mundo).

Teste Cego

Aqui no blog já tivemos a oportunidade de falarmos sobre teste cego inclusive daquele que foi o mais famoso já feito: O Julgamento de Paris de 1976 (link). Nesse ano pela primeira vez vinhos americanos desbancaram vinhos franceses que até então eram cridos serem imbatíveis.

Paris_tasting_judges.jpg
Julgamento de Paris de 1976

o-julgamento-de-paris.jpg

Recentemente, Eduardo Chadwick decidiu provar que seus vinhos de aproximadamente R$500 eram melhores do que renomados franceses de até mesmo R$17.400 como o Château Lafite-Rothschild 2000 e promoveu vários testes cegos com diversos especialistas.

1003931x.jpg

E o resultado foi como ele esperava: seus vinhos eram melhores do que os franceses e os italianos. Se alguém quiser saber mais detalhadamente sobre esse evento basta clicar no link abaixo:

http://vinho.ig.com.br/index.php/2013/07/05/chadwick-o-chileno-que-desafia-e-ganha-dos-franceses/

O canal Vox do youtube também fez um vídeo mostrando que é idiotice pensar que um vinho muito caro é necessariamente melhor do que um mais barato. É lógico que um vinho de qualidade não é tão barato, mas é uma ilusão achar que porque ele é muito caro ele é muito melhor. Confiram o link:

https://www.youtube.com/watch?v=mVKuCbjFfIY&feature=share

Vinhos de escolha

Mas para se realizar um teste adequado é necessário comparar semelhantes. Não se compara banana com abacaxi. Devido à diferença de moeda é possível comprar um vinho muito top chileno por cerca de R$100-150, mas um da mesma qualidade europeu (Francês ou Italiano) não sai por menos de R$200. Outro ponto importante é compararmos vinhos de uvas e/ou blends semelhantes. Bordeaux praticamente só produz assemblages (vinhos com mais de uma uva diferentes, normalmente Cabernet-Sauvignon, Merlot e Cabernet-Franc) enquanto que vinhos do Chile e os do Novo Mundo em geral são feitos quase sempre com uma única uva.

Montes Alpha Cabernet-Sauvignon 2011

IMG_20170527_195732103.jpg

IMG_20170527_195742951.jpg

Do lado chileno temos uma lenda que é um verdadeiro clássico da América do Sul. O Montes Alpha foi o primeiro grande tinto chileno, inspirado nos melhores vinhos de Bordeaux. Foi eleito o “melhor Bordeaux chileno” pela revista Decanter, e equivale em qualidade a um “cru bourgeois” de preço três ou quatro vezes maior! Concentrado e refinado, com muita estrutura, camadas e mais camadas de fruta madura e um elegante final de boca. Um vinho excelente, de imbatível relação qualidade/preço. Esse foi o vinho recomendado pelo sommelier Gérson num post anterior do Blog (link). Apesar de possuir o nome Cabernet-Sauvignon ele é um blend com outras uvas como a Merlot. Custa em média R$120-150.

Château Villa Bel Air 2010

IMG_20170527_195639537.jpg

IMG_20170527_195655334.jpg

Do lado Francês temos outra lenda que é considerado como um dos maiores representantes dos vinhos de Bordeaux. Um vinho realmente apetitoso na opinião de Jancis Robinson e um livro texto da região de Graves nas palavras de Robert Parker, o Château Villa Bel-Air é um Bordeaux cheio de personalidade, combinando as castas Cabernet Sauvignon (40%), Merlot (50%) e Cabernet Franc (10%) de vinhedos plantados nos famosos solos da região, repletos de pedregulhos. Elaborado com maestria pela família Cazes, do famoso Château Lynch Bages, é um grande achado de Bordeaux. Uma garrafa padrão de 750ml dele corresponde a aproximadamente R$230-260. Por sorte consegui comprar uma meia garrafa numa promoção.

O embate

IMG_20170527_201241667

Durante o teste cego os participantes tiveram opiniões bem semelhantes. Os dois vinhos possuem boa estrutura e apresentam alto grau de qualidade, mas o da esquerda (taça maior e mais alongada) se mostrou bem superior no quesito aromas e retrogosto. Esse é realmente um vinho muito aromático e agradável ao nariz; na boca eles são bem semelhantes mas o retrogosto do da esquerda é também muito superior e agradável. O fim dele é longo, muito persistente e saboroso. Enquanto que o da direita possui um final seco, levemente amargo e desagradável. Devido a essas características, o da esquerda foi escolhido por unanimidade como o melhor vinho. O resultado é o que se segue:

IMG_20170527_203037226.jpg

Ou seja, o Chileno se saiu como vitorioso para minha surpresa, pois eu pensei que o melhor era o Francês!! Isso apenas confirma o que foi dito no post anterior (link): é no Chile que a Cabernet-Sauvignon encontra sua expressão máxima!!

Harmonização

Os vinhos do tipo Bordeaux harmonizam muito bem com um bom pernil de cordeiro (gigot d’agneau) mas, infelizmente dessa vez eu não acertei a mão da receita e prometo que eu refá-la-ei em breve aqui no blog. Por enquanto deixo as fotos da tentativa:

IMG_20170527_185232014.jpg

IMG_20170527_204541344.jpg

Conclusão

Conseguimos comprovar o que venho dizendo desde o começo do blog: um vinho não é melhor do que outro necessariamente por ser mais caro ou por ser de um lugar muito consagrado como Bordeaux ou Bourgogne. Mas ao mesmo tempo quero frisar aqui que não é meu objetivo afirmar que os vinhos franceses são inferiores aos chilenos ou a qualquer outro, mas encorajar a todos que provem e aproveitem todos os tipos de vinhos, franceses ou não. Em breve espero estar trazendo mais vinhos franceses aqui no blog. Abraços e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Coq au vin, queijos e vinhos franceses, chartreuse e degustações de pinot noir

“Ao contrário dos relacionamentos pessoais e profissionais, no vinho a infidelidade é essencial” (João Filipe Clemente)

IMG_20170611_145757123.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um tanto especial pois será um evento francês com uma receita de um coq au vin e degustações múltiplas de grandes Pinot Noir e outros vinhos. Esse é o quinto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares) e ele ocorrerá na minha casa. Caso alguém queira conferir o quarto encontro, basta clicar aqui.

Receita do Coq au Vin

Amigos, essa é uma receita que demora algumas horas para ficar pronta, logo recomendo começar a prepara-la cedo. Já tivemos aqui no blog um post sobre o coq au vin contando sua história, caso queira conferi-lo basta clicar aqui.

IMG_20170611_112642303_HDR.jpg

Tomemos então cerca de 25 mini cebolas, descascamo-las e reservamos:

IMG_20170611_113736168.jpg

Picamos também cerca de duas mini cebolas e reservamo-las:

IMG_20170611_114228631_HDR.jpg

IMG_20170624_094046465.jpg

Cortamos em rodelas duas cenouras:

IMG_20170611_115123483.jpg

IMG_20170624_100259256.jpg

Numa panela grande de ferro colocamos azeite e manteiga para dourarmos as cebolas:

IMG_20170611_114701169_HDR.jpg

IMG_20170611_114709501.jpg

IMG_20170611_114727154

IMG_20170611_114832912.jpg

IMG_20170611_115018764.jpg

IMG_20170624_094618242.jpg

Depois de douradas, retiramo-las do fogo e reservamo-las:

IMG_20170624_095432894.jpg

Usando o mesmo azeite e manteiga usados para dourar as cebolas, douramos cerca de 750g de bacon:

IMG_20170624_095613478.jpg

IMG_20170624_095833319.jpg

Assim que o bacon estiver dourado, acrescentaremos cerca de 2,5kg de frango caipira. A receita original previa um galo mas, devido à dificuldade de acha-lo, iremos utilizar frango caipira comum. Também se usa o galo todo na receita original, mas aqui iremos usar apenas sobrecoxas.

IMG_20170611_120851364.jpg

Vamos dourar o frango junto com o bacon:

IMG_20170624_100929317.jpg

Assim que o frango estiver dourado iremos acrescentar a cebola picada e a cenoura para dourarem juntos:

IMG_20170624_102338734.jpg

IMG_20170624_102402705.jpg

IMG_20170624_103338243.jpg

Depois de cozê-los juntos, o próximo passo é acrescentar cerca de duas colheres de sopa de farinha de trigo e cozê-la junto com os outros ingredientes:

IMG_20170624_103343590.jpg

IMG_20170624_103440366.jpg

Depois de cozidos iremos acrescentar alho, sal, pimenta e algumas folhas de louro:

IMG_20170611_122920805.jpg

IMG_20170611_123107747.jpg

IMG_20170611_123116155.jpg

IMG_20170611_123216453.jpg

IMG_20170611_123252412.jpg

Depois vamos cobrir todos os ingredientes com duas garrafas de vinho tinto:

IMG_20170611_123323647.jpg

IMG_20170611_123612404.jpg

IMG_20170624_105325710.jpg

E agora se inicia um longo cozimento. Baixe o fogo e deixe o galo cozinhar por cerca de 2 horas sempre mexendo para não grudar no fundo da panela.

IMG_20170624_105919191.jpg

Enquanto isso iremos preparar os champignons:

IMG_20170624_111043347_HDR.jpg

Aproximadamente 600g e partimos todos em 4 pedaços:

IMG_20170624_112945829.jpg

Vamos agora coloca-los na frigideira com manteiga:

IMG_20170624_114611898.jpg

Vamos agora usar o suco de 1 limão, sal e pimenta do reino:

IMG_20170611_133145151.jpg

IMG_20170611_132912920.jpg

IMG_20170624_115701549.jpg

Depois de fritos, apenas reservamo-los junto com os outros ingredientes. Após aproximadamente 2 horas o frango já vai ter adquirido uma consistência bonita:

IMG_20170624_113101563.jpg

É a hora de unirmos as cebolas, o champignon e checar o sal e a pimenta:

IMG_20170624_125215971.jpg

IMG_20170624_125249632.jpg

Depois disso o coq au vin deve ainda ser cozinhado por cerca de 30-40 minutos. Enquanto isso prepararemos umas entradas para o início do evento: queijos franceses e batatas gratinadas com queijo gorgonzola feitos pela minha esposa Aline.

IMG_20170624_124218307.jpg

IMG_20170624_125005659.jpg

IMG_20170624_124646864.jpg

IMG_20170624_125419043.jpg

IMG_20170624_125435171.jpg

IMG_20170624_125626986.jpg

Para fazer as batatas basta primeiro cozê-las na água:

IMG_20170624_122939550.jpg

Fazer orifícios e colocar o molho feito com queijo gorgonzola e creme de leite antes de gratiná-las no forno:

IMG_20170624_124729272.jpg

IMG-20170625-WA0014.jpg

IMG-20170625-WA0019.jpg

Com essas entradas temos algumas cervejas artesanais:

IMG_20170611_144944831.jpg

Witbier brasileira muito bem feita, vale a pena conferir.

IMG_20170611_144952499.jpg

IMG_20170611_145229988.jpg

Uma weizen alemã:

IMG_20170624_132158541.jpg

Outra witbier artesanal muito bem feita:

IMG_20170624_132211585.jpg

IMG_20170624_140223612_HDR.jpg

IMG_20170624_135823710.jpg

Harmonização e características da pinot noir

Conforme falamos no post anterior, o coq au vin combina perfeitamente com vinhos da Borgonha, principalmente os feitos com a uva pinot noir. Essa que é considerada uma das uvas mais difíceis de serem cultivadas por exigir terroirs muito específicos. É dela que se obtém vinhos lendários como o romanée-conti que são vendidos no Brasil com valores absurdos de até R$40 mil reais:

pinot-noir-1-1024x683-1040x585.jpg

romanee.jpg

A pinot noir é talvez a uva mais adorada pelos grandes apreciadores de vinhos. É dito que, através dela produz-se vinhos muito delicados e saborosos. Ficou muito famosa no mundo e, principalmente nos EUA, depois do filme Sideways.

260x365_519ebb6848706.jpg

São vinhos que possuem baixo nível de taninos, uma acidez moderada e aromas muito frutados de cereja, amora, framboesa, especiarias, ervas e flores. Com a idade ressalta toques animais, couro e cogumelos secos. Mas é difícil definir um gosto típico de Pinot Noir, justamente por depender muito do terroir do qual foi extraída, e do seu processo de vinificação.

bdf73d8176c47900aa2fcc13fdfa36f4--wine-varietals-wine-education.jpg
Fonte: https://www.winefolly.com

Por esses motivos, houve uma decisão de harmonizar nosso coq au vin com diversos tipos de pinot noir. O primeiro e o segundo da lista foram degustados num evento anterior com o mesmo prato. Segue-se um pinot noir maravilhoso chileno da bodega ventisquero já citada algumas vezes no blog:

IMG_20170611_150535137.jpg

E um pinot noir argentino maravilhoso: Partidge Reserva Pinot Noir 2013

IMG_20170611_150509657.jpg

Degustados lado a lado todos os dois harmonizaram com o prato porém pode-se perceber a diferença de um pro outro: o chileno bastante aromático e com presença de madeira, porém com uma acidez um pouco acima da média. Já o argentino bem mais redondo e equilibrado em nada se destacando (chileno da esquerda e argentino da direita).

IMG_20170611_151126069.jpg

Vinhos de escolha

O desafio era degustar vários tipos de pinot noir e dizer qual país produz o melhor deles. Para esse desafio tivemos alguns vinhos de peso. O primeiro deles foi um chileno ganhador de vários prêmios, detentor de 91 pontos pelo Wine Spectator (James Suckling): Arboleda Pinot Noir 2014.

IMG_20170624_134902576_HDR.jpg

IMG_20170624_134912726_HDR.jpg

O segundo é um clássico da Califórnia cujo nome dispensa comentários: Robert Mondavi Private Selection Pinot Noir 2014. Caso alguém não tenha visto o post sobre os vinhos californianos pode clicar aqui.

IMG_20170613_192049668.jpg

E temos também dois representantes clássicos da região lendária da Borgonha (o berço da Pinot Noir e dita pelos especialistas possuir os melhores vinhos). Masson Dubois Bougorne 2011 e Louis Latour 2013.

IMG_20170624_131825335_HDR.jpg

IMG_20170624_131833031.jpg

IMG_20170624_131848567_HDR.jpg

IMG_20170624_131859983.jpg

Início das degustações

Após o tempo previsto o coq au vin ficou pronto:

IMG_20170624_142235108.jpg

Como acompanhamento fica perfeito uma baguete de parmesão.

IMG_20170624_142815228.jpg

IMG_20170624_143114951.jpg

IMG_20170624_143441830.jpg

IMG_20170624_143559618.jpg

IMG_20170624_144232076.jpg

IMG_20170624_144345742.jpg

Quando colocamos os três um do lado do outro fica fácil ver algumas características: o chileno é o mais aromático porém o mais ácido de todos. O americano é o mais redondo e agradável com um retrogosto agradável e macio enquanto que o francês é um bom vinho mas sem personalidade e com retrogosto seco e levemente desagradável. Nada se destaca nele, mas de acordo com os presentes foi o que melhor harmonizou com o prato. Nesse duelo não houve vencedores pois todos eram muito bons.

IMG_20170624_150857970.jpg

IMG_20170624_150906664.jpg

Além desses pinot noir tivemos alguns outros muito bons:

IMG_20170624_131033740.jpg

Esse é um Francês feito com um assemblage de uvas:

IMG_20170624_161749107.jpg

Um primitivo italiano que foi uma das estrelas da festa: La Marchesana Primitivo di Puglia 2015.

IMG_20170624_134750596_HDR.jpg

IMG_20170624_134802897.jpg

IMG_20170624_153351840.jpg

Mais uma vez um vinho da bodega ventisquero: Carmenère 2015

IMG_20170624_162714832.jpg

IMG_20170624_162735319.jpg

IMG_20170624_164127208.jpg

E um vinho português do Douro que impressionou por sua qualidade por ser um vinho de R$30 reais. Ele é um dos exemplos de que um vinho não precisa ser caro para ser bom!

IMG_20170611_155920762.jpg

IMG_20170611_155934342_HDR.jpg

Dessert

Como sempre na confraria sempre temos uma surpresa que nos aguarda e hoje foi a vez da maravilhosa torta mais do que genuinamente francesa feita pela minha tia Sônia: Tarte Tatin.

IMG_20170624_151951859_HDR.jpg

Essa torta é muito conhecida na França e tem uma história bem legal. Reza a lenda que a Tarte Tatin teria nascido de um erro culinário, ocasionado por um momento de desatenção da cozinheira. Quando Jean Tatin faleceu no final do século XIX, suas filhas Stéphanie e Caroline herdaram o hotel e restaurante Tatin, situado na pacata cidade de Lamotte-Beuvron, no Loir-et-Cher (centro da França). Caroline era conhecida por ser uma excelente administradora. Já Stéphanie, era uma cozinheira muito talentosa. As duas formavam uma ótima equipe e, mesmo após o falecimento do pai, elas continuaram gerindo com brio o estabelecimento familiar. Uma das especialidades de Stéphanie era a torta de maçãs, que ela servia morna, caramelizada e bem macia. Os clientes vinham de longe para apreciar a famosa iguaria. No entanto, Stéphanie também era conhecida pelo seu jeito meio distraído e tagarela. Assim, num dia de muito movimento, ela ficou conversando demais com os clientes até que se deu conta de que a sobremesa não estava pronta. Então, ela correu para preparar a famosa torta, pôs ela no forno e só depois é que reparou que tinha esquecido de colocar a massa no fundo da forma. Vendo que as maçãs estavam caramelizadas, ela teve a idéia de pôr a massa por cima e de virar a torta quando ela saísse do forno. Quanto aos clientes, eles simplesmente adoraram a nova receita!

IMG_20170624_153711444.jpg

Como acompanhamento para essa receita temos dois licores genuinamente franceses e difíceis de encontrar fora da França. O primeiro deles é o Chartreuse, um licor de pêra:

IMG_20170624_132424202.jpg

IMG_20170624_132426652.jpg

IMG_20170624_132436080.jpg

IMG_20170624_154414486_HDR.jpg

IMG_20170624_154603925.jpg

O segundo é o liqueur de génépi de savoie feito com uma florzinha que cresce nos alpes franceses:

IMG_20170624_132352565.jpg

IMG_20170624_132400904.jpg

IMG_20170624_160902030.jpg

Conclusão

Foi um prazer muito grande receber todos na minha humilde residência e partilhar de momentos tão indeléveis! Recomendo cada um dos vinhos desse post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Harmonizando frango assado com vinhos brancos e rosés

“Para vinho ter gosto de vinho, deve ser tomado com um amigo” (Provérbio Espanhol)

IMG_20170603_150428004.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um exemplo de como a simplicidade pode ser perfeita para um encontro de amigos. Como um simples frango na brasa pode ser uma comida tão espetacular. Este é o quarto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o terceiro encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. Hoje falaremos das cervejas produzidas pela Cervejaria Colorado, a qual, na minha opinião, é a melhor cervejaria do Brasil. O que torna elas tão especiais é não apenas o altíssimo nível de qualidade mas também os ingredientes típicos brasileiros usados nas receitas. A primeira delas é uma pilsen bem incomum que recebe mandioca na sua composição: a Cauim.

IMG_20170526_212550699.jpg

IMG_20170526_212617658.jpg

IMG_20170526_212838071.jpg

Confesso que demorei um bom tempo até me animar a querer degustar essa cerveja por pensar que mandioca nada tinha a ver com a bebida. Mas essa combinação é simplesmente estonteante e produz uma pilsen bem mais encorpada do que as outras comumente conhecidas. O nome Cauim vem do Tupi e se refere a uma antiga bebida fermentada de cereais e mandioca, fabricada pelos índios brasileiros.

IMG_20170602_211202587.jpg

IMG_20170602_211214706.jpg