Vinhos do Líbano, Comida árabe e o pinotage da África do Sul

“A melhor maneira de introduzir amigos ao mundo do vinho é abrir garrafas melhores do que eles estão acostumados, mas só falar de suas virtudes caso lhe seja perguntado.” (Jancis Robinson)

IMG_20170408_133554954_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post nos remeterá ao início da cultura vinícola do mundo: o Líbano. Teremos alguns vinhos de diferentes regiões do mundo também como a África do Sul, a Itália, a Argentina, etc. Este é o terceiro encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o segundo encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma excelente cerveja de trigo russa: a Baltika número 8. Ela é produzida na cidade histórica de São Petersburgo.

IMG_20170401_213801126.jpg

IMG_20170401_213814508.jpg

IMG_20170401_213918244.jpg

IMG_20170401_214259107.jpg

Apresenta espuma densa e generosa, suave aroma frutado com toques picantes e suave adocicado.

IMG_20170407_214457972.jpg

IMG_20170407_214520543.jpg

IMG_20170407_214925676.jpg

Essa segunda eu me arrisco a dizer que é a cerveja mais icônica do mundo, pois foi a receita que originou todas as outras cervejas do tipo Pilsen do mundo. Para quem gosta de cerveja, o conhecimento desta é obrigatório. Possui um amargor bem característico e lembra de longe a cerveja Heineken.

IMG_20170407_223000565

IMG_20170407_223013777

IMG_20170407_223633274

Embora já tenha comentado sobre a weihenstephaner num post anterior e sobre a sua importância por ser a cervejaria mais antiga do mundo ainda em atividade, hoje eu trago a cerveja que recebe mais títulos no mundo como a melhor em seu estilo weizenbock: a Vitus. Vale a pena conferir.

Início do evento

Amigos, hoje estamos na casa do Daniel e da Cláudia, a qual, por ser descendente de Libaneses fez um banquete árabe maravilhoso:

IMG_20170408_133544780_HDR

Kibe com coalhada, homus, etc.

IMG_20170408_133554954_HDR

IMG_20170408_133615289

IMG_20170408_140838333_HDR

IMG-20170408-WA0003.jpg

A Cláudia também possui um blog muito legal chamado moda no trabalho. Vou deixar o link para ele aqui:

http://modanotrabalho.com.br/

Para acompanhar essas delícias temos uma seleção de peso de vinhos:

IMG-20170408-WA0002

IMG_20170408_132949714

Como o evento é temático, trouxemos alguns vinhos do Líbano. Apesar de serem pouco conhecidos mundialmente, eles possuem grande qualidade e seguem a linha francesa desde que algumas das vinícolas famosas foram plantadas por monges franceses. O Líbano possui três grandes casas produtoras de vinho: o Chateau Musar, o Chateau Ksara e o Chateau Kefraya.

IMG_20170408_120132630

IMG_20170408_120150088

IMG_20170408_133046796

IMG_20170408_133056655

IMG_20170408_133010402_HDR

IMG_20170408_133015636

IMG_20170408_160240557

Além dos vinhos do Líbano temos alguns bons exemplos como um bom Pinotage da África do Sul. Quem nunca tomou um vinho dessa uva com certeza vai perceber a diferença deles para os outros na primeira degustação. A variedade Pinotage foi criada em 1925, por Abraham Izak Perold (1880 – 1941), sul-africano descente de franceses, PhD em química, e fluente em 8 idiomas. O nome deriva da uva Pinot Noir mais a uva Cinsault (que quando chegou a África do Sul recebeu o nome de Hermitage). É uma uva singular porque combina com quase tudo, vale a pena experimentar.

pinotage
https://capreo.com
aromas-in-pinotage.jpg
https://winefolly.com

IMG_20170408_120215985_HDR.jpg

IMG_20170408_120220314.jpg

IMG_20170408_120233541.jpg

Um dos amigos escolheu um vinho rosé francês do mediterrâneo 100% grenache:

IMG_20170408_134619691.jpg

IMG_20170408_134628491.jpg

E um Rosé Italiano do tipo Pinot Grigio:

IMG_20170408_134703559.jpg

IMG_20170408_134720304.jpg

E finalmente tivemos também um dos Malbec mais conhecidos no mundo: o Norton.

IMG_20170408_140539896_HDR.jpg

IMG_20170408_140543956.jpg

IMG_20170408_140552403.jpg

Para começar nossa degustação iniciaremos com um grande clássico do mundo dos vinhos como já falei anteriormente que essa é minha uva branca favorita: Pinot Grigio.

IMG_20170408_132934898_HDR.jpg

Um detalhe para a toalha da mesa que também possui origem libanesa:

IMG_20170408_133233261.jpg

IMG_20170408_133902253.jpg

IMG_20170408_141142686.jpg

Comecemos então com esse Francês bem fresco e levemente adocicado.

IMG_20170408_141436863.jpg

Mas nem se comparou com esse tinto do Líbano: um espetáculo de vinho. A sensação que eu tive era que eu estava tomando um Grand Vin de Bordeaux. Se me colocassem uma venda nos olhos com certeza diria que era um legítimo Bordeaux. Nota 10.

IMG_20170408_141445021.jpg

Depois seguimos também com o outro tinto do Líbano. Também é um grande vinho porém com uma qualidade um pouco menor do que o anterior!

IMG_20170408_142953980.jpg

Provamos o Norton também:

IMG_20170408_150628443.jpg

Já o Pinotage também ganhou posição de destaque nessa festa, um grande vinho!!!

IMG_20170408_151449243.jpg

Mais uma vez o Líbano ganhou meu respeito como produtor de vinhos. Tomar vinhos de lá é como tomar vinhos franceses!!

IMG_20170408_160506859.jpg

E por último temos o italiano rosé muito suave e agradável:

IMG_20170408_172027628.jpg

IMG_20170408_165646658.jpg

Provamos também uma vodca polonesa maravilhosa que o Daniel trouxe da sua última viagem à Polônia:

IMG_20170408_160057279.jpg

IMG_20170408_161529329.jpg

IMG-20170408-WA0013.jpg

IMG-20170422-WA0010

Dessert

Após os pratos maravilhosos temos ainda doces genuinamente árabes:

IMG_20170408_145611527.jpg

Conclusão

Daniel, Cláudia, familiares e amigos da Confraria, foi um prazer muito grande esses momentos com vocês! E para nossos queridos leitores recomendo com empenho os vinhos do Líbano e o Pinotage da África do Sul, sem esquecer dos outros vinhos mostrados no post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Coquilles-saint-jacques, estrela francesa e um bom vinho chileno

“Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

bravo-bistro.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será breve, pois falaremos rapidamente sobre uma das maiores iguarias francesas e uma das coisas mais gostosas que já comi na vida: o coquilles-saint-jacques.

Cervejas

Antes de falarmos sobre o prato principal, vamos falar sobre algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma witbier muito saborosa: a Hoegaarden.

IMG_20170310_211419431.jpg

IMG_20170310_211621350.jpg

A semente de coentro e a casca de laranja encontram-se muito bem harmonizados nessa cerveja, quem não provou vale a pena provar.

IMG_20170311_222352882.jpg

IMG_20170311_222811019.jpg

Essa segunda weissbier é bastante famosa por ser produzida pela cervejaria mais antiga do mundo que ainda encontra-se em atividade: a Weihenstephaner. Weihenstephan é uma cervejaria e uma marca de cerveja da região alemã da Baviera. É considerada a cerveja mais antiga do mundo (artesanal ou industrial), sendo vendida desde 1040 e fabricada desde os anos 800.

IMG_20170311_224250264.jpg

IMG_20170311_224501192.jpg

Essa terceira é bastante diferente das outras e confesso que não foi muito de meu apreço. Acredito que eles erraram na mão na quantidade de casca de laranja que ela possui. Mas não deixa de ser uma boa cerveja.

Coquilles-saint-jacques

No Brasil esse molusco é muito raro de se encontrar até mesmo em casas mais especializadas. Aqui ele é vendido com o nome de vieira:

coquille.jpg
Coquilles Saint Jacques, em peixaria. Foto de David Jones no Flickr

coquilles-saint-jacques-a-la-dieppoise.jpeg

Ele é um prato famosíssimo na França principalmente no inverno.

Bravo Bistrô

Amigos, quero deixar aqui registrado uma excelente opção de bistrô em São Paulo. Confesso que me surpreendi muito positivamente com o lugar. Bem aconchegante e com excelente atendimento. Fica localizado na Mooca.

11855636_861966500564233_4064413322919759356_n.jpg

Abaixo segue-se o link para o site deles:

http://bravobistro.com.br/

Como escolha de vinho para acompanhar as vieiras escolheremos um clássico: Brisa Chardonnay Vistamar.

IMG_20170325_205503696.jpg

IMG_20170325_205717607.jpg

E para acompanhar uma boa massa de frutos do mar vamos de um rosé italiano bem fresco:

IMG_20170325_205839215.jpg

IMG_20170325_205920127.jpg

Para entrada escolhemos umas bruschettas deliciosas:

IMG_20170325_213341296.jpg

IMG_20170325_213436436.jpg

E como prato principal escolhi as vieiras:

IMG_20170325_204741497.jpg

bravo-bistro

IMG_20170325_215605679.jpg

Minha esposa escolheu o Tagliatelli ao Frutos do Mar

IMG-20170325-WA0093.jpg

IMG-20170325-WA0111

Conclusão

Com certeza esse foi um dos pratos mais gostosos que eu já comi na vida. Recomendo com empenho o bistrô!!

Paella de Frutos do Mar com Albariño, Sauvignon Blanc Gran Reserva, Castello D’Alba Vinhas Velhas e Paralelo 8

“O vinho lava nossas inquietações, enxuga a alma até o fundo, e , entre outras coisas, garante a cura da tristeza.” Sêneca

IMG_20170225_143505725.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje é um post especial porque estamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline e vamos degustar um dos nossos pratos preferidos: a paella de frutos do mar junto com o vinho de perfeita harmonização (uva Albariño) conforme prometido no post anterior. Também teremos algumas cervejas e vinhos perfeitos. Agradecemos aqui a minha tia Sônia por ter preparado essa receita tão maravilhosa.

Apéritif

Continuando com o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: delirium nocturnum, a paulaner oktoberfest bier e uma das minhas cervejas de trigo preferidas: karavelle.

IMG_20170210_124733141.jpg

IMG_20170210_124951117.jpg

Esta excelente Belgian Strong Dark Ale é produzida com 3 tipos de levedura e 5 tipos de malte que fazem com que a Delirium Nocturnum tenha um sabor complexo com notas de frutas passas e chocolate além de um aroma adocicado. De cor escura, triplamente fermentada e bem encorpada, é a companhia ideal para o inverno.

IMG_20170210_130842414.jpg

IMG_20170210_130955889.jpg

Esta é a cerveja mais famosa que é consumida durante a Oktoberfest da capital Bávara (Munich), que acontece desde o ano de 1810. De coloração amarelo forte com uma ótima formação de espuma de boa duração. É uma cerveja transparente de brilho intenso. No nariz, os aromas do malte lembram biscoito e cereais matinais, seguido do leve floral do lúpulo. A cerveja possui o dulçor dos maltes ao mesmo tempo que o amargor do lúpulo.

IMG_20170210_134445523.jpg

IMG_20170210_134707976 (1).jpg

Essa terceira figura entre as cervejas de trigo mais saborosas na minha opinião. Muito encorpada e gosto extremamente agradável. Cerveja paulista que não deixa a desejar para nenhuma outra europeia. Recomendo com empenho!!

Harmonização com a paella de frutos do mar

A paella é um prato bem típico que surgiu na Espanha, nos séculos XV e XVI, na região de Valência, mais especificamente na região de Albufera, região de grandes arrozais e de grande produção de verduras frescas.

valencia_mapadeespana_520x350

Originalmente um prato popular, foi criada pelos camponeses que partiam para o campo com a paellera ou paella, arroz, azeite e sal e agregavam ingredientes da caça, legumes da estação e as sobras que possuíam. O tomate só foi acrescentado posteriormente, trazido da América por Cristóvão Colombo, e o frango, que era muito caro para os padrões da época. Com a difusão da paella pela costa, foram acrescentados frutos do mar: choco, camarões, lulas, lagostins, amêijoas (vôngole), mexilhões, e polvo, tornando-o um prato misto (terra e mar). Em suas diferentes variações, encontram-se ainda as “paellas marineras” (peixe e frutos do mar) e a “paella negra”, com tinta de lula. No Brasil, normalmente é feita com frutos do mar.

IMG_20170225_125846533_HDR.jpg

IMG_20170225_130005531.jpg

Vamos começar a fazer a paella usando um molho específico de peixe que pode ser comprado pronto ou pode ser feito em casa somente com o uso das cabeças do peixe e temperadas com sal, pimenta, etc. O fumê de peixe será usado ao invés da água para cozinhá-la:

IMG_20170225_133606971.jpg

As cabeças e cascas dos camarões serão colocadas ao fogo com azeite tomando cuidado para que o molho não chegue ao fervor. Depois essa marinada pode ser utilizada.

IMG_20170225_133903773.jpg

IMG_20170225_134131087.jpg

Aproximadamente 2 cebolas picadas:

IMG_20170225_134913559.jpg

O azeite ideal para usarmos é um que é próprio para cozinhar:

IMG_20170225_134549760.jpg

Continuaremos a refogar a cebola junto agora com dois pimentões: 1 amarelo e 1 vermelho. Sugestão: Caso você não goste muito de comer o pimentão a idéia é cortá-lo em fatias grandes como faremos aqui.

IMG_20170225_135333864.jpg

IMG_20170225_135338062.jpg

IMG_20170225_135629228.jpg

O arroz a ser utilizado é aquele próprio para risotos:

IMG_20170225_134424524.jpg

IMG_20170225_134527911.jpg

Refogamo-lo junto com os pimentões e a cebola:

IMG_20170225_135929575.jpg

IMG_20170225_135935095.jpg

Acrescentamos então sal e pimenta do reino branca:

IMG_20170225_140004363.jpg

IMG_20170225_140005958.jpg

Depois adicionamos o açafrão:

IMG_20170225_140205933.jpg

IMG_20170225_140049758.jpg

IMG_20170225_140054040.jpg

Agora vamos adicionar o caldo do peixe e deixá-la cozinhar um pouco:

IMG_20170225_140244435.jpg

IMG_20170225_140246982.jpg

IMG_20170225_140409504.jpg

Após isso iremos adicionar os frutos do mar que já estavam marinando com limão siciliano, cachaça e azeite: Polvo, Lula, Mexilhão e Camarão.

IMG_20170225_141014293.jpg

IMG_20170225_141159616.jpg

Depois de um tempo cozinhando iremos adicionar as vagens de ervilha e o camarão gigante:

IMG_20170225_141808479.jpg

IMG_20170225_133834293.jpg

IMG_20170225_142118059.jpg

Depois de um tempo cozinhando no fogo a paella estará pronta:

IMG_20170225_143341016.jpg

IMG_20170225_143501022.jpg

IMG_20170225_143505725.jpg

Conforme falei na apresentação do nosso post, o vinho que serve de forma perfeita para a harmonização com essa paella são os feitos com a casta albariño, que é a uva Alvarinho do post anterior produzida no terroir espanhol. Conforme falamos anteriormente, os vinhos produzidos com essa uva são bem minerais e possuem um nível de acidez acima da média.

IMG_20170225_144349250.jpg

O segundo vinho para a harmonização será um dos tops em qualidade da concha y toro: Sauvignon Blanc Gran Reserva. Esse é um vinho branco porém amadeirado que passa o tempo máximo possível em barricas de carvalho.

IMG_20170225_150316549.jpg

Após a paella teremos uma verdadeira obra prima de Portugal: Castello D’alba Vinhas Velhas. Uma vinha velha pode ter 80 ou 100 anos no Douro e 50 no Alentejo – não há fronteiras temporais rígidas, porém o resultado é uma produção pequena de uvas com concentração, profundidade e equilíbrio. Com uma enologia consciente, os resultados no copo chegam a ser comoventes. Poder degustar um vinho desse porte é um verdadeiro sonho estando no Brasil pois nem pela internet consegui encontrar esse vinho!!

IMG_20170225_133134229.jpg

Esse vinho passa 18 meses em barricas de carvalho francês e o resultado é um vinho altamente frutado com aromas claros de frutas negras e vermelhas.

IMG_20170225_152110052_HDR.jpg

IMG_20170225_153318522.jpg

O segundo vinho tinto é um verdadeiro orgulho para o Brasil e para o Vale do São Francisco. Já tivemos um post sobre um bom vinho da vinícola Rio Sol aqui no blog onde eu também prometi que ia fazer um review sobre o top deles: o paralelo 8. Esse que foi eleito o terceiro melhor vinho do Brasil.

IMG_20170225_155720910.jpg

IMG_20170225_161219408.jpg

IMG_20170225_161016636.jpg

Vinho que lembra bem o Alentejo. Para finalizar tivemos também o vinho que já nos foi apresentado no post anterior: o redwood creek pinot noir. Um vinho famosíssimo nos Estados Unidos.

IMG_20170225_163850562.jpg

IMG_20170225_164502779.jpg

Conclusão

Acho que o ponto que mais frisamos aqui no blog é o fato da comida ser ligada à bebida e vice e versa. Harmonizar uma boa comida com a bebida correta pode obter prazeres inimagináveis e assim foi com nossa paella. Mais uma vez parabéns minha querida Aline.

Paleta de cordeiro com batatas aos murros, vinhos do douro e pinot noir californiano com queijo Serra da Estrela

“O vinho é o mais notável de todos os remédios; onde falta o vinho, os remédios se fazem necessários”. Livros do Talmud (500-400 a.C.)

img_20170129_140004634

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será muito especial devido ao fato de que iremos desbravar o mundo português tanto da culinária quanto dos vinhos. Iremos falar sobre o queijo mais gostoso que eu já comi na vida e de mais assuntos afins como um excelente pinot noir da Califórnia. Para facilitar o entendimento, abaixo temos a foto do mapa de Portugal com suas regiões vínicas:

IMG_20170129_183911194.jpg

Apéritif

De modo a não perdermos o costume do nosso blog, começaremos falando sobre 3 cervejas muito gostosas e recomendadas: goose island honkers ale, a hofbräu e a eisenbahn weizenbier.

IMG_20170128_193626547.jpg

IMG_20170128_193730712.jpg

Essa, junto com a delirium tremens, é uma cerveja altamente agradável e fácil de tomar. Muito encorpada e dotada de aromas extremamente frutados. Excelente standard bitter.

IMG_20170128_195857095.jpg

IMG_20170128_200035569.jpg

Essa é o tipo de cerveja que dispensa apresentações. Refrescante, levemente amarga e picante, ela apresenta baixa fermentação e é produzida de acordo com a Lei de Pureza de 1516. A cervejaria Hofbräu pertence à prefeitura de Munique e, nos seus mais de 400 anos de existência, sempre foi a cerveja oficial da Corte Real Bávara. Ela também possui, no coração de Munique, a maior choperia do mundo – o Hofbräuhaus – que recebe 1,2 milhões de visitantes por ano e onde são servidos aproximadamente 5.000 litros de chope por dia.

IMG_20170128_210629626.jpg

IMG_20170128_210811129.jpg

Essa terceira é um exemplo de que é possível no Brasil comprar cervejas baratas (aproximadamente R$7 a long neck) com uma qualidade considerável.

IMG_20170129_131205074.jpg

IMG_20170129_131517756.jpg

Nossa primeira degustação começará com um vinho feito com uma das uvas brancas mais icônicas de Portugal: a Alvarinho, a qual é prima direta da Albariño Espanhola que é responsável pela perfeita combinação com a paella de frutos do mar (post em breve).

IMG_20170129_131534074_HDR.jpg

Essa uva produz um vinho com um aroma muito fino porém austero e elegante com notas cítricas e minerais com pouca fruta. Bom nível de acidez e frescor. Já o segundo vinho é um corte clássico do douro: Malsavia Fina, Gouveio e Rabigato.

IMG_20170129_131552199_HDR.jpg

Esse é um vinho que também possui notas minerais e florais porém, ao contrário do anterior, é bem frutado e apresenta aromas claros de frutos brancos como pêra e maçã.

IMG_20170129_134149906_HDR.jpg

Queijo Serra da Estrela

Como primeira degustação iremos provar um queijo português cremoso de cabra conhecido como Queijo Serra da Estrela. Ele recebe esse epíteto porque são produzidos nos arredores da Serra da Estrela. Ganhador de diversos títulos é, de longe, o queijo mais gostoso que já provei na vida.

IMG_20170129_131853683.jpg

IMG_20170129_131903475.jpg

IMG_20170129_132038103.jpg

IMG_20170129_132131591.jpg

IMG_20170129_132136269.jpg

IMG_20170129_132206504.jpg

O queijo harmonizou de forma perfeita com o vinho da casta Alvarinho.

IMG_20170129_132307433.jpg

Todo o momento também foi embalado pela trilha sonora da fadista mais conhecida de Portugal da atualidade: Carminho.

carminho-644x362

IMG_20170129_131721068.jpg

Caso alguém queira o link para o cd dela no youtube vou deixar aqui em baixo:

https://www.youtube.com/watch?v=u8NkR2csotg&t=775s

A segunda entrada também foi perfeita: Pêra ao vinho com molho de queijo Gorgonzola:

IMG_20170129_134543576.jpg

Apesar dele ter harmonizado com o vinho Quinta da Pedra Alta, ele ficou ainda melhor com um vinho do Porto:

IMG_20170129_134851674.jpg

Harmonização com a paleta de cordeiro com batatas aos murros

É realmente muito difícil ganhar de uma boa carne de cordeiro. E melhor do que ela é ela mais um bom vinho do Douro:

IMG-20170129-WA0004.jpg

IMG-20170129-WA0006.jpg

IMG_20170129_135718115.jpg

O Encostas do Tua 2012 é um vinho excelente possuidor de aromas frutais e taninos bem redondos. Na boca podemos perceber a presença de especiarias também.

img_20170129_140004634

IMG_20170129_140030109.jpg

IMG_20170129_140149862.jpg

IMG_20170129_140223273.jpg

IMG_20170129_140704466.jpg

Outro vinho que participou da degustação também foi o Redwood Creek Pinot Noir da Califórnia. Ele é um vinho muito agradável e parecido com o búlgaro da Soli do post anterior.

IMG_20170129_163027818.jpg

IMG_20170129_163034625.jpg

IMG_20170129_164235258.jpg

Dessert et Digestif

Após os pratos maravilhosos temos ainda alguns doces genuinamente portugueses: O pastel de nata ou de Belém e o pastel santa clara. Ambos obtidos na casa rancho português.

IMG_20170129_143932988.jpg

IMG_20170129_144213427.jpg

IMG_20170129_143134618.jpg

E para completar a degustação teremos um dos melhores vinhos do porto da atualidade: Sandeman Late Bottled Vintage.

IMG_20170129_143949620.jpg

Ele é um tipo de vinho do porto especial porque leva mais tempo envelhecendo e apurando do que os vinhos do porto tradicionais.

IMG_20170129_144445762.jpg

IMG_20170129_144453029.jpg

IMG_20170129_144932162.jpg

Conclusão

Depois dessa experiência passei a entender que Portugal e sua cultura devem ser um sonho pois tudo parece muito surreal!

Ostra Crua, Guaiamum com Polvo e Sinfonia Marítima com Sauvignon-Blanc Neo-Zeolandês

“Moderadamente bebido, o vinho é medicamento que rejuvenesce os velhos, cura os enfermos e enriquece os pobres.” Platão

IMG_20161220_194044205.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será uma espécie de continuação do anterior. Continuamos em Recife e continuarei dando dicas de um ótimo lugar para conhecer quando estiver na cidade e desejar comer um bom prato de frutos do mar: O Bar e Restaurante Guaiamum Gigante. Falaremos também sobre como combinar pratos desse tipo com vinhos. A escolha da vez será a casta símbolo da Nova Zelândia: a Sauvignon-Blanc.

Sauvignon-Blanc e a Nova Zelândia

Talvez seja estranho a princípio uma pessoa escutar que a Nova Zelândia também é uma referência em vinhos. Mas isso se dá basicamente pela sua relativa juventude na viticultura. Historicamente o cultivo na Nova Zelândia sempre foi marginalizado devido à cultura inglesa da valorização da cerveja e também ela sofreu bastante com a praga que devastou a Europa: a Philoxera. Apenas em 1970 é que se começa a plantar de forma profissional a uva que se tornará a referência não apenas para o país mas para o mundo em se falando de qualidade: a Sauvignon-Blanc. Assim como a Malbec encontrou sua Shangri-la na Argentina, a Sauvignon-Blanc encontrou a sua na Nova-Zelândia.

sauvignon-blanc-uva.jpg
Fonte: http://www.winefolly.com/

A Nova-Zelândia hoje é o país em que muitos críticos a consideram como o melhor produtor do mundo de vinhos com a casta Sauvignon-Blanc. Um deles (George M. Taber) chegou a afirmar que tomar pela primeira vez um Sauvignon-Blanc da Nova Zelândia da região de Marlborough  produz a mesma sensação de fazer sexo pela primeira vez.

nz-map

A Sauvignon Blanc está para os vinhos brancos da mesma forma que a merlot está para os vinhos tintos, ou seja, é a segunda colocada em importância e ficando atrás apenas da Chardonnay.

white-bordeaux-taste
Fonte: http://www.winefolly.com/

São uvas capazes de produzir vinhos frutados (maçã, pêra, groselha, toranja e limão) ao mesmo tempo que detentores de aromas vegetais (grama, camomila, casca de laranja, jasmin, etc).

100521db871e193313b2fd57054a076e
Fonte: https://faberpartner.de/

A grande diferença dos vinhos produzidos na Nova Zelândia em relação aos Franceses de Bordeaux é a presença de aromas exóticos e os frutados bem mais intensos.

Vinho de escolha: Peter Yealands Sauvignon Blanc Marlborough 2013

A escolha então dar-se-á pela vinícola de maior destaque da região de Marlborough: Peter Yealands. Ele é o homem responsável pela grande divulgação dos vinhos Neo-Zeolandeses para o mundo. George M. Taber também falou que nenhuma região no mundo pode se equiparar a Marlborough, a qual parece ser o melhor lugar do mundo para o cultivo das uvas Sauvignon Blanc.

py

img_20161220_180355995

img_20161220_180408585

Harmonização

Conforme já falei no começo do post, hoje iremos a um excelente bar de Recife: o Guaiamum Gigante. Tomemos nosso vinho e partamos.

img_20161220_182449152

img_20161220_185851143

img_20161220_185908532

Enquanto o vinho chega à sua temperatura ideal poderemos tomar uma grande cerveja brasileira do Rio Grande do Sul: a Serra Malte. Ela pode acompanhar um casquinho de caranguejo junto com um caldinho de polvo delicioso.

img_20161220_191050796

img_20161220_191438495

img_20161220_191504251

Antes do prato principal o vinho harmonizou muito bem com a ostra crua e o guaiamum cevado:

img_20161220_194044205

img_20161220_195759531

A sinfonia Marítima é um prato clássico da culinária nordestina em que é uma espécie de mix de todos os frutos do mar: camarão, lagosta, sururu, marisco, carne de caranguejo, peixada, etc. Ficou um espetáculo junto com o vinho. O melhor foi a presença da família!

img_20161220_204241673

img_20161220_204658221

img-20161220-wa0018

img-20161220-wa0022

15697469_1362606490424520_2643328478461649899_n

Conclusão

Mais uma vez a combinação da gastronomia nordestina brasileira junto com vinhos dos mais diversos lugares do mundo mostrou-se por demasiado aprazível. Maravilha de vinho! Viva a Nova Zelândia.

Lagosta, Caviar e Churrasco com Pinot Grigio e Marquês de Casa Concha

“A cerveja é obra do homem; o vinho, de Deus.”  Martinho Lutero

IMG_20161215_125728682.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será um pouco diferente, pois irei dar um exemplo de como escolher um bom vinho e levar para um restaurante do seu gosto pessoal. Estamos em Recife e preciso deixar aqui minha sugestão sobre a melhor churrascaria e, com certeza, um dos melhores restaurantes da cidade: Spettus Boa Viagem. A grande vantagem dele é, não apenas a alta qualidade das carnes de uma churrascaria nobre (como a Vento Haragano em São Paulo), mas também a grande variedade de frutos do mar: Polvo, Caviar, Lagosta, Camarão, etc.

Vinhos de escolha: Pinot Grigio Sachetto e Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon

Já falei no post da Zinfandel que meu vinho tinto preferido é a uva italiana Primitivo e, no caso dos vinhos brancos, a uva que mais me apetece é a Pinot Grigio (Pinot Gris na França). Ela recebe esse nome devido à sua característica acinzentada.

shutterstock_86213233Pinot-Gris.jpg
Fonte: http://www.wine.net/

A escolha dessa uva dar-se-á pela excelente combinação com a Lagosta, o caviar e os camarões devido à sua característica de possuir alta acidez, ser um vinho “crocante” (crispy) e seco. Os vinhos dessa casta são altamente cítricos com toques de avelãs e mel. Delícia de bouquet.

a97e040c870cdacbe994e0980abaa4c0.jpg
Fonte: https://faberpartner.de/
Pinot-Gris-Grigio-Infographic.jpg
Fonte: http://www.cheatsheet.com/

E a escolha do vinho será baseada na alta fidelidade em qualidade da bodega italiana sachetto.

IMG_20161215_113821831.jpg

IMG_20161215_113827583.jpg

E para a harmonização com as carnes escolheremos um verdadeiro clássico o qual considero o melhor custo benefício dos vinhos da atualidade: a linha Marquês de Casa Concha Cabernet-Sauvignon. Já falamos nos três primeiros posts sobre a qualidade e a lenda da Bodega Concha y Toro com a sua linha Casillero del Diablo que é estupenda. Porém a linha Marquês de Casa Concha é bem superior e com uma diferença de preço relativamente pequena. Com R$125 compra-se um vinho que compete de igual para igual com os vinhos Franceses ou Italianos de R$300. Esse é realmente imperdível!

IMG_20161215_113736192.jpg

Após a escolha dos vinhos, mostrarei como levá-los a um restaurante desse porte ou à casa de um amigo: usando uma bolsa de couro. O transporte também pode ser feito através de bolsas de neoprene mais baratas, mas uma maneira bem mais elegante é essa:

IMG_20161215_114523273.jpg

IMG_20161215_114543577.jpg

Chegada ao restaurante e harmonizações

O spettus boa viagem fica localizado numa área muito nobre de Recife: a praia de Boa Viagem ( a Ipanema Recifense). Mais especificamente na Avenida Domingos Ferreira. O seu proprietário é Julião Konrad, um gaúcho que, certa vez ao passar por Recife, a adorou muito e decidiu abrir um negócio na cidade.

IMG_20161215_125037997.jpg

IMG_20161215_125106986_HDR.jpg

Abaixo podemos ter uma visão da adega e do buffet da casa:

IMG_20161215_135213828.jpg

IMG_20161215_135221141.jpg

No momento em que chegamos à casa fomos muito bem recepcionados pelo sommelier: Gérson. Grande detentor de conhecimento enófilo. De pronto ele elogiou muito minhas escolhas de vinho e me passou muitas dicas. Para a primeira harmonização temos um prato com lagostas, caviar de salmão, caviar de esturjão, polvo e camarão.

IMG_20161215_125721496.jpg

Algo importante a frisar aqui é que se deve sempre beber água entre as degustações de forma a hidratar o estômago e obter o máximo de sabor.

IMG_20161215_125840202_HDR.jpg

IMG_20161215_130145912.jpg

IMG_20161215_130258793.jpg

IMG_20161215_130952107_HDR.jpg

Uma segunda harmonização que combinou bastante com o pinot grigio foi um prato com queijo do reino, queijo parmesão, aspargos, champignon, milho, caviar de esturjão e lagosta ao molho de coco.

IMG_20161215_132230896.jpg

IMG_20161215_132237466.jpg

Findo o primeiro vinho, prosseguimos com a segunda harmonização com o estupendo Marquês de Casa Concha:

IMG_20161215_133445368.jpg

Combinou muito bem com o filet mignon, cupim, bife de ancho, paleta de cordeiro, a costela premium, etc.

IMG_20161215_133504694.jpg

IMG_20161215_133757762.jpg

IMG_20161215_133916754.jpg

Paralelamente a esses fatos, conversei bastante com o Gérson e ele me deu muitas dicas de vinhos inclusive me mostrando um dos meus sonhos de consumo: o Don Melchor.

IMG_20161215_133552032.jpg

IMG_20161215_133612447.jpg

Esse vinho na internet custa cerca de R$600, mas estava sendo vendido na casa por R$800. Futuramente farei um post especial sobre ele. Interpelei o Gérson sobre se esse vinho saía muito no estabelecimento. Ele me respondeu que sim e, inclusive na semana passada, o time do palmeiras tinha ido almoçar lá e tinha requerido 10 garrafas dele. Ele também me deu uma dica de um vinho chileno para comprar de olhos fechados: Montes Alpha Cabernet Sauvignon.

IMG_20161215_133543046.jpg

Digestif

Após pensar que estava no céu e que nada podia melhorar, o maître da casa Thiago me deu uma sugestão que parecia inimaginável de sabor: um Baileys Irish Cream Frappe. O gosto do leite condensado não me permitiu tomar um só, tive de repetir a dose.

IMG_20161215_143123594.jpg

IMG_20161215_143229754.jpg

IMG_20161215_143248599.jpg

IMG_20161215_143256179.jpg

IMG_20161215_143327325.jpg

Conclusão

O exemplo desse post mostra que não é possível ir à Recife sem aproveitar as maravilhas gastronômicas que a cidade oferece. E, dentro desse contexto, a churrascaria Spettus oferece um ápice de sabor e conhecimento para todos que passam por lá. Vimos também que é possível levar os próprios vinhos de sua escolha para um restaurante e combiná-los com as mais específicas delícias.

 

Chardonnay, Camarão na Moranga e Cepas brancas

“Sem vinho, sem soldados” / ” Nas vitórias é merecido, nas derrotas é necessário” (sobre o Champagne)- Napoleão Bonaparte

chardonnay
Fonte: http://www.lodiwine.com/

Introdução

Se o mundo dos vinhos pudesse ser resumido em uma única uva tinta e uma única uva branca, com certeza a escolha para a tinta seria a Cabernet-Sauvignon e a branca seria a Chardonnay. Essa que recebe o epíteto de rainha das uvas brancas! E qual o fator mais importante que torna essa uva tão conhecida e tão famosa? Resposta: Versatilidade. Charles Darwin, no seu dito máximo, afirmou que não é o mais forte quem sobrevive, mas o que se adapta melhor. E assim é com a Chardonnay, presente em praticamente todo o mundo.

História

A origem da Chardonnay é na França e, após recentes estudos de DNA americanos, chegou-se à conclusão de que ela é filha de duas variedades de uvas: a Gouais Blanc e a Pinot Noir. Acredita-se que os romanos trouxeram a Gouais Blanc dos Bálcãs e que a cepa acabou sendo cultivada por camponeses no leste da França a partir do século III. Em estreita proximidade, crescia a Pinot Blanc da aristocracia francesa, fato que proporcionou ampla oportunidade para as uvas se cruzarem. Estudos mostram que essa fusão ocorreu em Mâconnais, na Borgonha, onde uma cidade leva o nome de Chardonnay, por volta do século XIII. Desde então, a Chardonnay passa a se tornar oficialmente uma uva vinífera.

gouais-blanc
Gouais Blanc. Fonte: wikipedia
pinot-noir-oregon
Pinot Noir. Fonte: http://olivierbourse.com/
france-with-maconnais-map
Fonte: http://burgundyandbeyond.com/

Características da Chardonnay

A chardonnay é uma uva que produz vinhos muito frutados e cítricos. Dependendo da região em que ela é plantada ela apresenta aromas bem distintos. Nos países mais quentes ela vai apresentar aromas potentes e oleosos como brioche, manteiga freca, avelã e pão tostado. Já os vinhos produzidos na Borgonha vão apresentar aromas de frutas cítricas e exóticas como abacaxi, pêssego, laranja, pêra, maçã, melão, etc. Caso seja envelhecido num barril de carvalho teremos também os aromas de baunilha e tabaco.

b8bb2649d310ac174d04c0250288a28a
Fonte: https://br.pinterest.com/
04
Fonte:http://purovino.com/

Harmonização

Futuramente teremos no blog um post específico sobre harmonização porém, de forma bem genérica, podemos aplicar a seguinte regra: vinhos tintos combinam com carnes ( brancas e vermelhas dependendo da tanicidade) e vinhos brancos combinam com peixes e frutos do mar. O chardonnay fica perfeito com camarão, logo faremos um prato altamente famoso da culinária nordestina: camarão na moranga.

Primeiro passo: escolha da moranga. É necessário uma moranga de médio para grande para essa receita.

img_20161102_105532103_hdr

O segundo passo é abrir um tampão na moranga e raspá-la para retirar todas as sementes:

img_20161102_110138476

img_20161102_111015435

Após isso devemos levar a moranga ao micro-ondas na potência máxima por 20 minutos enquanto temperamos 1 kg de camarão sem casca com sal e pimenta do reino.

img_20161102_134038

Devemos refogá-los separadamente enquanto refogamos na outra panela 1 cebola ralada, 2 a 3 colheres de azeite e alho.

img-20161102-wa0004

Após um tempo adicionamos o molho de tomate:

img-20161102-wa0003

Após os camarões estarem refogados, os juntamos à panela e deixamos ferver por 5 minutos

img-20161102-wa0002

Após isso dissolvemos 2 colheres de farinha de trigo em 100ml de leite e adicionamos à receita

img_20161102_120759171_hdr

Rapidinho teremos o ponto desejado

img_20161102_120915001

Desligamos então o fogo e adicionamos 200g de creme de leite com 200g de requeijão e, após termos misturado os dois acrescentamo-los à panela junto com um maço de cheiro verde picado:

img_20161102_121730689

Após isso, forramos a abóbora com requeijão e levamos todo o conteúdo da panela para a moranga:

img_20161102_122447071

Depois levamos ao fogo na temperatura de 220 ᵒC por 15 minutos e depois na temperatura de 280 ᵒC para gratinar por mais 10 minutos. Enquanto isso colocamos os camarões grandes numa panela com água e sal:

img_20161102_123427651

Após um tempo fervendo, eles estão prontos. Basta então tirar a cabeça e as patas para decorarmos a moranga:

img_20161102_133926

img_20161102_133958

Vinho de escolha: Chardonnay Reserva, Ventisquero 2014

O chile produz vinhos espetaculares com essa uva, também com excelente custo-benefício. E a bodega Ventisquero é um gigante no chile também, logo a escolha será por ele. O valor dele nos supermercados é na faixa de R$ 50 reais. Antes de tomá-lo devemos colocá-lo na temperatura de 9 ᵒC.

img_20161102_123107384_hdr

img_20161102_134302

img_20161102_133515

img_20161102_133758844

Conclusão

Amigos, realmente estou muito surpreso, pois foi a primeira vez que fiz essa receita e, modéstia a parte, foi uma das coisas mais gostosas que já comi na vida!! A combinação com o vinho ficou perfeita, nota 10!! Recomendo com empenho.