Coquilles-saint-jacques, estrela francesa e um bom vinho chileno

“Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

bravo-bistro.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será breve, pois falaremos rapidamente sobre uma das maiores iguarias francesas e uma das coisas mais gostosas que já comi na vida: o coquilles-saint-jacques.

Cervejas

Antes de falarmos sobre o prato principal, vamos falar sobre algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma witbier muito saborosa: a Hoegaarden.

IMG_20170310_211419431.jpg

IMG_20170310_211621350.jpg

A semente de coentro e a casca de laranja encontram-se muito bem harmonizados nessa cerveja, quem não provou vale a pena provar.

IMG_20170311_222352882.jpg

IMG_20170311_222811019.jpg

Essa segunda weissbier é bastante famosa por ser produzida pela cervejaria mais antiga do mundo que ainda encontra-se em atividade: a Weihenstephaner. Weihenstephan é uma cervejaria e uma marca de cerveja da região alemã da Baviera. É considerada a cerveja mais antiga do mundo (artesanal ou industrial), sendo vendida desde 1040 e fabricada desde os anos 800.

IMG_20170311_224250264.jpg

IMG_20170311_224501192.jpg

Essa terceira é bastante diferente das outras e confesso que não foi muito de meu apreço. Acredito que eles erraram na mão na quantidade de casca de laranja que ela possui. Mas não deixa de ser uma boa cerveja.

Coquilles-saint-jacques

No Brasil esse molusco é muito raro de se encontrar até mesmo em casas mais especializadas. Aqui ele é vendido com o nome de vieira:

coquille.jpg
Coquilles Saint Jacques, em peixaria. Foto de David Jones no Flickr

coquilles-saint-jacques-a-la-dieppoise.jpeg

Ele é um prato famosíssimo na França principalmente no inverno.

Bravo Bistrô

Amigos, quero deixar aqui registrado uma excelente opção de bistrô em São Paulo. Confesso que me surpreendi muito positivamente com o lugar. Bem aconchegante e com excelente atendimento. Fica localizado na Mooca.

11855636_861966500564233_4064413322919759356_n.jpg

Abaixo segue-se o link para o site deles:

http://bravobistro.com.br/

Como escolha de vinho para acompanhar as vieiras escolheremos um clássico: Brisa Chardonnay Vistamar.

IMG_20170325_205503696.jpg

IMG_20170325_205717607.jpg

E para acompanhar uma boa massa de frutos do mar vamos de um rosé italiano bem fresco:

IMG_20170325_205839215.jpg

IMG_20170325_205920127.jpg

Para entrada escolhemos umas bruschettas deliciosas:

IMG_20170325_213341296.jpg

IMG_20170325_213436436.jpg

E como prato principal escolhi as vieiras:

IMG_20170325_204741497.jpg

bravo-bistro

IMG_20170325_215605679.jpg

Minha esposa escolheu o Tagliatelli ao Frutos do Mar

IMG-20170325-WA0093.jpg

IMG-20170325-WA0111

Conclusão

Com certeza esse foi um dos pratos mais gostosos que eu já comi na vida. Recomendo com empenho o bistrô!!

Chardonnay, Camarão na Moranga e Cepas brancas

“Sem vinho, sem soldados” / ” Nas vitórias é merecido, nas derrotas é necessário” (sobre o Champagne)- Napoleão Bonaparte

chardonnay
Fonte: http://www.lodiwine.com/

Introdução

Se o mundo dos vinhos pudesse ser resumido em uma única uva tinta e uma única uva branca, com certeza a escolha para a tinta seria a Cabernet-Sauvignon e a branca seria a Chardonnay. Essa que recebe o epíteto de rainha das uvas brancas! E qual o fator mais importante que torna essa uva tão conhecida e tão famosa? Resposta: Versatilidade. Charles Darwin, no seu dito máximo, afirmou que não é o mais forte quem sobrevive, mas o que se adapta melhor. E assim é com a Chardonnay, presente em praticamente todo o mundo.

História

A origem da Chardonnay é na França e, após recentes estudos de DNA americanos, chegou-se à conclusão de que ela é filha de duas variedades de uvas: a Gouais Blanc e a Pinot Noir. Acredita-se que os romanos trouxeram a Gouais Blanc dos Bálcãs e que a cepa acabou sendo cultivada por camponeses no leste da França a partir do século III. Em estreita proximidade, crescia a Pinot Blanc da aristocracia francesa, fato que proporcionou ampla oportunidade para as uvas se cruzarem. Estudos mostram que essa fusão ocorreu em Mâconnais, na Borgonha, onde uma cidade leva o nome de Chardonnay, por volta do século XIII. Desde então, a Chardonnay passa a se tornar oficialmente uma uva vinífera.

gouais-blanc
Gouais Blanc. Fonte: wikipedia
pinot-noir-oregon
Pinot Noir. Fonte: http://olivierbourse.com/
france-with-maconnais-map
Fonte: http://burgundyandbeyond.com/

Características da Chardonnay

A chardonnay é uma uva que produz vinhos muito frutados e cítricos. Dependendo da região em que ela é plantada ela apresenta aromas bem distintos. Nos países mais quentes ela vai apresentar aromas potentes e oleosos como brioche, manteiga freca, avelã e pão tostado. Já os vinhos produzidos na Borgonha vão apresentar aromas de frutas cítricas e exóticas como abacaxi, pêssego, laranja, pêra, maçã, melão, etc. Caso seja envelhecido num barril de carvalho teremos também os aromas de baunilha e tabaco.

b8bb2649d310ac174d04c0250288a28a
Fonte: https://br.pinterest.com/
04
Fonte:http://purovino.com/

Harmonização

Futuramente teremos no blog um post específico sobre harmonização porém, de forma bem genérica, podemos aplicar a seguinte regra: vinhos tintos combinam com carnes ( brancas e vermelhas dependendo da tanicidade) e vinhos brancos combinam com peixes e frutos do mar. O chardonnay fica perfeito com camarão, logo faremos um prato altamente famoso da culinária nordestina: camarão na moranga.

Primeiro passo: escolha da moranga. É necessário uma moranga de médio para grande para essa receita.

img_20161102_105532103_hdr

O segundo passo é abrir um tampão na moranga e raspá-la para retirar todas as sementes:

img_20161102_110138476

img_20161102_111015435

Após isso devemos levar a moranga ao micro-ondas na potência máxima por 20 minutos enquanto temperamos 1 kg de camarão sem casca com sal e pimenta do reino.

img_20161102_134038

Devemos refogá-los separadamente enquanto refogamos na outra panela 1 cebola ralada, 2 a 3 colheres de azeite e alho.

img-20161102-wa0004

Após um tempo adicionamos o molho de tomate:

img-20161102-wa0003

Após os camarões estarem refogados, os juntamos à panela e deixamos ferver por 5 minutos

img-20161102-wa0002

Após isso dissolvemos 2 colheres de farinha de trigo em 100ml de leite e adicionamos à receita

img_20161102_120759171_hdr

Rapidinho teremos o ponto desejado

img_20161102_120915001

Desligamos então o fogo e adicionamos 200g de creme de leite com 200g de requeijão e, após termos misturado os dois acrescentamo-los à panela junto com um maço de cheiro verde picado:

img_20161102_121730689

Após isso, forramos a abóbora com requeijão e levamos todo o conteúdo da panela para a moranga:

img_20161102_122447071

Depois levamos ao fogo na temperatura de 220 ᵒC por 15 minutos e depois na temperatura de 280 ᵒC para gratinar por mais 10 minutos. Enquanto isso colocamos os camarões grandes numa panela com água e sal:

img_20161102_123427651

Após um tempo fervendo, eles estão prontos. Basta então tirar a cabeça e as patas para decorarmos a moranga:

img_20161102_133926

img_20161102_133958

Vinho de escolha: Chardonnay Reserva, Ventisquero 2014

O chile produz vinhos espetaculares com essa uva, também com excelente custo-benefício. E a bodega Ventisquero é um gigante no chile também, logo a escolha será por ele. O valor dele nos supermercados é na faixa de R$ 50 reais. Antes de tomá-lo devemos colocá-lo na temperatura de 9 ᵒC.

img_20161102_123107384_hdr

img_20161102_134302

img_20161102_133515

img_20161102_133758844

Conclusão

Amigos, realmente estou muito surpreso, pois foi a primeira vez que fiz essa receita e, modéstia a parte, foi uma das coisas mais gostosas que já comi na vida!! A combinação com o vinho ficou perfeita, nota 10!! Recomendo com empenho.