Vinhos do Líbano, Comida árabe e o pinotage da África do Sul

“A melhor maneira de introduzir amigos ao mundo do vinho é abrir garrafas melhores do que eles estão acostumados, mas só falar de suas virtudes caso lhe seja perguntado.” (Jancis Robinson)

IMG_20170408_133554954_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post nos remeterá ao início da cultura vinícola do mundo: o Líbano. Teremos alguns vinhos de diferentes regiões do mundo também como a África do Sul, a Itália, a Argentina, etc. Este é o terceiro encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o segundo encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma excelente cerveja de trigo russa: a Baltika número 8. Ela é produzida na cidade histórica de São Petersburgo.

IMG_20170401_213801126.jpg

IMG_20170401_213814508.jpg

IMG_20170401_213918244.jpg

IMG_20170401_214259107.jpg

Apresenta espuma densa e generosa, suave aroma frutado com toques picantes e suave adocicado.

IMG_20170407_214457972.jpg

IMG_20170407_214520543.jpg

IMG_20170407_214925676.jpg

Essa segunda eu me arrisco a dizer que é a cerveja mais icônica do mundo, pois foi a receita que originou todas as outras cervejas do tipo Pilsen do mundo. Para quem gosta de cerveja, o conhecimento desta é obrigatório. Possui um amargor bem característico e lembra de longe a cerveja Heineken.

IMG_20170407_223000565

IMG_20170407_223013777

IMG_20170407_223633274

Embora já tenha comentado sobre a weihenstephaner num post anterior e sobre a sua importância por ser a cervejaria mais antiga do mundo ainda em atividade, hoje eu trago a cerveja que recebe mais títulos no mundo como a melhor em seu estilo weizenbock: a Vitus. Vale a pena conferir.

Início do evento

Amigos, hoje estamos na casa do Daniel e da Cláudia, a qual, por ser descendente de Libaneses fez um banquete árabe maravilhoso:

IMG_20170408_133544780_HDR

Kibe com coalhada, homus, etc.

IMG_20170408_133554954_HDR

IMG_20170408_133615289

IMG_20170408_140838333_HDR

IMG-20170408-WA0003.jpg

A Cláudia também possui um blog muito legal chamado moda no trabalho. Vou deixar o link para ele aqui:

http://modanotrabalho.com.br/

Para acompanhar essas delícias temos uma seleção de peso de vinhos:

IMG-20170408-WA0002

IMG_20170408_132949714

Como o evento é temático, trouxemos alguns vinhos do Líbano. Apesar de serem pouco conhecidos mundialmente, eles possuem grande qualidade e seguem a linha francesa desde que algumas das vinícolas famosas foram plantadas por monges franceses. O Líbano possui três grandes casas produtoras de vinho: o Chateau Musar, o Chateau Ksara e o Chateau Kefraya.

IMG_20170408_120132630

IMG_20170408_120150088

IMG_20170408_133046796

IMG_20170408_133056655

IMG_20170408_133010402_HDR

IMG_20170408_133015636

IMG_20170408_160240557

Além dos vinhos do Líbano temos alguns bons exemplos como um bom Pinotage da África do Sul. Quem nunca tomou um vinho dessa uva com certeza vai perceber a diferença deles para os outros na primeira degustação. A variedade Pinotage foi criada em 1925, por Abraham Izak Perold (1880 – 1941), sul-africano descente de franceses, PhD em química, e fluente em 8 idiomas. O nome deriva da uva Pinot Noir mais a uva Cinsault (que quando chegou a África do Sul recebeu o nome de Hermitage). É uma uva singular porque combina com quase tudo, vale a pena experimentar.

pinotage
https://capreo.com
aromas-in-pinotage.jpg
https://winefolly.com

IMG_20170408_120215985_HDR.jpg

IMG_20170408_120220314.jpg

IMG_20170408_120233541.jpg

Um dos amigos escolheu um vinho rosé francês do mediterrâneo 100% grenache:

IMG_20170408_134619691.jpg

IMG_20170408_134628491.jpg

E um Rosé Italiano do tipo Pinot Grigio:

IMG_20170408_134703559.jpg

IMG_20170408_134720304.jpg

E finalmente tivemos também um dos Malbec mais conhecidos no mundo: o Norton.

IMG_20170408_140539896_HDR.jpg

IMG_20170408_140543956.jpg

IMG_20170408_140552403.jpg

Para começar nossa degustação iniciaremos com um grande clássico do mundo dos vinhos como já falei anteriormente que essa é minha uva branca favorita: Pinot Grigio.

IMG_20170408_132934898_HDR.jpg

Um detalhe para a toalha da mesa que também possui origem libanesa:

IMG_20170408_133233261.jpg

IMG_20170408_133902253.jpg

IMG_20170408_141142686.jpg

Comecemos então com esse Francês bem fresco e levemente adocicado.

IMG_20170408_141436863.jpg

Mas nem se comparou com esse tinto do Líbano: um espetáculo de vinho. A sensação que eu tive era que eu estava tomando um Grand Vin de Bordeaux. Se me colocassem uma venda nos olhos com certeza diria que era um legítimo Bordeaux. Nota 10.

IMG_20170408_141445021.jpg

Depois seguimos também com o outro tinto do Líbano. Também é um grande vinho porém com uma qualidade um pouco menor do que o anterior!

IMG_20170408_142953980.jpg

Provamos o Norton também:

IMG_20170408_150628443.jpg

Já o Pinotage também ganhou posição de destaque nessa festa, um grande vinho!!!

IMG_20170408_151449243.jpg

Mais uma vez o Líbano ganhou meu respeito como produtor de vinhos. Tomar vinhos de lá é como tomar vinhos franceses!!

IMG_20170408_160506859.jpg

E por último temos o italiano rosé muito suave e agradável:

IMG_20170408_172027628.jpg

IMG_20170408_165646658.jpg

Provamos também uma vodca polonesa maravilhosa que o Daniel trouxe da sua última viagem à Polônia:

IMG_20170408_160057279.jpg

IMG_20170408_161529329.jpg

IMG-20170408-WA0013.jpg

IMG-20170422-WA0010

Dessert

Após os pratos maravilhosos temos ainda doces genuinamente árabes:

IMG_20170408_145611527.jpg

Conclusão

Daniel, Cláudia, familiares e amigos da Confraria, foi um prazer muito grande esses momentos com vocês! E para nossos queridos leitores recomendo com empenho os vinhos do Líbano e o Pinotage da África do Sul, sem esquecer dos outros vinhos mostrados no post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Coquilles-saint-jacques, estrela francesa e um bom vinho chileno

“Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

bravo-bistro.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será breve, pois falaremos rapidamente sobre uma das maiores iguarias francesas e uma das coisas mais gostosas que já comi na vida: o coquilles-saint-jacques.

Cervejas

Antes de falarmos sobre o prato principal, vamos falar sobre algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma witbier muito saborosa: a Hoegaarden.

IMG_20170310_211419431.jpg

IMG_20170310_211621350.jpg

A semente de coentro e a casca de laranja encontram-se muito bem harmonizados nessa cerveja, quem não provou vale a pena provar.

IMG_20170311_222352882.jpg

IMG_20170311_222811019.jpg

Essa segunda weissbier é bastante famosa por ser produzida pela cervejaria mais antiga do mundo que ainda encontra-se em atividade: a Weihenstephaner. Weihenstephan é uma cervejaria e uma marca de cerveja da região alemã da Baviera. É considerada a cerveja mais antiga do mundo (artesanal ou industrial), sendo vendida desde 1040 e fabricada desde os anos 800.

IMG_20170311_224250264.jpg

IMG_20170311_224501192.jpg

Essa terceira é bastante diferente das outras e confesso que não foi muito de meu apreço. Acredito que eles erraram na mão na quantidade de casca de laranja que ela possui. Mas não deixa de ser uma boa cerveja.

Coquilles-saint-jacques

No Brasil esse molusco é muito raro de se encontrar até mesmo em casas mais especializadas. Aqui ele é vendido com o nome de vieira:

coquille.jpg
Coquilles Saint Jacques, em peixaria. Foto de David Jones no Flickr

coquilles-saint-jacques-a-la-dieppoise.jpeg

Ele é um prato famosíssimo na França principalmente no inverno.

Bravo Bistrô

Amigos, quero deixar aqui registrado uma excelente opção de bistrô em São Paulo. Confesso que me surpreendi muito positivamente com o lugar. Bem aconchegante e com excelente atendimento. Fica localizado na Mooca.

11855636_861966500564233_4064413322919759356_n.jpg

Abaixo segue-se o link para o site deles:

http://bravobistro.com.br/

Como escolha de vinho para acompanhar as vieiras escolheremos um clássico: Brisa Chardonnay Vistamar.

IMG_20170325_205503696.jpg

IMG_20170325_205717607.jpg

E para acompanhar uma boa massa de frutos do mar vamos de um rosé italiano bem fresco:

IMG_20170325_205839215.jpg

IMG_20170325_205920127.jpg

Para entrada escolhemos umas bruschettas deliciosas:

IMG_20170325_213341296.jpg

IMG_20170325_213436436.jpg

E como prato principal escolhi as vieiras:

IMG_20170325_204741497.jpg

bravo-bistro

IMG_20170325_215605679.jpg

Minha esposa escolheu o Tagliatelli ao Frutos do Mar

IMG-20170325-WA0093.jpg

IMG-20170325-WA0111

Conclusão

Com certeza esse foi um dos pratos mais gostosos que eu já comi na vida. Recomendo com empenho o bistrô!!

White Zinfandel, Vinho Rosé e Salmão ao Molho de Alcaparras

“O vinho é o mais belo presente que Deus fez aos homens.” (Platão)

ZinJohnHensley.JPG
Fonte: http://pasowine.com/

Introdução

Apesar de já termos falado sobre a zinfandel no tópico sobre os EUA, senti que foi criado um vácuo em relação ao tipo de vinho mais famoso consumido lá (a sua versão mais “fraca”, por assim dizer): o seu rosé White Zinfandel. Então esse será nosso primeiro post a falarmos de uma maneira geral sobre os vinhos rosés. Estudos comprovam que 1 em cada 10 dos vinhos consumidos nos EUA são do tipo White Zinfandel.

Características dos vinhos White Zinfandel

Os vinhos do tipo White Zinfandel são odiados por muitos apreciadores de bons vinhos principalmente porque eles são adocicados e mais baratos do que outros tipos de vinho. Os rosés muitas vezes não são considerados “como vinhos” por estarem em cima do muro: nem são brancos e nem são tintos.

Os vinhos do tipo White Zinfandel apresentam aromas muito parecidos com os Zinfandel como frutas negras e vermelhas como cassis, groselha, framboesa, cereja, ameixa, etc.

Harmonização

Devido à sua baixa tanicidade, o prato de escolha para esse tipo de vinho será um peixe e, especificamente, um salmão. Faremos um salmão ao molho de alcaparras com batata sauté como acompanhamento.

Vinho de escolha: Robert Mondavi Woodbridge White Zinfandel, Califórnia 2014

Falamos bastante no nosso último post sobre a Zinfandel e os EUA sobre a alta qualidade dos vinhos produzidos no Napa Valley e, sobre seu lendário idealizador, Robert Mondavi. Logo, de forma a não errarmos, faremos a escolha pelos vinhos produzidos e idealizados pelo “Steve Jobs” do mundo do vinho americano.

IMG_20161202_195059196.jpg

Receita do Salmão ao molho de Alcaparras

Tomamos uma peça de um bom salmão

IMG_20161202_204335749.jpg

IMG_20161202_205018858.jpg

Cortamo-lo em pedaços de média espessura

IMG_20161202_205041388.jpg

Depois o temperamos com sal e pimenta do reino branca

IMG_20161202_205708477.jpg

IMG_20161202_210024573.jpg

Deixamo-lo descansar enquanto levamos as batatas para cozinhar

IMG_20161202_210136700.jpg

A fim de “selarmos” o salmão, vamos levá-lo à frigideira com um leve fio de óleo e deixar cada lado dele por aproximadamente 4 minutos num fogo médio. As laterais dele deixaremos por 1 minuto apenas:

IMG_20161202_210432892.jpg

Após esse tempo tiramos o salmão da frigideira e deixamo-lo descansar enquanto terminamos de fazer as batatas. Descascamo-las:

IMG_20161202_212953479.jpg

Cortamo-las ao meio e levamo-las a uma frigideira com um fio de azeite ou manteiga e temperamo-las com sal e orégano:

IMG_20161202_214531640.jpg

Enquanto isso preparamos o molho de alcaparras na mesma frigideira usada para selar o salmão. Alho a gosto:

IMG_20161202_212149590.jpg

5 colheres de sopa de manteiga

IMG_20161202_212232282.jpg

50g de alcaparras

IMG_20161202_212204602.jpg

Suco de 1/2 limão

IMG_20161202_212358709.jpg

Sal e pimenta a gosto. Depois juntamos as peças que estavam fora da panela ao molho e deixamos por um pouco de tempo:

IMG_20161202_214503599.jpg

Conclusão

Et voilà, combinação perfeita:

IMG_20161202_215256955.jpg

IMG_20161202_215401185.jpg