Harmonizando Bobó de Camarão e Moqueca com Vinhos

“O vinho é uma das coisas mais civilizadas do mundo e uma das coisas mais naturais do mundo que alcançou a maior perfeição. Oferece uma gama maior para o prazer e apreciação do que possivelmente qualquer outra coisa puramente sensorial.” Ernest Hemingway

IMG_20171012_134832659_HDR.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será sobre como harmonizar Bobó de Camarão e Moqueca de Peixe com vinhos. Esse evento também é o oitavo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sétimo encontro, basta clicar aqui.

Confraria Távola Di Amici

Amigos, estamos hoje mais uma vez na casa dos queridos Daniel e Cláudia numa oportunidade única de poder degustar um bobó de camarão dos deuses junto com uma moqueca de peixe.

IMG_20171012_134847307.jpg

IMG_20171012_134842816_HDR.jpg

No quesito da harmonização o ideal é o uso de qualquer vinho branco. Mas especificamente esse é um prato que pede um vinho mais encorpado como um Chardonnay ou um Viognier. Mas a combinação com outros brancos ou rosés também fica perfeita.

IMG_20171012_115157090_HDR.jpg

A minha primeira escolha foi de modo a podermos celebrar um pouco mais dos vinhos que nosso país produz: Casa Valduga Chardonnay 2015.

IMG_20171012_115201513.jpg

IMG_20171012_115216090_HDR.jpg

IMG_20171012_115221178.jpg

IMG-20171014-WA0048.jpg

Esse é um vinho que, ao mesmo tempo em que emociona, traz também a decepção de não corresponder ao seu preço. É um grande vinho e traz orgulho ao Brasil, porém é caro por demasiado. É encorpado e embalado por aromas cítricos porém apresenta características mais rústicas como acidez um pouco elevada quando comparado com um chileno por exemplo. Achei que valeu muito a pena degustá-lo como conhecimento porém com R$80 (ou muito menos) compra-se um vinho chileno de qualidade muito superior.

IMG_20171012_115240904.jpg

A viognier é uma uva que se encaixa perfeitamente nessa classificação de vinhos brancos encorpados, porém é muito rara no Brasil e seus vinhos possuem valores elevados. Optei então por uma versão Argentina bem mais barata. Ampakama Viognier 2016.

IMG_20171012_115244731.jpg

IMG_20171012_115253680.jpg

IMG-20171014-WA0011.jpg

Conforme expliquei esse é um vinho no máximo para o dia-a-dia e, nessa perspectiva, cumpre o prometido!

IMG_20171012_132037826.jpg

Mas a prata da casa ainda estava por vir. Apesar da Sauvignon Blanc produzir vinhos brancos leves, ela também harmoniza bem com os pratos em questão. E conforme falamos sobre os vinhos da Nova Zelândia num post anterior, sabemos que é lá onde se produzem os melhores Sauvignon Blanc do mundo. Sileni The Straits Sauvignon Blanc 2015.

IMG_20171012_132043721.jpg

IMG_20171012_132054001_HDR.jpg

IMG_20171012_132057461_HDR.jpg

Esse é sem sombra de dúvidas um vinho que todos devem conhecer antes de morrer. Altamente aromático com presença de frutas tropicais como a goiaba embala qualquer boa refeição envolvendo frutos do mar.

IMG_20171012_135826250.jpg

Outro grande vinho que harmonizou muito bem com a refeição foi o Viña Tarapacá Sauvignon Blanc Gran Reserva 2013. Vinho bem estruturado com presença forte de madeira.

IMG-20171014-WA0020.jpg

IMG_20171012_150420089.jpg

Como entrada tivemos um espumante italiano simples mas excelente para um bom começo de refeição. Spumante Valdorella.

IMG_20171012_132931755.jpg

IMG_20171012_132937221.jpg

IMG_20171012_132944329.jpg

IMG_20171012_133350993.jpg

Outros amigos escolheram utilizar vinhos rosés como harmonização. Como vimos no post sobre como um vinho é feito, o estilo rosé pode ser feito com qualquer uva e eles podem ser levemente adocicados ou secos.

IMG_20171012_132156761.jpg

IMG_20171012_132200192.jpg

IMG_20171012_132209225.jpg

Esse é um vinho digno de apreciação e harmonizou muito bem com a comida. A despeito da presença de aromas cítricos adocicados como a tangerina ele é um vinho seco e mineral. Boya 2016 Rosé.

IMG_20171012_142712203.jpg

Depois da parada no Chile é hora de voltarmos ao canônico velho mundo: Itália. Stinca Cantine Rosato. Rosé agradabilíssimo.

IMG_20171012_131706219.jpg

IMG_20171012_131714631.jpg

IMG_20171012_144159798.jpg

IMG-20171014-WA0013.jpg

O próximo da lista eu fiquei bem surpreso pois nunca tinha visto um rosé de Cabernet Sauvignon! Santa Digna Reserva Cabernet Sauvignon Rosé 2016.

IMG_20171012_131612064_HDR.jpg

IMG-20171014-WA0059.jpg

Esse ficou melhor pós-refeição como digestivo devido ao seu paladar mais adocicado! Não poderíamos nos esquecer de nossas raízes portuguesas: Muralhas de Monção Vinho Verde.

IMG_20171012_134328636.jpg

IMG_20171012_134339995.jpg

Por fim tivemos também a presença americana do seu vinho mais consumido: White Zinfandel. Sutter Home White Zinfandel. Caso queira saber mais sobre esse vinho clique aqui para ir ao post sobre ele.

IMG-20171014-WA0054.jpg

Conclusão

Excelentes harmonizações embora ache que os mais adocicados combinaram mais no pós refeição do que junto com a comida em si!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Teste cego de Bordeaux Chileno Versus Grand Vin de Bordeaux

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170527_201241667.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post bem diferente do que estamos habituados aqui no blog pois ele será o cumprimento de uma promessa feita desde o nosso primeiro post (link). Desde o começo temos falado que vinhos chilenos e argentinos possuem a mesma qualidade que os europeus mas ainda não fizemos nenhuma comprovação prática no blog salvo no último post (link). Hoje iremos comparar na prática um vinho premiado do chile com outro premiado de Bordeaux (região produtora de vinhos mais famosa do mundo).

Teste Cego

Aqui no blog já tivemos a oportunidade de falarmos sobre teste cego inclusive daquele que foi o mais famoso já feito: O Julgamento de Paris de 1976 (link). Nesse ano pela primeira vez vinhos americanos desbancaram vinhos franceses que até então eram cridos serem imbatíveis.

Paris_tasting_judges.jpg
Julgamento de Paris de 1976

o-julgamento-de-paris.jpg

Recentemente, Eduardo Chadwick decidiu provar que seus vinhos de aproximadamente R$500 eram melhores do que renomados franceses de até mesmo R$17.400 como o Château Lafite-Rothschild 2000 e promoveu vários testes cegos com diversos especialistas.

1003931x.jpg

E o resultado foi como ele esperava: seus vinhos eram melhores do que os franceses e os italianos. Se alguém quiser saber mais detalhadamente sobre esse evento basta clicar no link abaixo:

http://vinho.ig.com.br/index.php/2013/07/05/chadwick-o-chileno-que-desafia-e-ganha-dos-franceses/

O canal Vox do youtube também fez um vídeo mostrando que é idiotice pensar que um vinho muito caro é necessariamente melhor do que um mais barato. É lógico que um vinho de qualidade não é tão barato, mas é uma ilusão achar que porque ele é muito caro ele é muito melhor. Confiram o link:

https://www.youtube.com/watch?v=mVKuCbjFfIY&feature=share

Vinhos de escolha

Mas para se realizar um teste adequado é necessário comparar semelhantes. Não se compara banana com abacaxi. Devido à diferença de moeda é possível comprar um vinho muito top chileno por cerca de R$100-150, mas um da mesma qualidade europeu (Francês ou Italiano) não sai por menos de R$200. Outro ponto importante é compararmos vinhos de uvas e/ou blends semelhantes. Bordeaux praticamente só produz assemblages (vinhos com mais de uma uva diferentes, normalmente Cabernet-Sauvignon, Merlot e Cabernet-Franc) enquanto que vinhos do Chile e os do Novo Mundo em geral são feitos quase sempre com uma única uva.

Montes Alpha Cabernet-Sauvignon 2011

IMG_20170527_195732103.jpg

IMG_20170527_195742951.jpg

Do lado chileno temos uma lenda que é um verdadeiro clássico da América do Sul. O Montes Alpha foi o primeiro grande tinto chileno, inspirado nos melhores vinhos de Bordeaux. Foi eleito o “melhor Bordeaux chileno” pela revista Decanter, e equivale em qualidade a um “cru bourgeois” de preço três ou quatro vezes maior! Concentrado e refinado, com muita estrutura, camadas e mais camadas de fruta madura e um elegante final de boca. Um vinho excelente, de imbatível relação qualidade/preço. Esse foi o vinho recomendado pelo sommelier Gérson num post anterior do Blog (link). Apesar de possuir o nome Cabernet-Sauvignon ele é um blend com outras uvas como a Merlot. Custa em média R$120-150.

Château Villa Bel Air 2010

IMG_20170527_195639537.jpg

IMG_20170527_195655334.jpg

Do lado Francês temos outra lenda que é considerado como um dos maiores representantes dos vinhos de Bordeaux. Um vinho realmente apetitoso na opinião de Jancis Robinson e um livro texto da região de Graves nas palavras de Robert Parker, o Château Villa Bel-Air é um Bordeaux cheio de personalidade, combinando as castas Cabernet Sauvignon (40%), Merlot (50%) e Cabernet Franc (10%) de vinhedos plantados nos famosos solos da região, repletos de pedregulhos. Elaborado com maestria pela família Cazes, do famoso Château Lynch Bages, é um grande achado de Bordeaux. Uma garrafa padrão de 750ml dele corresponde a aproximadamente R$230-260. Por sorte consegui comprar uma meia garrafa numa promoção.

O embate

IMG_20170527_201241667

Durante o teste cego os participantes tiveram opiniões bem semelhantes. Os dois vinhos possuem boa estrutura e apresentam alto grau de qualidade, mas o da esquerda (taça maior e mais alongada) se mostrou bem superior no quesito aromas e retrogosto. Esse é realmente um vinho muito aromático e agradável ao nariz; na boca eles são bem semelhantes mas o retrogosto do da esquerda é também muito superior e agradável. O fim dele é longo, muito persistente e saboroso. Enquanto que o da direita possui um final seco, levemente amargo e desagradável. Devido a essas características, o da esquerda foi escolhido por unanimidade como o melhor vinho. O resultado é o que se segue:

IMG_20170527_203037226.jpg

Ou seja, o Chileno se saiu como vitorioso para minha surpresa, pois eu pensei que o melhor era o Francês!! Isso apenas confirma o que foi dito no post anterior (link): é no Chile que a Cabernet-Sauvignon encontra sua expressão máxima!!

Harmonização

Os vinhos do tipo Bordeaux harmonizam muito bem com um bom pernil de cordeiro (gigot d’agneau) mas, infelizmente dessa vez eu não acertei a mão da receita e prometo que eu refá-la-ei em breve aqui no blog. Por enquanto deixo as fotos da tentativa:

IMG_20170527_185232014.jpg

IMG_20170527_204541344.jpg

Conclusão

Conseguimos comprovar o que venho dizendo desde o começo do blog: um vinho não é melhor do que outro necessariamente por ser mais caro ou por ser de um lugar muito consagrado como Bordeaux ou Bourgogne. Mas ao mesmo tempo quero frisar aqui que não é meu objetivo afirmar que os vinhos franceses são inferiores aos chilenos ou a qualquer outro, mas encorajar a todos que provem e aproveitem todos os tipos de vinhos, franceses ou não. Em breve espero estar trazendo mais vinhos franceses aqui no blog. Abraços e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Fettuccine verde ao molho pomodoro, frango na cerveja e duelo de shiraz australiano com chileno

 “Os homens são como os vinhos: a idade azeda os maus e apura os bons.” Cícero

IMG_20170521_143850936.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje iremos falar sobre como combinar massas com vinhos e faremos um teste cego para decidirmos qual o melhor Shiraz: australiano ou argentino?

Cervejas

Começaremos falando sobre uma cerveja japonesa que tem se popularizado bastante no Brasil: Kirin Ichiban.

IMG_20170504_195405572.jpg

IMG_20170504_195505158.jpg

Essa é uma cerveja que pode ser tida como uma boa opção para o público brasileiro em geral por se tratar de uma puro malte de bom custo benefício.A segunda é uma witbier espanhola: Estrella Damm Inedit.

IMG_20170513_240614527.jpg

IMG_20170513_240646009.jpg

IMG_20170513_240849529.jpg

Essa é uma cerveja artesanal espanhola criada em parceria com o chef Ferran Adrià, do Restaurante El Bulli. Combina maltes de cevada e trigo, lúpulos, coentro, casca de laranja e alcaçuz, e passa por segunda fermentação na garrafa para ganhar complexidade. Frutada e floral no aroma, adocicada no paladar. É cremosa, fresca, frisante e de final agradável. A terceira cerveja é uma Weiss alemã muito conhecida: Erdinger Urweisse.

IMG_20170513_243345952.jpg

IMG_20170513_243355207.jpg

IMG_20170513_243804690.jpg

Como todos sabem, a Erdinger tradicional é a cerveja de trigo mais consumida do mundo. Já a Urweisse é produzida apenas com o processo de alta fermentação nos tanques (não é refermentada na garrafa), mantendo assim as características típicas de uma cerveja Weiss, com aroma e paladar complexos, rico em notas frutadas.

Características da Shiraz

Amigos, já tivemos aqui no blog um post sobre o vinho que é considerado o melhor Shiraz do mundo: o Crozes-Hermitage (link para o post). E hoje vamos falar sobre o país que produz os segundos melhores Shiraz: a Austrália. Mas quais são as características dessa uva tão famosa?

Syrah-wine-guide.jpg
Fonte: http:\\www.winefolly.com

A Shiraz é uma das uvas mais antigas usadas para fazer vinho datando dos gregos e romanos. Ela tem origem no vale do Rhone na França e possui aromas deliciosos de amoras, chocolate, pimenta, baunilha, tabaco e cogumelos:

frequent-aromas-in-shiraz.png

8332586b318b7903f5b6ed985f28ff44.jpg
Fonte: https://br.pinterest.com

Harmonização e Teste Cego

Hoje vamos escolher uma massa para harmonizar com essa uva maravilhosa. O prato de escolha será um fettuccine verde (leva espinafre na massa) ao molho pomodoro e um frango na cerveja.

IMG_20170521_131129103_HDR.jpg

IMG_20170521_131327728_HDR (1).jpg

IMG_20170521_131358949_HDR.jpg

IMG_20170521_131216812_HDR.jpg

IMG_20170521_131154305.jpg

Enquanto a comida vai sendo preparado podemos ir saboreando um delicioso pão caseiro com queijos e uma boa cerveja.

IMG_20170521_131229442.jpg

IMG_20170521_132033940.jpg

Ou uma caipiroska feita com uma maravilhosa vodka francesa: Cîroc.

IMG_20170521_142455252.jpg

IMG_20170521_134023756.jpg

IMG_20170521_135744798.jpg

IMG_20170521_143850936.jpg

IMG_20170521_142735636.jpg

IMG_20170521_144738659.jpg

Com a comida pronta podemos começar o embate entre os dois vinhos: Chileno ou Australiano?

IMG_20170521_120512741.jpg

IMG_20170521_120539915.jpg

IMG_20170521_143036559.jpg

IMG_20170521_143136832.jpg

IMG_20170521_143402858.jpg

IMG_20170521_143937917.jpg

No teste cego realizado entre as 5 pessoas presentes, todas foram unânimes em escolher o Australiano, o qual se mostrou bem superior tanto no bouquet quanto na boca. Testamos também como harmonização um pinot noir californiano (redwood creek) e um cabernet-sauvignon da África do Sul.

IMG_20170521_150038292.jpg

IMG_20170521_150232986.jpg

IMG_20170521_150243986.jpg

IMG_20170521_150136724.jpg

IMG_20170521_151320549.jpg

E o pinot noir mais uma vez foi a bola da vez ganhando no quesito harmonização!

IMG_20170521_162742446

IMG_20170521_162745843.jpg

IMG_20170521_163234921.jpg

Sobremesa

Para a torta de limão tivemos uma seleção de drinks:

IMG_20170521_155515031.jpg

Licor 43:

IMG_20170521_154925395.jpg

Bellini e Rossini:

IMG_20170521_155111304.jpg

IMG_20170521_155127818.jpg

IMG_20170521_155247234.jpg

IMG_20170521_155447270.jpg

IMG_20170521_155454488.jpg

IMG_20170521_155501495.jpg

IMG_20170521_162405189.jpg

IMG_20170521_155540915.jpg

Conclusão

Dessa vez o australiano se sobressaiu ao chileno mas para a harmonização com a comida o pinot noir californiano surgiu incólume!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Don Melchor, o melhor vinho chileno e a churrascaria Vento Haragano

“Nunca fiz amigos bebendo leite, por isso bebo vinho.” Silas Sequetin

IMG_20170324_204033007.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será o cumprimento de uma promessa que eu fiz num post anterior sobre poder degustar o melhor vinho do Chile e, sem perda de generalidade, o melhor Cabernet-Sauvignon do mundo. Já falei várias vezes que essa denominação de o melhor do mundo é relativa mas, em questão de Qualidade, o Don Melchor é praticamente imbatível. Quero agradecer ao meu pai por ter feito a gentileza de ter trazido esse vinho lá da Concha Y Toro para mim e ao meu amigo Rafael Campos por ter trazido de Cuba um presente muito especial para mim: um charuto cubano Cohiba.

Vinhos de escolha: Don Melchor 2013 e Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon

O Don Melchor é um vinho muito difícil de ser consumido aqui no Brasil devido ao seu alto preço. No post do Spettus Boa Viagem eu falei que, no restaurante, ele estava sendo vendido por R$800. Pela Internet é possível encontrá-lo por cerca de R$600. Já na Concha Y Toro ele custa R$300. Ou seja, se você tiver vontade de degustá-lo, não o compre no Brasil. Meu pai me deu esse presente maravilhoso.

IMG-20170301-WA0004.jpg

IMG-20170302-WA0000

IMG_20170307_195808700.jpg

IMG_20170307_195835317.jpg

IMG_20170307_195844637.jpg

IMG_20170307_195912050.jpg

IMG_20170307_195935523.jpg

IMG_20170307_195942648.jpg

IMG_20170307_200046167.jpg

IMG_20170307_200057892.jpg

IMG_20170307_200118866.jpg

Abaixo temos uma lista de premiações que ele recebeu:

  • Don Melchor 2008: 94 pontos. Wine Spectator Octubre 2012.
  • Wine Spectator: 94 pontos (2011).
  • Robert Parker 95 pontos (2010).
  • Wine Spectator: 95 pontos (2010)
  • Top 10 vinhos de 2014 = Nono Lugar!
Don-Melchor
Fonte:http://www.conchaytoro.com

No aplicativo do vivino ele recebe a oitava colocação como o melhor vinho do mundo. Don Melchor é a expressão máxima da uva Cabernet Sauvignon no Chile! Estamos diante de uma lenda viva. Abaixo eu vou deixar uma entrevista muito bacana no youtube com o enólogo responsável por este vinho tão maravilhoso. Nela pode-se ver a plantação das uvas e o Enrique Tirado explica como é possível termos um vinho dessa qualidade. Vale a pena conferir:

https://www.youtube.com/watch?v=4jqmODTcXks

Para degustarmos um vinho dessa qualidade precisamos também de um lugar à altura: churrascaria Vento Haragano. Eleita como uma das melhores de São Paulo e do Brasil.

IMGG_4588.jpg

Outro ponto que eu considero o mais importante é saber se realmente há uma diferença concreta e real entre um vinho considerado premium e um top como esse. Por isso vamos comparar o Don Melchor com o vinho o qual eu o considero o melhor custo benefício no Brasil: o Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon. Já degustamos esse vinho no post da lagosta e caviar.

IMG_20170324_192602291.jpg

IMG_20170324_192651966.jpg

Tomemos então nossos vinhos e partamos para o restaurante.

IMG_20170324_195622833.jpg

Chegada ao restaurante e harmonizações

front-door-logo.jpg

IMG_20170324_204017680.jpg

O Vento Haragano fica localizado na avenida Rebouças. É muito legal ir ao estabelecimento pois o clima é realmente do Rio Grande do Sul: pessoas bonitas e todos os atendentes, garçons, recepcionistas e gerentes vestidos a caráter (com a pilcha gaúcha). Parece que estamos indo para um fandango de alto nível!

IMG_20170324_204033007

IMG_20170324_204404514.jpg

A recepção e o atendimento do restaurante é bem acima da média. Os dois sommeliers da noite Alcyr e Tiago muito profissionais e competentes nos deram muitas dicas de valor que agregou bastante.

IMG_20170324_204428832.jpg

IMG_20170324_204444421.jpg

Primeiro o Don Melchor:

IMG_20170324_204522185.jpg

Depois o Marquês de Casa Concha (após tomar água):

IMG_20170324_204617085.jpg

Uma comparação entre os dois juntos: o da direita é o Don Melchor

IMG_20170324_204944439.jpg

A diferença entre eles é clara e perceptível. Não chega a ser um absurdo mas percebe-se realmente a superioridade de um para com o outro. Enquanto no Marquês de Casa Concha há a presença clara de frutas negras e vermelhas como amoras, cerejas e ameixas, no Don Melchor esses aromas se acentuam parecendo uma compota de frutas. É fantástico poder ver essa diferença tão clara. A acidez presente no Marquês de Casa Concha se suaviza no Don Melchor. Ela perde um pouco a “aspereza”. Outro ponto fantástico é que eu pude entender na prática o que significa taninos redondos. No Don Melchor os taninos são muito suaves e o vinho desce como uma pomada (como dizem os portugueses), já no Marquês de Casa Concha percebe-se que eles ainda encontram-se rústicos e eles “agridem” mais a boca. Maravilhosa Experiência.

IMG_20170324_205243781.jpg

Todas as carnes da casa são fantásticas, mas a costela premium é a mais gostosa que eu já comi na vida.

IMG_20170324_205316701.jpg

IMG_20170324_205323424.jpg

A fraldinha (vazio) deles também é espetacular:

IMG_20170324_205348241.jpg

IMG_20170324_205350369.jpg

A paleta de cordeiro:

IMG_20170324_205415171.jpg

IMG_20170324_205429996.jpg

O assado de tira

IMG_20170324_205703370.jpg

IMG_20170324_205735731.jpg

IMG_20170324_205746458.jpg

A alcatra

IMG_20170324_205904277.jpg

Carré de Cordeiro

IMG_20170324_210059962.jpg

IMG_20170324_210258411.jpg

Tambaqui

IMG_20170324_210456174.jpg

Picanha perfeita

IMG_20170324_212735476.jpg

IMG-20170325-WA0008.jpg

IMG-20170325-WA0013.jpg

IMG-20170325-WA0016.jpg

IMG-20170325-WA0018.jpg

IMG-20170325-WA0020.jpg

IMG-20170325-WA0026

IMG-20170325-WA0025.jpg

IMG-20170325-WA0007.jpg

Paralelamente a isso o Alcyr me convidou para conhecer a adega da casa e me mostrou rótulos realmente lendários custando mais de R$15 mil reais (Romanée Conti, Petrus, etc).

IMG_20170324_233047632.jpg

IMG_20170324_233052513.jpg

IMG_20170324_233103187.jpg

Esse custa mais de R$10 mil:

IMG_20170324_233343763.jpg

Aqui é o lendário Vega Sicília Espanhol, custando pouco mais de R$16 mil

IMG_20170324_233759157.jpg

O lendário Château Mouton-Rothschild custando R$17 mil

IMG_20170324_233828744.jpg

IMG_20170324_233840349.jpg

IMG_20170324_233906670.jpg

IMG_20170324_233625732.jpg

IMG_20170324_233702754.jpg

IMG_20170324_233716476.jpg

IMG_20170324_233815103.jpg

Mas talvez a maior preciosidade da casa seja esse aqui trazido pelo Papa ao Brasil. Um dos vinhos mais raros do mundo.

IMG_20170324_233458046.jpg

Para terminar o jantar vamos repetir a dose do Spettus Boa Viagem: Baileys Frappe

IMG_20170324_230906537.jpg

IMG_20170324_230909249.jpg

IMG_20170324_230913689 (1).jpg

IMG_20170324_231049033.jpg

Charuto Cohiba com Cognac Francês

Amigos, a noite foi maravilhosa, porém ainda não tinha terminado ali. Ao chegar em casa vou experimentar o melhor charuto do mundo que meu amigo Rafael Campos trouxe como um presente de sua última viagem a Cuba. E nada mais perfeito para harmonizar do que um legítimo Cognac francês.

IMG_20170306_185509781.jpg

IMG_20170306_185544578.jpg

img_20170106_212057207

img_20170106_212125476

IMG_20170325_244421194.jpg

Conclusão

O Vento Haragano é um excelente restaurante que possui as melhores carnes que eu já comi na vida. O atendimento também é sensacional, recomendo com empenho. Possuo apenas três críticas: o preço é muito acima da média, o buffet não é muito variado e ele não possui carnes nobres como faisão ou avestruz. Tirando esses três pontos o restaurante merece nota 10, vale a pena conhecer. Sobre o vinho Don Melchor foi uma experiência maravilhosa porém não a repetiria pois a diferença entre ele e o Marquês de Casa Concha não chega a ser suficiente para pagar 7 ou 8 vezes mais nele. Recomendo porém tomar uma única vez na vida para conhecer essa lenda.

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Vale do São Francisco, Bulgária, Alentejo e o Melhor Uísque do Mundo

“O vinho tem o poder de encher a alma de toda a verdade, de todo o saber e filosofia.” Bossuet

IMG_20170121_200412462.jpg

Introdução

Olá amigos, acho que a coisa que mais gosto do nosso blog é o fato de não haver preferências ou qualquer tipo de preconceito quanto à origem dos vinhos mostrados aqui no Blog. Falamos desde os vinhos Brasileiros passando pelos americanos e também dos Neozelandeses. Hoje o nosso post será um mix de dois encontros maravilhosos que participei: uma visita que fiz ao meu tio Rômulo em Recife e uma segunda visita a familiares em São Paulo. Na primeira visita tive a oportunidade de degustar esse que é o melhor uísque do mundo: o Macallan junto com um maravilhoso vinho Pernambucano da vinícola Rio Sol. Na segunda visita tivemos queijos e churrasco com vinhos Búlgaros e um Português da região do Alentejo.

Recife

Antes de ir à casa do meu tio, resolvi escolher um vinho de uma vinícola o qual há muito desejava apreciá-la: Rio-Sol. Os vinhos dessa vinícola já se encontram disponíveis em cartas de bons restaurantes como, por exemplo, o La Casserole do post anterior. Como primeira degustação, escolheremos um bom exemplar: Rio Sol Reserva 2014. E muito em breve teremos no nosso blog um post específico sobre o vinho top de linha da Rio Sol: Paralelo 8. Eleito um dos 3 melhores vinhos tintos do Brasil.

IMG_20161223_194103063.jpg

Para mim sempre foi uma incógnita sobre como é possível se produzir bons vinhos num lugar tão quente quanto o sertão Pernambucano. A resposta para essa incógnita está no uso de tecnologia israelense. Através de técnicas de irrigação consegue-se simular um ambiente e temperaturas propícios para o bom desenvolvimento das cepas. A vinícola Rio Sol está localizada no Vale do São Francisco, na cidade de Lagoa Grande, em Pernambuco. Ela produz vinhos e espumantes, cujos rótulos vêm, cada vez mais, conquistando prêmios nacionais e internacionais.

A empresa pertence a Global Wines, com sede na região do Dão, em Portugal, produtora de vinhos reconhecida no mercado mundial pelo dinamismo e inovação, com grande diversidade de rótulos premiados entre os melhores da Europa. O enólogo português João Antônio Santos é um homem muito visionário que, em menos de 10 anos, conseguiu produzir no semi-árido nordestino um vinho de excelente qualidade. Abaixo eu quero deixar um link para um vídeo de uma entrevista com ele. No youtube também é possível encontrar várias delas.

degustação-1-Cópia.jpg

Link para a entrevista:

https://www.youtube.com/watch?v=_V_gIa9vOic&t=712s

IMG_20161223_210728339.jpg

Esse é um vinho muito bom produzido com o corte de várias uvas: 40% Cabernet Sauvignon / 30% Syrah / 30% Alicante Bouschet. Também muito frutado e aromático. Vale a pena conferir. Como segunda degustação da noite temos um vinho francês Sainte Eugenie (Récolte La Réserva 2015).

IMG_20161223_203040445.jpg

IMG_20161223_204118855.jpg

Vinho muito frutado, floral e aromático com presença forte de framboesas.

IMG_20161223_203517031.jpg

Estes vinhos acompanharam muito bem queijos e petiscos como amendoim, azeitona, etc.

IMG_20161223_204035002.jpg

IMG_20161223_205653072.jpg

O melhor uísque do mundo

Já tivemos a oportunidade aqui no blog de degustarmos a melhor cachaça do mundo e agora teremos a oportunidade de conhecermos este que é o melhor uísque do mundo: O Macallan. Entendo perfeitamente que esses títulos de melhor do mundo não são unânimes e depende também do gosto individual de cada um, mas no caso da cachaça Anísio Santiago e do Scotch Macallan, a quantidade de autoridades no assunto dando a eles essa devida alcunha é muito grande. A revista Forbes é uma delas que o declarou como tal. Ele recebe o epíteto de o “Rolls-Royce” do Whiskey.

IMG_20161223_201611456.jpg

Para degustarmos essa obra de arte não podemos utilizar qualquer tipo de copo. Ele pede um exclusivo:

macallan 7.jpg

IMG_20161223_223244219.jpg

Participou também desse momento singular nosso amigo das crônicas saxônicas de Bernard Cornwell Uhtred Ragnarson:

IMG_20161223_230013971.jpg

IMG_20161223_232139890.jpg

Meus sinceros agradecimentos ao meu tio Rômulo por ter me proporcionado uma noite tão agradável não apenas com boas bebidas, mas também com uma excelente conversa!

15541576_1317220604990573_1989562711948022198_n

São Paulo

Antes da visita aos meus amigos Jéssika e Lucas, gostaria de mostrar uma cerveja fantástica japonesa: a Sapporo. Pra quem é fã de um estilo pilsen com lúpulos suaves, recomendo essa cerveja fortemente. É encorpada e ao mesmo tempo suave de beber! Possui também a lata mais bonita que eu já vi numa cerveja.

IMG_20170124_200104285.jpg

IMG_20170124_200806323.jpg

Antes de começar o churrasco, nada como uma boa cerveja pilsen puro malte:

IMG_20170121_192010134.jpg

Assim como o caso da região do Vale do São Francisco, teremos hoje também 2 vinhos búlgaros: Pinot Noir e um corte da bodega Soli. Sei que, quando pensamos em vinho, nunca vem ao pensamento a Bulgária, mas é de se espantar a boa qualidade da bodega.E, assim como o caso da Rio Sol que possui origem portuguesa, a Soli também possui origem européia (italiana). O seu proprietário Edoardo Miroglio viu na região do Vale dos Thraces na Bulgária uma região em potencial e fundou sua vinícola, de 200 hectares, em Elenovo em 2000.

a6988835324d6263d4c9a4f8f9eda2ba_XL.jpg

São vinhos de excelente custo-benefício. Muito frutados e florais.

IMG_20170121_192921923.jpg

O pinot noir combinou muito bem com os queijos Gouda, Emmental e Gorgonzola:

IMG_20170121_200102236.jpg

img_20170121_200412462

O estilo Bordeaux (Cabernet-Sauvignon com Cabernet-Franc) combinou muito bem com o churrasco de Picanha, Linguiça toscana e Costela:

IMG_20170121_211804993.jpg

IMG_20170121_212452265.jpg

E por fim, temos um português muito saboroso: Farizoa. Esse é um dos exemplos de que, se alguém quiser conhecer um vinho característico da região do Alentejo em Portugal, pode arriscar com esse exemplar sem medo de errar.

IMG_20170121_203309128.jpg

IMG_20170121_203547449.jpg

IMG_20170121_203633234.jpg

Conclusão

Meus sinceros agradecimentos a todos os meus amigos e familiares que me proporcionaram momentos tão aprazíveis como esse. Cada uma das bebidas e comidas citadas nesse post são altamente recomendáveis.

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Lagosta, Caviar e Churrasco com Pinot Grigio e Marquês de Casa Concha

“A cerveja é obra do homem; o vinho, de Deus.”  Martinho Lutero

IMG_20161215_125728682.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será um pouco diferente, pois irei dar um exemplo de como escolher um bom vinho e levar para um restaurante do seu gosto pessoal. Estamos em Recife e preciso deixar aqui minha sugestão sobre a melhor churrascaria e, com certeza, um dos melhores restaurantes da cidade: Spettus Boa Viagem. A grande vantagem dele é, não apenas a alta qualidade das carnes de uma churrascaria nobre (como a Vento Haragano em São Paulo), mas também a grande variedade de frutos do mar: Polvo, Caviar, Lagosta, Camarão, etc.

Vinhos de escolha: Pinot Grigio Sachetto e Marquês de Casa Concha Cabernet Sauvignon

Já falei no post da Zinfandel que meu vinho tinto preferido é a uva italiana Primitivo e, no caso dos vinhos brancos, a uva que mais me apetece é a Pinot Grigio (Pinot Gris na França). Ela recebe esse nome devido à sua característica acinzentada.

shutterstock_86213233Pinot-Gris.jpg
Fonte: http://www.wine.net/

A escolha dessa uva dar-se-á pela excelente combinação com a Lagosta, o caviar e os camarões devido à sua característica de possuir alta acidez, ser um vinho “crocante” (crispy) e seco. Os vinhos dessa casta são altamente cítricos com toques de avelãs e mel. Delícia de bouquet.

a97e040c870cdacbe994e0980abaa4c0.jpg
Fonte: https://faberpartner.de/
Pinot-Gris-Grigio-Infographic.jpg
Fonte: http://www.cheatsheet.com/

E a escolha do vinho será baseada na alta fidelidade em qualidade da bodega italiana sachetto.

IMG_20161215_113821831.jpg

IMG_20161215_113827583.jpg

E para a harmonização com as carnes escolheremos um verdadeiro clássico o qual considero o melhor custo benefício dos vinhos da atualidade: a linha Marquês de Casa Concha Cabernet-Sauvignon. Já falamos nos três primeiros posts sobre a qualidade e a lenda da Bodega Concha y Toro com a sua linha Casillero del Diablo que é estupenda. Porém a linha Marquês de Casa Concha é bem superior e com uma diferença de preço relativamente pequena. Com R$125 compra-se um vinho que compete de igual para igual com os vinhos Franceses ou Italianos de R$300. Esse é realmente imperdível!

IMG_20161215_113736192.jpg

Após a escolha dos vinhos, mostrarei como levá-los a um restaurante desse porte ou à casa de um amigo: usando uma bolsa de couro. O transporte também pode ser feito através de bolsas de neoprene mais baratas, mas uma maneira bem mais elegante é essa:

IMG_20161215_114523273.jpg

IMG_20161215_114543577.jpg

Chegada ao restaurante e harmonizações

O spettus boa viagem fica localizado numa área muito nobre de Recife: a praia de Boa Viagem ( a Ipanema Recifense). Mais especificamente na Avenida Domingos Ferreira. O seu proprietário é Julião Konrad, um gaúcho que, certa vez ao passar por Recife, a adorou muito e decidiu abrir um negócio na cidade.

IMG_20161215_125037997.jpg

IMG_20161215_125106986_HDR.jpg

Abaixo podemos ter uma visão da adega e do buffet da casa:

IMG_20161215_135213828.jpg

IMG_20161215_135221141.jpg

No momento em que chegamos à casa fomos muito bem recepcionados pelo sommelier: Gérson. Grande detentor de conhecimento enófilo. De pronto ele elogiou muito minhas escolhas de vinho e me passou muitas dicas. Para a primeira harmonização temos um prato com lagostas, caviar de salmão, caviar de esturjão, polvo e camarão.

IMG_20161215_125721496.jpg

Algo importante a frisar aqui é que se deve sempre beber água entre as degustações de forma a hidratar o estômago e obter o máximo de sabor.

IMG_20161215_125840202_HDR.jpg

IMG_20161215_130145912.jpg

IMG_20161215_130258793.jpg

IMG_20161215_130952107_HDR.jpg

Uma segunda harmonização que combinou bastante com o pinot grigio foi um prato com queijo do reino, queijo parmesão, aspargos, champignon, milho, caviar de esturjão e lagosta ao molho de coco.

IMG_20161215_132230896.jpg

IMG_20161215_132237466.jpg

Findo o primeiro vinho, prosseguimos com a segunda harmonização com o estupendo Marquês de Casa Concha:

IMG_20161215_133445368.jpg

Combinou muito bem com o filet mignon, cupim, bife de ancho, paleta de cordeiro, a costela premium, etc.

IMG_20161215_133504694.jpg

IMG_20161215_133757762.jpg

IMG_20161215_133916754.jpg

Paralelamente a esses fatos, conversei bastante com o Gérson e ele me deu muitas dicas de vinhos inclusive me mostrando um dos meus sonhos de consumo: o Don Melchor.

IMG_20161215_133552032.jpg

IMG_20161215_133612447.jpg

Esse vinho na internet custa cerca de R$600, mas estava sendo vendido na casa por R$800. Futuramente farei um post especial sobre ele. Interpelei o Gérson sobre se esse vinho saía muito no estabelecimento. Ele me respondeu que sim e, inclusive na semana passada, o time do palmeiras tinha ido almoçar lá e tinha requerido 10 garrafas dele. Ele também me deu uma dica de um vinho chileno para comprar de olhos fechados: Montes Alpha Cabernet Sauvignon.

IMG_20161215_133543046.jpg

Digestif

Após pensar que estava no céu e que nada podia melhorar, o maître da casa Thiago me deu uma sugestão que parecia inimaginável de sabor: um Baileys Irish Cream Frappe. O gosto do leite condensado não me permitiu tomar um só, tive de repetir a dose.

IMG_20161215_143123594.jpg

IMG_20161215_143229754.jpg

IMG_20161215_143248599.jpg

IMG_20161215_143256179.jpg

IMG_20161215_143327325.jpg

Conclusão

O exemplo desse post mostra que não é possível ir à Recife sem aproveitar as maravilhas gastronômicas que a cidade oferece. E, dentro desse contexto, a churrascaria Spettus oferece um ápice de sabor e conhecimento para todos que passam por lá. Vimos também que é possível levar os próprios vinhos de sua escolha para um restaurante e combiná-los com as mais específicas delícias.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Hambúrguer Gourmet: harmonização com cervejas e vinhos

“A sabedoria não vem automaticamente com a idade. Nada vem – exceto rugas. É verdade, alguns vinhos melhoram com o tempo, mas apenas se as uvas eram boas em primeiro lugar.” (Abigail Van Buren)

13237779_1172830582735446_2015164104897693735_n

Introdução

Amigos, hoje iremos falar sobre a comida que, provavelmente, simboliza todo o conceito de modernidade e globalização com seus fast-foods: o hambúrguer. Desmistificaremos também a idéia de que hambúrguer é um fast-food e, por esse motivo, não pode ser considerado como uma comida de verdade ou, sendo mais preciso, fazer parte da haute cuisine.

História do hambúrguer

Apesar de ser uma comida considerada como simplória pela grande maioria das pessoas, a história do hambúrguer pode ser considerada como um romance, onde há casos de muitas felicidades e também de muito choro e tristezas.

Não obstante ao fato de haver relatos romanos sobre o uso de carne moída na alimentação, o primeiro relato expressivo de que se tem notícia data-se da época de Gengis Khan e suas hordas mongólicas.

mongol-invasion

Dentre várias das características que renderam a Temudjin (o nome verdadeiro de Gengis Khan, pois esse termo significa o grande Khan ou grande líder) o título de maior conquistador de territórios da história (conquistou o equivalente a quase 3 vezes o tamanho do Brasil) foi a letalidade do seu exército.

genghis_khan

Os mongóis eram donos de uma logística impressionante para sua época, mas isso se dava pelo fato deles não pararem de cavalgar nem mesmo para comer. Sua principal fonte de alimento era carne de cavalo, a qual não a cozinhavam. Eles guardavam pedaços dela embaixo das celas dos cavalos. Então, devido ao movimento de fricção, elas esmigalhavam e “coziam” com o calor, dando origem a primeira forma de hambúrguer conhecido da história.

Após a conquista de Moscou, os mongóis apresentaram essa “carne esmigalhada” para os habitantes daquele lugar, o que futuramente originou o prato clássico conhecido como Steak Tartare.

steak_tartar

Porém a palavra sandwich não seria criada até o século 18. Muitas culturas reclamam terem inventado o sanduíche, porém esse nome surge no ano 1765 e foi dado em honra ao aristocrata inglês John Montagu, 4th Earl of Sandwich. O epônimo do sanduíche era viciado em jogar cartas e, por isso, preferia comer sanduíches porque assim ele poderia continuar jogando cartas sem sujar as mãos. Reza a lenda que ele estava há várias horas num jogo de cartas e, de forma a continuar jogando, ele pede ao seu cozinheiro que trouxesse algo para ele comer de forma que ele não sujasse as mãos. O cozinheiro então tosta dois pedaços de pão e adiciona carne moída assada. Surge assim o primeiro hambúrguer.

John_Montagu,_4th_Earl_of_Sandwich.jpg

Porém, a primeira receita de hambúrguer como nós conhecemos só vem a surgir no ano 1840 nos EUA em New York com a cozinheira Elizabeth Leslie, que a introduziu no seu famoso livro de receitas “Directions for Cookery”.

Porque o uso do termo Gourmet nas comidas?

Há uma tendência grande nos restaurantes e bistrôs Brasileiros de se usar o termo Gourmet em todas as comidas de forma a incrementar o valor das comidas. Mas de onde vem esse termo?

Gourmet é uma profissão na França. Empresas alimentícias contratam pessoas que possuem um paladar muito apurado para testar seus produtos. Então, quando se diz que uma comida é Gourmet, significa que ela é feita para agradar até mesmo essas pessoas de paladar muito aguçado.

Harmonização

Amigos, hoje eu não serei o cozinheiro. Estou na casa do meu amigo Lucas Mitraud no evento da Confraria Távola Di amici (amigos e familiares) em que cada um dos presentes trouxe uma bebida própria para harmonizar com o hambúrguer feito pelo Lucas. Abaixo tecerei alguns comentários.

IMG_20161210_130227822.jpg

IMG_20161210_131003622.jpg

Pode-se perceber na mesa vários tipos de pãos para hambúrguer. Nota-se principalmente o pão de Brioche e o australiano (que são famosos nas receitas de hambúrgueres gourmet).

IMG_20161210_143448727_HDR.jpg

O hambúrguer de sua receita é um blend de fraldinha com bacon:

IMG_20161210_130156161.jpg

IMG_20161210_142215618.jpg

IMG_20161210_142221360.jpg

IMG_20161210_144155942.jpg

IMG_20161210_144206628.jpg

Para harmonizar com cervejas, há alguns tipos que combinam muito: American Pale Ale (APA), Índia Pale Ale (IPA), Weizenbier (trigo), Witbier (trigo com receita belga) e as Ale diversas.

IMG_20161210_143049914.jpg

IMG_20161210_143109756.jpg

IMG_20161210_143143504.jpg

IMG_20161210_143120660.jpg

IMG_20161210_150104388_HDR.jpg

IMG_20161210_150315313_HDR.jpg

IMG_20161210_152248238.jpg

IMG_20161210_153602525.jpg

IMG_20161210_163407339.jpg

IMG_20161210_165051390.jpg

IMG_20161210_165124825.jpg

IMG_20161210_165305188.jpg

IMG_20161210_145404740.jpg

A harmonização com vinhos é feita principalmente com a uva Malbec devido ao churrasco e aos molhos mas também combina muito bem com outros vinhos como alguns exemplares da região do Alentejo em Portugal.

IMG_20161210_131313884.jpg

IMG_20161210_133428423.jpg

IMG_20161210_133442897_HDR.jpg

IMG_20161210_170623067.jpg

IMG_20161210_145809042.jpg

IMG_20161210_150626830.jpg

Até com uísque fica boa a combinação. Esse é um uísque escocês que possui uma particularidade interessante: é feito com maltes defumados. Infelizmente é bem difícil de encontrar no Brasil.

IMG_20161210_130321819.jpg

Digestif

As pessoas às vezes me perguntam sobre com que o vinho do porto harmoniza. E aqui vai a resposta: doces e chocolates. A harmonização será feita com um Fondant au chocolat (chamado no Brasil erroneamente de Petit Gateau). Créditos da Receita para minha Tia Sônia Vilela.

IMG_20161210_153314264.jpg

IMG_20161210_131451818.jpg

IMG_20161210_154200121.jpg

E para fecharmos com chave de ouro vamos de licor Sheridan’s

IMG_20161210_154742014_HDR.jpg

Conclusão

Gostaria de deixar registrado meus parabéns ao meu amigo Lucas, sua receita ficou estupenda. Como diríamos na Marinha: Bravo Zulu! Todas as bebidas apresentadas harmonizaram perfeitamente com a receita.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Degustando uma lenda: Casillero del Diablo (Cabernet Sauvignon)

“Existem mais de mil anos de história em uma velha garrafa.” ( Paul Claudel)

img_20160924_172517990

Introdução

Tendo dado início aos nossos primeiros passos no mundo do vinho, finalmente chegamos a nossa primeira degustação e, nada melhor do que começá-la de maneira mitológica: degustando uma lenda! A história desse vinho é, talvez, o que o tornou assombrosamente famoso. Tudo começa há aproximadamente 100 anos atrás com Don Melchor de Concha y Toro: um empresário, advogado, político chileno e o Marquês de Casa Concha pela coroa Espanhola.

melchorconchaytoro

Em 1883, ele decidiu se aventurar no ramo dos vinhos plantando vinhas no vale do rio Maipo. De sua viagem à Bordeaux, ele trouxe consigo para o Chile sementes selecionadas e contratou um grande enólogo francês: Monsieur Labouchère. Nascia assim a Concha y Toro. Devido à altíssima qualidade dos vinhos produzidos naquela região, Don Melchor decidiu reservar para si uma pequena parcela dos melhores vinhos produzidos ali: sua adega particular. A fim de evitar os constantes roubos de seu acervo (arquivo, casillero em espanhol) ele espalhou o boato de que naquele lugar habitava o diabo e assim nasce a lenda do Casillero del Diablo.

Sei que já coloquei esse link no primeiro post, mas vale muito a pena quem não viu ainda poder conferir essa história animada num vídeo feito pela concha y toro:

https://www.youtube.com/watch?v=h8XSss1o8x8

Abaixo temos algumas fotos da vinícola Concha y Toro, cortesia do nosso amigo Anderson Lopes:

entrada

Plantação das uvas (cepas)

plantacao

Adega onde fica o Casillero del Diablo:

2016-08-04-15-42-41

2016-08-04-15-42-46

diablo-no-final-do-local-onde-guarda-os-vinhos

Há também dezenas de vídeos no youtube falando sobre o casillero del diablo, mas vale deixar aqui o vídeo promocional mais recente do vinho, é sensacional!

https://www.youtube.com/watch?v=RaN-hswZ8gw

Temperatura de serviço

Conforme falei no primeiro post, cada vinho precisa ser degustado na temperatura ideal de forma a liberar o máximo de sabor e aromas. Então, o vinho deve ser mantido todo tempo dentro da adega. Como a adega possui vinhos variados, e normalmente como a maioria dos vinhos são tintos, eu tento manter todos na temperatura média de 16 ᵒC. Para o caso da nossa uva em questão (cabernet-sauvignon), a temperatura ideal de serviço é de 18 ᵒC.

adega

garrafaadega

Esse é, talvez, o maior erro dos degustadores que se comete aqui no Brasil: deixar o vinho depois de aberto na temperatura ambiente. O Brasil é um país quente, então se o vinho passar muito tempo fora da adega ele vai esquentar. Uma solução barata e simples é: apenas no momento de colocar o vinho na taça, deve-se tirá-lo da adega. Depois disso ele deve ser novamente enrolhado e colocado na adega até o próximo momento de tomá-lo. Uma solução mais elegante e um pouco cara é fazer uso de um wine cooler. Eu utilizo um da cuisinart (custa aproximadamente R$600-700 na internet). O bacana dele é porque você consegue setar a temperatura do vinho baseado no seu catálogo de uvas e ele mantém o vinho durante toda a degustação na temperatura ideal para o tipo da uva. É realmente fantástico, recomendo com empenho!!!!

cooler

cooler1

Abrindo o vinho

Como já falei no segundo post, eu gosto muito de utilizar o abridor elétrico devido à sua praticidade mas, atendendo a pedidos do blog, farei uma demonstração de como abrir uma garrafa com um abridor simples e barato:

abrindo0

abrindo1

abrindo2

abrindo3

abrindo4

abrindo5

Depois de aberto, a rolha também possui papel de destaque desse ritual admirável. Aprendi com um amigo essa prática de colocar a data de abertura da rolha e armazená-la para o futuro:

data-na-rolha

Depois disso a rolha vai para o meu quadro de decoração:

quadro

Taça específica

Semelhantemente, utilizaremos a taça de escolha do primeiro post: Bordeaux Spiegelaus.

taca

Aerando o vinho

Diz-se que, quando um vinho é engarrafado por um bom tempo, ele encontra-se num estado de dormência. Com seus aromas “dormindo”, ou seja, ainda pouco perceptíveis. Há duas formas de “quebrar” esse estado de dormência: usando um decânter ou um aerador. Gostaria de frisar aqui que esse assunto não é muito simples e requer um post exclusivo. Fá-lo-ei num futuro próximo. De forma simplória vou me resumir a dizer que para esse tipo de vinho jovem cai muito bem o uso de um aerador, pois ele faz com que as moléculas do vinho se misturem com as moléculas do ar, liberando assim os aromas mais rapidamente. No meu caso aconselho fortemente o aerador da vinturi (o qual é encontrado na internet e em lojas grandes num valor de aproximadamente R$150 junto com a torre e R$50 apenas o aerador).

aerando2

O olhar do vinho (L’examen visuel)

Como era de se esperar de um cabernet-sauvignon, esse vinho possui uma cor vermelho rubi intenso e lágrimas médias, aparentando leve dulçor.

O nariz do vinho (Le nez du vin)

Algo muito bacana para uma pessoa que está iniciando no mundo dos vinhos e ainda não conhece quais aromas estão presentes num cabernet-sauvignon é procurar informações antes da degustação (internet, livros, etc).

As características dos vinhos da uva cabernet-sauvignon são intensos e ricos em aromas e sabores, como: frutas vermelhas (cereja, amora, morango, framboesa), frutas pretas (ameixa, mirtilo(blueberry), cassis), especiarias (pimentas em pó, cravo) e também marcados por aromas vegetais, de oliva, menta, tabaco, madeira, cedro e anis.

Como maneira de conhecer os aromas, existem maneiras sofisticadas e caras (como o le nez du vin, o qual falarei futuramente) ou mesmo cheirando e conhecendo as frutas. Fiz uma seleção de frutas negras e vermelhas antes da degustação:

-ameixa

-morango

-mirtilo (blueberry)

-amora negra

frutas1

frutas2

amora

nez-1

nez-2

nez-3

A boca do vinho (L’examen gustatif)

Finalmente na hora de beber o vinho, todas as informações encontradas nos passos anteriores se confirmaram. Deixando o vinho na boca por aproximadamente 10 segundos, ele apresentou adstringência (taninos) fortes porém suavizados pelo barril de carvalho (impressionante porque não amargou na boca como outros cabernets de pior qualidade), leve picância do tipo pimenta do reino e leve dulçor embalado pelos aromas de frutas vermelhas e negras. Excelente vinho!!!

Harmonização

Conforme falei no post anterior, a cepa cabernet-sauvignon é amiga íntima das carnes vermelhas e com temperos picantes, como a pimenta do reino. Então nada melhor para degustar esse assombroso vinho do que com filet-mignon ao molho madeira e fritas.

harmonizacao

Conheça todos os posts do blog através desse link

Desbravando o mundo do vinho

“Um bom vinho é poesia engarrafada” (Robert Louis Stevenson)

cropped-vinho-e-tac3a7a.jpg

Quando paramos para pensar na complexidade do mundo do vinho, possivelmente um leigo desejoso por adentrá-lo poderá pensar em desistir. Basta ir a um grande supermercado ou um bom restaurante para perceber centenas de vinhos diferentes: tintos, rosês, brancos, espumantes, chilenos, argentinos, franceses, italianos, garrafas de diversos formatos, centenas de tipos diferentes de uvas, rótulos diversos e preços também múltiplos. O universo é tão amplo que existem dezenas de universidades formando enólogos (palavra formada da junção da palavra grega οἶνος (oinos, “vinho”) com o sufixo -λογία (-logia, “estudo de”)), profissionais com diploma em ensino superior. Nesses cursos é possível aprender sobre uma variada gama de assuntos:

-História do vinho

-Processo de fabricação (plantio, tipos de terroir (solo), temperatura, tipos de barril, amadurecimento, colheita, tipos de rolha, engarrafamento, fermentação, etc)

-Tipos de uvas (ou cepas) e características intrínsecas a cada uma delas

-Como decifrar rótulos

-Como escolher bons vinhos (safras especiais, combinando-o com alimentos e queijos, etc)

-Como comprar (en primeur (no produtor), no comércio, no exterior, etc)

-Como conservar o vinho (tipos e características de adegas, vins de table (vinhos de mesa), vins de garde (vinhos de guarda), etc)

-Como servir o vinho (temperatura de serviço, abertura da garrafa (tipos de saca-rolhas), decantação, tipos de taças, etc)

-Como degustar um vinho (olhar do vinho, o nariz do vinho, a boca do vinho, etc)

-Os grandes vinhedos do mundo e características

E muitos e muitos outros assuntos. Uma vez um francês amigo meu me disse que apenas para conhecer os vinhos franceses seria necessário uma vida inteira (Il faudra toute une vie)!

E como começar?

Diante disso tudo, talvez a pergunta de um milhão de dólares seja exatamente essa: como começo?

Quando estava começando a conhecer sobre vinhos (o que não faz muito tempo), meu tio me disse algo muito pertinente: Pedro Jorge, você vai ser um grande conhecedor de vinhos se você beber muito vinho! Simples assim, comece bebendo vinho. Mas para isso vou exemplificar como começar bebendo um vinho. Há dezenas de acessórios para vinhos (adegas, taças, saca-rolhas, coolers, decanters, aeradores, etc), e eu vou deixar uma dica do mínimo necessário para começar:

-1 adega (cave au vin)

-1 taça

-1 saca-rolhas

-1 vinho

-1 Prato ou queijo específico para o tipo do vinho

Adega

Ter uma adega refrigerada em casa não possui relação apenas com a questão estética do ambiente pois, principalmente se você mora num país quente como o Brasil, você não conseguirá obter o máximo da bebida (sabor e aromas) servindo-o à temperatura ambiente (30°C) ou deixando-o na geladeira antes de serví-lo (médias de 7°C). Um vinho tinto requer em média 16 °C para seu serviço.

Existem adegas climatizadas de R$300 reais e de R$20000 reais, com 8 garrafas ou com 200 garrafas. Eu recomendo para um iniciante a obtenção de uma pequena (8 ou no máximo 12 garrafas). O modelo que eu recomendo é a adega Electrolux para 8 vinhos que pode ser encontrada com um preço médio de R$600.

adega

Taça

Esse também é outro território profuso mas, de forma genérica, um bom começo é escolher uma taça de cristal, apesar de uma de vidro também servir. Uma taça de vinho pode ser de vidro, cristal de vidro ou cristal. A diferença entre elas é a presença e o teor de chumbo, metal utilizado em sua produção. A de cristal tem até 24% de chumbo, o cristal de vidro vem com cerca de 10% e o vidro não tem. O chumbo dá mais leveza, delicadeza e sonoridade, além de fazer com que a espessura da taça seja mais fina. As taças de cristal também são mais porosas. Esse fator também é positivo, pois, ao girarmos um vinho enquanto o degustamos, forçamos as moléculas contra a parede áspera, quebrando-as e, desse modo, obtendo grande concentração de aromas. Um bom começo pode ser uma taça para vinhos Bordeaux, da marca spiegelau, por exemplo, que custa aproximadamente R$ 45 reais a unidade.

cj-ta-as-bordeaux-spiegelau-16

Saca-rolhas

Um saca rolhas simples vai servir para um primeiro encontro, mas se você tem interesse em comprar um mais bacana, sugiro um elétrico devido à facilidade e praticidade na abertura do seu vinho. Um modelo da Oster por exemplo custa na faixa de R$150 reais.

2

9106af78c4faa16b7c6c04266c1201ae

Vinho

O componente mais importante da nossa seleção! De forma a não errarmos, começaremos pelo clássico, ortodoxo, tradicional.

1-Uva

A uva de escolha será a cabernet-sauvignon. Conhecida pelo seu epíteto de “a rainha das uvas”, a Cabernet Sauvignon está em toda parte. Uva internacional, corruptora, amada e odiada, tornou-se um padrão mundial presente em praticamente todos os países produtores do planeta: da Inglaterra à Alemanha e Áustria; do Canadá à China e Japão; do Peru e Venezuela ao Zimbábue; do Brasil à Turquia, Marrocos, Grécia, Israel e Líbano; da Moldávia e Hungria à Romênia e Bulgária. Sem falar de França, EUA, Chile, Austrália, Itália, Portugal, Argentina, Espanha, Uruguai, África do Sul, Nova Zelândia.

cab

A Cabernet Sauvignon é muito famosa simplesmente porque é a principal casta da principal região produtora de vinhos do mundo: Bordeaux. E esses vinhos são os mais imitados em todo o mundo. Além disso, para as pessoas que moram no Brasil, o maior custo benefício de vinhos são os produzidos no chile, país em que a espécie mais bem adaptada e melhor produtora de vinhos é a Cabernet Sauvignon. Até mesmo meus amigos franceses apreciadores de bons vinhos me dizem que os vinhos chilenos e argentinos em nada deixam a desejar em qualidade para os vinhos franceses.

2-Produtor

Também escolheremos a vinícola mais famosa do Chile para começarmos: a Concha y Toro.

vct

Ela produz vinhos de excelentes qualidades, desde o mais simples como os reservados (aproximadamente R$30):

vinho-concha-y-toro-reservado-cabernet-sauvignon_1_1200

Passando pelo estupendo Marquês de Casa Concha (R$115):

734_vinho_marques_de_casa_concha_carbenet_sauvignon

Até ao lendário Don Melchor (R$550)

524310icyt_don_melchor_cab_s_0_75l

Mas sem sombra de dúvidas nossa escolha para primeira degustação será pelo seu vinho mais famoso: Casillero del Diablo.

cdd_cab_sauv

Segue-se também o link para o vídeo no youtube produzido pela Concha y Toro contando porque esse vinho tornou-se assombrosamente famoso:

https://www.youtube.com/watch?v=h8XSss1o8x8

Acompanhamento

De uma maneira bem genérica, Cabernet Savignon combina bem com carnes vermelhas e, em específico, carne bovina.

carn

Outra escolha menos comum pode ser degustar com um bom queijo cheddar.

Sugestões de livros e Documentários

Livros

Grande Larousse do vinho (R$300) , Autor: Olivier Poussier, Editora Lafonte: melhor obra exaustiva já produzida em português sobre vinhos e enologia.

larousse

Documentários no Netflix

SOMM: Dentro da Garrafa. Apesar de não ser um documentário exaustivo sobre vinhos, ele mostra de uma maneira bem abrangente sobre esse mundo com os melhores sommeliers da atualidade.

SOMM. Documentário bem legal sobre a prova mais difícil sobre vinhos do mundo.

Conheça todos os posts do blog através desse link