Pisco, Riesling Alemão, Leitão à Pururuca com feijão tropeiro e harmonização com vinhos

 “O vinho contenta o coração do homem e a alegria é a mãe de todas as virtudes.” Johann Wolfgang von Goethe

IMG_20180303_144141641.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post é mais do que especial pois é o meu aniversário de 30 anos e estaremos ensinando como fazer um dos meus pratos preferidos (leitão à pururuca) e ensinaremos como harmonizá-lo com vinhos. Também falaremos de um evento similar a este em que fizemos um pernil de porco que também ficou divino. Como o leitão é difícil de encontrar em açougues comuns, o mesmo procedimento pode ser feito com um porco comum.

Uva Macabeo

Começaremos falando de uma maneira muito breve sobre essa uva muitíssimo conhecida na Espanha.

macabeo.jpg

Se você é assíduo aqui no blog com certeza se lembrará que essa uva já foi citada aqui no post da cava, mas como estávamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline no Bravo Bistrô (post sobre o lugar) e decidimos escolher um vinho que harmonizasse com o prato em questão: lagostin a provençal, com risoto carnaroli, leite de coco e finalizado no abacaxi.

IMG_20180223_222402955.jpg

Ainda que seja bastante adaptável, a macabeo cresce em climas frios e tende a amadurecer antes que o resto das variedades. De acidez média, aporta secura e fineza ao cava junto com notas de suaves flores silvestres e amêndoas. Vinho de escolha: Algairen Macabeo.

IMG_20180223_214108628.jpg

IMG_20180223_214117049.jpg

IMG_20180223_214128281.jpg

Um vinho bastante simples que pode ser classificado como próprio para o dia-a-dia sem nenhuma característica muito marcante mas valeu pelo conhecimento!

Pernil de Porco com Riesling Alemão e Carmenère Lapostolle

De forma a tornarmos a explicação mais didática iremos dividir nosso post em duas partes. A primeira delas terá como tema o pernil de porco à pururuca e a segunda será sobre o leitão.

IMG_20180218_131012377_HDR.jpg

Como entrada teremos uma tábua de queijos trazidas da última viagem ao chile com um drink feito com pisco, limão, gelo e açúcar.

IMG_20180218_132601698.jpg

IMG_20180218_132011743.jpg

Para as pessoas que não sabem o que é pisco ele é uma bebida destilada do vinho com produção parecida com a do cognac sem passar pelo barril de carvalho com exceção dos añejos. Após o vinho pronto (link para o post) ele é destilado num alambique e seu resultado é essa famosa bebida peruana/chilena. Abaixo vou colocar um link para um vídeo muito curto e explicativo sobre seu processo de fabricação:

https://www.youtube.com/watch?v=6VvU9CsZrhw

IMG_20180218_140208590.jpg

A cerveja blue moon é perfeita para quem é fã de witbier, muitíssimo bem feita e de aromas complexos:

IMG_20180218_140357832.jpg

Falaremos na segunda parte sobre a receita do leitão à pururuca que é a mesma para o pernil. As batatas foram feitas apenas com azeite, alecrim, pimenta do reino e sal grosso postas para assar numa temperatura média de 180 graus e os aspargos foram assados com azeite e alho.

IMG_20180218_140527282.jpg

Como harmonização tivemos um duelo de gigantes para sabermos quem combina mais: um riesling alemão ou um carmenère chileno com receita francesa?

IMG_20180218_133651654.jpg

Kloster Heilsbruck 2009 Riesling é um vinho alemão feita com minha uva branca preferida: a Riesling. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo para essa uva e sobre a culinária alemã caso alguém tenha curiosidade (link), mas essa é a primeira vez que provaremos uma variedade produzida em solo germânico!

IMG_20180218_134132856.jpg

Vinho delicioso que nos pregou uma peça. Se vocês lembram, já tivemos duas experiências interessantes sobre o dulçor de um vinho. Na primeira achávamos que o gewürztraminer seria mais seco enquanto ele se revelou bastante doce (link), já na segunda pensávamos justamente que ele seria bem doce enquanto ele se revelou seco e mineral porém com aromas doces e frutados como a lichia (link). A questão é que a denominação Spätlese significa um vinho de colheita tardia indicando forte tendência ao dulçor conforme pudemos experimentar no post da Riesling da Alsácia. Porém esse vinho se mostrou seco e bem mineral apesar dos aromas frutados. Apresenta cor amarelo citrino de reflexos esverdeados e aromas de frutas cítricas e tropicais maduras, típicas notas minerais e florais, além de toques de frutos secos e de mel. No palato, é frutado, estruturado, tem bom volume de boca, acidez vibrante e final persistente e fresco.

IMG_20180218_140008398.jpg

Lapostolle Grand Selection Carmenère 2015. Esse foi a segunda opção para harmonizar com essa comida maravilhosa. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo sobre essa uva (link), então aqui iremos nos ater a essa vinícola tão única. Lapostolle é o mais francês dos produtores chilenos. A vinícola foi fundada pela francesa Alexandra Marnier e elabora vinhos tintos, brancos e rosés de grande classe e elegância, cuja inspiração são os melhores vinhos europeus. Com imenso prestígio, em poucos anos conseguiu aclamação da imprensa especializada, estabelecendo-se como um dos mais reputados nomes do vinho chileno. O assessor da vinícola é o famoso Michel Rolland, um dos mais célebres e influentes enólogos da atualidade. Com seus vinhos de estirpe e sua grande consistência qualitativa, a Lapostolle é, sem dúvida, um dos grandes nomes do vinho no Novo Mundo.

logo-lapostolle_lg.png

IMG_20180218_140011284.jpg

IMG_20180218_140019582.jpg

Os dois harmonizaram muito bem com o prato, mas dentre os dois a melhor opção foi pelo Riesling Alemão.

IMG_20180218_141146256.jpg

E por fim tivemos um licor português feito de uma fruta muito famosa no país: a Ginja.

IMG_20180218_165458179_HDR.jpg

Leitão à pururuca, pão de azeitonas e bolo de brigadeiro com vinho do porto

Amigos, o sabor do prato foi tão assombroso que eu decidi que iria fazer um leitão para o meu aniversário. Como entrada tizemos uma tábua de queijos com um pão feito com azeitonas. Para quem acompanhou o post da pizza vai perceber que a receita é bem similar. Tomemos 500g de farinha de trigo, uma colher rasa de sal e misturamo-los na batedeira enquanto colocamos um sachê de fermento para tirá-lo da dormência semelhante como fizemos para a pizza. Depois unimos cerca de 5 colheres de um bom azeite e o fermento para bater na batedeira (ou manualmente se for o caso):

IMG_20180303_081624244.jpg

IMG_20180303_082407768.jpg

Quando der o ponto da massa, iremos sová-la mais um pouco na mesa e abri-la com um rolinho:

IMG_20180303_083323383.jpg

IMG_20180303_083435218.jpg

Agora vamos colocar as azeitonas e um pouco de orégano antes de “enrolar” a massa:

IMG_20180303_083602253

IMG_20180303_083940281

Antes de colocar a massa para crescer iremos cobri-la com azeite para evitar o ressecamento dela:

IMG_20180303_084011614

IMG_20180303_084156058

Depois cobrimo-la com um paninho e deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e 30 minutos:

IMG_20180303_093743931

Depois levamo-la para um forno pré-aquecido a 180 graus Celsius e deixamo-la assando por cerca de 40 minutos:

IMG_20180303_093820427_HDR

Então o pão estará pronto

IMG_20180303_101641585_HDR

IMG_20180303_135608966

Dentre os queijos temos o Grana Padana Italiano, o Brie Francês, o Provolone e um Maasdam Holandês.

IMG-20180304-WA0042

Essas entradinhas mais uma vez foram embaladas pelo maravilhoso drink de pisco. Dessa vez utilizamos o comum e o añejo:

IMG-20180304-WA0064

Tivemos também um outro drink feito com Gin inglês e suco de cramberrie:

IMG_20180303_124532986_HDR.jpg

E uma rápida degustação de um dos melhores Rums do mundo: Havana Club.

IMG_20180303_124903935_HDR.jpg

IMG_20180303_124919515_HDR.jpg

IMG_20180303_125048587.jpg

Receita do Leitão

IMG_20180224_085423904.jpg

O ideal seria utilizarmos um leitão inteiro porém poucos fornos o cabem, então decidimos utilizar a metade de um:

IMG_20180224_085418892.jpg

Como o evento foi no sábado, quarta à noite eu coloquei o leitão na geladeira para que ele pudesse descongelar lentamente. Na noite de quinta feira o processo da marinada começou:

IMG_20180301_192847550.jpg

O primeiro segredo para que a carne pegue o sabor é fazer furos com a faca conforme fizemos com o gigot d’agneau (link). Então introduzimos em cada furo desses um raminho de tomilho, um de alecrim e bastante alho:

IMG_20180301_193229273.jpg

Azeite, pimenta do reino e vinho branco:

IMG_20180301_194510809.jpg

IMG_20180301_203247261.jpg

Titular colheita branco 2015 do Dão

IMG_20180301_203348360.jpg

IMG_20180301_203843538.jpg

Após a marinada preparada cobrimo-lo com papel filme e levamo-lo para a geladeira até a noite da sexta quando viramo-lo para que pegue bem a marinada do outro lado:

IMG_20180301_204337761.jpg

Na manhã de sábado tiramo-lo da geladeira:

IMG_20180303_094910739_HDR.jpg

O ideal para fazer um bom assado é possuir um bom forno que consiga uniformizar bem a temperatura por todo o cozimento:

IMG_20180303_105302767.jpg

Setamo-lo na temperatura de 180 graus enquanto preparamos o leitão para ele. Uma dica importante ensinada pela minha tia foi que, de forma ao assado não ficar mais tostado no fundo do que em cima, devemos fazer uma caminha com cebolas antes de assentarmos o leitão:

IMG_20180303_105550234.jpg

Depois de colocarmos sal nele todo, cobrimo-lo com papel alumínio e o levamos ao forno por cerca de 2 horas:

IMG_20180303_105928779_HDR.jpg

IMG_20180303_110134212.jpg

Após as duas horas iremos retirá-lo, adicionar sal grosso, um pouco mais de azeite e retorna-lo sem o papel alumínio na função de gratinar:

IMG_20180303_125334160.jpg

IMG_20180303_130814676.jpg

Enquanto ele gratina iremos preparar o feijão tropeiro. Esse que é praticamente patrimônio histórico dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Sua história nos remonta à época dos bandeirantes pois, desde o período colonial, o transporte das mais diversas mercadorias era feito por tropas a cavalo ou em lombos de burros. Os homens que guiavam esses animais eram chamados de tropeiros. Até a metade do século XX, eles cortavam ainda parte do estado de Minas Gerais, conduzindo gado. A alimentação dos tropeiros era constituída basicamente por toucinho, feijão, farinha, pimenta-do-reino, café, fubá e coité (um molho de vinagre com fruto cáustico espremido). Nos pousos, comiam feijão quase sem molho com pedaços de carne de sol e toucinho, que era servido com farofa e couve picada. Assim, o feijão, misturado à farinha de mandioca e a outros ingredientes, tornou-se um prato básico do cardápio desses homens, daí a origem do feijão tropeiro.

IMG_20180303_115719606_HDR.jpg

Mais um segredo aqui: a cebola não deve ser gratinada junto com o alho e depois colocado o bacon pois todos possuem tempo de cozimento diferente. O mais correto é colocar primeiro o bacon, depois a calabresa, depois a cebola e, por último, o alho:

IMG_20180303_131105448.jpg

IMG_20180303_131206087.jpg

Depois vão se adicionando os outros ingredientes como o feijão pré-cozido somente com sal, a couve e, por último, o ovo frito:

IMG_20180303_133338535.jpg

IMG_20180303_134122184.jpg

Houve um problema com o leitão porque o colocamos muito perto do grill então ele ficou mais escuro do que gostaríamos, mas o sabor ficou inigualável. Caso você faça na sua casa e a pele não pururuque o segredo é jogar um óleo bem quente por cima.

IMG_20180303_144141641

IMG_20180303_144339718.jpg

IMG_20180303_140135835_HDR.jpg

IMG_20180303_144423117_HDR.jpg

IMG-20180304-WA0004.jpg

O vinho de escolha foi um Carmenère Gran Reserva:

IMG_20180303_144543370.jpg

Viu Manent Gran Reserva Carménère 2015. Um vinho que possui nada menos do que a classificação 90 pontos Robert Parker e 88 pontos Wine Enthusiast. Permanece por 11 meses em barris de carvalho francês (80%) e americano (20%). De cor vermelho rubi profundo, este vinho possui aromas de cerejas, ameixas e erva-doce. Em boca apresenta deliciosos sabores menta e couro, que combinam perfeitamente com seus potentes taninos e conduzem a um longo de equilibrado final.

IMG_20180303_144547073.jpg

IMG_20180303_144553600_HDR.jpg

IMG_20180303_145439981.jpg

IMG_20180303_145445192.jpg

Harmonização perfeita!

IMG-20180304-WA0054.jpg

Tivemos também um corte espanhol de Garnacha, Syrah e Tempranillo maravilhoso. Esteban Martín D.O.P. Cariñena Crianza 2014.

IMG_20180303_172211134.jpg

Um tempranillo espanhol: Mesta tempranillo 2016.

IMG_20180303_172157441.jpg

Tivemos também duas cervejas de peso que combinaram perfeitamente com o prato.

IMG_20180303_100714640_HDR.jpg

Cerveja Heilige Barley Wine. Cerveja escura com corpo elevado, residual adocicado e teor alcoólico de 9%. Apresenta notas de envelhecimento e de frutas secas. Notas amadeiradas, caramelo, toffee, café, pão tostado e um final alcoólico que lembra vinho do porto.

IMG_20180303_100728845.jpg

IMG_20180303_100732669.jpg

IMG_20180303_100742094.jpg

A segunda é uma cervejaria que está se mostrando uma das minhas preferidas do Brasil: Leopoldina. Já comentamos sobre a versão wit dela no post anterior.

IMG_20180303_100800952.jpg

Leopoldina Weissbier

IMG_20180303_100804139.jpg

IMG_20180303_100811714.jpg

IMG_20180303_152942220.jpg

IMG-20180304-WA0005.jpg

Achei também que, para representar bem o estado do Pará do post anterior ficou faltando falarmos sobre a mais famosa cerveja feita lá: a Cerpa.

IMG_20180302_223136301.jpg

Essa é uma cerveja que não é puro malte porém é uma boa opção em relação às “cervejas de massa”

IMG_20180302_223144324.jpg

IMG_20180302_223153953.jpg

IMG-20180304-WA0067.jpg

Por último tivemos um bolo de brigadeiro com vinho do porto. Se existe alguma dúvida sobre qual vinho harmonizar com a sobremesa, a opção do vinho do porto sempre se mostra uma boa opção e um “lugar comum” quando se conhece pouco outras opções.

IMG_20180303_153738116.jpg

IMG-20180304-WA0010.jpg

IMG_20180303_155144497.jpg

Cockburns Fine Tawny Port

IMG-20180304-WA0014.jpg

Sandeman Porto Ruby

Conclusão

Obrigado mais uma vez aos meus tios por me proporcionarem uma festa tão bacana, não consigo acreditar uma festa melhor de 30 anos!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Coq au vin, queijos e vinhos franceses, chartreuse e degustações de pinot noir

“Ao contrário dos relacionamentos pessoais e profissionais, no vinho a infidelidade é essencial” (João Filipe Clemente)

IMG_20170611_145757123.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um tanto especial pois será um evento francês com uma receita de um coq au vin e degustações múltiplas de grandes Pinot Noir e outros vinhos. Esse é o quinto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares) e ele ocorrerá na minha casa. Caso alguém queira conferir o quarto encontro, basta clicar aqui.

Receita do Coq au Vin

Amigos, essa é uma receita que demora algumas horas para ficar pronta, logo recomendo começar a prepara-la cedo. Já tivemos aqui no blog um post sobre o coq au vin contando sua história, caso queira conferi-lo basta clicar aqui.

IMG_20170611_112642303_HDR.jpg

Tomemos então cerca de 25 mini cebolas, descascamo-las e reservamos:

IMG_20170611_113736168.jpg

Picamos também cerca de duas mini cebolas e reservamo-las:

IMG_20170611_114228631_HDR.jpg

IMG_20170624_094046465.jpg

Cortamos em rodelas duas cenouras:

IMG_20170611_115123483.jpg

IMG_20170624_100259256.jpg

Numa panela grande de ferro colocamos azeite e manteiga para dourarmos as cebolas:

IMG_20170611_114701169_HDR.jpg

IMG_20170611_114709501.jpg

IMG_20170611_114727154

IMG_20170611_114832912.jpg

IMG_20170611_115018764.jpg

IMG_20170624_094618242.jpg

Depois de douradas, retiramo-las do fogo e reservamo-las:

IMG_20170624_095432894.jpg

Usando o mesmo azeite e manteiga usados para dourar as cebolas, douramos cerca de 750g de bacon:

IMG_20170624_095613478.jpg

IMG_20170624_095833319.jpg

Assim que o bacon estiver dourado, acrescentaremos cerca de 2,5kg de frango caipira. A receita original previa um galo mas, devido à dificuldade de acha-lo, iremos utilizar frango caipira comum. Também se usa o galo todo na receita original, mas aqui iremos usar apenas sobrecoxas.

IMG_20170611_120851364.jpg

Vamos dourar o frango junto com o bacon:

IMG_20170624_100929317.jpg

Assim que o frango estiver dourado iremos acrescentar a cebola picada e a cenoura para dourarem juntos:

IMG_20170624_102338734.jpg

IMG_20170624_102402705.jpg

IMG_20170624_103338243.jpg

Depois de cozê-los juntos, o próximo passo é acrescentar cerca de duas colheres de sopa de farinha de trigo e cozê-la junto com os outros ingredientes:

IMG_20170624_103343590.jpg

IMG_20170624_103440366.jpg

Depois de cozidos iremos acrescentar alho, sal, pimenta e algumas folhas de louro:

IMG_20170611_122920805.jpg

IMG_20170611_123107747.jpg

IMG_20170611_123116155.jpg

IMG_20170611_123216453.jpg

IMG_20170611_123252412.jpg

Depois vamos cobrir todos os ingredientes com duas garrafas de vinho tinto:

IMG_20170611_123323647.jpg

IMG_20170611_123612404.jpg

IMG_20170624_105325710.jpg

E agora se inicia um longo cozimento. Baixe o fogo e deixe o galo cozinhar por cerca de 2 horas sempre mexendo para não grudar no fundo da panela.

IMG_20170624_105919191.jpg

Enquanto isso iremos preparar os champignons:

IMG_20170624_111043347_HDR.jpg

Aproximadamente 600g e partimos todos em 4 pedaços:

IMG_20170624_112945829.jpg

Vamos agora coloca-los na frigideira com manteiga:

IMG_20170624_114611898.jpg

Vamos agora usar o suco de 1 limão, sal e pimenta do reino:

IMG_20170611_133145151.jpg

IMG_20170611_132912920.jpg

IMG_20170624_115701549.jpg

Depois de fritos, apenas reservamo-los junto com os outros ingredientes. Após aproximadamente 2 horas o frango já vai ter adquirido uma consistência bonita:

IMG_20170624_113101563.jpg

É a hora de unirmos as cebolas, o champignon e checar o sal e a pimenta:

IMG_20170624_125215971.jpg

IMG_20170624_125249632.jpg

Depois disso o coq au vin deve ainda ser cozinhado por cerca de 30-40 minutos. Enquanto isso prepararemos umas entradas para o início do evento: queijos franceses e batatas gratinadas com queijo gorgonzola feitos pela minha esposa Aline.

IMG_20170624_124218307.jpg

IMG_20170624_125005659.jpg

IMG_20170624_124646864.jpg

IMG_20170624_125419043.jpg

IMG_20170624_125435171.jpg

IMG_20170624_125626986.jpg

Para fazer as batatas basta primeiro cozê-las na água:

IMG_20170624_122939550.jpg

Fazer orifícios e colocar o molho feito com queijo gorgonzola e creme de leite antes de gratiná-las no forno:

IMG_20170624_124729272.jpg

IMG-20170625-WA0014.jpg

IMG-20170625-WA0019.jpg

Com essas entradas temos algumas cervejas artesanais:

IMG_20170611_144944831.jpg

Witbier brasileira muito bem feita, vale a pena conferir.

IMG_20170611_144952499.jpg

IMG_20170611_145229988.jpg

Uma weizen alemã:

IMG_20170624_132158541.jpg

Outra witbier artesanal muito bem feita:

IMG_20170624_132211585.jpg

IMG_20170624_140223612_HDR.jpg

IMG_20170624_135823710.jpg

Harmonização e características da pinot noir

Conforme falamos no post anterior, o coq au vin combina perfeitamente com vinhos da Borgonha, principalmente os feitos com a uva pinot noir. Essa que é considerada uma das uvas mais difíceis de serem cultivadas por exigir terroirs muito específicos. É dela que se obtém vinhos lendários como o romanée-conti que são vendidos no Brasil com valores absurdos de até R$40 mil reais:

pinot-noir-1-1024x683-1040x585.jpg

romanee.jpg

A pinot noir é talvez a uva mais adorada pelos grandes apreciadores de vinhos. É dito que, através dela produz-se vinhos muito delicados e saborosos. Ficou muito famosa no mundo e, principalmente nos EUA, depois do filme Sideways.

260x365_519ebb6848706.jpg

São vinhos que possuem baixo nível de taninos, uma acidez moderada e aromas muito frutados de cereja, amora, framboesa, especiarias, ervas e flores. Com a idade ressalta toques animais, couro e cogumelos secos. Mas é difícil definir um gosto típico de Pinot Noir, justamente por depender muito do terroir do qual foi extraída, e do seu processo de vinificação.

bdf73d8176c47900aa2fcc13fdfa36f4--wine-varietals-wine-education.jpg
Fonte: https://www.winefolly.com

Por esses motivos, houve uma decisão de harmonizar nosso coq au vin com diversos tipos de pinot noir. O primeiro e o segundo da lista foram degustados num evento anterior com o mesmo prato. Segue-se um pinot noir maravilhoso chileno da bodega ventisquero já citada algumas vezes no blog:

IMG_20170611_150535137.jpg

E um pinot noir argentino maravilhoso: Partidge Reserva Pinot Noir 2013

IMG_20170611_150509657.jpg

Degustados lado a lado todos os dois harmonizaram com o prato porém pode-se perceber a diferença de um pro outro: o chileno bastante aromático e com presença de madeira, porém com uma acidez um pouco acima da média. Já o argentino bem mais redondo e equilibrado em nada se destacando (chileno da esquerda e argentino da direita).

IMG_20170611_151126069.jpg

Vinhos de escolha

O desafio era degustar vários tipos de pinot noir e dizer qual país produz o melhor deles. Para esse desafio tivemos alguns vinhos de peso. O primeiro deles foi um chileno ganhador de vários prêmios, detentor de 91 pontos pelo Wine Spectator (James Suckling): Arboleda Pinot Noir 2014.

IMG_20170624_134902576_HDR.jpg

IMG_20170624_134912726_HDR.jpg

O segundo é um clássico da Califórnia cujo nome dispensa comentários: Robert Mondavi Private Selection Pinot Noir 2014. Caso alguém não tenha visto o post sobre os vinhos californianos pode clicar aqui.

IMG_20170613_192049668.jpg

E temos também dois representantes clássicos da região lendária da Borgonha (o berço da Pinot Noir e dita pelos especialistas possuir os melhores vinhos). Masson Dubois Bougorne 2011 e Louis Latour 2013.

IMG_20170624_131825335_HDR.jpg

IMG_20170624_131833031.jpg

IMG_20170624_131848567_HDR.jpg

IMG_20170624_131859983.jpg

Início das degustações

Após o tempo previsto o coq au vin ficou pronto:

IMG_20170624_142235108.jpg

Como acompanhamento fica perfeito uma baguete de parmesão.

IMG_20170624_142815228.jpg

IMG_20170624_143114951.jpg

IMG_20170624_143441830.jpg

IMG_20170624_143559618.jpg

IMG_20170624_144232076.jpg

IMG_20170624_144345742.jpg

Quando colocamos os três um do lado do outro fica fácil ver algumas características: o chileno é o mais aromático porém o mais ácido de todos. O americano é o mais redondo e agradável com um retrogosto agradável e macio enquanto que o francês é um bom vinho mas sem personalidade e com retrogosto seco e levemente desagradável. Nada se destaca nele, mas de acordo com os presentes foi o que melhor harmonizou com o prato. Nesse duelo não houve vencedores pois todos eram muito bons.

IMG_20170624_150857970.jpg

IMG_20170624_150906664.jpg

Além desses pinot noir tivemos alguns outros muito bons:

IMG_20170624_131033740.jpg

Esse é um Francês feito com um assemblage de uvas:

IMG_20170624_161749107.jpg

Um primitivo italiano que foi uma das estrelas da festa: La Marchesana Primitivo di Puglia 2015.

IMG_20170624_134750596_HDR.jpg

IMG_20170624_134802897.jpg

IMG_20170624_153351840.jpg

Mais uma vez um vinho da bodega ventisquero: Carmenère 2015

IMG_20170624_162714832.jpg

IMG_20170624_162735319.jpg

IMG_20170624_164127208.jpg

E um vinho português do Douro que impressionou por sua qualidade por ser um vinho de R$30 reais. Ele é um dos exemplos de que um vinho não precisa ser caro para ser bom!

IMG_20170611_155920762.jpg

IMG_20170611_155934342_HDR.jpg

Dessert

Como sempre na confraria sempre temos uma surpresa que nos aguarda e hoje foi a vez da maravilhosa torta mais do que genuinamente francesa feita pela minha tia Sônia: Tarte Tatin.

IMG_20170624_151951859_HDR.jpg

Essa torta é muito conhecida na França e tem uma história bem legal. Reza a lenda que a Tarte Tatin teria nascido de um erro culinário, ocasionado por um momento de desatenção da cozinheira. Quando Jean Tatin faleceu no final do século XIX, suas filhas Stéphanie e Caroline herdaram o hotel e restaurante Tatin, situado na pacata cidade de Lamotte-Beuvron, no Loir-et-Cher (centro da França). Caroline era conhecida por ser uma excelente administradora. Já Stéphanie, era uma cozinheira muito talentosa. As duas formavam uma ótima equipe e, mesmo após o falecimento do pai, elas continuaram gerindo com brio o estabelecimento familiar. Uma das especialidades de Stéphanie era a torta de maçãs, que ela servia morna, caramelizada e bem macia. Os clientes vinham de longe para apreciar a famosa iguaria. No entanto, Stéphanie também era conhecida pelo seu jeito meio distraído e tagarela. Assim, num dia de muito movimento, ela ficou conversando demais com os clientes até que se deu conta de que a sobremesa não estava pronta. Então, ela correu para preparar a famosa torta, pôs ela no forno e só depois é que reparou que tinha esquecido de colocar a massa no fundo da forma. Vendo que as maçãs estavam caramelizadas, ela teve a idéia de pôr a massa por cima e de virar a torta quando ela saísse do forno. Quanto aos clientes, eles simplesmente adoraram a nova receita!

IMG_20170624_153711444.jpg

Como acompanhamento para essa receita temos dois licores genuinamente franceses e difíceis de encontrar fora da França. O primeiro deles é o Chartreuse, um licor de pêra:

IMG_20170624_132424202.jpg

IMG_20170624_132426652.jpg

IMG_20170624_132436080.jpg

IMG_20170624_154414486_HDR.jpg

IMG_20170624_154603925.jpg

O segundo é o liqueur de génépi de savoie feito com uma florzinha que cresce nos alpes franceses:

IMG_20170624_132352565.jpg

IMG_20170624_132400904.jpg

IMG_20170624_160902030.jpg

Conclusão

Foi um prazer muito grande receber todos na minha humilde residência e partilhar de momentos tão indeléveis! Recomendo cada um dos vinhos desse post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Spritzer, Peru, Pernil e Salmão com Espumantes Nacionais e a lendária cachaça: Anísio Santiago

“Amar é como tomar vinho: delicioso, mas em exagero torna-se um veneno que nos mata aos poucos.” Renan Mendonça

IMG_20170101_034914607.jpg

Introdução

Olá amigos, conforme prometi no último post, esse será um post sobre o meu réveillon. Nele darei dicas fantásticas de boas comidas combinadas com espumantes nacionais de altíssima qualidade, bons vinhos, um drink altamente recomendado para o verão, uma boa opção de Brandy português e, para finalizar, teremos a lendária Anísio Santiago.

Apéritif

Começaremos nossa noite com duas cervejas espetaculares: La trappe Golden ale e a Goose Island Ipa.

IMG_20161230_183449707.jpg

IMG_20161230_191958886.jpg

IMG_20161231_174839903.jpg

Muita gente normalmente não gosta da Ipa devido ao fato dela utilizar muito mais lúpulo na sua receita do que os outros tipos de receita. Mas aprendi com um amigo da marinha que ela é uma cerveja que deve ser utilizada apenas como degustação. Ela deve ser consumida em pequena quantidade e com um doritos de acompanhamento.

Spritzer

Essa bebida é altamente deliciosa e se assemelha à famosa sangria, porém ela é feita com Sprite zero. Na internet existem variações de receitas quanto à porcentagem a ser utilizada de vinho tinto ou branco e o Sprite zero. Sem perda de generalidade iremos utilizar 50% de vinho e 50% de Sprite zero. Iremos utilizar um vinho tinto de boa qualidade porém barato:

IMG_20161231_222217693.jpg

Uma belíssima poncheira:

IMG_20161231_222112451.jpg

E frutas. A receita pode ser feita com as frutas variadas ou até mesmo sem elas.

IMG_20161231_222204555.jpg

IMG_20161231_222202200.jpg

IMG_20161231_222135836.jpg

IMG_20161231_222143547.jpg

IMG_20161231_222159235.jpg

IMG_20161231_222231747.jpg

IMG_20161231_222236855.jpg

IMG_20161231_222459474.jpg

IMG_20161231_222750072.jpg

Harmonização

Hoje teremos uma mesa muito farta para harmonização: Peru, Pernil, Farofa de bacon, Salmão ao molho de maracujá, salada de kani com manga e molho teriyaki.

IMG_20161231_222322569.jpg

IMG_20161231_223517740.jpg

IMG_20161231_224159454.jpg

IMG_20161231_224433154.jpg

Como acompanhamento, temos vinhos chilenos do tipo Merlot e Carmenère:

IMG_20161231_223303503.jpg

Para acompanhar o peru e o pernil vamos de Carmenère:

IMG_20161231_224613588.jpg

IMG_20161231_225042635.jpg

IMG_20161231_225130854.jpg

IMG_20161231_225403580.jpg

O salmão é um peixe com bom percentual de gordura, logo a compinação com o spritzer fica refrescante e gostosa:

IMG_20161231_231021161.jpg

Abaixo temos exemplos de vários bons espumantes nacionais da região de Bento Gonçalves:

IMG_20161231_235046838.jpg

IMG_20161231_235109607.jpg

IMG_20170101_014201064.jpg

IMG_20170101_014230092.jpg

IMG_20170101_014628373.jpg

IMG_20170101_241124877.jpg

Digestif

Começaremos 2017 com duas grandes bebidas. A primeira delas é um Brandy Português Espetacular: Aguardente Velha Reserva Carvalho, Ribeiro e Ferreira.

12670204_1111480535537118_5262075189701220511_n.jpg

IMG_20170101_034914607.jpg

IMG_20170101_034919284.jpg

E a segunda é uma verdadeira lenda Brasileira: a cachaça Anísio Santiago-Havana. Essa é a bebida que imortalizou o Brasil no mundo como sinônimo de boa bebida. Eleita durante vários anos seguidos como a melhor cachaça do mundo, a Anísio Santiago foi declarada como patrimônio cultural imaterial de Salinas por meio de Decreto Municipal número 3728/2006. É dito que grandes líderes do mundo como Fidel Castro possuem garrafas em sua coleção particular. Dizem que a fama dessa bebida deu-se com a lenda que diz que o senhor Anísio pagava seus funcionários com a cachaça e eles a vendiam caro, chegando ao valor de um salário mínimo cada (R$ 450). Mas seus dez anos de envelhecimento no barril de bálsamo também conferem a ela estimado valor. Só quem prova essa lenda é que sabe o que significa beber uma boa cachaça! Versões mais velhas dessa cachaça podem ser encontradas na internet ao preço de R$ 10000.

IMG_20170101_112802730.jpg

IMG_20170101_112845851.jpg

Conclusão

Gostaria de deixar registrado aqui um imenso agradecimento à minha família e amigos por terem me proporcionado um réveillon tão maravilhoso. Feliz 2017 e um Ano Novo  com a Graça do nosso bom Deus e com muitas realizações pessoais, espirituais, materiais, etc!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Carmenère, Frango Assado e Estrela Chilena

“Não fico surpreso que as pessoas não identifiquem estes aromas todos nos vinhos que compram. Eu mesmo não sou capaz de reconhecê-los. Aliás, acho muito aborrecido. Não estou interessado nisso, e sim na personalidade do vinho.” (Aubert de Villaine, proprietário da Domaine de Romaneé-Conti)

carmenere_grape
Fonte: http://www.winetypeswiki.com/

Introdução

Voltemos ao Chile meus amigos! O nosso ponto de partida da nossa jornada no mundo da enologia nos apresenta uma uva única em que jamais poderíamos passar incólumes sem o seu conhecimento! E, conforme falei na nossa primeira degustação, a Cabernet-Sauvignon se estabeleceu como a uva que mais se adaptou no país. Porém, da década de 90 para cá, a casta que tem brilhado e se destacado como símbolo chileno é a Carmenère. Uva esta que tem sido adorada por muitas pessoas (inclusive vários amigos próximos) devido à sua unicidade!

História

A história dessa uva pode-se afirmar que é, no mínimo, intrigante. Ela, assim como boa parte das uvas viníferas conhecidas, é originária da França na região do Médoc em Bordeaux. Acredita-se que essa casta é uma das espécies mais velhas do mundo.

medoc-map-2

Vimos nos posts passados que, ao fim do século 19, aproximadamente em 1867, uma terrível praga conhecida como Phylloxera foi responsável por dizimar quase todas plantações de uvas da Europa, afetando particularmente as plantações com a uva Carménère, as quais eram bem mais susceptíveis à doença. Acreditava-se que essa espécie tinha sido extinta do mapa há mais de 100 anos até que, em 1994, no Chile, um enólogo francês, chamado Jean-Michel Boursiquot, notou que algumas cepas de Merlot demoravam a maturar. Os resultados de estudos realizados concluíram que se tratava na realidade da antiga variedade de Bordeaux Carménère, cultivada inadvertidamente, misturada com pés de Merlot. Provavelmente, nos primórdios, ela foi levada por engano ao chile mas se adaptou ao clima agradável e aos solos férteis obtendo êxito ao ponto de ser considerada uma das uvas mais importantes do Chile por sua qualidade e sabor excepcional.

Características da Carmenère

A carmenère é uma uva que foge um pouco das características dos vinhos tintos os quais vimos até o presente momento: possui taninos médios a macios e possui aromas vegetais em adição ao de frutas negras e vermelhas. Em alguns vinhos desta casta é possível sentir o aroma característico de pimentão, por exemplo.

carm
Fonte: http://faberpartner.de
carmenerecharacteristics
Fonte:http://fashionismo.com.br/

Harmonização

Conforme mencionamos no post atual, a carmenère é uma uva que produz vinhos com tanicidade média a baixa e, isso significa dizer que, como é um vinho tinto, combina com carnes e, devido à baixa tanicidade, combina especificamente com carnes brancas como o frango. O seu frango de padaria de Domingo ficará muito mais interessante e saboroso quando combinado com vinhos dessa uva.

Apéritìf

Enquanto se espera pela aprazível refeição, você pode apreciar essa que é um dos exemplos de que no Brasil também se produz bebida de qualidade: Colorado Appia. Essa cervejaria paulista (Ribeirão Preto) de 18 anos que conquistou o mercado não apenas gourmet brasileiro como o Internacional, apresenta uma cerveja de trigo única, com o uso de mel em sua fabricação e cujo rótulo e mascote (urso) foi desenvolvido por um dos maiores designers cervejeiros do mundo: Randy Mosher.

randy-mosher_bx_edward-c-bronson_pi

51gtkylju3l-_sx258_bo1204203200_

IMG_20161112_151227185.jpg

Vinho de escolha: Carmenère Reserva Casillero del Diablo, 2014

Apesar de já termos falado sobre a Concha y Toro aqui no post do Cabernet-Sauvignon, iremos também fazer uso da linha Casillero del Diablo para falarmos sobre a Carmenère devido ao fato de apresentar o melhor custo-benefício de todos. A linha Casillero del Diablo só perde em qualidade para a linha premium Marquês de Casa Concha!!

IMG_20161112_122736740.jpg

img_20161112_124231476

IMG_20161112_124535749_HDR.jpg

Se a vontade do degustador for para harmonizar o vinho com um queijo específico, nada melhor do que um queijo cremoso do tipo brie ou camembert!

IMG_20161112_133008156.jpg

IMG_20161112_133246093.jpg

Digestif

Nada melhor para terminar uma refeição do que harmonizá-la com o síbolo americano do bom Bourbon: Jack Daniels Honney. Também feito com mel em sua receita!!!!!!

IMG_20161112_152739866.jpg

IMG_20161112_152759567_HDR.jpg

Conheça todos os posts do blog através desse link