Harmonizando vinhos com feijoada

 “Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

 IMG_20171008_132613711.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um pouco diferente porque mostraremos uma harmonização com vinhos pouco comum. Quando pensamos em gastronomia brasileira, o exemplo máximo que nos vem à cabeça é a feijoada com a caipirinha, mas hoje mostraremos que é possível sim degustá-la com uma boa taça de vinho. Também foi um momento maravilhoso por ter sido o aniversário do meu tio Francisco.

Cervejas

Apesar de gostar de quase todos os tipos de cerveja, para mim nenhum estilo me apraz mais do que o estilo weizen (trigo) alemão e hoje quero deixar um dos exemplos mais icônicos do tipo: Franziskaner weissbier.

IMG_20171024_143612280.jpg

IMG_20171024_143619731.jpg

IMG_20171024_144023225.jpg

Essa é uma cerveja bávara de excelente qualidade que apresenta bem as qualidades desse estilo: presença forte do cravo e da banana com boa turbidez e bastante encorpada. É muito semelhante à Erdinger e/ou à Paulaner, fazendo com que mesmo os bons conhecedores de cervejas se enrolem diante de um teste cego.

IMG_20171027_132343979.jpg

IMG_20171027_132349069.jpg

IMG_20171027_132403463.jpg

IMG_20171027_145643410.jpg

Essa segunda é produzida por uma cervejaria artesanal brasileira jovem porém bastante premiada: a Schornstein. É uma cerveja bem feita que apresenta bom corpo e estrutura de uma Weiss. Na minha opinião só pecou um pouco no amargor. Achei-a com um amargor um pouco acima do agradável para esse estilo, mas achei que valeu a pena experimentá-la. Recomendo!

IMG_20171027_153610098.jpg

IMG_20171027_153617380.jpg

IMG_20171027_153631100.jpg

IMG_20171027_153826267.jpg

Acredito que se o critério de escolha de alguém por uma cerveja seja a embalagem, certamente a Faxe dinamarquesa será uma excelente opção. Sua emblemática lata de 1 litro com a foto de um viking realmente cativa a atenção de um bom apreciador! Achei gostosa essa Wit porém percebi um certo desequilíbrio entre a quantidade de semente de coentro e a casca de laranja. O coentro está bem presente, mas não consegui identificar muito bem a laranja!

Início do evento

A palavra harmonização tem origem no vernáculo italiano Abbinamento, que significa andar lado a lado, casar, formar par, combinar. Dentro desse contexto, duas possibilidades vêm à tona: similaridade ou contraste. E é desse ponto comum que descobriremos qual a melhor harmonização para a feijoada. Podemos tentar usar um vinho mais tânico como o malbec ou o merlot ou também podemos harmonizá-lo com um bom espumante por contraste.

IMG_20171008_124225270_HDR.jpg

IMG_20171008_132613711

IMG-20171007-WA0007.jpg

IMG_20171008_124724822.jpg

IMG_20171008_124731447.jpg

Para o teste com espumantes temos dois tipos diferentes: um excelente nacional da Salton feito com as uvas Prosecco e um francês rosé Brut.

IMG_20171008_124148042.jpg

IMG_20171008_124153951.jpg

IMG_20171008_132321127.jpg

IMG_20171008_132248384.jpg

IMG-20171007-WA0009.jpg

IMG_20171008_132256776.jpg

IMG_20171008_132448329.jpg

É incrível como eles combinaram com a comida! Nunca pensei que fosse boa essa combinação, mas acho que o contraste da acidez com a gordura do prato de alguma forma paradoxal se combinaram entre si. Sobre o espumante Salton eu acredito que ele dispensa comentários pois acredito ser um excelente custo-benefício. Alguns estudiosos consideram o prosecco nacional até mesmo melhor que o italiano. Mas meu favorito do dia foi esse Francês rosé Charles de Fère cuvée Jean Louis. Apesar de não ter sido feito no terroir de champagne, consegue-se perceber algumas características francesas como a presença de aromas de castanhas e avelãs, ainda que sutis.

IMG_20171008_133443562.jpg

IMG_20171008_133449449.jpg

Parabéns mais uma vez à minha tia Sônia pela comida maravilhosa. A feijoada estava perfeita! Mas a festa ainda estava praticamente começando porque os três vinhos que foram abertos depois da feijoada foram simplesmente motivo de cair o queixo de emoção.

IMG_20171008_145508279.jpg

IMG_20171008_145520477.jpg

IMG_20171008_145842279.jpg

O primeiro foi o Escalera 2009, ganhador da medalha de ouro no Annual Wines of Chile Awards 2014 e marcou ainda 92 pontos no La CAV 2014, duas premiações chilenas de grande importância. Esse é um vinho que simboliza toda a potencialidade do Chile diante de países consagrados como a França. Tenho certeza que bate vinhos de milhares de reais num teste cego. É sensacional!!

IMG_20171008_153246422.jpg

IMG_20171008_153216997.jpg

Como já falei no post anterior, esse segundo é o melhor vinho tinto que eu já tomei em toda minha vida: Primitivo di Manduria Luccarelli. O que eu degustei no post anterior foi da safra de 2011, e esse é ainda melhor pois foi da safra de 2008. Um vinho agradável do começo ao fim. Mesmo para pessoas que não possuem um olfato tão treinado, consegue-se perceber uma complexidade aromática muito grande nele. Aromas de chocolate, café e frutas negras e vermelhas são embaladas por um equilíbrio fantástico de taninos, acidez, álcool e muita fruta. Mais uma vez ressalto que esse é o melhor vinho tinto que eu já tive a oportunidade de degustar em toda minha vida.

IMG_20171008_165522321.jpg

IMG_20171008_165535789.jpg

IMG_20171008_165541504.jpg

IMG_20171008_165745934.jpg

E esse último é uma compensação dos posts anteriores pois ainda não tinha falado de um bom vinho do Dão. Vamos relembrar o mapa de Portugal:

img_20170129_183911194

O Dão é uma região em que a inovação convive lado a lado com a tradição. É um dos melhores terroirs do país, local de origem da celebrada uva Touriga Nacional. A região produz alguns ótimos vinhos tintos, de enorme estrutura, grande concentração de fruta e elegância. Casa de Cello Quinta da Vegia 2010 é um vinho muito consagrado que recebe 90 pontos pela classificação de Robert Parker. Aqui a estrela é a Touriga Nacional, com aromas florais e frutados.

Conclusão

Parabéns mais uma vez Francisco, sua festa foi por demais egrégia. Foi muito bacana perceber que há também uma alternativa para a feijoada a despeito da famosa caipirinha. Combinar espumante com feijoada provou ser uma excelente combinação!

 Conheça todos os posts do blog através desse link

Primitivo di Manduria, o melhor vinho do mundo e um delicioso polpettone com mix de cervejas

 “O vinho é o amigo do moderado e o inimigo do beberrão.” Avicena

IMG_20170707_205416992.jpg

Introdução

Amigos, a frase que eu mais repito aqui no blog é que o melhor vinho do mundo é aquele que você gosta, e hoje vamos falar do meu tinto preferido: Primitivo di Manduria. Vamos conferir também o melhor polpettone de São Paulo: Jardim de Napoli. Caso você deseje visualizar qual a uva branca que eu mais gosto basta clicar aqui.

Cervejas

Amigos, vou comentar um pouco sobre provavelmente a melhor cerveja de trigo que eu já tomei: Domina Weiss!

domina.png

00002598_nacional-domina.png

Essa cerveja é produzida pela Cervejaria Nacional que fica próxima ao metrô Faria Lima. Infelizmente ela está um tempo sem ser comercializada em outros lugares, então para poder conferir essa maravilha é necessário comparecer ao lugar. Mas vale cada centavo conhecer essa brasserie pois essa é uma cerveja bem aromática em que se sente claramente os aromas do cravo e da canela e a sua cor turva identifica um corpo e estrutura bem acima da média. Possui excelente drinkability com concentração alcoólica um pouco elevada. Simplesmente perfeita!!

 

IMG_20170713_180525654.jpg

Harmonizou muito bem com os hamburguinhos da casa

IMG_20170713_191049426.jpg

A próxima cerveja é uma raridade japonesa. Embora eu reconheça que há poucas cervejas japonesas de destaque como a Sapporo (link), essa vale a pena conhecer por ser uma cerveja feita em Okinawa.  Apesar de não ser puro malte ela agradou meu paladar e harmonizou muito bem com comida japonesa. Cerveja Orion.

IMG_20170819_114743496.jpg

IMG_20170819_114753595.jpg

IMG_20170819_114802947.jpg

IMG_20170819_114829716.jpg

IMG_20170819_114852496.jpg

O lugar em que eu apreciei essa raridade é simplesmente uma das melhores casas de Lámen de São Paulo localizada no bairro da liberdade (Lámen Kazu).

IMG_20170819_115214560.jpg

Guioza

IMG_20170819_115450233.jpg

E finalmente o perfeito shoyu Rámen

IMG_20170819_115756350.jpg

Uva Primitivo

guide-to-zinfandel-wine.jpg
Fonte: http://www.winefolly.com

Amigos, eu já comentei sobre essa uva anteriormente no post da zinfandel, porque na verdade esse é o nome que ela recebe nos Estados Unidos, mas estudos comprovaram que elas são a mesma uva. Mas o ponto que mais me chama a atenção nessa uva em relação às outras uvas tintas é o seu perfeito equilíbrio. Nada se destaca nessa uva, tudo é perfeito. Nos vinhos da Cabernet temos o forte tanino, nos vinhos feitos com a Pinot Noir temos a acidez um pouco mais presente, mas aqui tudo está na medida certa. Os vinhos dessa uva também são tão perfeitos que apresentam um leve dulçor no seu retrogosto sem deixar o vinho enjoativo. Vale a pena conferir.

mappa-tommasifamily

Apesar de sabermos que é na Toscana em que se encontram os vinhos premiados da Itália (a exemplo dos 5 Bs), a uva primitivo é plantada no salto da bota (a região de puglia). Mas é na cidade e arredores de Manduria em que essa uva encontra sua expressão máxima.

Puglia-grape-varieties-and-DOPs-1024x669.png

A denominação de origem controlada Primitivo di Manduria é feito com as uvas primitivo plantadas na cidade e arredores de Manduria e alguns levam um pequeno percentual de Negroamaro em sua composição. São vinhos bem estruturados e de grande potencial de guarda (as garrafas são bem mais grossas do que o comum dos vinhos e bem escuras). Todos os vinhos são excelentes, porém minha bodega preferida é a Lucarelli. E é aqui que começa nossa história de hoje. Lucarelli Primitivo di Manduria 2011.

IMG_20170707_193228347.jpg

IMG_20170707_193256534.jpg

Essa é uma garrafa que eu estava guardando a um bom tempo porque infelizmente é um vinho bem caro (por volta de R$ 260), mas hoje foi o dia de provarmos essa barbaridade! (Peço perdão pelo rótulo descascando).

Restaurante de escolha: Jardim de Napoli

jardim-di-napoli.jpg

Amigos, esse vinho é o mais perfeito para acompanhar pratos feitos com filet mignon, logo precisamos de um lugar à altura para acompanhá-lo. Sabemos que São Paulo é referência em cantinas italianas no mundo assim como tivemos no post anterior, mas ninguém faz um polpettone melhor que o Jardim de Napoli.

IMG-20170708-WA0001.jpg

IMG_20170707_215435167.jpg

IMG_20170707_203949283.jpg

Um ponto negativo assim como vi também no Famiglia Mancini é o fato das taças serem de vidro e não de cristal. Isso é muito ruim tendo em vista a alta qualidade do lugar e do atendimento!

IMG_20170707_204058226.jpg

IMG_20170707_204459817.jpg

Vinho estupendo com notas que remetem a chocolate, uvas negras e café

IMG_20170707_204505226.jpg

IMG_20170707_210040217.jpg

IMG-20170708-WA0029.jpg

IMG_20170707_204931438.jpg

É um clima muito agradável e você realmente se sente na Itália por ver tantos italianos falando na sua língua natal!

IMG_20170707_204347881.jpg

IMG_20170707_204308266.jpg

Como acompanhamento para o Polpettone alla Parmigiana nós escolhemos o mais pedido da casa: Linguine ala Crema com Funghi Freschi.

IMG_20170707_205416992

IMG_20170707_205434081.jpg

Nunca na minha vida comi uma massa fresca mais gostosa do que essa, estava realmente divina e harmonizou perfeitamente com esse vinho maravilhoso!

Vinho brasileiro simples com bom custo benefício

Amigos, sempre que puder tentarei dar algumas sugestões no blog de vinhos brasileiros baratos e com bom custo benefício. E o de hoje vai ser com a minha uva branca preferida: a Riesling. Preciso deixar bem claro que ele quase em nada lembra os bons Rieslings da Alsácia ou da Alemanha, sendo considerado um vinho bem “aguado e sem personalidade” em relação a eles, porém é uma excelente opção para uma pessoa que deseje tomar um vinho no valor de R$ 20. Uma meia garrafa é possível de obter por até menos de R$ 10. Almadén Riesling 2017.

IMG_20170728_213632043.jpg

IMG_20170728_213645973.jpg

IMG_20170728_222723020.jpg

IMG_20170728_222728071.jpg

Se você for degustar esse vinho com os “óculos corretos”, ou seja, sabendo que ele é um brasileiro de R$ 20 e for com essa expectativa você irá se surpreender com a qualidade dele.

Conclusão

Adorei esse post porque fiz questão de frisar que existem bons vinhos em toda faixa de preço. Aqui no nosso blog falaremos de vinhos de R$10, R$100, R$ 1000 e porque não R$10000? Mas o importante é estarmos abertos para o fato de que no mundo dos vinhos, preço é algo subjetivo!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Coq au vin, queijos e vinhos franceses, chartreuse e degustações de pinot noir

“Ao contrário dos relacionamentos pessoais e profissionais, no vinho a infidelidade é essencial” (João Filipe Clemente)

IMG_20170611_145757123.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será um tanto especial pois será um evento francês com uma receita de um coq au vin e degustações múltiplas de grandes Pinot Noir e outros vinhos. Esse é o quinto encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares) e ele ocorrerá na minha casa. Caso alguém queira conferir o quarto encontro, basta clicar aqui.

Receita do Coq au Vin

Amigos, essa é uma receita que demora algumas horas para ficar pronta, logo recomendo começar a prepara-la cedo. Já tivemos aqui no blog um post sobre o coq au vin contando sua história, caso queira conferi-lo basta clicar aqui.

IMG_20170611_112642303_HDR.jpg

Tomemos então cerca de 25 mini cebolas, descascamo-las e reservamos:

IMG_20170611_113736168.jpg

Picamos também cerca de duas mini cebolas e reservamo-las:

IMG_20170611_114228631_HDR.jpg

IMG_20170624_094046465.jpg

Cortamos em rodelas duas cenouras:

IMG_20170611_115123483.jpg

IMG_20170624_100259256.jpg

Numa panela grande de ferro colocamos azeite e manteiga para dourarmos as cebolas:

IMG_20170611_114701169_HDR.jpg

IMG_20170611_114709501.jpg

IMG_20170611_114727154

IMG_20170611_114832912.jpg

IMG_20170611_115018764.jpg

IMG_20170624_094618242.jpg

Depois de douradas, retiramo-las do fogo e reservamo-las:

IMG_20170624_095432894.jpg

Usando o mesmo azeite e manteiga usados para dourar as cebolas, douramos cerca de 750g de bacon:

IMG_20170624_095613478.jpg

IMG_20170624_095833319.jpg

Assim que o bacon estiver dourado, acrescentaremos cerca de 2,5kg de frango caipira. A receita original previa um galo mas, devido à dificuldade de acha-lo, iremos utilizar frango caipira comum. Também se usa o galo todo na receita original, mas aqui iremos usar apenas sobrecoxas.

IMG_20170611_120851364.jpg

Vamos dourar o frango junto com o bacon:

IMG_20170624_100929317.jpg

Assim que o frango estiver dourado iremos acrescentar a cebola picada e a cenoura para dourarem juntos:

IMG_20170624_102338734.jpg

IMG_20170624_102402705.jpg

IMG_20170624_103338243.jpg

Depois de cozê-los juntos, o próximo passo é acrescentar cerca de duas colheres de sopa de farinha de trigo e cozê-la junto com os outros ingredientes:

IMG_20170624_103343590.jpg

IMG_20170624_103440366.jpg

Depois de cozidos iremos acrescentar alho, sal, pimenta e algumas folhas de louro:

IMG_20170611_122920805.jpg

IMG_20170611_123107747.jpg

IMG_20170611_123116155.jpg

IMG_20170611_123216453.jpg

IMG_20170611_123252412.jpg

Depois vamos cobrir todos os ingredientes com duas garrafas de vinho tinto:

IMG_20170611_123323647.jpg

IMG_20170611_123612404.jpg

IMG_20170624_105325710.jpg

E agora se inicia um longo cozimento. Baixe o fogo e deixe o galo cozinhar por cerca de 2 horas sempre mexendo para não grudar no fundo da panela.

IMG_20170624_105919191.jpg

Enquanto isso iremos preparar os champignons:

IMG_20170624_111043347_HDR.jpg

Aproximadamente 600g e partimos todos em 4 pedaços:

IMG_20170624_112945829.jpg

Vamos agora coloca-los na frigideira com manteiga:

IMG_20170624_114611898.jpg

Vamos agora usar o suco de 1 limão, sal e pimenta do reino:

IMG_20170611_133145151.jpg

IMG_20170611_132912920.jpg

IMG_20170624_115701549.jpg

Depois de fritos, apenas reservamo-los junto com os outros ingredientes. Após aproximadamente 2 horas o frango já vai ter adquirido uma consistência bonita:

IMG_20170624_113101563.jpg

É a hora de unirmos as cebolas, o champignon e checar o sal e a pimenta:

IMG_20170624_125215971.jpg

IMG_20170624_125249632.jpg

Depois disso o coq au vin deve ainda ser cozinhado por cerca de 30-40 minutos. Enquanto isso prepararemos umas entradas para o início do evento: queijos franceses e batatas gratinadas com queijo gorgonzola feitos pela minha esposa Aline.

IMG_20170624_124218307.jpg

IMG_20170624_125005659.jpg

IMG_20170624_124646864.jpg

IMG_20170624_125419043.jpg

IMG_20170624_125435171.jpg

IMG_20170624_125626986.jpg

Para fazer as batatas basta primeiro cozê-las na água:

IMG_20170624_122939550.jpg

Fazer orifícios e colocar o molho feito com queijo gorgonzola e creme de leite antes de gratiná-las no forno:

IMG_20170624_124729272.jpg

IMG-20170625-WA0014.jpg

IMG-20170625-WA0019.jpg

Com essas entradas temos algumas cervejas artesanais:

IMG_20170611_144944831.jpg

Witbier brasileira muito bem feita, vale a pena conferir.

IMG_20170611_144952499.jpg

IMG_20170611_145229988.jpg

Uma weizen alemã:

IMG_20170624_132158541.jpg

Outra witbier artesanal muito bem feita:

IMG_20170624_132211585.jpg

IMG_20170624_140223612_HDR.jpg

IMG_20170624_135823710.jpg

Harmonização e características da pinot noir

Conforme falamos no post anterior, o coq au vin combina perfeitamente com vinhos da Borgonha, principalmente os feitos com a uva pinot noir. Essa que é considerada uma das uvas mais difíceis de serem cultivadas por exigir terroirs muito específicos. É dela que se obtém vinhos lendários como o romanée-conti que são vendidos no Brasil com valores absurdos de até R$40 mil reais:

pinot-noir-1-1024x683-1040x585.jpg

romanee.jpg

A pinot noir é talvez a uva mais adorada pelos grandes apreciadores de vinhos. É dito que, através dela produz-se vinhos muito delicados e saborosos. Ficou muito famosa no mundo e, principalmente nos EUA, depois do filme Sideways.

260x365_519ebb6848706.jpg

São vinhos que possuem baixo nível de taninos, uma acidez moderada e aromas muito frutados de cereja, amora, framboesa, especiarias, ervas e flores. Com a idade ressalta toques animais, couro e cogumelos secos. Mas é difícil definir um gosto típico de Pinot Noir, justamente por depender muito do terroir do qual foi extraída, e do seu processo de vinificação.

bdf73d8176c47900aa2fcc13fdfa36f4--wine-varietals-wine-education.jpg
Fonte: https://www.winefolly.com

Por esses motivos, houve uma decisão de harmonizar nosso coq au vin com diversos tipos de pinot noir. O primeiro e o segundo da lista foram degustados num evento anterior com o mesmo prato. Segue-se um pinot noir maravilhoso chileno da bodega ventisquero já citada algumas vezes no blog:

IMG_20170611_150535137.jpg

E um pinot noir argentino maravilhoso: Partidge Reserva Pinot Noir 2013

IMG_20170611_150509657.jpg

Degustados lado a lado todos os dois harmonizaram com o prato porém pode-se perceber a diferença de um pro outro: o chileno bastante aromático e com presença de madeira, porém com uma acidez um pouco acima da média. Já o argentino bem mais redondo e equilibrado em nada se destacando (chileno da esquerda e argentino da direita).

IMG_20170611_151126069.jpg

Vinhos de escolha

O desafio era degustar vários tipos de pinot noir e dizer qual país produz o melhor deles. Para esse desafio tivemos alguns vinhos de peso. O primeiro deles foi um chileno ganhador de vários prêmios, detentor de 91 pontos pelo Wine Spectator (James Suckling): Arboleda Pinot Noir 2014.

IMG_20170624_134902576_HDR.jpg

IMG_20170624_134912726_HDR.jpg

O segundo é um clássico da Califórnia cujo nome dispensa comentários: Robert Mondavi Private Selection Pinot Noir 2014. Caso alguém não tenha visto o post sobre os vinhos californianos pode clicar aqui.

IMG_20170613_192049668.jpg

E temos também dois representantes clássicos da região lendária da Borgonha (o berço da Pinot Noir e dita pelos especialistas possuir os melhores vinhos). Masson Dubois Bougorne 2011 e Louis Latour 2013.

IMG_20170624_131825335_HDR.jpg

IMG_20170624_131833031.jpg

IMG_20170624_131848567_HDR.jpg

IMG_20170624_131859983.jpg

Início das degustações

Após o tempo previsto o coq au vin ficou pronto:

IMG_20170624_142235108.jpg

Como acompanhamento fica perfeito uma baguete de parmesão.

IMG_20170624_142815228.jpg

IMG_20170624_143114951.jpg

IMG_20170624_143441830.jpg

IMG_20170624_143559618.jpg

IMG_20170624_144232076.jpg

IMG_20170624_144345742.jpg

Quando colocamos os três um do lado do outro fica fácil ver algumas características: o chileno é o mais aromático porém o mais ácido de todos. O americano é o mais redondo e agradável com um retrogosto agradável e macio enquanto que o francês é um bom vinho mas sem personalidade e com retrogosto seco e levemente desagradável. Nada se destaca nele, mas de acordo com os presentes foi o que melhor harmonizou com o prato. Nesse duelo não houve vencedores pois todos eram muito bons.

IMG_20170624_150857970.jpg

IMG_20170624_150906664.jpg

Além desses pinot noir tivemos alguns outros muito bons:

IMG_20170624_131033740.jpg

Esse é um Francês feito com um assemblage de uvas:

IMG_20170624_161749107.jpg

Um primitivo italiano que foi uma das estrelas da festa: La Marchesana Primitivo di Puglia 2015.

IMG_20170624_134750596_HDR.jpg

IMG_20170624_134802897.jpg

IMG_20170624_153351840.jpg

Mais uma vez um vinho da bodega ventisquero: Carmenère 2015

IMG_20170624_162714832.jpg

IMG_20170624_162735319.jpg

IMG_20170624_164127208.jpg

E um vinho português do Douro que impressionou por sua qualidade por ser um vinho de R$30 reais. Ele é um dos exemplos de que um vinho não precisa ser caro para ser bom!

IMG_20170611_155920762.jpg

IMG_20170611_155934342_HDR.jpg

Dessert

Como sempre na confraria sempre temos uma surpresa que nos aguarda e hoje foi a vez da maravilhosa torta mais do que genuinamente francesa feita pela minha tia Sônia: Tarte Tatin.

IMG_20170624_151951859_HDR.jpg

Essa torta é muito conhecida na França e tem uma história bem legal. Reza a lenda que a Tarte Tatin teria nascido de um erro culinário, ocasionado por um momento de desatenção da cozinheira. Quando Jean Tatin faleceu no final do século XIX, suas filhas Stéphanie e Caroline herdaram o hotel e restaurante Tatin, situado na pacata cidade de Lamotte-Beuvron, no Loir-et-Cher (centro da França). Caroline era conhecida por ser uma excelente administradora. Já Stéphanie, era uma cozinheira muito talentosa. As duas formavam uma ótima equipe e, mesmo após o falecimento do pai, elas continuaram gerindo com brio o estabelecimento familiar. Uma das especialidades de Stéphanie era a torta de maçãs, que ela servia morna, caramelizada e bem macia. Os clientes vinham de longe para apreciar a famosa iguaria. No entanto, Stéphanie também era conhecida pelo seu jeito meio distraído e tagarela. Assim, num dia de muito movimento, ela ficou conversando demais com os clientes até que se deu conta de que a sobremesa não estava pronta. Então, ela correu para preparar a famosa torta, pôs ela no forno e só depois é que reparou que tinha esquecido de colocar a massa no fundo da forma. Vendo que as maçãs estavam caramelizadas, ela teve a idéia de pôr a massa por cima e de virar a torta quando ela saísse do forno. Quanto aos clientes, eles simplesmente adoraram a nova receita!

IMG_20170624_153711444.jpg

Como acompanhamento para essa receita temos dois licores genuinamente franceses e difíceis de encontrar fora da França. O primeiro deles é o Chartreuse, um licor de pêra:

IMG_20170624_132424202.jpg

IMG_20170624_132426652.jpg

IMG_20170624_132436080.jpg

IMG_20170624_154414486_HDR.jpg

IMG_20170624_154603925.jpg

O segundo é o liqueur de génépi de savoie feito com uma florzinha que cresce nos alpes franceses:

IMG_20170624_132352565.jpg

IMG_20170624_132400904.jpg

IMG_20170624_160902030.jpg

Conclusão

Foi um prazer muito grande receber todos na minha humilde residência e partilhar de momentos tão indeléveis! Recomendo cada um dos vinhos desse post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link