Rosso di Montalcino, o pequeno brunello, vinho da sicília, foie gras e o maravilhoso presunto serrano pata negra

 “Tenha cuidado de confiar em uma pessoa que não gosta de vinho.” Karl Marx

IMG_20180415_140118577.jpg

Amigos, hoje o post será um mix de dois encontros diferentes porém com a ênfase no Rosso di Montalcino. Já tivemos dois posts no blog em que falamos sobre o estupendo brunello di montalcino e esse será um complemento desse mundo!

Cervejas

IMG_20180330_134119570.jpg

Colorado Outback Rye Light American Wheat

IMG_20180330_134128517.jpg

IMG_20180330_134330671.jpg

Amigos, falar da Colorado é sempre um motivo de grande alegria porque sempre me remete ao prazer que ela me proporciona! E hoje vamos falar de uma edição especial feita especialmente para o Outback. A idéia dessa cerveja é ser o representante líquido do seu famoso pão australiano. Ela é feita com água, Malte de Cevada, Malte de Trigo e Malte de Centeio, Açúcar Mascavo, Centeio e Lúpulo Australiano. É uma cerveja com bastante corpo e levemente adocicada apresentando um aroma agradável de pão!

IMG_20180414_154509043.jpg

Heilige Weissbier

IMG_20180414_154522288.jpg

IMG_20180414_161540524.jpg

Amigos, já tivemos a oportunidade aqui no blog de falarmos sobre outra representante dessa cervejaria e a avaliação continua a mesma: impecável. Tudo encontra-se perfeito nessa cerveja: bom corpo, aromática e final agradável e refrescante. Nota 10.

Semana Santa e o bacalhau à moda Nona

IMG_20180331_134104433.jpg

Farei apenas uma breve explanação sobre a semana santa em que tivemos o lendário bacalhau à moda Nona já comentado num post anterior. Mas como entradinha tivemos terrine de foie gras!

IMG-20180331-WA0031

IMG_20180331_135644427.jpg

Com toda certeza essa é uma das coisas mais gostosas que já tive o prazer de provar na minha vida!

IMG_20180331_145119975.jpg

Para harmonizar com esse prato eu escolhi um alvarinho português: Via Latina Alvarinho 2013

IMG_20180331_124017311_HDR.jpg

IMG_20180331_124021774.jpg

IMG_20180331_124026062.jpg

IMG_20180331_145600639.jpg

Vinho surpreendente principalmente pelo seu excelente custo benefício de apenas R$40. Bastante mineral porém redondo e com bom retrogosto. Acidez acentuada.

IMG_20180331_151127689.jpg

IMG-20180331-WA0020.jpg

Quinta D’amares loureiro alvarinho. Esse é um corte feito com as castas loureiro/alvarinho. No nariz há a presença forte de frutas cítricas e na boca ele aparenta ser menos encorpado do que o anterior porém com acidez menos acentuada.

IMG_20180331_152836817.jpg

Casa Ermelinda Freitas Terras do Pó branco 2015. Vinho da região de Setúbal que é um corte das castas 85% Fernão Pires e 15% Arinto. Vinho de cor amarelo esverdeado, frutado, com lembrança de frutas tropicais e cítricas. Boa acidez.

IMG-20180331-WA0024.jpg

O próximo é um vinho específico para harmonizar com pudim: Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal.

IMG-20180331-WA0026

IMG_20180331_155117359.jpg

Esse é um vinho feito com a uva moscatel de Setúbal possuindo cor acobreada partindo para o vermelho rubro. Rico e complexo, com aromas de mel e casca de laranja. Na boca é encorpado e doce revelando boa acidez que lhe confere frescura. Fim de boca persistente e muito prolongado.

IMG_20180331_161451446.jpg

Também aproveitamos a oportunidade para degustarmos um bom vinho do porto: Croft Fine Tawny Port.

IMG_20180331_165248906.jpg

Após a refeição tivemos a oportunidade ainda de degustarmos grandes vinhos. O primeiro deles é um pinot noir chileno da bodega que “derrubou um gigante” em nossa degustação passada: Montes Alpha.

IMG_20180331_165314333.jpg

IMG_20180331_165325015.jpg

Montes Alpha Pinot Noir 2016. Um grande vinho em que se percebe alta qualidade na sua produção. Uma pena porque na minha humilde opinião essa uva não se adaptou bem ao terroir chileno apresentando vinhos com uma acidez muito acentuada e desequilibrada! Mas vale a tentativa.

IMG_20180331_172504499.jpg

Errazuriz max reserva merlot 2015. Essa também é outra bodega chilena que dispensa apresentações. A Errazuriz com certeza desponta entre as melhores bodegas do chile! E esse vinho é uma pedra preciosa! Percebemos aromas de frutas tão vermelhas quanto o rubi que brilha: cerejas, ameixas, framboesas e amoras com um fundo herbáceo e de especiarias: cravo-da-índia e folhas de louro. Macio e suculento no paladar, por onde as mesmas frutas vermelhas do nariz desfilam com calma, prolongando o sabor no final de boca.

IMG_20180331_155950970.jpg

Por fim tivemos um duelo assustador: um grande cognac francês contra uma grande aguardente vínica portuguesa! Na minha humilde opinião não consegui encontrar um vencedor pois ambos são muito iguais! Hennessy Privilege V.S.O.P. versus CR&F Aguardente Velha Reserva.

Rosso di Montalcino, Presunto Serrano Pata Negra e Macarrão à Bolognesa

IMG_20180415_131823222.jpg

Presunto Serrano Pata Negra

jamon-iberico.jpg

Amigos, junto com o foie gras essa é outra iguaria bastante cara e por demais saborosa da qual tive o prazer de degustar. É interessante porque o porco utilizado realmente é diferente e de cor negra:

cerdo-ibérico.jpg

É uma iguaria que merece ser degustada pelo menos uma vez na vida já que custa tão caro. Uma peça de aproximadamente 9 kg não sai por menos de R$3000.

IMG_20180415_132028126.jpg

IMG_20180415_140118577.jpg

Castiglion del Bosco Rosso di Montalcino 2013. Amigos, já tivemos a oportunidade de falar sobre o melhor vinho tinto do mundo na minha opinião: o brunello di montalcino. Hoje iremos falar de uma versão mais simples porém bastante agradável: o Rosso di Montalcino. Conforme comentamos no post do brunello, ele é um vinho que precisa ser envelhecido por pelo menos 5 anos antes de ser vendido, o que torna seu preço bastante proibitivo como o caprilli de R$450 que provamos no post anterior. Já o Rosso di Montalcino (que também é feito de sangiovese grosso em Montalcino) não é requerido o envelhecimento por mais de ano, o que o faz ter menos madeira, menos tanino, menos corpo, menos fruta e também mais barato. No Brasil é possível compra-lo na faixa de R$200, o que é bem mais barato do que um Brunello. Por todas essas características, ele recebe o nome de pequeno brunello ou baby brunello.

IMG_20180415_140127336.jpg

A harmonização perfeita dá-se com um bom macarrão à bolognesa:

IMG_20180415_140141407.jpg

IMG_20180415_140929479.jpg

IMG_20180415_143222277.jpg

IMG_20180415_143235266.jpg

Provamo-lo também com um excelente vinho da Sicília: Mandorla Syrah Sicilia IGT 2014.

icon_107.gif

A Sicília atualmente é onde a Itália talvez mais se aproxime do Novo Mundo. Muitos produtores de talento têm elaborado ótimos vinhos com uvas internacionais, como Syrah, Chardonnay e Cabernet Sauvignon de excelente qualidade. O estilo é intenso, concentrado e explosivo, cheio de fruta, mas em geral, guardando um caráter italiano. Alguns destes vinhos receberam muitos prêmios e elogios nos últimos tempos. E esse vinho em específico apresenta aromas evidentes de violeta e groselha enriquecidas por notas de alcaçuz e pimenta preta. A boca está cheia e os taninos são bem equilibrado por um corpo redondo com um acabamento torrado e picante.

IMG_20180415_150937056.jpg

Por fim iremos mais uma vez volver à França meus amigos! Petits Detours Grenache 2016. Essa uva é a mesma que a cannonau do post anterior e ela é o ingrediente principal do famosíssimo Chateneuf du Pape.

IMG_20180415_150941709.jpg

IMG_20180415_150949216.jpg

IMG_20180415_151217411.jpg

Vinho estupendo, agradável, encorpado, taninos bem redondos, baixa acidez e bastante fruta! Nota 10.

Conclusão

Que combinação perfeita de aromas, sabores e agradável companhia!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Áustria, Hungria, Brunello di Montalcino com Pinot Noir da Córsega e Risoto de Manga com Camarão e Paillard de Mignon

“Rezo para que você se apaixone por mim, porque eu sou mais falso do que as promessas feitas no vinho.” William Shakespeare

IMG_20180407_150505039.jpg

Introdução

Amigos, hoje no post falaremos sobre uma das minhas comidas preferidas: o risotto! Esse evento também é o nono encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o oitavo encontro, basta clicar aqui. Teremos também no post dois países inéditos aqui no blog: Áustria e Hungria e também falaremos novamente sobre o lendário Brunello di Montalcino que falamos no post anterior. Por fim falaremos da terra de Napoleão Bonaparte e de um pinot noir da Córsega!

Áustria e a Grüner-Veltliner

Gruner-Veltliner-wine-glass-with-grapes.jpg
Fonte: http://www.winefolly.com
Austria-Map-by-Wine-Folly1.png
Fonte: http://www.winefolly.com

Amigos, a Áustria muitas vezes não figura entre os países famosos no mundo do vinho, o que não significa que esse país não produza vinhos de excepcional qualidade! E com certeza a uva que simboliza esse país é a autóctona (praticamente só existe naquele país) Grüner-Veltliner. Essa uva tão exótica que lembra de longe uma Sauvignon Blanc. O nome dela é traduzido como o vinho verde de Veltlin, que era uma área nos alpes baixos durante os anos de 1600 que hoje é parte da Valtelina, Itália. É um vinho que apresenta aromas bastante frutados como a Lima e a Nectarina assim como toques de mel. Para iniciarmos nosso estudo nesse país tão especial iremos escolher um vinho dessa uva tão emblemática: weingut bründlemayer langenloiser grüner veltliner 2004.

IMG_20180407_111211185_HDR.jpg

IMG_20180407_111215218.jpg

IMG_20180407_111227538.jpg

Tokaj e a Hungria

tokaj-regiao-do-vinho-tokaji.png

Amigos, eu sei que quando pensamos em vinhos húngaros é inevitável nos lembrarmos do vinho de sobremesa tokaj. Esse é um vinho que pode chegar facilmente na casa dos R$5000. Mas meu objetivo hoje é mostrar que a Hungria não produz apenas bons vinhos de sobremesa como também temos vinhos brancos e tintos maravilhosos. Hoje iremos escolher um branco feito com a uva harsevelu: Ladiva Harsevelu Tokaj 2015.

IMG_20180407_111254721_HDR.jpg

IMG_20180407_111304437.jpg

Início do evento

Preciso tirar o chapéu para o Vitor, porque não apenas suas comidas são extremamente saborosas como sua criatividade é muitíssimo acima da média. Pela primeira vez tive a oportunidade de comer palmito pupunha fresco!

IMG-20180407-WA0012.jpg

Depois de um tempo na brasa com papel alumínio, é hora de temperarmos com sal, pimenta do reino e azeite antes de colocarmos diretamente ao fogo para “gratinarmos”.

IMG-20180407-WA0013.jpg

Gostaria de deixar uma dica que aprendi com o Vitor para dar um defumado especial: madeira de barril de whiskey.

IMG_20180407_140358889_HDR.jpg

IMG_20180407_140407513_HDR.jpg

IMG_20180407_140413317.jpg

Depois de o palmito pronto, é hora de escolhermos a harmonização ideal! Nossa escolha será pelo grüner veltliner austríaco.

IMG_20180407_141339741.jpg

IMG_20180407_141752298.jpg

IMG_20180407_142210445.jpg

IMG-20180408-WA0022

Como acompanhamento temos um molho de pesto.

IMG-20180408-WA0027

O palmito estava delicioso e muito suculento. Já o vinho eu confesso que não agradou muito meu paladar. Ele possui um aroma muito forte de mel de abelhas porém na boca ele se torna um pouco enjoativo e achei o álcool um pouco desequilibrado. Mas valeu pela experiência!

IMG_20180407_141908203_HDR.jpg

Também acompanhou bem essa entrada um vinho italiano da uva trebbiano. Fantini Farnese Trebbiano D’abruzzo.

IMG_20180407_141912015.jpg

IMG_20180407_141917880.jpg

Esse é um vinho que não é necessário qualquer tipo de conhecimento sofisticado sobre aromas para perceber a maçã muitíssimo presente nele! Delícia de vinho, bem frutado com acidez compatível!

IMG_20180407_143543380.jpg

IMG_20180407_150505039.jpg

O primeiro prato principal do Vitor é de arrebatar corações. O melhor risoto de camarão com manga que já tive a oportunidade de degustar. Tivemos também a oportunidade de prova-lo junto com o tokaj húngaro. Tokaji “S” Hárslevelü 2015 dry pajzos.

IMG-20180408-WA0011

Esse vinho já é o oposto do austríaco, apresentando boa mineralidade e álcool equilibrado. Harmonizou perfeitamente com o risoto!

IMG-20180408-WA0009.jpg

Nós também degustamos junto com ele um rosé maravilhoso já visto no post anterior que a Marcela escolheu: Pinta Negra Rosé 2016.

IMG_20180407_155818211.jpg

Se não bastasse o maravilhoso sabor do risoto de camarão com manga o Victor conseguiu se superar nesse paillard de filet mignon com limão! Ele também nos presenteou com um maravilhoso cabernet-sauvignon gran reserva: Haras de Pirque Hussonet Cabernet-Sauvignon 2015 Gran Reserva. Como já falei anteriormente aqui no blog, os melhores cabernet-sauvignon do mundo se encontram no Chile!

IMG-20180408-WA0015

Brunello di Montalcino

Devo estar no céu para ser tão abençoado assim. Na semana passada tínhamos degustado pela primeira vez um Brunello di Montalcino e ficamos simplesmente atônitos com aquela explosão de sabores achando que nada poderia melhorar pois já tínhamos alcançado o ápice, mas a vida é uma caixinha de surpresas!

IMG_20180407_155049670.jpg

Meus tios guardaram a prata da casa para o final. Tomamos um dos melhores (se não for o melhor) Brunello di Montalcino da atualidade da safra de 2011: Caprili Brunello di Montalcino 2011.

IMG-20180408-WA0016

IMG_20180407_155659152.jpg

IMG_20180407_155711577.jpg

IMG-20180408-WA0017

IMG-20180407-WA0016.jpg

Amigos, definitivamente eu mudei de opinião após esses dois grandes eventos. Retiro o que falei anteriormente sobre o primitivo di mandúria ser o melhor vinho do mundo. Ele se tornou o segundo melhor porque o primeiro realmente se tornou o brunello di montalcino! Uma pena saber que uma maravilha dessas custa tão caro. Esse Caprili é vendido no Brasil no valor de R$430.

IMG_20180407_165404422.jpg

Tivemos mais um Pinot Noir chileno de alta qualidade que o Victor nos presenteou: Casas del Toqur Pinot Noir Reserva 2015.

IMG-20180408-WA0007.jpg

E mais uma vez um pinot noir famosíssimo americano já citado tantas vezes anteriormente no blog: Redwood Creek Califórnia.

Pinot Noir da Córsega

corsega_quinta_22h.jpg

sardenha corsega

Amigos, pra quem não se recorda muito bem sobre a importância dessa ilha (além da beleza), basta lembrar que ela é a terra natal de Napoleão Bonaparte.

biografia-de-napoleao-bonaparte

Vamos falar sobre os vinhos desse lugar devido a um presente maravilhoso que eu ganhei de aniversário da Jéssyka e do Lucas: Barton & Guestier Pinot Noir Réserve 2016. Pela primeira vez degustaremos um vinho da Córsega!

IMG_20180414_153836148.jpg

IMG_20180414_153841173.jpg

IMG_20180414_153850483.jpg

IMG_20180414_164254453.jpg

Maravilhoso: complexo, estruturado e equilibrado como todo vinho francês. A sensação que tive foi de estar na Borgonha!

Conclusão

Amigos, quantas sensações diferentes e quantos países diferentes num único post! Agradeço de coração à Marcela e ao Victor pela degustação maravilhosa e aos meus tios pelo maravilhoso Brunello di Montalcino. Agradeço também à Jéssyka e ao Lucas pelo maravilhoso vinho de presente. Caso alguém queira conferir as opiniões sobre o truelo de pinot noir basta clicar aqui.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Terceiro B da Itália, Brunello di Montalcino e a Casa do Porco

“Eu preciso de café para ajudar a mudar as coisas que posso e vinho para me ajudar a aceitar as coisas que não posso mudar.” Tanya Masse

IMG_20180324_133915842.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será a continuação da série em que falamos sobre os 5 Bs da Itália. Nesse terceiro episódio falaremos sobre o Brunello di Montalcino, eleito por grandes entendedores como o melhor vinho da Itália ou até mesmo do mundo. Para degustar essa maravilha escolhemos ir a um lugar muito badalado em São Paulo não apenas por sua gastronomia mas também pela criatividade: A casa do porco do chef Jefferson Rueda. A escolha também foi baseada no embalo iniciado no post anterior sobre essa carne tão maravilhosa!

Les trois brasseurs

Amigos, quero deixar uma rápida citação aqui a uma grande cervejaria francesa que tive a oportunidade de ir em São Paulo: Les Trois Brasseurs.

3B_Logo_Final_FRE.png

IMG-20180315-WA0006.jpg

Lá eu tive a oportunidade de degustar excelentes cervejas da casa com o destaque da cerveja de trigo deles: a blanche.

IMG-20180315-WA0005.jpg

De segunda a quinta feira das 17h às 20h é possível pagar pela metade cada chopp e alguns deliciosos petiscos da casa. É realmente impressionante o custo benefício que temos nessa casa de tão alta qualidade. Não me recordo de um lugar mais em conta e com tão alta qualidade em que já estive!

IMG-20180315-WA0009.jpg

Brunello di Montalcino

Falar do Brunello é como falar de um monumento italiano em formato de bebida! É praticamente impossível não causar comoção quando entendedores de vinho escutam falar desse nome. E interessante é saber que esse fenômeno dos vinhos é relativamente recente pois o prestígio da marca só surgiu dos anos 1980 para cá. Mais do que isso, o conceito do Brunello foi criado apenas em meados do século XIX por Clementi Santi, um dos ancestrais da família Biondi Santi.

famiglia---clemente-santi_medium.jpg

Clementi, um farmacêutico de formação, começou a estudar mais cuidadosamente as variedades de uvas da Toscana e seus clones, assim como as técnicas de vinificação. Entre suas premiadas garrafas mundo afora estava o Vino Scelto (algo como “Vinho Escolhido”), de 1865, feito de um clone de Sangiovese Grosso, conhecido nos arredores de Montalcino como Brunello ou Brunellino, devido à cor escura dos bagos (brune significa marrom em italiano), cujos vinhos apresentavam uma extrema capacidade de guarda.

Sangiovese Grosso grape and vineyards, clone of Sangiovese, the grape to make the Brunello wine.jpg

Nos anos seguintes, ele teve enorme sucesso em concursos dentro e fora da Itália. E a partir daí sua família começou a perpetuar seus estudos com essa uva. Seu neto Ferruccio Clemente é reconhecido como o inventor da idéia do Brunello di Montalcino por ter apostado na idéia do avô e suas plantações de Sangiovese Grosso terem resistido à praga da Filoxera na região de Montalcino na Toscana.

image.jpg

Montalcino-01.jpg

A idéia por trás da criação do brunello é que ele precisa passar pelo menos por 2 anos em barris de carvalho e de, no mínimo, 4 meses na garrafa. O lançamento de cada um deles se dá, no mínimo, com 5 anos após a colheita. Devido a todo esse processo e ao seu grande potencial de guarda (mais de 20 anos), o brunello é considerado o vinho das elites (aqui no Brasil não se consegue comprar uma garrafa por menos de R$300). Mais uma vez gostaria de agradecer ao meu amigo Rafael Campos por ter me trazido uma garrafa da Itália. Essa custou 38 euros: Da Vinci Brunello di Montalcino 2012.

IMG_20180324_093255158.jpg

IMG_20180324_093322984.jpg

IMG_20180324_093343324.jpg

E para degustar esse colosso iremos escolher um lugar à altura: A casa do Porco do Chef Estrelado Jefferson Rueda.

A casa do porco

porco-jefferson.jpg

Amigos, esse lugar emociona tanto pela comida que dificilmente você sai dele sem ter tido uma experiência única na vida! O Chef Jefferson Rueda já ganhou 1 estrela Michellin quando comandava o restaurante Attimo.

attimo-jefferson-rueda-arnaldo-lorencato
Fonte: https://vejasp.abril.com.br

IMG-20180324-WA0065.jpg

O menu degustação é uma excelente opção para quem deseja conhecer bem o trabalho desse grande chef. E antes de degustarmos o vinho, o sommelier da casa sugeriu coloca-lo no decanter para “abri-lo” e enquanto isso provamos a cerveja horny pig da blondline feita especialmente para a casa do porco.

IMG_20180324_121122445.jpg

Minha única crítica à casa foi a ausência de um copo específico para a degustação dessa cerveja tão perfeita. Me recusei a degusta-la no copo americano e pedi uma taça de vinho no lugar. Cerveja bem lupulada e condimentada como é característico das IPAs.

IMG_20180324_121039618.jpg

IMG_20180324_121104407.jpg

IMG_20180324_121111952.jpg

IMG_20180324_125443279.jpg

IMG_20180324_125457227.jpg

IMG_20180324_121338060.jpg

O primeiro prato da degustação são dois tipos de presunto: um embutido de cabeça de porco e o presunto Rueda. O pão é feito na casa e vem acompanhado da mostarda em grãos com tucupi, picles em conserva, nabo e uma compota de cebola caramelizada com bacon.

IMG_20180324_123729079.jpg

IMG-20180324-WA0032.jpg

Logo após um tempo o vinho começou a abrir e começaram a aparecer os aromas característicos das frutas vermelhas. Na boca nada se acentuava, nem a acidez, nem os taninos nem o álcool, ele parecia uma seda! Que vinho maravilhoso!

IMG-20180324-WA0042.jpg

O segundo prato é o porcopoca = pururuca + abacate + algas marinhas. Também delicioso!

IMG_20180324_124132184.jpg

O terceiro prato foi o tartare de porco, que eu me arrisco a dizer que foi o tartare mais gostoso que eu já comi na vida!

IMG_20180324_124646518.jpg

O quarto é verdadeiramente um espanto: sushi de papada de porco + tucupi negro + nori. Delicioso e verdadeiramente tive a sensação de estar comendo comida japonesa sem perder o sabor da carne de porco!

IMG_20180324_125004757.jpg

IMG-20180324-WA0051

Na sequência temos a alface romana + arroz + costelinha de porco + algas

IMG_20180324_125621058.jpg

A sanguiça de sangue é talvez o prato mais exótico que nem todos curtem pois é feito diretamente com o sangue do porco. Eu amei!

IMG_20180324_130249830.jpg

IMG-20180324-WA0057.jpg

Temos também pão no vapor + barriga de porco + rabanete fermentado + agrião + molho agridoce.

IMG_20180324_131513780.jpg

Esse é uma reinvenção do virado à paulista: porco + feijão + banana + couve + linguiça + ovo de codorna. Perfeito!

IMG_20180324_131551486.jpg

Um amigo me falou que o torresmo deles é imbatível e eu realmente comprovei! O melhor que eu já provei na vida! Torresmo de pancetta + goiabada + picles de cebola roxa.

porcosanze.jpg

IMG_20180324_133915842

E finalmente o prato principal da degustação é o lendário Porco San Zé, que é um porco caipira feito inteiro na brasa com tutu de feijão, tartare de banana, farofa de cebola e couve. Divino!

IMG_20180324_140606950.jpg

E para terminar esse grande evento, tivemos a sobremesa Pudim de leite: Pudim + chantilli de caramelo + algodão doce.

Conclusão

Com toda certeza o brunello entrou para minha lista de melhores vinhos do mundo ao lado do primitivo di manduria do post anterior, mas é uma pena saber que não conseguirei degusta-lo mais uma vez no Brasil devido ao seu preço proibitivo, mas recomendo-o com empenho. O restaurante do chef Jefferson Rueda é caro mas vale cada centavo pago pois a experiência é única!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Segundo B da Itália, Prosecco, Barolo, Bordeaux, Icewine e Evento Italiano

“Toma conselhos com o vinho, mas toma decisões com a água.” Benjamin Franklin

IMG_20170916_150909101.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será a continuação da série em que falamos sobre os 5 Bs da Itália. Nesse segundo episódio falaremos sobre o Barolo, um nome muito famoso no mundo dos vinhos tanto por sua alta qualidade quanto por seu elevado preço. Esse evento também é o sétimo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sexto encontro, basta clicar aqui. Também falaremos rapidamente sobre um evento em que recebemos os amigos Rafael e Eloísa em nossa residência e compartilhamos um bom Coq au Vin e excelentes vinhos.

Primeiro encontro

Amigos, quem quiser saber como fazer a receita já temos um post no blog. Basta clicar aqui. Mas começaremos falando sobre o maravilhoso Prosecco que o Rafael trouxe de sua última viagem à Itália:

IMG_20170923_195812064.jpg

Bottega Valdobbiadene Prosecco Superiore D.O.C.G.

IMG_20170923_195945171.jpg

IMG_20170923_200001800.jpg

IMG_20170923_200017761.jpg

IMG_20170923_201028043.jpg

Já temos um post no nosso blog em que falamos sobre o processo de fabricação de um champagne e sobre as diferenças de nomenclatura que inclui o Prosecco (clique aqui no link). Mas de uma maneira geral, o Prosecco é o champagne da Itália assim como a cava é o champagne da Espanha (veja o post sobre ela aqui). De forma a receber a denominação Prosecco, o espumante precisa ser feito na Itália e somente com as uvas Prosecco. No paladar e no nariz eu diria que o Prosecco é um meio termo entre o champagne e a cava, pois ele apresenta aromas mais frutados do que o champagne mas menos do que a cava ao mesmo tempo em que ele é mais ácido do que a Cava e um pouco menos do que o Champagne.

IMG_20170923_203600360.jpg

Para acompanhar esse prato, as visitas trouxeram um excelente Pinot Noir do Chile e da mesma bodega lendária a qual me referi no post anterior (link). Essa é a que produz vinhos em solos vulcânicos o que acarreta em aromas e num sabor único. A fim de comprovarmos a diferença real entre o que significa um vinho muito tânico com outro de pouquíssima tanicidade eu resolvi abrir um Barolo.

IMG_20170923_213257389.jpg

IMG_20170923_213311689.jpg

IMG-20170923-WA0025.jpg

Enquanto o Volcanes Reserva Pinot Noir apresenta uma acidez mais acentuada e bom drinkability, o Barolo Tenimenti Ca’Bianca 2012 é bem mais encorpado e com uma sensação de adstringência acima do normal. Ambos apresentam aromas fortes de frutas negras. Mais abaixo falarei um pouco mais sobre esse vinho mitológico.

Confraria Távola Di Amici

Amigos, estamos hoje na casa dos queridos Nelson e Ana num evento de altíssima qualidade sobre a comida e cultura Italianas. E para começar falando sobre o evento nada melhor do que começar pelo Barolo. Beni di Batasiolo Barolo 2013.

Barolo

IMG_20170916_135433585.jpg

IMG_20170916_135501336.jpg

IMG_20170916_135510671.jpg

Ele vai receber no nosso blog o título de segundo B da Itália apenas por uma questão cronológica já que na realidade esse foi o primeiro B da Itália. É importante lembrar que o nome da uva que produz esse colosso não é Barolo, mas sim Nebbiolo.

nebbiolo1.jpg

A Nebbiolo é uma uva que produz grandes e importantes vinhos, com estrutura e qualidade, muitos taninos e feitos para guarda. É uma uva de difícil cultivo e que só rende bons frutos na região piemontesa. Essa cepa exige muita atenção e cuidados e, por dar origem a vinhos fortes, tânicos e concentrados, precisa ser domada tanto nos barris de envelhecimento quanto já na garrafa por anos, se não por décadas. Ela é uma uva que perde apenas para a Tannat (link) no quesito de tanicidade.

IMG_20170916_150617152.jpg

O Barolo é famoso principalmente porque ele foi o marco na história dos vinhos da Itália. Até antes do século XIX a Itália não produzia nada de qualidade. Acredita-se que a primeira a perceber que os vinhos locais precisavam mudar foi a última marquesa de Barolo, Juliette Colbert di Maulévrier, ou Giulia Falletti di Barolo. Filha de aristocratas franceses da época da Revolução, ela se casou com o marquês Carlo Tancredi Falletti di Barolo no início do século XIX. Ela desenvolveu grande interesse pela filantropia, mas também por agricultura e contratou um enólogo francês, Louis Oudart, para ajudar os viticultores locais a melhorarem suas técnicas. Antes, o Barolo era doce – como boa parte dos vinhos célebres da época –, então ele transformou-o em uma bebida seca, no estilo de Bordeaux. E foi esse novo vinho que passou a ser servido nas mesas dos nobres e ganhou a reputação de “rei dos vinhos”.

Antepasto

Como entrada tivemos dois molhos deliciosos: a sardela e a alichella.

IMG_20170916_135410547.jpg

IMG_20170916_135632463.jpg

De antepasto tivemos Melone com proscuito:

IMG_20170916_142347834.jpg

Foram embaladas com um vinho simples mas excelente para a abertura de uma grande refeição:

IMG_20170916_135757466.jpg

Primo Piatto

A Ana como verdadeira chef italiana fez dois pratos maravilhosos com massa fresca: O Spaghetti col sugo e a Lasagna al prosciutto e Formaggio col sugo rose.

IMG_20170916_150909101

Para acompanhar esses pratos tivemos uma seleção de dar inveja a qualquer evento enogastronômico. Comecemos provando o spaghetti com o Barolo:

IMG_20170916_151436287.jpg

Como o evento possui a temática italiana eu decidi utilizar o vinho mais italiano possível: o chianti. Esse que está para a Itália assim como a cerveja Brahma ou a Skol estão para o Brasil. Um vinho muito bom e barato feito com a rainha das uvas italianas: a Sangiovese.

IMG_20170916_113646623.jpg

Bindi Sergardi Al Canapo 2014 Chianti

IMG_20170916_113706789.jpg

IMG_20170916_152040337.jpg

Tivemos também um outro Sangiovese maravilhoso: Cancelli Coltibuono 2015

IMG_20170916_140304564.jpg

IMG_20170916_140313939.jpg

IMG_20170916_154218041.jpg

Tivemos também um vinho espanhol de dar inveja feito com as uvas tempranillo  e Graciano: Beronia Rioja 2009 Gran Reserva.

IMG_20170916_140348566_HDR.jpg

IMG_20170916_140356953_HDR.jpg

IMG_20170916_140406552_HDR.jpg

IMG_20170916_164759180.jpg

Um dos confrades trouxe um Merlot de sua última viagem à Paris:

IMG_20170916_142736720.jpg

IMG_20170916_142745706.jpg

Que harmonizou muito bem com a lasagna:

IMG-20170917-WA0006.jpg

Antes do Secondo Piatto provamos também um vinho branco siciliano feito com uma uva pouco comum: Catarrato. Vinho Benedè Catarrato 2016.

IMG_20170916_135339602.jpg

IMG_20170916_135349527.jpg

IMG_20170916_155135320.jpg

Tivemos também um vinho do Alentejo e um Italiano da uva Nero d’Ávola: Courela Alentejo 2014 e Baglio di Luna 2014 Nero D’ávola.

IMG_20170916_142708474.jpg

IMG_20170916_191235712.jpg

Secondo Piatto

Com certeza essa foi uma das massas mais gostosas que eu já comi na vida. Meus parabéns Ana! Mas o evento ainda não tinha chegado nem na metade ainda. Como Secondo Piatto tivemos uma Saltimbocca ala romana com o Contorno de Cicoria Ripassata in padella. Admito que nunca comi uma carne de vitela melhor!! Nota 10. E para acompanhar o segundo prato tivemos mais vinhos espetaculares. O primeiro deles é o feito com a minha uva preferida: primitivo. Em breve no blog teremos um post exclusivo sobre essa uva apesar de já termos falado dela plantada no terroir americano (zinfandel). Lucarelli Primitivo di Puglia.

IMG_20170916_143026058.jpg

IMG_20170916_152957046.jpg

Eu levei um vinho feito com a uva negroamaro porque ela também é produzida na região de puglia e é também utilizada na confecção de grandes vinhos como o primitivo di manduria. Ou seja, negroamaro e primitivo são primas do primeiro grau. Notte Rossa Negroamaro 2015.

IMG_20170916_113741318_HDR.jpg

IMG_20170916_113751300_HDR.jpg

IMG_20170916_155939304.jpg

Dolci

Não pensem que o evento acabou meus amigos! Ainda temos uma surpresa a ser revelada! A Ana preparou duas sobremesas tipicamente italianas: o tiramissù e o cannoli. E temos uma surpresa no nosso blog: o icewine ou o vinho das uvas congeladas!

IMG_20170916_125022169.jpg

IMG_20170916_135254300.jpg

IMG_20170916_135301588.jpg

Esse espetáculo de vinho foi um presente da minha tia Sônia que ela trouxe da sua última viagem do Canadá. Originalmente Alemão (o Eiswein), esse vinho foi descoberto por acaso porque um produtor esqueceu de colher as uvas e elas congelaram no inverno. Então ele teve a idéia de espremê-las congeladas obtendo assim apenas a parte doce e licorosa da uva. Nascia assim o Icewine.

Grapes-Used-In-Ice-Wine-Recipe.png

Embora ele possa ser feito com vários tipos de uvas, é a Vidal que mais se destaca na sua produção. A temperatura tem de se manter por 3 dias a, pelo menos, 8 graus negativos. As uvas congeladas são, então, colhidas de madrugada para evitar que derretam e possam ser processadas ainda com gelo. É devido a essas características que o Canadá é quase que exclusivo na produção desse vinho. No Brasil uma garrafa de 200 ml custa aproximadamente R$400.

IMG_20170916_162043075.jpg

Creif Estate Winery 2015 Vidal Icewine

IMG_20170916_162531341.jpg

IMG_20170916_163015629.jpg

IMG_20170916_162910595.jpg

IMG-20170924-WA0017.jpg

Mas o evento ainda não acabou por aí! Um dos confrades que mora em Paris trouxe dois Grand Vin de Bordeaux.

IMG_20170916_165449618_HDR.jpg

Lussac Saint-Emillion 2014 Grand Vin de Bordeaux

IMG_20170916_190502841.jpg

IMG_20170916_190556301.jpg

IMG_20170916_192727258.jpg

Nossa, Bordeaux é sempre uma boa pedida!!!

IMG-20170917-WA0045.jpg

Château Bellevue Saint-Martin 2014 Grand Vin de Bordeaux Montagne Saint-Émillion

IMG-20170917-WA0047.jpg

IMG-20170917-WA0051.jpg

Conclusão

Peço perdão pelo post tão longo e se eu não fiz um review mais detalhado sobre algum vinho, mas é porque o volume de informações foi muito grande. Parabéns ao Nelson e a Ana por serem pessoas tão maravilhosas e receptivas e pela comida e bebida maravilhosas. Aguardo ansiosamente o próximo encontro da Confraria Távola di Amici!

Conheça todos os posts do blog através desse link