Pisco, Riesling Alemão, Leitão à Pururuca com feijão tropeiro e harmonização com vinhos

 “O vinho contenta o coração do homem e a alegria é a mãe de todas as virtudes.” Johann Wolfgang von Goethe

IMG_20180303_144141641.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post é mais do que especial pois é o meu aniversário de 30 anos e estaremos ensinando como fazer um dos meus pratos preferidos (leitão à pururuca) e ensinaremos como harmonizá-lo com vinhos. Também falaremos de um evento similar a este em que fizemos um pernil de porco que também ficou divino. Como o leitão é difícil de encontrar em açougues comuns, o mesmo procedimento pode ser feito com um porco comum.

Uva Macabeo

Começaremos falando de uma maneira muito breve sobre essa uva muitíssimo conhecida na Espanha.

macabeo.jpg

Se você é assíduo aqui no blog com certeza se lembrará que essa uva já foi citada aqui no post da cava, mas como estávamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline no Bravo Bistrô (post sobre o lugar) e decidimos escolher um vinho que harmonizasse com o prato em questão: lagostin a provençal, com risoto carnaroli, leite de coco e finalizado no abacaxi.

IMG_20180223_222402955.jpg

Ainda que seja bastante adaptável, a macabeo cresce em climas frios e tende a amadurecer antes que o resto das variedades. De acidez média, aporta secura e fineza ao cava junto com notas de suaves flores silvestres e amêndoas. Vinho de escolha: Algairen Macabeo.

IMG_20180223_214108628.jpg

IMG_20180223_214117049.jpg

IMG_20180223_214128281.jpg

Um vinho bastante simples que pode ser classificado como próprio para o dia-a-dia sem nenhuma característica muito marcante mas valeu pelo conhecimento!

Pernil de Porco com Riesling Alemão e Carmenère Lapostolle

De forma a tornarmos a explicação mais didática iremos dividir nosso post em duas partes. A primeira delas terá como tema o pernil de porco à pururuca e a segunda será sobre o leitão.

IMG_20180218_131012377_HDR.jpg

Como entrada teremos uma tábua de queijos trazidas da última viagem ao chile com um drink feito com pisco, limão, gelo e açúcar.

IMG_20180218_132601698.jpg

IMG_20180218_132011743.jpg

Para as pessoas que não sabem o que é pisco ele é uma bebida destilada do vinho com produção parecida com a do cognac sem passar pelo barril de carvalho com exceção dos añejos. Após o vinho pronto (link para o post) ele é destilado num alambique e seu resultado é essa famosa bebida peruana/chilena. Abaixo vou colocar um link para um vídeo muito curto e explicativo sobre seu processo de fabricação:

https://www.youtube.com/watch?v=6VvU9CsZrhw

IMG_20180218_140208590.jpg

A cerveja blue moon é perfeita para quem é fã de witbier, muitíssimo bem feita e de aromas complexos:

IMG_20180218_140357832.jpg

Falaremos na segunda parte sobre a receita do leitão à pururuca que é a mesma para o pernil. As batatas foram feitas apenas com azeite, alecrim, pimenta do reino e sal grosso postas para assar numa temperatura média de 180 graus e os aspargos foram assados com azeite e alho.

IMG_20180218_140527282.jpg

Como harmonização tivemos um duelo de gigantes para sabermos quem combina mais: um riesling alemão ou um carmenère chileno com receita francesa?

IMG_20180218_133651654.jpg

Kloster Heilsbruck 2009 Riesling é um vinho alemão feita com minha uva branca preferida: a Riesling. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo para essa uva e sobre a culinária alemã caso alguém tenha curiosidade (link), mas essa é a primeira vez que provaremos uma variedade produzida em solo germânico!

IMG_20180218_134132856.jpg

Vinho delicioso que nos pregou uma peça. Se vocês lembram, já tivemos duas experiências interessantes sobre o dulçor de um vinho. Na primeira achávamos que o gewürztraminer seria mais seco enquanto ele se revelou bastante doce (link), já na segunda pensávamos justamente que ele seria bem doce enquanto ele se revelou seco e mineral porém com aromas doces e frutados como a lichia (link). A questão é que a denominação Spätlese significa um vinho de colheita tardia indicando forte tendência ao dulçor conforme pudemos experimentar no post da Riesling da Alsácia. Porém esse vinho se mostrou seco e bem mineral apesar dos aromas frutados. Apresenta cor amarelo citrino de reflexos esverdeados e aromas de frutas cítricas e tropicais maduras, típicas notas minerais e florais, além de toques de frutos secos e de mel. No palato, é frutado, estruturado, tem bom volume de boca, acidez vibrante e final persistente e fresco.

IMG_20180218_140008398.jpg

Lapostolle Grand Selection Carmenère 2015. Esse foi a segunda opção para harmonizar com essa comida maravilhosa. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo sobre essa uva (link), então aqui iremos nos ater a essa vinícola tão única. Lapostolle é o mais francês dos produtores chilenos. A vinícola foi fundada pela francesa Alexandra Marnier e elabora vinhos tintos, brancos e rosés de grande classe e elegância, cuja inspiração são os melhores vinhos europeus. Com imenso prestígio, em poucos anos conseguiu aclamação da imprensa especializada, estabelecendo-se como um dos mais reputados nomes do vinho chileno. O assessor da vinícola é o famoso Michel Rolland, um dos mais célebres e influentes enólogos da atualidade. Com seus vinhos de estirpe e sua grande consistência qualitativa, a Lapostolle é, sem dúvida, um dos grandes nomes do vinho no Novo Mundo.

logo-lapostolle_lg.png

IMG_20180218_140011284.jpg

IMG_20180218_140019582.jpg

Os dois harmonizaram muito bem com o prato, mas dentre os dois a melhor opção foi pelo Riesling Alemão.

IMG_20180218_141146256.jpg

E por fim tivemos um licor português feito de uma fruta muito famosa no país: a Ginja.

IMG_20180218_165458179_HDR.jpg

Leitão à pururuca, pão de azeitonas e bolo de brigadeiro com vinho do porto

Amigos, o sabor do prato foi tão assombroso que eu decidi que iria fazer um leitão para o meu aniversário. Como entrada tizemos uma tábua de queijos com um pão feito com azeitonas. Para quem acompanhou o post da pizza vai perceber que a receita é bem similar. Tomemos 500g de farinha de trigo, uma colher rasa de sal e misturamo-los na batedeira enquanto colocamos um sachê de fermento para tirá-lo da dormência semelhante como fizemos para a pizza. Depois unimos cerca de 5 colheres de um bom azeite e o fermento para bater na batedeira (ou manualmente se for o caso):

IMG_20180303_081624244.jpg

IMG_20180303_082407768.jpg

Quando der o ponto da massa, iremos sová-la mais um pouco na mesa e abri-la com um rolinho:

IMG_20180303_083323383.jpg

IMG_20180303_083435218.jpg

Agora vamos colocar as azeitonas e um pouco de orégano antes de “enrolar” a massa:

IMG_20180303_083602253

IMG_20180303_083940281

Antes de colocar a massa para crescer iremos cobri-la com azeite para evitar o ressecamento dela:

IMG_20180303_084011614

IMG_20180303_084156058

Depois cobrimo-la com um paninho e deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e 30 minutos:

IMG_20180303_093743931

Depois levamo-la para um forno pré-aquecido a 180 graus Celsius e deixamo-la assando por cerca de 40 minutos:

IMG_20180303_093820427_HDR

Então o pão estará pronto

IMG_20180303_101641585_HDR

IMG_20180303_135608966

Dentre os queijos temos o Grana Padana Italiano, o Brie Francês, o Provolone e um Maasdam Holandês.

IMG-20180304-WA0042

Essas entradinhas mais uma vez foram embaladas pelo maravilhoso drink de pisco. Dessa vez utilizamos o comum e o añejo:

IMG-20180304-WA0064

Tivemos também um outro drink feito com Gin inglês e suco de cramberrie:

IMG_20180303_124532986_HDR.jpg

E uma rápida degustação de um dos melhores Rums do mundo: Havana Club.

IMG_20180303_124903935_HDR.jpg

IMG_20180303_124919515_HDR.jpg

IMG_20180303_125048587.jpg

Receita do Leitão

IMG_20180224_085423904.jpg

O ideal seria utilizarmos um leitão inteiro porém poucos fornos o cabem, então decidimos utilizar a metade de um:

IMG_20180224_085418892.jpg

Como o evento foi no sábado, quarta à noite eu coloquei o leitão na geladeira para que ele pudesse descongelar lentamente. Na noite de quinta feira o processo da marinada começou:

IMG_20180301_192847550.jpg

O primeiro segredo para que a carne pegue o sabor é fazer furos com a faca conforme fizemos com o gigot d’agneau (link). Então introduzimos em cada furo desses um raminho de tomilho, um de alecrim e bastante alho:

IMG_20180301_193229273.jpg

Azeite, pimenta do reino e vinho branco:

IMG_20180301_194510809.jpg

IMG_20180301_203247261.jpg

Titular colheita branco 2015 do Dão

IMG_20180301_203348360.jpg

IMG_20180301_203843538.jpg

Após a marinada preparada cobrimo-lo com papel filme e levamo-lo para a geladeira até a noite da sexta quando viramo-lo para que pegue bem a marinada do outro lado:

IMG_20180301_204337761.jpg

Na manhã de sábado tiramo-lo da geladeira:

IMG_20180303_094910739_HDR.jpg

O ideal para fazer um bom assado é possuir um bom forno que consiga uniformizar bem a temperatura por todo o cozimento:

IMG_20180303_105302767.jpg

Setamo-lo na temperatura de 180 graus enquanto preparamos o leitão para ele. Uma dica importante ensinada pela minha tia foi que, de forma ao assado não ficar mais tostado no fundo do que em cima, devemos fazer uma caminha com cebolas antes de assentarmos o leitão:

IMG_20180303_105550234.jpg

Depois de colocarmos sal nele todo, cobrimo-lo com papel alumínio e o levamos ao forno por cerca de 2 horas:

IMG_20180303_105928779_HDR.jpg

IMG_20180303_110134212.jpg

Após as duas horas iremos retirá-lo, adicionar sal grosso, um pouco mais de azeite e retorna-lo sem o papel alumínio na função de gratinar:

IMG_20180303_125334160.jpg

IMG_20180303_130814676.jpg

Enquanto ele gratina iremos preparar o feijão tropeiro. Esse que é praticamente patrimônio histórico dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Sua história nos remonta à época dos bandeirantes pois, desde o período colonial, o transporte das mais diversas mercadorias era feito por tropas a cavalo ou em lombos de burros. Os homens que guiavam esses animais eram chamados de tropeiros. Até a metade do século XX, eles cortavam ainda parte do estado de Minas Gerais, conduzindo gado. A alimentação dos tropeiros era constituída basicamente por toucinho, feijão, farinha, pimenta-do-reino, café, fubá e coité (um molho de vinagre com fruto cáustico espremido). Nos pousos, comiam feijão quase sem molho com pedaços de carne de sol e toucinho, que era servido com farofa e couve picada. Assim, o feijão, misturado à farinha de mandioca e a outros ingredientes, tornou-se um prato básico do cardápio desses homens, daí a origem do feijão tropeiro.

IMG_20180303_115719606_HDR.jpg

Mais um segredo aqui: a cebola não deve ser gratinada junto com o alho e depois colocado o bacon pois todos possuem tempo de cozimento diferente. O mais correto é colocar primeiro o bacon, depois a calabresa, depois a cebola e, por último, o alho:

IMG_20180303_131105448.jpg

IMG_20180303_131206087.jpg

Depois vão se adicionando os outros ingredientes como o feijão pré-cozido somente com sal, a couve e, por último, o ovo frito:

IMG_20180303_133338535.jpg

IMG_20180303_134122184.jpg

Houve um problema com o leitão porque o colocamos muito perto do grill então ele ficou mais escuro do que gostaríamos, mas o sabor ficou inigualável. Caso você faça na sua casa e a pele não pururuque o segredo é jogar um óleo bem quente por cima.

IMG_20180303_144141641

IMG_20180303_144339718.jpg

IMG_20180303_140135835_HDR.jpg

IMG_20180303_144423117_HDR.jpg

IMG-20180304-WA0004.jpg

O vinho de escolha foi um Carmenère Gran Reserva:

IMG_20180303_144543370.jpg

Viu Manent Gran Reserva Carménère 2015. Um vinho que possui nada menos do que a classificação 90 pontos Robert Parker e 88 pontos Wine Enthusiast. Permanece por 11 meses em barris de carvalho francês (80%) e americano (20%). De cor vermelho rubi profundo, este vinho possui aromas de cerejas, ameixas e erva-doce. Em boca apresenta deliciosos sabores menta e couro, que combinam perfeitamente com seus potentes taninos e conduzem a um longo de equilibrado final.

IMG_20180303_144547073.jpg

IMG_20180303_144553600_HDR.jpg

IMG_20180303_145439981.jpg

IMG_20180303_145445192.jpg

Harmonização perfeita!

IMG-20180304-WA0054.jpg

Tivemos também um corte espanhol de Garnacha, Syrah e Tempranillo maravilhoso. Esteban Martín D.O.P. Cariñena Crianza 2014.

IMG_20180303_172211134.jpg

Um tempranillo espanhol: Mesta tempranillo 2016.

IMG_20180303_172157441.jpg

Tivemos também duas cervejas de peso que combinaram perfeitamente com o prato.

IMG_20180303_100714640_HDR.jpg

Cerveja Heilige Barley Wine. Cerveja escura com corpo elevado, residual adocicado e teor alcoólico de 9%. Apresenta notas de envelhecimento e de frutas secas. Notas amadeiradas, caramelo, toffee, café, pão tostado e um final alcoólico que lembra vinho do porto.

IMG_20180303_100728845.jpg

IMG_20180303_100732669.jpg

IMG_20180303_100742094.jpg

A segunda é uma cervejaria que está se mostrando uma das minhas preferidas do Brasil: Leopoldina. Já comentamos sobre a versão wit dela no post anterior.

IMG_20180303_100800952.jpg

Leopoldina Weissbier

IMG_20180303_100804139.jpg

IMG_20180303_100811714.jpg

IMG_20180303_152942220.jpg

IMG-20180304-WA0005.jpg

Achei também que, para representar bem o estado do Pará do post anterior ficou faltando falarmos sobre a mais famosa cerveja feita lá: a Cerpa.

IMG_20180302_223136301.jpg

Essa é uma cerveja que não é puro malte porém é uma boa opção em relação às “cervejas de massa”

IMG_20180302_223144324.jpg

IMG_20180302_223153953.jpg

IMG-20180304-WA0067.jpg

Por último tivemos um bolo de brigadeiro com vinho do porto. Se existe alguma dúvida sobre qual vinho harmonizar com a sobremesa, a opção do vinho do porto sempre se mostra uma boa opção e um “lugar comum” quando se conhece pouco outras opções.

IMG_20180303_153738116.jpg

IMG-20180304-WA0010.jpg

IMG_20180303_155144497.jpg

Cockburns Fine Tawny Port

IMG-20180304-WA0014.jpg

Sandeman Porto Ruby

Conclusão

Obrigado mais uma vez aos meus tios por me proporcionarem uma festa tão bacana, não consigo acreditar uma festa melhor de 30 anos!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Segundo B da Itália, Prosecco, Barolo, Bordeaux, Icewine e Evento Italiano

“Toma conselhos com o vinho, mas toma decisões com a água.” Benjamin Franklin

IMG_20170916_150909101.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será a continuação da série em que falamos sobre os 5 Bs da Itália. Nesse segundo episódio falaremos sobre o Barolo, um nome muito famoso no mundo dos vinhos tanto por sua alta qualidade quanto por seu elevado preço. Esse evento também é o sétimo encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o sexto encontro, basta clicar aqui. Também falaremos rapidamente sobre um evento em que recebemos os amigos Rafael e Eloísa em nossa residência e compartilhamos um bom Coq au Vin e excelentes vinhos.

Primeiro encontro

Amigos, quem quiser saber como fazer a receita já temos um post no blog. Basta clicar aqui. Mas começaremos falando sobre o maravilhoso Prosecco que o Rafael trouxe de sua última viagem à Itália:

IMG_20170923_195812064.jpg

Bottega Valdobbiadene Prosecco Superiore D.O.C.G.

IMG_20170923_195945171.jpg

IMG_20170923_200001800.jpg

IMG_20170923_200017761.jpg

IMG_20170923_201028043.jpg

Já temos um post no nosso blog em que falamos sobre o processo de fabricação de um champagne e sobre as diferenças de nomenclatura que inclui o Prosecco (clique aqui no link). Mas de uma maneira geral, o Prosecco é o champagne da Itália assim como a cava é o champagne da Espanha (veja o post sobre ela aqui). De forma a receber a denominação Prosecco, o espumante precisa ser feito na Itália e somente com as uvas Prosecco. No paladar e no nariz eu diria que o Prosecco é um meio termo entre o champagne e a cava, pois ele apresenta aromas mais frutados do que o champagne mas menos do que a cava ao mesmo tempo em que ele é mais ácido do que a Cava e um pouco menos do que o Champagne.

IMG_20170923_203600360.jpg

Para acompanhar esse prato, as visitas trouxeram um excelente Pinot Noir do Chile e da mesma bodega lendária a qual me referi no post anterior (link). Essa é a que produz vinhos em solos vulcânicos o que acarreta em aromas e num sabor único. A fim de comprovarmos a diferença real entre o que significa um vinho muito tânico com outro de pouquíssima tanicidade eu resolvi abrir um Barolo.

IMG_20170923_213257389.jpg

IMG_20170923_213311689.jpg

IMG-20170923-WA0025.jpg

Enquanto o Volcanes Reserva Pinot Noir apresenta uma acidez mais acentuada e bom drinkability, o Barolo Tenimenti Ca’Bianca 2012 é bem mais encorpado e com uma sensação de adstringência acima do normal. Ambos apresentam aromas fortes de frutas negras. Mais abaixo falarei um pouco mais sobre esse vinho mitológico.

Confraria Távola Di Amici

Amigos, estamos hoje na casa dos queridos Nelson e Ana num evento de altíssima qualidade sobre a comida e cultura Italianas. E para começar falando sobre o evento nada melhor do que começar pelo Barolo. Beni di Batasiolo Barolo 2013.

Barolo

IMG_20170916_135433585.jpg

IMG_20170916_135501336.jpg

IMG_20170916_135510671.jpg

Ele vai receber no nosso blog o título de segundo B da Itália apenas por uma questão cronológica já que na realidade esse foi o primeiro B da Itália. É importante lembrar que o nome da uva que produz esse colosso não é Barolo, mas sim Nebbiolo.

nebbiolo1.jpg

A Nebbiolo é uma uva que produz grandes e importantes vinhos, com estrutura e qualidade, muitos taninos e feitos para guarda. É uma uva de difícil cultivo e que só rende bons frutos na região piemontesa. Essa cepa exige muita atenção e cuidados e, por dar origem a vinhos fortes, tânicos e concentrados, precisa ser domada tanto nos barris de envelhecimento quanto já na garrafa por anos, se não por décadas. Ela é uma uva que perde apenas para a Tannat (link) no quesito de tanicidade.

IMG_20170916_150617152.jpg

O Barolo é famoso principalmente porque ele foi o marco na história dos vinhos da Itália. Até antes do século XIX a Itália não produzia nada de qualidade. Acredita-se que a primeira a perceber que os vinhos locais precisavam mudar foi a última marquesa de Barolo, Juliette Colbert di Maulévrier, ou Giulia Falletti di Barolo. Filha de aristocratas franceses da época da Revolução, ela se casou com o marquês Carlo Tancredi Falletti di Barolo no início do século XIX. Ela desenvolveu grande interesse pela filantropia, mas também por agricultura e contratou um enólogo francês, Louis Oudart, para ajudar os viticultores locais a melhorarem suas técnicas. Antes, o Barolo era doce – como boa parte dos vinhos célebres da época –, então ele transformou-o em uma bebida seca, no estilo de Bordeaux. E foi esse novo vinho que passou a ser servido nas mesas dos nobres e ganhou a reputação de “rei dos vinhos”.

Antepasto

Como entrada tivemos dois molhos deliciosos: a sardela e a alichella.

IMG_20170916_135410547.jpg

IMG_20170916_135632463.jpg

De antepasto tivemos Melone com proscuito:

IMG_20170916_142347834.jpg

Foram embaladas com um vinho simples mas excelente para a abertura de uma grande refeição:

IMG_20170916_135757466.jpg

Primo Piatto

A Ana como verdadeira chef italiana fez dois pratos maravilhosos com massa fresca: O Spaghetti col sugo e a Lasagna al prosciutto e Formaggio col sugo rose.

IMG_20170916_150909101

Para acompanhar esses pratos tivemos uma seleção de dar inveja a qualquer evento enogastronômico. Comecemos provando o spaghetti com o Barolo:

IMG_20170916_151436287.jpg

Como o evento possui a temática italiana eu decidi utilizar o vinho mais italiano possível: o chianti. Esse que está para a Itália assim como a cerveja Brahma ou a Skol estão para o Brasil. Um vinho muito bom e barato feito com a rainha das uvas italianas: a Sangiovese.

IMG_20170916_113646623.jpg

Bindi Sergardi Al Canapo 2014 Chianti

IMG_20170916_113706789.jpg

IMG_20170916_152040337.jpg

Tivemos também um outro Sangiovese maravilhoso: Cancelli Coltibuono 2015

IMG_20170916_140304564.jpg

IMG_20170916_140313939.jpg

IMG_20170916_154218041.jpg

Tivemos também um vinho espanhol de dar inveja feito com as uvas tempranillo  e Graciano: Beronia Rioja 2009 Gran Reserva.

IMG_20170916_140348566_HDR.jpg

IMG_20170916_140356953_HDR.jpg

IMG_20170916_140406552_HDR.jpg

IMG_20170916_164759180.jpg

Um dos confrades trouxe um Merlot de sua última viagem à Paris:

IMG_20170916_142736720.jpg

IMG_20170916_142745706.jpg

Que harmonizou muito bem com a lasagna:

IMG-20170917-WA0006.jpg

Antes do Secondo Piatto provamos também um vinho branco siciliano feito com uma uva pouco comum: Catarrato. Vinho Benedè Catarrato 2016.

IMG_20170916_135339602.jpg

IMG_20170916_135349527.jpg

IMG_20170916_155135320.jpg

Tivemos também um vinho do Alentejo e um Italiano da uva Nero d’Ávola: Courela Alentejo 2014 e Baglio di Luna 2014 Nero D’ávola.

IMG_20170916_142708474.jpg

IMG_20170916_191235712.jpg

Secondo Piatto

Com certeza essa foi uma das massas mais gostosas que eu já comi na vida. Meus parabéns Ana! Mas o evento ainda não tinha chegado nem na metade ainda. Como Secondo Piatto tivemos uma Saltimbocca ala romana com o Contorno de Cicoria Ripassata in padella. Admito que nunca comi uma carne de vitela melhor!! Nota 10. E para acompanhar o segundo prato tivemos mais vinhos espetaculares. O primeiro deles é o feito com a minha uva preferida: primitivo. Em breve no blog teremos um post exclusivo sobre essa uva apesar de já termos falado dela plantada no terroir americano (zinfandel). Lucarelli Primitivo di Puglia.

IMG_20170916_143026058.jpg

IMG_20170916_152957046.jpg

Eu levei um vinho feito com a uva negroamaro porque ela também é produzida na região de puglia e é também utilizada na confecção de grandes vinhos como o primitivo di manduria. Ou seja, negroamaro e primitivo são primas do primeiro grau. Notte Rossa Negroamaro 2015.

IMG_20170916_113741318_HDR.jpg

IMG_20170916_113751300_HDR.jpg

IMG_20170916_155939304.jpg

Dolci

Não pensem que o evento acabou meus amigos! Ainda temos uma surpresa a ser revelada! A Ana preparou duas sobremesas tipicamente italianas: o tiramissù e o cannoli. E temos uma surpresa no nosso blog: o icewine ou o vinho das uvas congeladas!

IMG_20170916_125022169.jpg

IMG_20170916_135254300.jpg

IMG_20170916_135301588.jpg

Esse espetáculo de vinho foi um presente da minha tia Sônia que ela trouxe da sua última viagem do Canadá. Originalmente Alemão (o Eiswein), esse vinho foi descoberto por acaso porque um produtor esqueceu de colher as uvas e elas congelaram no inverno. Então ele teve a idéia de espremê-las congeladas obtendo assim apenas a parte doce e licorosa da uva. Nascia assim o Icewine.

Grapes-Used-In-Ice-Wine-Recipe.png

Embora ele possa ser feito com vários tipos de uvas, é a Vidal que mais se destaca na sua produção. A temperatura tem de se manter por 3 dias a, pelo menos, 8 graus negativos. As uvas congeladas são, então, colhidas de madrugada para evitar que derretam e possam ser processadas ainda com gelo. É devido a essas características que o Canadá é quase que exclusivo na produção desse vinho. No Brasil uma garrafa de 200 ml custa aproximadamente R$400.

IMG_20170916_162043075.jpg

Creif Estate Winery 2015 Vidal Icewine

IMG_20170916_162531341.jpg

IMG_20170916_163015629.jpg

IMG_20170916_162910595.jpg

IMG-20170924-WA0017.jpg

Mas o evento ainda não acabou por aí! Um dos confrades que mora em Paris trouxe dois Grand Vin de Bordeaux.

IMG_20170916_165449618_HDR.jpg

Lussac Saint-Emillion 2014 Grand Vin de Bordeaux

IMG_20170916_190502841.jpg

IMG_20170916_190556301.jpg

IMG_20170916_192727258.jpg

Nossa, Bordeaux é sempre uma boa pedida!!!

IMG-20170917-WA0045.jpg

Château Bellevue Saint-Martin 2014 Grand Vin de Bordeaux Montagne Saint-Émillion

IMG-20170917-WA0047.jpg

IMG-20170917-WA0051.jpg

Conclusão

Peço perdão pelo post tão longo e se eu não fiz um review mais detalhado sobre algum vinho, mas é porque o volume de informações foi muito grande. Parabéns ao Nelson e a Ana por serem pessoas tão maravilhosas e receptivas e pela comida e bebida maravilhosas. Aguardo ansiosamente o próximo encontro da Confraria Távola di Amici!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Tempranillo Espanhol, Malbec Argentino, Churrasco e afins

“Um homem nobre nunca odeia um bom vinho: é um preceito monarcal.” François Rabelais

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, assim como tivemos um post anterior no blog que foi um mix de vinhos, cervejas e uísques (link), hoje o nosso post também será um mix de dois encontros que participei mas com ênfase principalmente nos vinhos da espanha e da sua uva mais famosa: tempranilho.

Cervejas

Comecemos falando sobre grandes cervejas como é costume do nosso blog. Inicialmente temos três cervejas polonesas.

IMG_20170514_133957105.jpg

IMG_20170514_134008165_HDR.jpg

IMG_20170514_134150632.jpg

Uma boa cerveja de trigo com leve corpo e levemente aromática.

IMG_20170514_171211056.jpg

IMG_20170514_171221367.jpg

IMG_20170514_171850745.jpg

Outra cerveja de trigo com menos corpo que a anterior porém com boa formação de espuma e bom drinkability.

IMG_20170519_204824082.jpg

IMG_20170519_204834923.jpg

IMG_20170519_204959922.jpg

Essa é uma cerveja pilsen sem muitas características próprias. Mas valeu pelo conhecimento!

IMG_20170514_244039638.jpg

IMG_20170514_244441569.jpg

Essa é uma weizen alemã muito gostosa. Cerveja artesanal de trigo alemã rica em aromas com leve toque de banana e cravo, notas de baunilha e suave perfil cítrico, que remete a limão. Apresenta cor alaranjada clara, líquido levemente turvo não filtrado, corpo médio e espuma abundante. Uma cerveja de trigo muito saborosa, extremamente refrescante e de sutil amargor, mas que poderia ter um pouco mais de corpo e turbidez.

IMG_20170527_235936705.jpg

IMG_20170527_235949998 (1).jpg

IMG_20170528_240001304.jpg

IMG_20170528_240050909.jpg

IMG_20170528_240203968.jpg

Essa witbier foi muito requisitada para o blog e confesso que ela só perde para a St. Bernardus Wit (link). Muito aromática e presença da semente de coentro e da casca de laranja. Também é refermentada na garrafa por várias semanas para arredondar seu sabor. O único ponto negativo foi a acidez um pouco mais forte para o padrão de uma wit.

Primeiro Encontro

O primeiro encontro foi o churrasco de dia das mães em que tivemos alguns vinhos da uva malbec e um grande tempranillo espanhol. Ambos harmonizaram muito bem com uma costelinha de porco, picanha, maminha, queijo coalho e asinha de frango.

IMG_20170514_140352416.jpg

IMG_20170514_140403251.jpg

IMG_20170514_140558015.jpg

Conforme tenho batido na tecla desde o início do blog, o vinho que mais harmoniza com um bom churrasco é o malbec argentino (link), e esse exemplar é um exemplo de um vinho de ótimo custo benefício. Tinto elegante, apresenta aromas de frutas maduras como cerejas, ameixas e amoras, taninos maduros e final de boca persistente. É produzido em Lunlunta, Luján de Cuyo, região de maior expressão da uva malbec, na Argentina. Seus vinhedos tem mais de 50 anos, proporcionando mais estrutura e sabor.

IMG_20170514_151213223.jpg

IMG_20170514_151220114_HDR.jpg

IMG_20170514_151955504_HDR.jpg

Esse é o exemplo do “bom e barato”. Vinho de R$ 30 que agrada muito bem o paladar.

IMG_20170514_142903663.jpg

IMG_20170514_142910602.jpg

IMG_20170514_144336378.jpg

IMG_20170514_144349735.jpg

IMG_20170514_144611092_HDR.jpg

Esse é um dos grandes exemplos de como a uva malbec na Argentina se destaca. A denominação gran reserva por si já diz tudo (link). Um vinho muito bem feito e com uvas selecionadas por um ótimo preço (R$ 70). Apresenta aromas de framboesa, ameixa e cereja negra, notas de baunilha, café, chocolate e um toque amadeirado. Tinto fresco, com médio corpo e taninos presentes. Elaborado com uvas selecionadas e colhidas à mão, esse Gran Reserva, traz a expressão da uva Malbec cultivada em Agrelo, Luján de Cuyo.

Tempranillo Espanhol

Desde o início do blog temos visto que cada país possui uma ou algumas uvas símbolo que se apresentam como sua assinatura vínica. No Chile temos a Cabernet-Sauvignon (link) e a Carmenère (link). Na Argentina temos a Malbec (link), nos EUA temos a Zinfandel (link) e na Espanha temos a uva tempranillo.

thumb4_tempranillo1.jpg

961ec28d6c31821f70863a2d979a2e76--wine-varietals-wine-rooms.jpg
Fonte: http://www.pinterest.com

Tempranillo-thumbnail.jpg

Os vinhos produzidos com essa uva possuem aromas muito frutados de frutas negras como cereja, mirtilo, morango e ameixas. E aromas secundários e terciários de chocolate, tabaco, baunilha, pão, cereais e couro. É com essa uva que se obtém vinhos lendários e extremamente caros como o Vega Sicília já apresentado anteriormente no blog (link).

img_s_25925.jpg

E hoje iremos escolher um clássico espanhol: Finca Constancia Parcela 23 Tempranillo 2013, da bodega da família Gonzalez Byass.

IMG_20170514_160039912.jpg

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Vinho possuidor de um paladar fresco, com bom corpo, taninos macios e toque de especiarias também possui nuances de frutas. Valeu a aquisição!!

Segundo encontro

Durante uma visita aos amigos Nelson e Ana tivemos a oportunidade de degustar bons uísques com petiscos e, novamente, um bom tempranillo espanhol.

IMG_20170708_170152547 (1).jpg

Chivas é um scotch que dispensa apresentações, e ainda mais um de 18 anos!!

IMG_20170708_171451961.jpg

Whisky Singleton 12 Anos Of Glen Ord, um dos melhores scotch single malt que eu já tive a oportunidade de degustar. Abaixo eu quero deixar um vídeo promocional dele:

https://www.youtube.com/watch?v=QUtuGbY4e5U

IMG_20170708_181852495.jpg

Mais um Bourbon de destaque.

IMG_20170708_172149662.jpg

IMG_20170708_172236688.jpg

Mais um tempranillo com bom custo benefício! Mais um com a qualificação “bom e barato”. Vinho espanhol por R$ 35 que vale a pena.

IMG_20170708_190556809.jpg

IMG_20170708_190709996.jpg

Esse exemplar do Douro já me foi alvo de muitas perguntas pelos leitores do blog. E eu realmente o recomendo. Talvez seja um dos melhores custo benefício dos chamados vinhos “bons e baratos”. Um grande exemplar para o dia-a-dia, chegando a ser premiado! A safra 2013 recebeu a alta pontuação de 90pts pela conceituada revista Wine Spectator. Isso é muito de se esperar de um vinho de R$ 35.

IMG_20170708_170156989.jpg

Tudo isso harmonizou muito bem com um bom salame espanhol e nuts (pistache, amendoim, amêndoas, etc).

IMG_20170708_170516956.jpg

Tivemos também um maravilhoso pão de azeitonas com um delicioso azeite italiano feito com trufas brancas!

IMG_20170708_170942714.jpg

E um com trufas negras!

Conclusão

Acho que o ponto chave desse post é que o vinho não precisa ser caro para ser bom. Ele também serviu para atender a pedidos sobre vinhos bons e baratos na faixa de R$ 30.

Conheça todos os posts do blog através desse link