Pisco, Riesling Alemão, Leitão à Pururuca com feijão tropeiro e harmonização com vinhos

 “O vinho contenta o coração do homem e a alegria é a mãe de todas as virtudes.” Johann Wolfgang von Goethe

IMG_20180303_144141641.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post é mais do que especial pois é o meu aniversário de 30 anos e estaremos ensinando como fazer um dos meus pratos preferidos (leitão à pururuca) e ensinaremos como harmonizá-lo com vinhos. Também falaremos de um evento similar a este em que fizemos um pernil de porco que também ficou divino. Como o leitão é difícil de encontrar em açougues comuns, o mesmo procedimento pode ser feito com um porco comum.

Uva Macabeo

Começaremos falando de uma maneira muito breve sobre essa uva muitíssimo conhecida na Espanha.

macabeo.jpg

Se você é assíduo aqui no blog com certeza se lembrará que essa uva já foi citada aqui no post da cava, mas como estávamos comemorando o aniversário da minha esposa Aline no Bravo Bistrô (post sobre o lugar) e decidimos escolher um vinho que harmonizasse com o prato em questão: lagostin a provençal, com risoto carnaroli, leite de coco e finalizado no abacaxi.

IMG_20180223_222402955.jpg

Ainda que seja bastante adaptável, a macabeo cresce em climas frios e tende a amadurecer antes que o resto das variedades. De acidez média, aporta secura e fineza ao cava junto com notas de suaves flores silvestres e amêndoas. Vinho de escolha: Algairen Macabeo.

IMG_20180223_214108628.jpg

IMG_20180223_214117049.jpg

IMG_20180223_214128281.jpg

Um vinho bastante simples que pode ser classificado como próprio para o dia-a-dia sem nenhuma característica muito marcante mas valeu pelo conhecimento!

Pernil de Porco com Riesling Alemão e Carmenère Lapostolle

De forma a tornarmos a explicação mais didática iremos dividir nosso post em duas partes. A primeira delas terá como tema o pernil de porco à pururuca e a segunda será sobre o leitão.

IMG_20180218_131012377_HDR.jpg

Como entrada teremos uma tábua de queijos trazidas da última viagem ao chile com um drink feito com pisco, limão, gelo e açúcar.

IMG_20180218_132601698.jpg

IMG_20180218_132011743.jpg

Para as pessoas que não sabem o que é pisco ele é uma bebida destilada do vinho com produção parecida com a do cognac sem passar pelo barril de carvalho com exceção dos añejos. Após o vinho pronto (link para o post) ele é destilado num alambique e seu resultado é essa famosa bebida peruana/chilena. Abaixo vou colocar um link para um vídeo muito curto e explicativo sobre seu processo de fabricação:

https://www.youtube.com/watch?v=6VvU9CsZrhw

IMG_20180218_140208590.jpg

A cerveja blue moon é perfeita para quem é fã de witbier, muitíssimo bem feita e de aromas complexos:

IMG_20180218_140357832.jpg

Falaremos na segunda parte sobre a receita do leitão à pururuca que é a mesma para o pernil. As batatas foram feitas apenas com azeite, alecrim, pimenta do reino e sal grosso postas para assar numa temperatura média de 180 graus e os aspargos foram assados com azeite e alho.

IMG_20180218_140527282.jpg

Como harmonização tivemos um duelo de gigantes para sabermos quem combina mais: um riesling alemão ou um carmenère chileno com receita francesa?

IMG_20180218_133651654.jpg

Kloster Heilsbruck 2009 Riesling é um vinho alemão feita com minha uva branca preferida: a Riesling. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo para essa uva e sobre a culinária alemã caso alguém tenha curiosidade (link), mas essa é a primeira vez que provaremos uma variedade produzida em solo germânico!

IMG_20180218_134132856.jpg

Vinho delicioso que nos pregou uma peça. Se vocês lembram, já tivemos duas experiências interessantes sobre o dulçor de um vinho. Na primeira achávamos que o gewürztraminer seria mais seco enquanto ele se revelou bastante doce (link), já na segunda pensávamos justamente que ele seria bem doce enquanto ele se revelou seco e mineral porém com aromas doces e frutados como a lichia (link). A questão é que a denominação Spätlese significa um vinho de colheita tardia indicando forte tendência ao dulçor conforme pudemos experimentar no post da Riesling da Alsácia. Porém esse vinho se mostrou seco e bem mineral apesar dos aromas frutados. Apresenta cor amarelo citrino de reflexos esverdeados e aromas de frutas cítricas e tropicais maduras, típicas notas minerais e florais, além de toques de frutos secos e de mel. No palato, é frutado, estruturado, tem bom volume de boca, acidez vibrante e final persistente e fresco.

IMG_20180218_140008398.jpg

Lapostolle Grand Selection Carmenère 2015. Esse foi a segunda opção para harmonizar com essa comida maravilhosa. Já tivemos aqui no blog um post exclusivo sobre essa uva (link), então aqui iremos nos ater a essa vinícola tão única. Lapostolle é o mais francês dos produtores chilenos. A vinícola foi fundada pela francesa Alexandra Marnier e elabora vinhos tintos, brancos e rosés de grande classe e elegância, cuja inspiração são os melhores vinhos europeus. Com imenso prestígio, em poucos anos conseguiu aclamação da imprensa especializada, estabelecendo-se como um dos mais reputados nomes do vinho chileno. O assessor da vinícola é o famoso Michel Rolland, um dos mais célebres e influentes enólogos da atualidade. Com seus vinhos de estirpe e sua grande consistência qualitativa, a Lapostolle é, sem dúvida, um dos grandes nomes do vinho no Novo Mundo.

logo-lapostolle_lg.png

IMG_20180218_140011284.jpg

IMG_20180218_140019582.jpg

Os dois harmonizaram muito bem com o prato, mas dentre os dois a melhor opção foi pelo Riesling Alemão.

IMG_20180218_141146256.jpg

E por fim tivemos um licor português feito de uma fruta muito famosa no país: a Ginja.

IMG_20180218_165458179_HDR.jpg

Leitão à pururuca, pão de azeitonas e bolo de brigadeiro com vinho do porto

Amigos, o sabor do prato foi tão assombroso que eu decidi que iria fazer um leitão para o meu aniversário. Como entrada tizemos uma tábua de queijos com um pão feito com azeitonas. Para quem acompanhou o post da pizza vai perceber que a receita é bem similar. Tomemos 500g de farinha de trigo, uma colher rasa de sal e misturamo-los na batedeira enquanto colocamos um sachê de fermento para tirá-lo da dormência semelhante como fizemos para a pizza. Depois unimos cerca de 5 colheres de um bom azeite e o fermento para bater na batedeira (ou manualmente se for o caso):

IMG_20180303_081624244.jpg

IMG_20180303_082407768.jpg

Quando der o ponto da massa, iremos sová-la mais um pouco na mesa e abri-la com um rolinho:

IMG_20180303_083323383.jpg

IMG_20180303_083435218.jpg

Agora vamos colocar as azeitonas e um pouco de orégano antes de “enrolar” a massa:

IMG_20180303_083602253

IMG_20180303_083940281

Antes de colocar a massa para crescer iremos cobri-la com azeite para evitar o ressecamento dela:

IMG_20180303_084011614

IMG_20180303_084156058

Depois cobrimo-la com um paninho e deixamo-la descansar por cerca de 1 hora e 30 minutos:

IMG_20180303_093743931

Depois levamo-la para um forno pré-aquecido a 180 graus Celsius e deixamo-la assando por cerca de 40 minutos:

IMG_20180303_093820427_HDR

Então o pão estará pronto

IMG_20180303_101641585_HDR

IMG_20180303_135608966

Dentre os queijos temos o Grana Padana Italiano, o Brie Francês, o Provolone e um Maasdam Holandês.

IMG-20180304-WA0042

Essas entradinhas mais uma vez foram embaladas pelo maravilhoso drink de pisco. Dessa vez utilizamos o comum e o añejo:

IMG-20180304-WA0064

Tivemos também um outro drink feito com Gin inglês e suco de cramberrie:

IMG_20180303_124532986_HDR.jpg

E uma rápida degustação de um dos melhores Rums do mundo: Havana Club.

IMG_20180303_124903935_HDR.jpg

IMG_20180303_124919515_HDR.jpg

IMG_20180303_125048587.jpg

Receita do Leitão

IMG_20180224_085423904.jpg

O ideal seria utilizarmos um leitão inteiro porém poucos fornos o cabem, então decidimos utilizar a metade de um:

IMG_20180224_085418892.jpg

Como o evento foi no sábado, quarta à noite eu coloquei o leitão na geladeira para que ele pudesse descongelar lentamente. Na noite de quinta feira o processo da marinada começou:

IMG_20180301_192847550.jpg

O primeiro segredo para que a carne pegue o sabor é fazer furos com a faca conforme fizemos com o gigot d’agneau (link). Então introduzimos em cada furo desses um raminho de tomilho, um de alecrim e bastante alho:

IMG_20180301_193229273.jpg

Azeite, pimenta do reino e vinho branco:

IMG_20180301_194510809.jpg

IMG_20180301_203247261.jpg

Titular colheita branco 2015 do Dão

IMG_20180301_203348360.jpg

IMG_20180301_203843538.jpg

Após a marinada preparada cobrimo-lo com papel filme e levamo-lo para a geladeira até a noite da sexta quando viramo-lo para que pegue bem a marinada do outro lado:

IMG_20180301_204337761.jpg

Na manhã de sábado tiramo-lo da geladeira:

IMG_20180303_094910739_HDR.jpg

O ideal para fazer um bom assado é possuir um bom forno que consiga uniformizar bem a temperatura por todo o cozimento:

IMG_20180303_105302767.jpg

Setamo-lo na temperatura de 180 graus enquanto preparamos o leitão para ele. Uma dica importante ensinada pela minha tia foi que, de forma ao assado não ficar mais tostado no fundo do que em cima, devemos fazer uma caminha com cebolas antes de assentarmos o leitão:

IMG_20180303_105550234.jpg

Depois de colocarmos sal nele todo, cobrimo-lo com papel alumínio e o levamos ao forno por cerca de 2 horas:

IMG_20180303_105928779_HDR.jpg

IMG_20180303_110134212.jpg

Após as duas horas iremos retirá-lo, adicionar sal grosso, um pouco mais de azeite e retorna-lo sem o papel alumínio na função de gratinar:

IMG_20180303_125334160.jpg

IMG_20180303_130814676.jpg

Enquanto ele gratina iremos preparar o feijão tropeiro. Esse que é praticamente patrimônio histórico dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Sua história nos remonta à época dos bandeirantes pois, desde o período colonial, o transporte das mais diversas mercadorias era feito por tropas a cavalo ou em lombos de burros. Os homens que guiavam esses animais eram chamados de tropeiros. Até a metade do século XX, eles cortavam ainda parte do estado de Minas Gerais, conduzindo gado. A alimentação dos tropeiros era constituída basicamente por toucinho, feijão, farinha, pimenta-do-reino, café, fubá e coité (um molho de vinagre com fruto cáustico espremido). Nos pousos, comiam feijão quase sem molho com pedaços de carne de sol e toucinho, que era servido com farofa e couve picada. Assim, o feijão, misturado à farinha de mandioca e a outros ingredientes, tornou-se um prato básico do cardápio desses homens, daí a origem do feijão tropeiro.

IMG_20180303_115719606_HDR.jpg

Mais um segredo aqui: a cebola não deve ser gratinada junto com o alho e depois colocado o bacon pois todos possuem tempo de cozimento diferente. O mais correto é colocar primeiro o bacon, depois a calabresa, depois a cebola e, por último, o alho:

IMG_20180303_131105448.jpg

IMG_20180303_131206087.jpg

Depois vão se adicionando os outros ingredientes como o feijão pré-cozido somente com sal, a couve e, por último, o ovo frito:

IMG_20180303_133338535.jpg

IMG_20180303_134122184.jpg

Houve um problema com o leitão porque o colocamos muito perto do grill então ele ficou mais escuro do que gostaríamos, mas o sabor ficou inigualável. Caso você faça na sua casa e a pele não pururuque o segredo é jogar um óleo bem quente por cima.

IMG_20180303_144141641

IMG_20180303_144339718.jpg

IMG_20180303_140135835_HDR.jpg

IMG_20180303_144423117_HDR.jpg

IMG-20180304-WA0004.jpg

O vinho de escolha foi um Carmenère Gran Reserva:

IMG_20180303_144543370.jpg

Viu Manent Gran Reserva Carménère 2015. Um vinho que possui nada menos do que a classificação 90 pontos Robert Parker e 88 pontos Wine Enthusiast. Permanece por 11 meses em barris de carvalho francês (80%) e americano (20%). De cor vermelho rubi profundo, este vinho possui aromas de cerejas, ameixas e erva-doce. Em boca apresenta deliciosos sabores menta e couro, que combinam perfeitamente com seus potentes taninos e conduzem a um longo de equilibrado final.

IMG_20180303_144547073.jpg

IMG_20180303_144553600_HDR.jpg

IMG_20180303_145439981.jpg

IMG_20180303_145445192.jpg

Harmonização perfeita!

IMG-20180304-WA0054.jpg

Tivemos também um corte espanhol de Garnacha, Syrah e Tempranillo maravilhoso. Esteban Martín D.O.P. Cariñena Crianza 2014.

IMG_20180303_172211134.jpg

Um tempranillo espanhol: Mesta tempranillo 2016.

IMG_20180303_172157441.jpg

Tivemos também duas cervejas de peso que combinaram perfeitamente com o prato.

IMG_20180303_100714640_HDR.jpg

Cerveja Heilige Barley Wine. Cerveja escura com corpo elevado, residual adocicado e teor alcoólico de 9%. Apresenta notas de envelhecimento e de frutas secas. Notas amadeiradas, caramelo, toffee, café, pão tostado e um final alcoólico que lembra vinho do porto.

IMG_20180303_100728845.jpg

IMG_20180303_100732669.jpg

IMG_20180303_100742094.jpg

A segunda é uma cervejaria que está se mostrando uma das minhas preferidas do Brasil: Leopoldina. Já comentamos sobre a versão wit dela no post anterior.

IMG_20180303_100800952.jpg

Leopoldina Weissbier

IMG_20180303_100804139.jpg

IMG_20180303_100811714.jpg

IMG_20180303_152942220.jpg

IMG-20180304-WA0005.jpg

Achei também que, para representar bem o estado do Pará do post anterior ficou faltando falarmos sobre a mais famosa cerveja feita lá: a Cerpa.

IMG_20180302_223136301.jpg

Essa é uma cerveja que não é puro malte porém é uma boa opção em relação às “cervejas de massa”

IMG_20180302_223144324.jpg

IMG_20180302_223153953.jpg

IMG-20180304-WA0067.jpg

Por último tivemos um bolo de brigadeiro com vinho do porto. Se existe alguma dúvida sobre qual vinho harmonizar com a sobremesa, a opção do vinho do porto sempre se mostra uma boa opção e um “lugar comum” quando se conhece pouco outras opções.

IMG_20180303_153738116.jpg

IMG-20180304-WA0010.jpg

IMG_20180303_155144497.jpg

Cockburns Fine Tawny Port

IMG-20180304-WA0014.jpg

Sandeman Porto Ruby

Conclusão

Obrigado mais uma vez aos meus tios por me proporcionarem uma festa tão bacana, não consigo acreditar uma festa melhor de 30 anos!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

 

Lambrusco, Vinho Grego e Gigot D’Agneau com Batatas Rústicas ao Aiöli

“O vinho conforta ao triste, e revive aos velhos, inspira os jovens, permite que o cansado esqueça o seu cansaço.” Lord Byron

IMG_20171125_221238888.jpg

Introdução

Amigos, hoje teremos um mix de informações sobre o mundo dos vinhos mas a ênfase será no Lambrusco, nos vinhos da Grécia e em 3 receitas para acompanhá-lo. Esse post é o cumprimento de uma promessa feita no post anterior em que eu tentei fazer o gigot d’agneau (pernil de cordeiro) no forno mas não deu certo. Dessa vez ele será feito na churrasqueira!

Lambrusco

Esse vinho italiano é bastante famoso no Brasil e também no mundo devido ao seu bom custo benefício. Uma garrafa dele no mercado sai em média R$30. Mas afinal o que é o Lambrusco?

137962_lambrusco-01-carlo-guttadauro.jpg

Vimos no post sobre champagnes e espumantes que esse tipo de vinho recebe essas borbulhas que chamamos de perlage devido a uma segunda fermentação que ele sofre na garrafa. Já o lambrusco é enquadrado na categoria de frisante, o que indica que ele não sofre duas fermentações, mas apenas uma. O gás carbônico é introduzido artificialmente igual a um refrigerante. Isso torna o lambrusco uma bebida suave e gaseificada que lembra de longe um spritzer que fizemos no post anterior. Hoje vamos degustar um exemplar bem comum no Brasil: Fratelli Cella Lambrusco Dell’Emilia tinto.

IMG_20170930_131432002_HDR.jpg

IMG_20170930_131442996.jpg

IMG_20170930_131454554_HDR.jpg

Esse é um vinho muito agradável e bom de iniciar um evento com os amigos. Também é uma opção para os que gostam dos vinhos mais “adocicados” por assim dizer. Mas claramente percebe-se uma qualidade bem inferior em relação aos espumantes “de verdade” por assim dizer.

IMG-20171002-WA0032

Nessa primeira parte do post quero deixar registrado alguns dos vinhos em que tive o prazer de degustar num evento na casa dos queridos Rafael e Eloísa.

IMG_20170930_194552295.jpg

O primeiro vinho a ser servido foi um espumante italiano de bom custo benefício: Piera Martellozzo 075 Carati Millesimato Extra Dry.

IMG-20171001-WA0001.jpg

Esse cumpre o que promete: uma entrada simples porém agradável sem muita personalidade. Vale a pena tentar!

IMG-20171002-WA0035.jpg

IMG-20171001-WA0011.jpg

A Carol trouxe uma Cava espetacular para provarmos. Para quem acompanhou o post sobre a Cava sabe que a Freixenet é hoje a marca mais consumida do mundo e a Cordon Negro é uma versão premium da marca. Simplesmente fantástico!

IMG-20171001-WA0004.jpg

IMG-20171001-WA0003

IMG-20171002-WA0012.jpg

Amigos, a Eloísa nos preparou um Boeuf Bourguignon maravilhoso, mas quero pedir desculpas aqui a todos e a ela pois não encontrei a foto do prato, mas estava maravilhoso e os convidados trouxeram vinhos para harmonizar com ele. Além da clássica harmonização com Pinot Noir, tivemos algumas variedades de vinhos como dois primitivos: Messapi Primitivo di Puglia 2013 e Notte Rossa Primitivo Puglia 2015.

IMG_20170930_131550039_HDR.jpg

IMG_20170930_131554040.jpg

IMG_20170930_131608948.jpg

IMG_20170930_205450915.jpg

IMG-20171001-WA0009.jpg

IMG-20171001-WA0006.jpg

IMG-20171002-WA0025.jpg

Estes são bons vinhos com bom custo benefício sendo o Messapi superior no sabor. Acho que o fato dele ser de uma safra anterior ao do Notte Rossa ajudou no apuro. Achei-o muito mais redondo que o segundo, o qual me pareceu mais “agressivo”, que normalmente indica juventude num vinho.

E para terminarmos a noite tivemos uma das minhas uvas favoritas: Gewürztraminer. Só que dessa vez foi um Italiano a despeito dos clássicos Alsacianos/Alemães. Gewürztraminer Trentino DOC Cavit 2016.

IMG-20171002-WA0015

IMG-20171002-WA0017.jpg

Esse vinho nos pregou uma peça pois é normal achar que todo Gewürztraminer é doce como o que apresentamos no post anterior. Apesar de ter aromas doces e presentes como a lichia, esse é um vinho seco e encorpado.

Vinhos da Grécia

depositphotos_3608302-stock-illustration-vector-greece-map.jpg

Conforme falamos no post sobre os vinhos de Israel, acredita-se que o primeiro vinho foi feito por Noé na região que hoje é a Geórgia/Armênia. Ou seja, ela é quase que reconhecidamente o berço dessa bebida.

Ägyptischer_Maler_um_1500_v._Chr._001.jpg

Turkey.Bodrum036.jpg

Já os egípcios foram os primeiros a registrar em pinturas e documentos (datados de 1000 a 3000 a.C.) o processo da vinificação e o uso da bebida em celebrações. Os faraós ofereciam vinhos e queimavam vinhedos aos deuses; os sacerdotes usavam-nos em rituais; os nobres, em festas de todos os tipos; as outras classes eram financeiramente impossibilitadas de sua compra. O consumo de vinho aumentou com o passar do tempo e, junto com o azeite de oliva, foi um grande impulso para o comércio egípcio, tanto o interno quanto externo. Os primeiros enólogos foram egípcios.

1_cMm5Dqy9DBk94jcJCYbuQw.jpeg

comercio-Fenícios

os-fencios-6-ano-2016-19-638

A partir de 2500 a.C., os vinhos egípcios foram exportados para a Europa Mediterrânea, África Central e reinos asiáticos. Os responsáveis por essa propagação foram os fenícios, povo oriundo da Ásia Antiga e natos comerciantes marítimos. Em 2 mil a.C., chegaram à Grécia.

Banquet_Louvre_Kylix_G133_by_Cage_Painter.jpg

spartan-king-spears.png

Os gregos foram considerados o divisor de água no mundo dos vinhos. Toda a cultura mundial que deriva dessa bebida nasceu junto com eles. O vinho era tão importante para os gregos que se acreditava que era uma bebida santa e divina (dada aos homens pelo Deus Dionísio).

Dyonisos_Paphos_mosaic.jpg

Vinho de Escolha

Para representarmos essa cultura tão rica que foi a Grega iremos ao Peloponeso aonde se encontravam Esparta e seus Bravos Guerreiros. No centro da região, encontramos a denominação de vinhos brancos Mantinia e, a noroeste de Corinto, encontra-se a famosa denominação de tintos Nemea (morada do Agiorgitiko), como foi batizada em 1460, homenagem ao antigo nome da região na época, Agios Georgios (São Jorge). Nemea também é a morada do “Leão de Nemeia”, primeiro trabalho de Hércules.

1dc9cb751f577f4b56157bada5c6c36c.jpg

Cavino Nemea Grande Reserve 2008

IMG_20171125_192723164.jpg

IMG_20171125_192735712.jpg

IMG_20171125_192740619.jpg

IMG_20171125_192749854.jpg

A vinícola Cavino conta com uma tradição de quase 70 anos. No início deste século sua produção voltou-se exclusivamente para vinhos de alta qualidade, trabalho reconhecido em 2009, quando a Wine & Spirits a premiou como a melhor vinícola da Grécia! Este ótimo Grande Reserve, que traz na bagagem premiações como a medalha de ouro no concurso Mundus Vini e 90 pontos pela influente crítica canadense Natalie MacLean, é o exemplar mais emblemático da linha. Com maturação de 24 meses em barricas de carvalho francês e americano e mais 24 meses em caves, entrega aromas de amoras, ameixas, café, frutas secas, xarope, cacau e violetas. Na boca está extremamente equilibrado, com taninos sedosos, boa acidez e uma certa mineralidade, que está em sintonia com notas de cereja madura, baunilha e alcaçuz.

Harmonização

Os vinhos produzidos com essa casta grega são quase que uma mistura de um primitivo italiano (bastante equilíbrio) junto com a potencialidade de um vinho de Bordeaux (taninos potentes e sedosos junto com frutas negras e vermelhas) e, como o cordeiro é referência para os três países (Itália, Grécia e França), a opção será por ele! Além disso já tinha prometido refazer a receita do Gigot D’Agneau no post anterior. A receita será uma adaptação à receita do Chef André Castro D’olivino que se encontra no vídeo do youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=-7UZr-wpL_Y

Tomemos então uma bela peça de Pernil de Cordeiro:

IMG_20171125_141446172.jpg

Vamos fazer incisões e colocarmos alho junto com alecrim:

IMG_20171125_143820030_HDR.jpg

O Sal de especiarias será feito com Sal, Pimenta, Tomilho, Cominho, Coentro em pó e Canela em pó:

IMG_20171125_140233206.jpg

IMG_20171125_140704820.jpg

IMG_20171125_141209390.jpg

Agora vamos colocar o pernil numa travessa e espalhar esse sal de especiarias no cordeiro:

IMG_20171125_150524805.jpg

Vamos aguardar cerca de 1 hora para que o tempero “pegue” um pouco. Após isso iremos adicionar 150ml de vinho branco:

IMG_20171125_152520704.jpg

E 300ml de suco de laranja:

IMG_20171125_151852871.jpg

IMG_20171125_152450472.jpg

Vamos adicionar alho, alecrim e louro e deixar descansar nessa marinada por no mínimo 4 horas sempre virando a peça de modo que toda a carne fique “encharcada”:

IMG_20171125_153030884.jpg

Antes de colocarmos no fogo vamos relembrar qual foi o erro da última vez que tentamos fazer essa receita no forno: Ficou queimado por fora e cru por dentro. Dessa vez vamos fazer diferente: vamos cozinhar um pouco por dentro e depois tostaremos por fora para criar uma crosta. Tomemos um plástico próprio para churrasco e reguemos um pouco de azeite e sal grosso por toda a peça:

IMG_20171125_190735063.jpg

Levemos ao fogo por aproximadamente 1 hora e meia sempre virando:

IMG_20171125_190921292_HDR.jpg

Enquanto isso iremos fazer o acompanhamento para o nosso prato: Batatas Rústicas com Herbs de Provence e Aiöli. Essa receita eu peguei de um dos canais de culinária francesa que mais gosto no youtube, o qual já utilizei algumas receitas aqui no Blog. Esse é o Canal da Uiara Araújo: Le Plat du Jour.

13244742_1000739476674480_1442327091049523428_n.jpg

https://www.youtube.com/watch?v=Fl1y3NELHGA

Primeiro vamos dar uma pré-cozida nas batatas:

IMG_20171125_192434762.jpg

Depois vamos cortá-las no formato de barquinhos e deitá-las na forma:

IMG_20171125_200657625.jpg

Depois vamos colocar sal, pimenta do reino, azeite e as Herbs de Preovence (Manjericão, Alecrim e Tomilho):

IMG_20171125_200844088.jpg

IMG_20171125_200909627.jpg

IMG_20171125_201259685.jpg

IMG_20171125_201443094.jpg

Agora vamos levá-las ao forno enquanto vamos nos ocupar novamente do pernil. Após 1 hora e meia vamos retirar o papel de churrasco e deixá-lo grelhar por mais ou menos hora:

IMG_20171125_201948514.jpg

Enquanto isso, façamos o aiöli:

IMG_20171125_204230699.jpg

Vamos amassar uma batata cozida junto com alho para fazermos uma espécie de purê:

IMG_20171125_204455443.jpg

Após isso iremos adicionar uma colher de mostarda de Dijon, Sal, Pimenta do Reino e uma gema de ovo.

IMG_20171125_204632595.jpg

IMG_20171125_204741898.jpg

IMG_20171125_205124173.jpg

Após isso vamos bater tudo com um fouet acrescentando azeite aos poucos até dar a consistência de uma maionese:

IMG_20171125_205232290.jpg

IMG_20171125_205656674.jpg

IMG_20171125_210015270.jpg

Após o tempo de grelha iremos retirar o gigot da churrasqueira e vamos pincelá-lo com um pouco de laranja com mel:

IMG_20171125_210607670.jpg

IMG_20171125_211716316.jpg

IMG_20171125_211833495.jpg

Vamos voltar por mais alguns minutos ao fogo e depois estará pronto:

IMG_20171125_221238888.jpg

IMG_20171125_221246421.jpg

Aparentemente o pernil está queimado mas na verdade ficou no ponto perfeito (crosta por fora e no ponto por dentro):

IMG_20171125_221252799.jpg

IMG_20171125_221757326.jpg

Conclusão

Valeu a pena refazer essa receita! Harmonizou perfeitamente com esse vinho inaudito!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Vinhos de Israel, culinária francesa e receita de steak tartare

 “Tenhamos vinho e mulheres, alegria e riso, sermões e água mineralizada no dia seguinte.” Lord Byron

IMG_20171031_141202785.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post será a continuação da culinária francesa já abordada num post anterior. Falaremos um pouco mais sobre comidas tipicamente francesas e, ao fim do nosso post, teremos a receita de como fazer um steak tartare. Também será alvo de nossa análise os vinhos produzidos em Israel, em específico os da Galiléia, terra em que nasceu Jesus.

Cervejas

A primeira cerveja de hoje é mais uma produzida pela Wäls, também conhecida como a melhor cervejaria do Brasil conforme já comentamos algumas vezes aqui no blog. Essa é uma witbier diferente pois é produzida com pimenta da Jamaica e laranja da terra. Wäls Belgian Witte.

IMG_20171103_132645276.jpg

IMG_20171103_132648879.jpg

IMG_20171103_132706459.jpg

IMG_20171103_132904991.jpg

Sente-se bastante o sabor característico da pimenta da Jamaica. É uma wit bem diferente para paladares não tão clássicos, mas é uma grande cerveja como diria o baixinho da kaiser!

scrotos-breja-e-ressaca-que-fim-levou-o-baixinho-da-kaiser-cerveja-propaganda

A segunda já é uma witbier belga padrão, sem muita alteração ao padrão ortodoxo da receita: Dortmund Schloss witbier.

IMG_20171103_130724979_HDR.jpg

IMG_20171103_130728760_HDR.jpg

IMG_20171103_130748128

IMG_20171103_130739411_HDR.jpg

IMG_20171103_130845795.jpg

Já a última cerveja de hoje é uma repetição, pois já comentamos sobre ela de forma breve no blog (link): Schornstein witbier. Campeã de vários prêmios, dentre eles o de medalha de ouro internacional na competição copa cervezas de américa GCA 2016.

IMG_20171111_183048954.jpg

IMG_20171111_183056757.jpg

IMG_20171111_183120626.jpg

IMG_20171111_190719409.jpg

IMG_20171111_191722893.jpg

Como já falei algumas vezes no blog, eu sou um grande fã dessa cervejaria e acredito que os produtores dessa cerveja trazem sempre muito orgulho para o Brasil, porém ela ainda não está no nível das cervejas top como St. Bernardus por exemplo (link). Mas talvez com um pouco mais de esforço possa se chegar lá.

Vinhos de Israel

Quando nos vêm à cabeça a história do Cristianismo/Judaísmo, logo nos lembramos da importância do vinho para a cultura Israelense. O próprio Jesus Cristo celebrou a Santa Ceia firmando um novo pacto com essa bebida que representaria o seu sangue que viria a ser derramado para a salvação de muitos. Foi ele mesmo quem disse que todos os seus seguidores deveriam repetir esse evento como lembrança dele.

santa-ceia.jpg

O fato é que o vinho hoje é conhecido no mundo por causa da herança judaica cristã. A bíblia fala que foi Noé o primeiro a fazer o vinho logo após o dilúvio. O primeiro porre com essa bebida de toda a história é reputado a ele.

noah-and-animals-39461-print.jpg

Noah-drunk-1024x865.png

Desde então Israel sempre se destacou no cultivo dessa bebida que foi apreciada no mundo então conhecido pelos romanos e gregos, que foi quem ajudaram a disseminar essa bebida. O fato é que Israel sempre teve um terroir mediterrâneo perfeito para o cultivo dessa bebida. Mas apenas após o fim da dominação muçulmana é que houve um renascimento moderno da viticultura israelense. A história da chamada moderna vinicultura de Israel começou em 1882, com a fundação da vinícola Carmel na cidade de Zichron Ya’akov, ao sul de Haifa, pelo Barão Edmond de Rothschild, proprietário da Chateau Lafite, em Bordeaux (França). Desde então Israel tem produzido vinhos no padrão Francês que têm ganho competições mundiais.

Escolha do vinho

A escolha será baseada tanto pela questão de qualidade quanto pela questão histórica e simbólica. Além de ser uma das melhores vinícolas do país, a Golan Heights produz vinhos na Galiléia, que é a terra onde Jesus nasceu!!

Golan Heights Logo2.jpg

Golan-Heights-Winery.jpg

O vinho de escolha será um do estilo Bordeaux, feito com uvas características da região francesa como a cabernet-sauvignon, a merlot, cabernet-franc, malbec e petit-verdot. Mount Hermon Red Wine 2015.

IMG_20171031_121615886.jpg

IMG_20171031_121625986.jpg

IMG_20171031_121657538.jpg

Esse é um vinho que nos remete à França e seus Bordeaux de qualidade. Presença forte de frutas negras e vermelhas como a cereja e a ameixa e especiarias como cravo e pimenta. Assim como os vinhos dessa região, é bem estruturado e complexo apesar de ser um vinho relativamente jovem.

Restaurante de escolha

Como o vinho possui “alma” francesa iremos harmonizá-lo com tal culinária também. Esse será um post de continuação dessa culinária tão egrégia por assim dizer já que tivemos anteriormente um post sobre ela no restaurante la casserole. Hoje a escolha será por um dos bistrots mais famosos de São Paulo: o Ici Bistrô, um lugar fantástico comandado pelo famosíssimo chef Benny Novak.

Benny-Novak.jpg

Um lugar fantástico com excelente atendimento!

IMG_20171031_130657537.jpg

IMG_20171031_132313659.jpg

Entrée

Pedimos dois pratos característicos franceses: o escalope de Foie Gras e o Steak Tartare que é uma das especialidades do Chef.

IMG_20171031_132342020.jpg

IMG_20171031_132351413.jpg

No post do La Casserole falamos da forma mais comum de servir o Foie Gras (em terrines) e hoje falaremos da segunda forma mais famosa: em escalopes sauté (pedaços dele assados na frigideira). Simplesmente Bárbaro! Sua gordura harmonizou bem com o vinho apesar de que sabemos que a harmonização perfeita seria com o Sauternes.

IMG_20171031_134506216.jpg

IMG_20171031_134521074.jpg

Adorei também o steak tartare com uma carne muito bem temperada e servida com fritas bem crocantes. Recomendo! (No fim do post teremos a receita de como preparar esse prato). Esse é um prato que já contamos sua história no blog e que pode ser considerado um pouco repulsivo para o paladar brasileiro por ser uma carne crua picada na faca e temperada, mas acredito que todos devem deixar o preconceito de lado e provar essa delícia.

Plat Principal

A prata da casa estava reservada para esse momento. Dois pratos mais franceses imperdíveis: Magret de Canard e o Cassoulet.

IMG_20171031_141202785.jpg

O magret de canard é o peito de pato selado na frigideira. Na boca lembra bastante o sabor de uma picanha na brasa, mas o do Ici estava divino! Poucas foram as vezes na minha vida que comi algo tão gostoso. Ele foi servido com molho à base de Foie Gras e um purê de batatas com manteiga trufada!

IMG_20171031_141147256.jpg

O segundo prato foi outro clássico francês: o cassoulet. Em suma o cassoulet é uma feijoada com feijão branco confitado na gordura de pato. Embora as receitas divirjam um pouco, de um modo geral ele é feito com coxa de pato (confit de canard), costela de porco desfiada e linguiça calabresa.

IMG_20171031_141306768.jpg

A história desse prato é muito bacana. Há uma lenda que tem certa comprovação técnica desde o século XVI, que diz que durante a chamada guerra dos cem anos (1337 – 1453), entre França e Inglaterra, durante um cerco feito pelos ingleses, na cidade de Castelnaudary (Região do Languedoc, sudoeste da França, cidade esta que estava assolada pela fome devido à guerra, as “mamas” locais, prepararam, um tal cozido que levava carnes de porco, linguiças, bacon, ervas e feijão, que tinha o preparo em cozimento muito lento em uma caçarola de barro chamada Cassoulet, que desde então deu nome ao prato.

250px-Languedoc-Roussillon_in_France.svg

Após a substanciosa refeição, os Franceses bem nutridos, venceram a batalha e expulsaram os Ingleses da região. Na minha humilde opinião esse prato é gostoso porém o seu sabor é mais simples quando comparado com o magret de canard que ofuscou a beleza desse prato!

Dessert

Entre as sobremesas tivemos mais dois clássicos franceses: a tarte de mille-feuilles e o crème-brûlée.

IMG_20171031_150614512.jpg

IMG_20171031_150629400.jpg

IMG-20171031-WA0051.jpg

Torta Opera

Essa daqui é para agradar os fãs do masterchef. Quem acompanhou a primeira temporada do profissionais com certeza vai se lembrar da lendária prova de eliminação em que os competidores tiveram de fazer uma torta dessas em duas horas e meia.

OPERA_DALLOYAU_E_VERSAILLES_04_FIM.jpg

Para quem não lembra do episódio eu vou colocar o link do youtube abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=gQnx8HLGfTw&t=1497s

Pois bem, essa é um clássico da pâtisserie francesa e, infelizmente, não tinha no Ici bistrô. Mas fomos na Dama Confeitaria e pudemos conferir essa maravilha. Harmonizou muito bem com um vinho do porto. Vinho Ceremony Tawny Porto.

IMG_20171115_154654056_HDR.jpg

IMG_20171115_154531098_HDR.jpg

IMG_20171115_154550688.jpg

IMG_20171115_154605055.jpg

IMG_20171115_154709645.jpg

IMG_20171115_154749262_HDR.jpg

Receita de Steak Tartare

Bem, conforme o prometido, ao fim desse post ensinaremos uma receita simples e fácil de um clássico francês famoso em qualquer bistrô da França. Basicamente o steak tartare é uma carne crua magra (normalmente de filet mignon ou alcatra) picada em cubos minúsculos e temperada. Comecemos com duas gemas de ovos caipira:

IMG_20170630_222919298.jpg

IMG_20170630_223318659.jpg

Depois vamos temperar com pimenta do reino e sal:

IMG_20170630_223341626.jpg

Molho inglês:

IMG_20170630_223504124.jpg

Molho de pimenta:

IMG_20170630_223617562.jpg

Uma colher de sopa de mostarda:

IMG_20170630_223812766.jpg

IMG_20170630_223912809.jpg

Uma colher de ketchup:

IMG_20170630_224342940.jpg

Misturar e bater tudo com azeite no fouet acrescentando aos poucos e batendo de forma a transformar o molho quase que numa maionese.

IMG_20170630_224514077.jpg

IMG_20170630_224637895.jpg

IMG_20170630_224809924.jpg

Agora vamos pegar uma cebola pequena e vamos picá-la bastante.

IMG_20170630_225142313.jpg

IMG_20170630_225847100.jpg

Vamos também picar bastante com uma faca afiada as alcaparras

IMG_20170630_230017860.jpg

Vamos também picar uma ciboulete ou uma cebolinha bem picadinha:

IMG_20170630_230511030.jpg

IMG_20170630_230722342.jpg

Vamos pegar agora cerca de 300g de carne (alcatra ou filet mignon) e vamos picá-la até ficar quase granulada:

IMG_20170630_231037502.jpg

IMG_20170630_232025982.jpg

Agora vamos misturar bem a carne com o molho que fizemos:

IMG_20170630_232255572.jpg

IMG_20170630_232616422.jpg

E vamos usar uma forminha já untada com azeite para empratar e servir com batatas fritas como acompanhamento:

IMG_20170630_232718606.jpg

IMG_20170630_233153803.jpg

Como acompanhamento para essa comida cai muito bem um pinot noir. Escolhi um com excelente custo benefício que já foi citado várias vezes aqui no blog: Ventisquero Pinot Noir Reserva 2015.

IMG_20170630_203717190.jpg

IMG_20170630_233330355.jpg

Conclusão

É realmente uma pena que a culinária francesa seja tão cara aqui no Brasil, mas recomendo experimentar pelo menos uma vez na vida a título de conhecimento. Acredito que vale cada centavo.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Tempranillo Espanhol, Malbec Argentino, Churrasco e afins

“Um homem nobre nunca odeia um bom vinho: é um preceito monarcal.” François Rabelais

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, assim como tivemos um post anterior no blog que foi um mix de vinhos, cervejas e uísques (link), hoje o nosso post também será um mix de dois encontros que participei mas com ênfase principalmente nos vinhos da espanha e da sua uva mais famosa: tempranilho.

Cervejas

Comecemos falando sobre grandes cervejas como é costume do nosso blog. Inicialmente temos três cervejas polonesas.

IMG_20170514_133957105.jpg

IMG_20170514_134008165_HDR.jpg

IMG_20170514_134150632.jpg

Uma boa cerveja de trigo com leve corpo e levemente aromática.

IMG_20170514_171211056.jpg

IMG_20170514_171221367.jpg

IMG_20170514_171850745.jpg

Outra cerveja de trigo com menos corpo que a anterior porém com boa formação de espuma e bom drinkability.

IMG_20170519_204824082.jpg

IMG_20170519_204834923.jpg

IMG_20170519_204959922.jpg

Essa é uma cerveja pilsen sem muitas características próprias. Mas valeu pelo conhecimento!

IMG_20170514_244039638.jpg

IMG_20170514_244441569.jpg

Essa é uma weizen alemã muito gostosa. Cerveja artesanal de trigo alemã rica em aromas com leve toque de banana e cravo, notas de baunilha e suave perfil cítrico, que remete a limão. Apresenta cor alaranjada clara, líquido levemente turvo não filtrado, corpo médio e espuma abundante. Uma cerveja de trigo muito saborosa, extremamente refrescante e de sutil amargor, mas que poderia ter um pouco mais de corpo e turbidez.

IMG_20170527_235936705.jpg

IMG_20170527_235949998 (1).jpg

IMG_20170528_240001304.jpg

IMG_20170528_240050909.jpg

IMG_20170528_240203968.jpg

Essa witbier foi muito requisitada para o blog e confesso que ela só perde para a St. Bernardus Wit (link). Muito aromática e presença da semente de coentro e da casca de laranja. Também é refermentada na garrafa por várias semanas para arredondar seu sabor. O único ponto negativo foi a acidez um pouco mais forte para o padrão de uma wit.

Primeiro Encontro

O primeiro encontro foi o churrasco de dia das mães em que tivemos alguns vinhos da uva malbec e um grande tempranillo espanhol. Ambos harmonizaram muito bem com uma costelinha de porco, picanha, maminha, queijo coalho e asinha de frango.

IMG_20170514_140352416.jpg

IMG_20170514_140403251.jpg

IMG_20170514_140558015.jpg

Conforme tenho batido na tecla desde o início do blog, o vinho que mais harmoniza com um bom churrasco é o malbec argentino (link), e esse exemplar é um exemplo de um vinho de ótimo custo benefício. Tinto elegante, apresenta aromas de frutas maduras como cerejas, ameixas e amoras, taninos maduros e final de boca persistente. É produzido em Lunlunta, Luján de Cuyo, região de maior expressão da uva malbec, na Argentina. Seus vinhedos tem mais de 50 anos, proporcionando mais estrutura e sabor.

IMG_20170514_151213223.jpg

IMG_20170514_151220114_HDR.jpg

IMG_20170514_151955504_HDR.jpg

Esse é o exemplo do “bom e barato”. Vinho de R$ 30 que agrada muito bem o paladar.

IMG_20170514_142903663.jpg

IMG_20170514_142910602.jpg

IMG_20170514_144336378.jpg

IMG_20170514_144349735.jpg

IMG_20170514_144611092_HDR.jpg

Esse é um dos grandes exemplos de como a uva malbec na Argentina se destaca. A denominação gran reserva por si já diz tudo (link). Um vinho muito bem feito e com uvas selecionadas por um ótimo preço (R$ 70). Apresenta aromas de framboesa, ameixa e cereja negra, notas de baunilha, café, chocolate e um toque amadeirado. Tinto fresco, com médio corpo e taninos presentes. Elaborado com uvas selecionadas e colhidas à mão, esse Gran Reserva, traz a expressão da uva Malbec cultivada em Agrelo, Luján de Cuyo.

Tempranillo Espanhol

Desde o início do blog temos visto que cada país possui uma ou algumas uvas símbolo que se apresentam como sua assinatura vínica. No Chile temos a Cabernet-Sauvignon (link) e a Carmenère (link). Na Argentina temos a Malbec (link), nos EUA temos a Zinfandel (link) e na Espanha temos a uva tempranillo.

thumb4_tempranillo1.jpg

961ec28d6c31821f70863a2d979a2e76--wine-varietals-wine-rooms.jpg
Fonte: http://www.pinterest.com

Tempranillo-thumbnail.jpg

Os vinhos produzidos com essa uva possuem aromas muito frutados de frutas negras como cereja, mirtilo, morango e ameixas. E aromas secundários e terciários de chocolate, tabaco, baunilha, pão, cereais e couro. É com essa uva que se obtém vinhos lendários e extremamente caros como o Vega Sicília já apresentado anteriormente no blog (link).

img_s_25925.jpg

E hoje iremos escolher um clássico espanhol: Finca Constancia Parcela 23 Tempranillo 2013, da bodega da família Gonzalez Byass.

IMG_20170514_160039912.jpg

IMG_20170514_160922672_HDR.jpg

Vinho possuidor de um paladar fresco, com bom corpo, taninos macios e toque de especiarias também possui nuances de frutas. Valeu a aquisição!!

Segundo encontro

Durante uma visita aos amigos Nelson e Ana tivemos a oportunidade de degustar bons uísques com petiscos e, novamente, um bom tempranillo espanhol.

IMG_20170708_170152547 (1).jpg

Chivas é um scotch que dispensa apresentações, e ainda mais um de 18 anos!!

IMG_20170708_171451961.jpg

Whisky Singleton 12 Anos Of Glen Ord, um dos melhores scotch single malt que eu já tive a oportunidade de degustar. Abaixo eu quero deixar um vídeo promocional dele:

https://www.youtube.com/watch?v=QUtuGbY4e5U

IMG_20170708_181852495.jpg

Mais um Bourbon de destaque.

IMG_20170708_172149662.jpg

IMG_20170708_172236688.jpg

Mais um tempranillo com bom custo benefício! Mais um com a qualificação “bom e barato”. Vinho espanhol por R$ 35 que vale a pena.

IMG_20170708_190556809.jpg

IMG_20170708_190709996.jpg

Esse exemplar do Douro já me foi alvo de muitas perguntas pelos leitores do blog. E eu realmente o recomendo. Talvez seja um dos melhores custo benefício dos chamados vinhos “bons e baratos”. Um grande exemplar para o dia-a-dia, chegando a ser premiado! A safra 2013 recebeu a alta pontuação de 90pts pela conceituada revista Wine Spectator. Isso é muito de se esperar de um vinho de R$ 35.

IMG_20170708_170156989.jpg

Tudo isso harmonizou muito bem com um bom salame espanhol e nuts (pistache, amendoim, amêndoas, etc).

IMG_20170708_170516956.jpg

Tivemos também um maravilhoso pão de azeitonas com um delicioso azeite italiano feito com trufas brancas!

IMG_20170708_170942714.jpg

E um com trufas negras!

Conclusão

Acho que o ponto chave desse post é que o vinho não precisa ser caro para ser bom. Ele também serviu para atender a pedidos sobre vinhos bons e baratos na faixa de R$ 30.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Teste cego de Bordeaux Chileno Versus Grand Vin de Bordeaux

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170527_201241667.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post bem diferente do que estamos habituados aqui no blog pois ele será o cumprimento de uma promessa feita desde o nosso primeiro post (link). Desde o começo temos falado que vinhos chilenos e argentinos possuem a mesma qualidade que os europeus mas ainda não fizemos nenhuma comprovação prática no blog salvo no último post (link). Hoje iremos comparar na prática um vinho premiado do chile com outro premiado de Bordeaux (região produtora de vinhos mais famosa do mundo).

Teste Cego

Aqui no blog já tivemos a oportunidade de falarmos sobre teste cego inclusive daquele que foi o mais famoso já feito: O Julgamento de Paris de 1976 (link). Nesse ano pela primeira vez vinhos americanos desbancaram vinhos franceses que até então eram cridos serem imbatíveis.

Paris_tasting_judges.jpg
Julgamento de Paris de 1976

o-julgamento-de-paris.jpg

Recentemente, Eduardo Chadwick decidiu provar que seus vinhos de aproximadamente R$500 eram melhores do que renomados franceses de até mesmo R$17.400 como o Château Lafite-Rothschild 2000 e promoveu vários testes cegos com diversos especialistas.

1003931x.jpg

E o resultado foi como ele esperava: seus vinhos eram melhores do que os franceses e os italianos. Se alguém quiser saber mais detalhadamente sobre esse evento basta clicar no link abaixo:

http://vinho.ig.com.br/index.php/2013/07/05/chadwick-o-chileno-que-desafia-e-ganha-dos-franceses/

O canal Vox do youtube também fez um vídeo mostrando que é idiotice pensar que um vinho muito caro é necessariamente melhor do que um mais barato. É lógico que um vinho de qualidade não é tão barato, mas é uma ilusão achar que porque ele é muito caro ele é muito melhor. Confiram o link:

https://www.youtube.com/watch?v=mVKuCbjFfIY&feature=share

Vinhos de escolha

Mas para se realizar um teste adequado é necessário comparar semelhantes. Não se compara banana com abacaxi. Devido à diferença de moeda é possível comprar um vinho muito top chileno por cerca de R$100-150, mas um da mesma qualidade europeu (Francês ou Italiano) não sai por menos de R$200. Outro ponto importante é compararmos vinhos de uvas e/ou blends semelhantes. Bordeaux praticamente só produz assemblages (vinhos com mais de uma uva diferentes, normalmente Cabernet-Sauvignon, Merlot e Cabernet-Franc) enquanto que vinhos do Chile e os do Novo Mundo em geral são feitos quase sempre com uma única uva.

Montes Alpha Cabernet-Sauvignon 2011

IMG_20170527_195732103.jpg

IMG_20170527_195742951.jpg

Do lado chileno temos uma lenda que é um verdadeiro clássico da América do Sul. O Montes Alpha foi o primeiro grande tinto chileno, inspirado nos melhores vinhos de Bordeaux. Foi eleito o “melhor Bordeaux chileno” pela revista Decanter, e equivale em qualidade a um “cru bourgeois” de preço três ou quatro vezes maior! Concentrado e refinado, com muita estrutura, camadas e mais camadas de fruta madura e um elegante final de boca. Um vinho excelente, de imbatível relação qualidade/preço. Esse foi o vinho recomendado pelo sommelier Gérson num post anterior do Blog (link). Apesar de possuir o nome Cabernet-Sauvignon ele é um blend com outras uvas como a Merlot. Custa em média R$120-150.

Château Villa Bel Air 2010

IMG_20170527_195639537.jpg

IMG_20170527_195655334.jpg

Do lado Francês temos outra lenda que é considerado como um dos maiores representantes dos vinhos de Bordeaux. Um vinho realmente apetitoso na opinião de Jancis Robinson e um livro texto da região de Graves nas palavras de Robert Parker, o Château Villa Bel-Air é um Bordeaux cheio de personalidade, combinando as castas Cabernet Sauvignon (40%), Merlot (50%) e Cabernet Franc (10%) de vinhedos plantados nos famosos solos da região, repletos de pedregulhos. Elaborado com maestria pela família Cazes, do famoso Château Lynch Bages, é um grande achado de Bordeaux. Uma garrafa padrão de 750ml dele corresponde a aproximadamente R$230-260. Por sorte consegui comprar uma meia garrafa numa promoção.

O embate

IMG_20170527_201241667

Durante o teste cego os participantes tiveram opiniões bem semelhantes. Os dois vinhos possuem boa estrutura e apresentam alto grau de qualidade, mas o da esquerda (taça maior e mais alongada) se mostrou bem superior no quesito aromas e retrogosto. Esse é realmente um vinho muito aromático e agradável ao nariz; na boca eles são bem semelhantes mas o retrogosto do da esquerda é também muito superior e agradável. O fim dele é longo, muito persistente e saboroso. Enquanto que o da direita possui um final seco, levemente amargo e desagradável. Devido a essas características, o da esquerda foi escolhido por unanimidade como o melhor vinho. O resultado é o que se segue:

IMG_20170527_203037226.jpg

Ou seja, o Chileno se saiu como vitorioso para minha surpresa, pois eu pensei que o melhor era o Francês!! Isso apenas confirma o que foi dito no post anterior (link): é no Chile que a Cabernet-Sauvignon encontra sua expressão máxima!!

Harmonização

Os vinhos do tipo Bordeaux harmonizam muito bem com um bom pernil de cordeiro (gigot d’agneau) mas, infelizmente dessa vez eu não acertei a mão da receita e prometo que eu refá-la-ei em breve aqui no blog. Por enquanto deixo as fotos da tentativa:

IMG_20170527_185232014.jpg

IMG_20170527_204541344.jpg

Conclusão

Conseguimos comprovar o que venho dizendo desde o começo do blog: um vinho não é melhor do que outro necessariamente por ser mais caro ou por ser de um lugar muito consagrado como Bordeaux ou Bourgogne. Mas ao mesmo tempo quero frisar aqui que não é meu objetivo afirmar que os vinhos franceses são inferiores aos chilenos ou a qualquer outro, mas encorajar a todos que provem e aproveitem todos os tipos de vinhos, franceses ou não. Em breve espero estar trazendo mais vinhos franceses aqui no blog. Abraços e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Camarão à Húngara, cerveja Deus e a champenoise brasileira Wäls

“Onde o bom vinho falta, encurta o espaço para o amor” (João Alberto Catalão)

IMG_20170429_183007362.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje teremos um post que sairá um pouco do modelo ortodoxo já visto desde então. Sabemos que o foco do blog é em vinhos, mas hoje teremos um post levemente diferente: vamos falar sobre cervejas champenoises. Teremos uma exemplar belga produzida em champagne e uma brasileira da cervejaria Wäls. Para acompanhar essas maravilhas vamos fazer uma receita deliciosa: camarão à húngara.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é eleita a melhor cerveja escura do tipo stout do mundo: a guiness.

IMG_20170413_200859881.jpg

IMG_20170413_200937868.jpg

IMG_20170413_201449225.jpg

A Guinness Draught é a cerveja stout mais consumida do mundo. É uma cerveja especial de cor negra e uma excepcional espuma densa e cremosa, que persiste durante toda experiência da degustação. Aromas e sabores de café e chocolate amargo bastante presente a tornam uma cerveja irlandesa referência do estilo stout.

IMG_20170428_201016798.jpg

IMG_20170428_201024288.jpg

IMG_20170428_201414262.jpg

IMG_20170428_201805788

A segunda é uma brasileira muito especial. A cervejaria coruja é um exemplo de qualidade não apenas no Brasil mas no mundo todo. E esse exemplar de trigo é levemente diferente das tradicionais weizen por conter maltes defumados e um leve toque de pimenta do reino. Vale a pena experimentar.

Cervejas champagne

Afinal, é um champagne ou uma cerveja? Garrafa típica de espumante, remuage, segunda fermentação em garrafa, estágio em caves francesas, perlage etc. Assim são as características dessas bebidas. A história das cervejas Champenoise começa com a lendária DeuS, produzida pela cervejaria Bosteels – fundada em 1791, na cidade de Buggenhout, na Bélgica. A DeuS é produzida na Bélgica e depois transferida para a França (Epernay), onde passa pelo processo Champenoise, fazendo uma segunda fermentação na garrafa, passando meses em caves dos melhores espumantes franceses.

deus_cerveja4.jpg

Na mesma linha vêm as cervejas Malheur. A história cervejeira da família Malheur iniciou-se em 1839 e a cervejaria, que também fica em Buggenhout, foi construída em 1997, num prédio do século XVI onde funcionava outra cervejaria.

1290_MalheurBrut_1277923595.jpg

As cervejas Malheur são todas Ales (alta fermentação), vivas e refermentadas na garrafa onde os fermentos continuam vivos após o engarrafamento, possibilitando que seus sabores evoluam com o tempo. Além disso, são produzidas utilizando-se flores de lúpulo in natura. Foi o mestre-cervejeiro da Malheur, Luc Verhaeghen, quem desenvolveu em 2001 essa técnica a partir de várias visitas à região de Champagne, onde estudou os métodos de produção e, principalmente, de condicionamento de garrafas lá utilizados. Inicialmente, suas tentativas foram recebidas com ceticismo, mas, depois, receberam uma grande ajuda do Epernay Oenologique Institut, que forneceu o fermento e viabilizou a aquisição dos grandes pallets giratórios que completam trinta e seis movimentos em sete dias. Mas sem sombra de dúvida foi a DeuS quem conseguiu popularizar o estilo no mundo todo inclusive recebendo diversos prêmios:

  • Medalha de prata na World Beer Cup nos Estados Unidos em 2002
  • Prêmio de “Beer of the Year” nos Estados Unidos em 2003 pela Malt Advocate Magazine
  • Prêmio de “Best of New Beer” nos Estados Unidos em 2003 pela Celebrator Magazine
  • Prêmio de “Biere d innovation de l annee “ na França em 2003 pela Bière Magasine
  • Medalha de Prata na Brewing Industry International Awards em Londres em 2004

Essa Belgian Strong Ale passa pelo método champenoise, ganhando uma similaridade com o champagne. A cerveja Deus tem um gosto leve, mas que esconde seu nível elevado de graduação alcoólica: 11,5%. Aroma complexo, com maçã, hortelã, gengibre, malte, lúpulo e cravo-da-índia. Sabor refrescante com final seco e adstringente. E hoje nós estamos tendo a oportunidade de degustá-la aqui no nosso blog graças à minha esposa Aline que me deu uma de presente de aniversário. Infelizmente essa é uma bebida que não é possível tomarmos com frequência devido ao seu alto preço (custa o mesmo que uma garrafa de champagne no Brasil R$250-300).

IMG_20170429_162303497

IMG_20170429_162311476

IMG_20170429_162333296.jpg

IMG_20170429_162348873.jpg

IMG_20170429_183203319.jpg

Também iremos degustar aqui uma champenoise brasileira que eu pude comprar na minha última viagem à Belo Horizonte quando visitei a melhor cervejaria do país: a Wäls.

IMG_20170429_162448454.jpg

IMG_20170429_162454926.jpg

IMG_20170429_162519893.jpg

Harmonização

Não podemos degustar bebidas de peso sem um prato à altura, logo nossa escolha será pelo famoso camarão à Húngara. Para começar a fazê-lo, tomemos cerca de 1kg de camarão:

IMG_20170429_164149222.jpg

E vamos temperá-los com o sumo de 2 limões:

IMG_20170429_164233892.jpg

2 colheres de sopa de páprica doce e 1 de páprica picante (cuidado pois ela é muito apimentada)

IMG_20170429_164650318.jpg

IMG_20170429_164656834.jpg

IMG_20170429_164854842.jpg

Azeite, pimenta do reino branca e sal a gosto:

IMG_20170429_164937340.jpg

IMG_20170429_165027029.jpg

IMG_20170429_165429362.jpg

Depois deixamos o camarão descansar por cerca de meia hora:

IMG_20170429_165744513.jpg

Enquanto isso vamos cozinhar as batatas. Tomemos 1kg de batata Asterix:

IMG_20170429_170545922.jpg

Vamos descascá-las e cortá-las em rodelas:

IMG_20170429_171650233.jpg

Vamos colocar água e sal em uma panela e aguardar o momento de fervura. Após ele começar a acontecer vamos colocar as batatas e cozê-las de forma que elas apenas fiquem levemente cozidas (10 minutos) para que elas não se desfaçam.

IMG_20170429_170221862.jpg

IMG_20170429_171758984.jpg

Depois iremos secá-las e separá-las:

IMG_20170429_172841863.jpg

Passemos então os camarões para a frigideira com manteiga, azeite e alho:

IMG_20170429_173237071.jpg

IMG_20170429_173606329.jpg

IMG_20170429_173730032.jpg

É interessante não cozinhá-los por muito tempo, a idéia é só selá-los já que depois irão ao forno.

IMG_20170429_173854660.jpg

Depois da selagem, vamos acrescentar cerca de 2 colheres de farinha de trigo:

IMG_20170429_174138077.jpg

IMG_20170429_174249792.jpg

IMG_20170429_174546329.jpg

Adicionamos 800g de creme de leite:

IMG_20170429_174627122.jpg

IMG_20170429_174923702.jpg

IMG_20170429_175252010.jpg

Por fim vamos acrescentar o açafrão:

IMG_20170429_175356181.jpg

IMG_20170429_175611612.jpg

E as batatas:

IMG_20170429_175715402.jpg

IMG_20170429_175805366.jpg

Depois colocaremos numa tigela refratária para levarmos ao forno a 200 graus Celsius:

IMG_20170429_180314999.jpg

Um pouco mais de páprica antes:

IMG_20170429_180509241.jpg

O tempo de cozimento leva cerca de 30 minutos. Enquanto isso faremos o arroz na panela de pressão elétrica:

IMG_20170429_181638939.jpg

Usaremos dois copinhos cheios de arroz:

IMG_20170429_181748012.jpg

Vamos refogar azeite, alho e cebola picada junto com o arroz:

IMG_20170429_181542378.jpg

Após vamos acrescentar cerca de 3 copinhos de água, um sachê de sazon e cozinharemos na pressão por cerca de 12 minutos.

IMG_20170429_181910215.jpg

IMG_20170429_181922276.jpg

IMG_20170429_182044379.jpg

IMG_20170429_182058003.jpg

IMG_20170429_184157008.jpg

Logo após a comida estará pronta para a degustação:

IMG_20170429_183007362

IMG_20170429_183455843.jpg

IMG_20170429_185249590.jpg

IMG_20170429_185445892.jpg

IMG_20170429_191638370.jpg

IMG_20170429_202926369.jpg

IMG_20170429_203341156.jpg

Degustamos também uma cerveja dinamarquesa espetacular: Hertog Jan Tripel. Ela possui uma das garrafas mais bonitas que eu já vi numa cerveja: ela é feita toda de cerâmica.

IMG_20170429_194838294.jpg

IMG_20170429_195226789.jpg

IMG_20170429_195230232.jpg

IMG_20170429_195409134.jpg

IMG_20170429_221458844.jpg

Conclusão

A noite foi maravilhosa com uma excelente companhia: Aline. Sobre as cervejas a nota é 10. Sei que é muito caro comprar uma DeuS aqui no Brasil, mas ela é do tipo que necessita ser degustada ao menos uma vez na vida. Obrigado pelo presente de aniversário querida.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Vinhos do Líbano, Comida árabe e o pinotage da África do Sul

“A melhor maneira de introduzir amigos ao mundo do vinho é abrir garrafas melhores do que eles estão acostumados, mas só falar de suas virtudes caso lhe seja perguntado.” (Jancis Robinson)

IMG_20170408_133554954_HDR.jpg

Introdução

Olá amigos, hoje o nosso post nos remeterá ao início da cultura vinícola do mundo: o Líbano. Teremos alguns vinhos de diferentes regiões do mundo também como a África do Sul, a Itália, a Argentina, etc. Este é o terceiro encontro da Confraria Távola Di Amici (amigos e familiares), caso alguém queira conferir o segundo encontro, basta clicar aqui.

Cervejas

Como é de costume no nosso blog, antes de falarmos sobre o evento e os vinhos do post, faremos um breve review de algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma excelente cerveja de trigo russa: a Baltika número 8. Ela é produzida na cidade histórica de São Petersburgo.

IMG_20170401_213801126.jpg

IMG_20170401_213814508.jpg

IMG_20170401_213918244.jpg

IMG_20170401_214259107.jpg

Apresenta espuma densa e generosa, suave aroma frutado com toques picantes e suave adocicado.

IMG_20170407_214457972.jpg

IMG_20170407_214520543.jpg

IMG_20170407_214925676.jpg

Essa segunda eu me arrisco a dizer que é a cerveja mais icônica do mundo, pois foi a receita que originou todas as outras cervejas do tipo Pilsen do mundo. Para quem gosta de cerveja, o conhecimento desta é obrigatório. Possui um amargor bem característico e lembra de longe a cerveja Heineken.

IMG_20170407_223000565

IMG_20170407_223013777

IMG_20170407_223633274

Embora já tenha comentado sobre a weihenstephaner num post anterior e sobre a sua importância por ser a cervejaria mais antiga do mundo ainda em atividade, hoje eu trago a cerveja que recebe mais títulos no mundo como a melhor em seu estilo weizenbock: a Vitus. Vale a pena conferir.

Início do evento

Amigos, hoje estamos na casa do Daniel e da Cláudia, a qual, por ser descendente de Libaneses fez um banquete árabe maravilhoso:

IMG_20170408_133544780_HDR

Kibe com coalhada, homus, etc.

IMG_20170408_133554954_HDR

IMG_20170408_133615289

IMG_20170408_140838333_HDR

IMG-20170408-WA0003.jpg

A Cláudia também possui um blog muito legal chamado moda no trabalho. Vou deixar o link para ele aqui:

http://modanotrabalho.com.br/

Para acompanhar essas delícias temos uma seleção de peso de vinhos:

IMG-20170408-WA0002

IMG_20170408_132949714

Como o evento é temático, trouxemos alguns vinhos do Líbano. Apesar de serem pouco conhecidos mundialmente, eles possuem grande qualidade e seguem a linha francesa desde que algumas das vinícolas famosas foram plantadas por monges franceses. O Líbano possui três grandes casas produtoras de vinho: o Chateau Musar, o Chateau Ksara e o Chateau Kefraya.

IMG_20170408_120132630

IMG_20170408_120150088

IMG_20170408_133046796

IMG_20170408_133056655

IMG_20170408_133010402_HDR

IMG_20170408_133015636

IMG_20170408_160240557

Além dos vinhos do Líbano temos alguns bons exemplos como um bom Pinotage da África do Sul. Quem nunca tomou um vinho dessa uva com certeza vai perceber a diferença deles para os outros na primeira degustação. A variedade Pinotage foi criada em 1925, por Abraham Izak Perold (1880 – 1941), sul-africano descente de franceses, PhD em química, e fluente em 8 idiomas. O nome deriva da uva Pinot Noir mais a uva Cinsault (que quando chegou a África do Sul recebeu o nome de Hermitage). É uma uva singular porque combina com quase tudo, vale a pena experimentar.

pinotage
https://capreo.com
aromas-in-pinotage.jpg
https://winefolly.com

IMG_20170408_120215985_HDR.jpg

IMG_20170408_120220314.jpg

IMG_20170408_120233541.jpg

Um dos amigos escolheu um vinho rosé francês do mediterrâneo 100% grenache:

IMG_20170408_134619691.jpg

IMG_20170408_134628491.jpg

E um Rosé Italiano do tipo Pinot Grigio:

IMG_20170408_134703559.jpg

IMG_20170408_134720304.jpg

E finalmente tivemos também um dos Malbec mais conhecidos no mundo: o Norton.

IMG_20170408_140539896_HDR.jpg

IMG_20170408_140543956.jpg

IMG_20170408_140552403.jpg

Para começar nossa degustação iniciaremos com um grande clássico do mundo dos vinhos como já falei anteriormente que essa é minha uva branca favorita: Pinot Grigio.

IMG_20170408_132934898_HDR.jpg

Um detalhe para a toalha da mesa que também possui origem libanesa:

IMG_20170408_133233261.jpg

IMG_20170408_133902253.jpg

IMG_20170408_141142686.jpg

Comecemos então com esse Francês bem fresco e levemente adocicado.

IMG_20170408_141436863.jpg

Mas nem se comparou com esse tinto do Líbano: um espetáculo de vinho. A sensação que eu tive era que eu estava tomando um Grand Vin de Bordeaux. Se me colocassem uma venda nos olhos com certeza diria que era um legítimo Bordeaux. Nota 10.

IMG_20170408_141445021.jpg

Depois seguimos também com o outro tinto do Líbano. Também é um grande vinho porém com uma qualidade um pouco menor do que o anterior!

IMG_20170408_142953980.jpg

Provamos o Norton também:

IMG_20170408_150628443.jpg

Já o Pinotage também ganhou posição de destaque nessa festa, um grande vinho!!!

IMG_20170408_151449243.jpg

Mais uma vez o Líbano ganhou meu respeito como produtor de vinhos. Tomar vinhos de lá é como tomar vinhos franceses!!

IMG_20170408_160506859.jpg

E por último temos o italiano rosé muito suave e agradável:

IMG_20170408_172027628.jpg

IMG_20170408_165646658.jpg

Provamos também uma vodca polonesa maravilhosa que o Daniel trouxe da sua última viagem à Polônia:

IMG_20170408_160057279.jpg

IMG_20170408_161529329.jpg

IMG-20170408-WA0013.jpg

IMG-20170422-WA0010

Dessert

Após os pratos maravilhosos temos ainda doces genuinamente árabes:

IMG_20170408_145611527.jpg

Conclusão

Daniel, Cláudia, familiares e amigos da Confraria, foi um prazer muito grande esses momentos com vocês! E para nossos queridos leitores recomendo com empenho os vinhos do Líbano e o Pinotage da África do Sul, sem esquecer dos outros vinhos mostrados no post. Grande abraço a todos e fiquem com Deus.

Conheça todos os posts do blog através desse link

Coquilles-saint-jacques, estrela francesa e um bom vinho chileno

“Diz-se «in vino veritas», mas diz-se também que a verdade está no fundo de um poço; logo é um poço cheio de vinho.” Raymond-Claude-Ferdinand Aron

bravo-bistro.jpg

Introdução

Amigos, hoje o post será breve, pois falaremos rapidamente sobre uma das maiores iguarias francesas e uma das coisas mais gostosas que já comi na vida: o coquilles-saint-jacques.

Cervejas

Antes de falarmos sobre o prato principal, vamos falar sobre algumas excelentes cervejas. A primeira delas é uma witbier muito saborosa: a Hoegaarden.

IMG_20170310_211419431.jpg

IMG_20170310_211621350.jpg

A semente de coentro e a casca de laranja encontram-se muito bem harmonizados nessa cerveja, quem não provou vale a pena provar.

IMG_20170311_222352882.jpg

IMG_20170311_222811019.jpg

Essa segunda weissbier é bastante famosa por ser produzida pela cervejaria mais antiga do mundo que ainda encontra-se em atividade: a Weihenstephaner. Weihenstephan é uma cervejaria e uma marca de cerveja da região alemã da Baviera. É considerada a cerveja mais antiga do mundo (artesanal ou industrial), sendo vendida desde 1040 e fabricada desde os anos 800.

IMG_20170311_224250264.jpg

IMG_20170311_224501192.jpg

Essa terceira é bastante diferente das outras e confesso que não foi muito de meu apreço. Acredito que eles erraram na mão na quantidade de casca de laranja que ela possui. Mas não deixa de ser uma boa cerveja.

Coquilles-saint-jacques

No Brasil esse molusco é muito raro de se encontrar até mesmo em casas mais especializadas. Aqui ele é vendido com o nome de vieira:

coquille.jpg
Coquilles Saint Jacques, em peixaria. Foto de David Jones no Flickr

coquilles-saint-jacques-a-la-dieppoise.jpeg

Ele é um prato famosíssimo na França principalmente no inverno.

Bravo Bistrô

Amigos, quero deixar aqui registrado uma excelente opção de bistrô em São Paulo. Confesso que me surpreendi muito positivamente com o lugar. Bem aconchegante e com excelente atendimento. Fica localizado na Mooca.

11855636_861966500564233_4064413322919759356_n.jpg

Abaixo segue-se o link para o site deles:

http://bravobistro.com.br/

Como escolha de vinho para acompanhar as vieiras escolheremos um clássico: Brisa Chardonnay Vistamar.

IMG_20170325_205503696.jpg

IMG-20170518-WA0028.jpg

E para acompanhar uma boa massa de frutos do mar vamos de um rosé italiano bem fresco:

IMG_20170325_205839215.jpg

IMG_20170325_205920127.jpg

Para entrada escolhemos umas bruschettas deliciosas:

IMG_20170325_213341296.jpg

IMG_20170325_213436436.jpg

E como prato principal escolhi as vieiras:

IMG_20170325_204741497.jpg

bravo-bistro

IMG_20170325_215605679.jpg

Minha esposa escolheu o Tagliatelli ao Frutos do Mar

IMG-20170325-WA0093.jpg

IMG-20170325-WA0111

Conclusão

Com certeza esse foi um dos pratos mais gostosos que eu já comi na vida. Recomendo com empenho o bistrô!!

Conheça todos os posts do blog através desse link

Culinária Mineira com a melhor cachaça do mundo e com uma boa cerveja e vinho mineiros

“Uma taça de vinho vale mais que todas as riquezas da terra.” Gustav Mahler

IMG_20170203_133815824.jpg

Introdução

Amigos, conforme venho falando desde o princípio, o maior orgulho do nosso blog é o fato de falarmos não apenas de regiões famosas como Bordeaux ou o Napa Valley, mas vamos também aos confins da terra (gancho esse que irei usar pois estamos em Belo Horizonte e o aeroporto chama-se confins). Falaremos hoje sobre um dos melhores restaurantes de comida típica mineira e também da nossa visita à melhor cervejaria do Brasil: Wäls. Meu objetivo nesse post é mostrar que Minas Gerais não apenas é conhecida pelo seu belo e simpático povo, mas é uma referência em culinária e bebida.

Cervejaria Wäls

É uma alegria grande poder visitar essa que foi eleita a melhor cervejaria do Brasil e está localizada em BH. Abaixo seguem-se fotos:

IMG-20170204-WA0009

IMG_20170203_120305182

IMG_20170203_120411738

IMG_20170203_120448813

IMG_20170203_120716933

IMG_20170203_120737739

IMG_20170203_121034082

IMG-20170204-WA0014

IMG-20170204-WA0015

IMG-20170204-WA0020.jpg

IMG-20170204-WA0024.jpg

IMG-20170204-WA0028.jpg

IMG-20170204-WA0031.jpg

IMG-20170204-WA0032.jpg

IMG-20170204-WA0034.jpg

IMG-20170204-WA0035.jpg

IMG-20170204-WA0040.jpg

E em baixo a foto das cervejas que iremos degustar:

IMG_20170203_121453754.jpg

A Wäls Dubbel recebeu o prêmio de melhor cerveja do mundo na categoria dubbel:

IMG_20170218_165822110.jpg

IMG_20170218_170214849_HDR.jpg

A Wäls petroleum é uma receita que a Wäls comprou da cervejaria Dum, tamanha é sua qualidade:

IMG_20170218_181806190.jpg

Mas talvez a mais icônica de todas seja a Alambique County. Cerveja produzida através de uma parceria entre a Cervejaria Wäls e a Goose Island. Black Trippel com Bananas Passas e Castanha de Baru (típica do cerrado Mineiro) e maturada por 5 meses em barris de carvalho que antes foram utilizados para maturar cachaça mineira.

IMG_20170227_163039396.jpg

IMG_20170227_163053393.jpg

IMG_20170227_163552612.jpg

IMG_20170227_163235621.jpg

IMG_20170227_163415268.jpg

Restaurante Xapuri

Quem visita BH e não visita o restaurante Xapuri não pode dizer que conheceu a culinária verdadeiramente mineira. O restaurante é um espetáculo e bem típico com a comida feita em forno a lenha. Ele fica localizado numa área nobre da cidade: a Pampulha.

IMG_20170203_125340284_HDR.jpg

IMG_20170203_125452331.jpg

IMG-20170204-WA0003.jpg

IMG-20170204-WA0013

IMG-20170204-WA0043.jpg

IMG-20170204-WA0044.jpg

IMG-20170204-WA0050.jpg

De entrada pedimos um torresmo com uma excelente cerveja de trigo mineira que eu tive o prazer de conhecer: Backer. Pedimos também uma dose da lendária Vale Verde 12 anos. A única cachaça capaz de derrotar a Anísio Santiago vista no post anterior. Ela sempre permaneceu incólume e intocável até a chegada da Vale Verde 12 anos. Vale a pena conferir!!!

IMG_20170203_131006206.jpg

IMG_20170203_131017055.jpg

IMG_20170203_131026431.jpg

 IMG_20170203_131035807.jpg

IMG_20170203_131100498.jpg

IMG_20170203_131209009.jpg

IMG_20170203_131546715.jpg

IMG_20170203_131557571.jpg

Como prato principal pedimos uma costelinha de porco com feijão tropeiro e aipim:

IMG_20170203_133354623.jpg

IMG_20170203_133419040.jpg

A minha surpresa maior não foi a alta qualidade da comida, mas descobrir que existem vinhos bons feitos em Minas. É lógico que ainda não dá pra comparar ele com um Bordeaux, mas é muito bom. Vale a pena conferir!

IMG_20170203_133743028.jpg

IMG_20170203_133753306.jpg

IMG_20170203_133815824

Quero deixar abaixo um link para curiosidades sobre esses vinhos de Minas Gerais com reviews feitos por sommeliers famosos. Vale a pena conhecer:

http://www.otempo.com.br/gastro/as-vinhas-de-minas-em-evolu%C3%A7%C3%A3o-1.925416

Tive a oportunidade de tirar uma foto com a cozinheira e proprietária do estabelecimento:

IMG_20170203_134454599.jpg

IMG-20170204-WA0001.jpg

Conclusão

Adorei ter conhecido Minas Gerais, sua culinária, costumes, seu povo e, sobretudo, seus vinhos. Adoro saber que posso tomar vinhos do Brasil e saber que eles possuem qualidade e um futuro de muito sucesso.

Conheça todos os posts do blog através desse link